Reputação Gera Valor para os Acionistas? Uma Análise nas Empresas Brasileiras Outros Idiomas

ID:
46701
Resumo:
Estudos apontam que a partir dos sinais emitidos pela empresa ao mercado se constrói a sua reputação, considerado um recurso estratégico capaz de gerar vantagem competitiva. Nesse contexto, neste estudo teve-se o objetivo geral de investigar a relação entre a reputação corporativa e a criação de valor nas empresas de capital aberto listadas na bolsa brasileira, BM&FBovespa. Para a construção da reputação, foram analisados cinco sinais de reputação corporativa no período de 2010 a 2012, e a criação de valor se refere ao exercício de 2013. Considerando-se a amostra, verificou-se que a reputação corporativa influencia positivamente a criação de valor. Além disso, o endividamento, a idade e o setor de impacto ambiental apresentaram relação com a criação de valor. Portanto, conclui-se que a reputação corporativa é um recurso estratégico gerado por meio de sinais emitidos para o mercado, conforme preceitos da Teoria da Sinalização, os quais, quando percebidos pelos diversos stakeholders, refletem em vantagem competitiva, sendo capazes de influenciar a criação de valor das empresas, de acordo com os pressupostos da Visão Baseada em Recursos.
Citação ABNT:
GÓIS, A. D.; LUCA, M. M. M.; LIMA, G. A. S. F.; VASCONCELOS, A. C. Reputação Gera Valor para os Acionistas? Uma Análise nas Empresas Brasileiras. RACE: Revista de Administração, Contabilidade e Economia, v. 16, n. 2, p. 523-546, 2017.
Citação APA:
Góis, A. D., Luca, M. M. M., Lima, G. A. S. F., & Vasconcelos, A. C. (2017). Reputação Gera Valor para os Acionistas? Uma Análise nas Empresas Brasileiras. RACE: Revista de Administração, Contabilidade e Economia, 16(2), 523-546.
DOI:
http://dx.doi.org/10.18593/race.v16i2.13048
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/46701/reputacao-gera-valor-para-os-acionistas--uma-analise-nas-empresas-brasileiras/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALBANEZ, T. Efeitos do market timing sobre a estrutura de capital de companhias abertas brasileiras. 2012. 257 p. Tese (Doutorado em Controladoria e Contabilidade)-Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

ALMEIDA-SANTOS, P. S. et al. Nível de disclosure verde e a reputação corporativa ambiental das companhias brasileiras de capital aberto. Revista Contemporânea de Contabilidade, v. 9, n. 18, p. 63-82, 2012.

BARNETT, M. L.; JERMIER J. M.; LAFFERTY B. A. Corporate reputation: the definitional landscape. Corporate Reputation Review, v. 9, n. 1, p. 26-38, 2006.

BARNEY, J. B. Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, v. 17, n. 1, p. 99-120, 1991.

BERGH, D. D. et al. New frontiers of the reputation - performance relationship: insghts from multiple theories. Journal of Management, v. 36, n. 3, p. 620-632, 2010.

BERGH, D. D.; GIBBONS, P. The stock market reaction to the hiring of management consultants: a signalling theory approach. Journal of Management Studies, v. 48, n. 3, p. 544-567, 2011.

BOYD, B. K.; BERGH, D. D.; KETCHEN JUNIOR, D. J. Reconsidering the reputation-performance relationship: a resource-based view. Journal of Management, v. 36, n. 3, p. 588-609, 2010.

BRITO, E. Reputação e desempenho: uma análise empírica no setor bancário. Revista Economia & Gestão, v. 5, n. 11, p. 117-142, 2005.

BROOKING, A. Intellectual capital: core asset for the third millennium enterprise. Boston: Thomson Publishing Inc., 1996.

CAIXETA, C. G. F. et al. Reputação corporativa e desempenho econômico-financeiro: um estudo em cinco grandes grupos empresariais brasileiros. Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, v. 1, n. 9, p. 86-109, 2011.

CARDOSO, V. N. D. et al. Reputação corporativa nas empresas brasileiras: uma questão relevante para o desempenho empresarial? Revista Contemporânea de Contabilidade, v. 10, n. 21, p. 115-136, 2013.

CERQUEIRA, J. E. A.; SOARES, T. M.; DAVID, M. V. Novas evidências sobre a relação entre a geração de valor ao acionista e o valor de mercado das ações: uma análise em painel comparando o EVA e o MVA no mercado brasileiro. Pesquisa Operacional para o Desenvolvimento, v. 1, p. 1-19, 2009.

COLLIS, J.; HUSSEY, R. Pesquisa em administração: um guia prático para os alunos de graduação e pós-graduação. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

CRUZ, C. V. O. A.; LIMA, G. A. S. F. Reputação corporativa e nível de disclosure das empresas de capital aberto no Brasil. Revista Universo Contábil, v. 6, n. 1, p. 85-101, 2010.

DAINELLI, F.; BINI, L.; GIUNTA, F. Signaling strategies in annual reports: evidence from the disclosure of performance indicators. Advances in Accounting, incorporating Advances in International Accounting, v. 29, p. 267-277, 2013.

DALMÁCIO, F. Z. et al. Uma análise da relação entre governança corporativa e acurácia das previsões dos analistas do mercado brasileiro. Revista de Administração Mackenzie - RAM, v. 14, n. 5, p. 104-139, 2013.

DAL-SOTO, F.; SANTOS, M. R. Os recursos como fonte de estratégia competitiva: uma evidência empírica da resource-based view. Revista Capital Científico, v. 2, n. 1, p. 47-64, 2004.

DÍEZ, J. M. et al. Intellectual capital and value creation in Spanish firms. Journal of Intellectual Capital, v. 11, n. 3, p. 348-367, 2010.

EHRBAR, A. EVA®: the real key to creating wealth. New York: John Wiley & Sons, 1999.

FOMBRUN, C. List of Lists: a compilation of international corporate reputation rating. Corporate Reputataion Review, v. 10, n. 2, p. 144-153, 2007.

FOMBRUN, C.; SHANLEY, M. What’s in a name?Reputation building and corporate strategy. Academy of Management Journal, v. 33, n. 2, p. 233-258, 1990.

GORGA, E. A cultura brasileira como fator determinante na governança corporativa e no desenvolvimento do mercado de capitais. Revista de Administração USP, v. 39, n. 4, p. 309-326, 2004.

GOTSI, M.; WILSON, A. M. Corporate reputation: seeking a definition. Corporate Communications, v. 6, n. 1, p. 24, 2001.

HALL, A. T. et al. Leader reputation and accountability in organizations: implications for dysfunctional leader behavior. The leadership Quartely, v. 15, p. 515-536, 2004.

HANCOCK, J. N. et al. Meta-analytic review of employee turnover as a predictor of firm performance. Journal of Management, v. 39, n. 3, p. 573-603, 2013.

HOCHWARTER, W. A. et al. Reputation as a moderator of political behavior-work outcomes relationships: a two-study investigation with convergent results. Journal of Applied Psychology, v. 92, n. 2, p. 567-576, 2007.

INGLIS, R.; MORLEY, C.; SAMMUT, P. Corporate reputation and organizational performance: an Australian study. Managerial Auditing Journal, v. 21, n. 9, p. 934-947, 2006.

KAYO, E. K. et al. Ativos intangíveis, ciclo de vida e criação de valor. RAC - Revista de Administração Contemporânea, v. 10, n. 3, p. 73-90, 2006.

KLANN, R. C.; BEUREN, N. M. Características de empresas que influenciam o seu disclosure voluntário de indicadores de desempenho. Brazilian Business Review - BBR, v. 8, n. 2, p. 96-118, 2011.

KOCH, P. D.; SHENOY, C. The information contente of dividends and capital structure policies. Financial Management, v. 28, n. 4, p. 16-35, 1999.

LAMEIRA, V. J. As relações entre governança e risco nas companhias abertas brasileiras. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, v. 14, n. 42, p. 7-25, 2012.

LAMEIRA, V. J. et al. Is the quality of corporate governance associated with the market risk for Brazilian energy companies? International Journal of Intercultural Information Management, v. 2, n. 4, p. 276-300, 2011.

LEV, B. Intangibles: management, measurement and reporting. Washington: The Brooking Institure, 2001.

LOCKETT, A.; THOMPSON, S.; MORGENSTERN, U. The development of the resource-based view of the firm: a critical appraisal. International Journal of Management Review, v. 11, n. 1, p. 9-28, 2009.

LOPES, A. B.; MARTINS, E. Teoria da contabilidade: uma nova abordagem. São Paulo: Atlas, 2012.

MACHADO, D. D. P. N.; CARVALHO, L. C. Ambiente favorável ao desenvolvimento de inovações: proposição de um modelo de análise organizacional. Revista de Administração USP, v. 48, n. 3, p. 592-607, 2013.

MATOS, J. A. Theoretical foundations of corporate finance. Princeton: Princeton University Press, 2001.

MELO, T.; GARRIDO-MORGADO, A. Corporate reputation: a combination of social responsibility and industry. Corporate Social Responsibility and Environmental Management, v. 19, n. 1, p. 11-31, 2012.

MICHELON, G. Sustainability disclosure and reputation: a comparative study. Corporate Reputation Review, v. 14, n. 2, p. 79-96, 2011.

MÚRCIA, F. D. R.; SANTOS, A. Fatores determinantes do nível de disclosure voluntário de companhias abertas no Brasil. Revista de Educação e Pequisa em Contabilidade, v. 3, n. 2, p. 72-95, 2009.

NARDI, P. C. C.; NAKAO, S. H. Impacto da entrada nos níveis diferenciados de governança corporativa sobre a imagem institucional das empresas. Revista Contabilidade Vista e Revista, v. 19, n. 2, p. 85-111, 2008.

NIAP, D. T. F.; TAYLOR, D. CEO personal reputation: does it affect remuneration during times of economic turbulence? Procedia Economics and Finance, v. 2, p. 125-134, 2012.

PETERAF, M. A. The cornerstones of competitive advantage: a resource-based view. Strategic Management Journal, v. 14, n. 3, p. 179-191, 1993.

RIBEIRO, R.; ROSSETTO, C. R.; VERDINELLI, M. A. Comportamento estratégico da empresa e a visão baseada em recursos: um estudo no setor varejista de material de construção. Revista de Gestão & Produção, v. 18, n. 1, p. 175-192, 2011.

RINDOVA, V. P.; WILLIAMSON, N. O.; PETKOVA, A. P. Reputation as an intangible asset: reflections on theory and methods in two empirical studies of Business School Reputations. Journal of Management, v. 36, n. 3, p. 610-619, 2010.

ROBERTS, P. W.; DOWLING, G. R. Corporate reputation and sustained superior financial performance. Strategic Management Journal, v. 23, n. 12, p. 1077-1093, 2002.

ROSE, C.; THOMSEN, S. The impact of corporate reputation on performance: some Danish evidence. European Management Journal, v. 22, n. 2, p. 201-210, 2004.

ROVER, S. et al. Divulgação de informações ambientais nas demonstrações contábeis: um estudo exploratório sobre o disclosure das empresas brasileiras pertencentes a setores de alto impacto ambiental. Revista de Contabilidade e Organizações - RCO, v. 3, n. 2, p. 53-72, 2008.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. F.; LÚCIO, P. B. Metodologia de pesquisa. 3. ed. São Paulo: McGraw Hill, 2013.

SÁNCHEZ, J. L. F.; SOTORRÍO, L. L. The creation of value through corporate reputation. Journal of Business Ethics, v. 76, n. 3, p. 335-346, 2007.

SANTOS, J. G. C.; VASCONCELOS, A. C.; DE LUCA, M. M. M. Perfil da inovação e da internacionalização de empresas transnacionais. RAI - Revista de Administração e Inovação, v. 10, n. 1, p. 198-211, 2013.

SANTOS, J. O.; WATANABE, R. Uma análise da correlação entre o EVA® e o MVA® no contexto das empresas brasileiras de capital aberto. REGE - Revista de Gestão, v. 12, n. 1, p. 19-32, 2005.

SILVA, R. L. M.; NARDI, P. C. C.; PIMENTA JUNIOR, T. O impacto da migração das empresas para os níveis diferenciados de governança corporativa da BM&FBovespa sobre o risco e o retorno de suas ações. Revista de Administração da UFSM, v. 5, n. 2, p. 222-242, 2012.

SOUZA, M. M.; LUNKES, R. J.; UHLMANN, V. O. Disclosure ambiental das empresas do setor de biocombustíveis com ações listadas na Bovespa: análise das demonstrações financeiras do período de 2004 a 2008. Revista Capital Científico, v. 8, n. 1, p. 93-106, 2010.

SPENCE, M. Job market signaling. The Quartely Journal of Economics, v. 87, n. 3, p. 355-374, 1973.

SPENCE, M. Signaling in retrospect and the informational structure of markets. The American Economic Review, v. 92, n. 3, p. 434-459, 2002.

SPERS, R. G.; WRIGHT, J. R. C. Uma análise das dimensões estratégicas críticas para a internacionalização das empresas brasileiras nos mercados de base da pirâmide (BOP) globais. Brazilian Business Review - BBR, v. 10, n. 2, p. 26-50, 2013.

STAL, E. Internacionalização de empresas brasileiras e o papel da inovação na construção de vantagens competitivas. Revista de Administração e Inovação - RAI, v. 7, n. 3, p. 120-149, 2010.

TEH, C. C.; KAYO, E. K.; KIMURA, H. Marcas, patentes e criação de valor. Revista de Administração Mackenzie, v. 9, n. 1, p. 86-106, 2008.

TEIXEIRA, E. A.; NOSSA, V. FUNCHAL, B. O índice de sustentabilidade empresarial (ISE) e os impactos no endividamento e na percepção de risco. Revista de Contabilidade e Finanças - USP, v. 22, n. 55, p. 29-44, 2011.

THOMAZ, J. C.; BRITO, E. P. Z. Reputação corporativa: construtos formativos e implicações para a gestão. Revista de Administração Contemporânea, v. 14, n. 2, p. 229-250, 2010.

TISCHER, S.; HILDEBRANDT, L. Linking corporate reputation and shareholder value using the publication of reputation rankings. Journal of Business Research, 2013. Disponível em: . Acesso em: 13 jan. 2014.

TOMS, J. S. Firm resources, quality signals and the determinants of corporate environmental reputation: some UK evidence. British Accounting Review, v. 34, n. 3, p. 257-282, 2002.

VAN RIEL, C. B. M.; FOMBRUN, C. J. Essentials of corporate communications. New York: Routledge, 2007.

VIEIRA, E.; NOVO, J. A estrutura de capital das PME: evidência no mercado português. Revista Estudos do ISCA, v. 4, n. 2, p. 1-16, 2010.

WALKER, K. A systematic review of the corporate reputation literature: definition, measurement, and theory. Corporate Reputation Review, v. 12, n. 4, p. 357-387, 2010.

WANG, C. H. How relational capital mediates the effect of corporate reputation on competitive advantage: evidence from Taiwan high-tech industry. Technological Forecasting and Social Change, v. 82, p. 167-176, 2014.

ZABALA, N. et al. Corporate reputation in professional services firms: reputation management based on intellectual capital management. Corporate Reputation Review, v. 8, n. 1, p. 59-71, 2005.