Análise das Publicações Internacionais de Contabilidade Gerencial sob a Lente da Teoria Ator-Rede Outros Idiomas

ID:
46749
Resumo:
Este estudo objetiva analisar o perfil dos artigos de Contabilidade Gerencial sob a lente da Teoria Ator-Rede (ANT) publicados em periódicos internacionais. A análise deu-se a partir de etapas sistemáticas e resultou em uma amostra de 42 artigos publicados em periódicos internacionais, no período de 1991 a 2016, que foram organizados a partir de dimensões qualitativas e quantitativas. Os resultados da pesquisa mostram que existe um interesse acadêmico em reposicionar ou mesmo reabilitar as tecnologias contábeis a partir da explicação sociológica. A utilização de uma abordagem sociológica reposiciona a Contabilidade como objeto central no desenvolvimento das organizações e apresenta aos pesquisadores um mundo de possibilidades, onde atores se apresentam de várias formas, e a estabilidade na rede de atores é sempre um risco a ser considerado. O desafio do uso da ANT em pesquisas de Contabilidade Gerencial é converter as contribuições teóricas em novas tecnologias de Contabilidade, o que demanda aproximação com os atores humanos e não humanos. Com este estudo espera-se incentivar o aumento do debate sobre a evolução e abrangência da ANT na área da Contabilidade Gerencial, em vista da diversidade de explicações que os fundamentos dessa Teoria podem ofertar ao campo empírico da Contabilidade Gerencial.
Citação ABNT:
LOPES, I. F.; BEUREN, I. M. Análise das Publicações Internacionais de Contabilidade Gerencial sob a Lente da Teoria Ator-Rede. Advances in Scientific and Applied Accounting, v. 10, n. 2, p. 189-210, 2017.
Citação APA:
Lopes, I. F., & Beuren, I. M. (2017). Análise das Publicações Internacionais de Contabilidade Gerencial sob a Lente da Teoria Ator-Rede. Advances in Scientific and Applied Accounting, 10(2), 189-210.
DOI:
http://dx.doi.org/10.14392/asaa.2017100204
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/46749/analise-das-publicacoes-internacionais-de-contabilidade-gerencial-sob-a-lente-da-teoria-ator-rede/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Ahrens, T.; Mollona, M. (2007). Organisational control as cultural practice: A shop floor ethnography of a Sheffield steel mill. Accounting, Organizations and Society, 32(4), 305-331.

Alcadipani, R.; Hassard, J. (2010). Actor-Network Theory, organizations and critique: towards a politics of organizing. Organization. 17(4), 419-435.

Alcadipani, R.; Tureta, C. (2009). Teoria ator-rede e análise organizacional: contribuições e possibilidades de pesquisa no Brasil. Organizações & Sociedade, 16(51).

Alcouffe, S.; Berland, N.; Levant, Y. (2008). Actor-networks and the diffusion of management accounting innovations: A comparative study. Management Accounting Research, 19(1), 1-17.

Andon, P.; Baxter, J.; Chua, W. F. (2007). Accounting change as relational drifting: A field study of experiments with performance measurement. Management Accounting Research, 18(2), 273-308.

Araújo, U. P.; de Brito, M. J.; de Pádua Ribeiro, L. M.; Lopes, F. T. (2016). Metainterpretação: Quinze anos de pesquisa com o Relatório da Administração. Revista Contabilidade & Finanças, 27(71), 217-231.

Arnaboldi, M.; Azzone, G. (2010). Constructing performance measurement in the public sector. Critical Perspectives on Accounting, 21(4), 266-282.

Baxter, J.; Chua, W. F. (2003). Alternative management accounting research: Whence and whither. Accounting, Organizations and Society, 28(2), 97-126.

Berger, Peter L.; Luckmann, Thomas. (1991). The social construction of reality: A treatise in the sociology of knowledge. Nova York: Random House

Bolsa de Valores de São Paulo (BM&FBOVESPA). (2017). Classificação setorial. Recuperado em 13 junho, 2017, de http://www.bmfbovespa.com.br/pt_br/produtos/listados-a-vista-e-derivativos/renda-variavel/acoes/classificacao-setorial/

Brei, V. A.; Vieira, V. A.; Matos, C. A. (2014). Meta-análise em Marketing. REMark. Revista Brasileira de Marketing, 13(2), 82-97.

Quattrone, P.; Hopper, T. (2005). A ‘time–space odyssey’: management control systems in two multinational organisations. Accounting, Organizations and Society, 30(7), 735-764.

Robson, K. (1991). On the arenas of accounting change: the process of translation. Accounting, Organizations and Society, 16(5), 547-570.

Robson, K. (1992). Accounting numbers as “inscription”: action at a distance and the development of accounting. Accounting, Organizations and Society, 17(7), 685-708.

Skærbæk, P.; Melander, P. (2004). The politics of the changing forms of accounting: a field study of strategy translation in a Danish government-owned company under privatisation. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 17(1), 17-40.

Tonelli, D. F. (2016). Origens e afiliações epistemológicas da Teoria Ator-Rede: implicações para a análise organizacional. Cadernos EBAPE.BR, 14(2), 377-390.

Uzzi, B. (1997). Social structure and competition in interfirm networks: The paradox of embeddedness. Administrative Science Quarterly, 42(1), 35-67.

Watts, R. L.; Zimmerman, J. L. (1986). Positive accounting theory. Englewood Cliffs: Prentice-Hall.

Ahrens, T.; Chapman, C. S. (2007). Management accounting as practice. Accounting, Organizations and Society, 32(1), 1-27.