Aspectos Críticos do Teletrabalho em uma Companhia Multinacional Outros Idiomas

ID:
46772
Periódico:
Resumo:
Em meio às transformações no mundo dos negócios, as empresas são constantemente forçadas a se adaptar, revisando suas políticas, seus processos e suas práticas e rotinas de trabalho. Dentre as diversas práticas de trabalho, o teletrabalho é um tema polêmico em administração e merecedor de estudos mais aprofundados. Baseando-se nessa premissa, propõe-se a seguinte pergunta de pesquisa: “Quais são os elementos críticos para a sustentabilidade de um programa de teletrabalho no contexto de uma empresa multinacional?”. Assim, o objetivo deste artigo é descrever e caracterizar as visões de teletrabalhadores em relação ao teletrabalho enquanto prática de recursos humanos (RH), suas vantagens e desvantagens, assim como o desafio de torná-lo uma prática estrategicamente orientada. Realizou-se estudo em um programa de teletrabalho para estagiários de uma empresa multinacional. Os dados foram coletados por meio de entrevistas em profundidade com 12 estagiários e examinados por meio de análise de conteúdo no programa de computador NVivo 9 – que forneceu 7 categorias acerca das percepções dos participantes do programa de teletrabalho. Dentre as vantagens identificadas estão a relação positiva entre teletrabalho e atividades acadêmicas, a flexibilidade proporcionada, assim como o amadurecimento profissional como resultado do estabelecimento autônomo de metas individuais de trabalho; por outro lado, a sobrecarga de horas de trabalho, a dificuldade de desvincular a vida pessoal do trabalho e os problemas com a visibilidade foram apontados como as principais dificuldades dessa modalidade de trabalho.
Citação ABNT:
ADERALDO, I. L.; ADERALDO, C. V. L.; LIMA, A. C. Aspectos Críticos do Teletrabalho em uma Companhia Multinacional. Cadernos EBAPE.BR, v. 15, n. Edição Especial, p. 511-533, 2017.
Citação APA:
Aderaldo, I. L., Aderaldo, C. V. L., & Lima, A. C. (2017). Aspectos Críticos do Teletrabalho em uma Companhia Multinacional. Cadernos EBAPE.BR, 15(Edição Especial), 511-533.
DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/1679-395160287
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/46772/aspectos-criticos-do-teletrabalho-em-uma-companhia-multinacional/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABRAHIM, G. S. O papel dos valores pessoais nas decisões de carreira. Contextus: Revista Contemporânea de Economia e Gestão, v. 6, n. 2, p. 35-46, 2008.

ANTUNES, R. Desenhando a nova morfologia do trabalho no Brasil. Estudos Avançados, v. 28, n. 81 p. 39-53, 2014.

ARGYRIS, C.; SCHÖN, D. A. Organizational learning: theory, method, and practice. Reading, MA: Addison-Wesley, 1996. v. 2.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 7. ed. Lisboa: Ed. 70, 2011.

BARNEY, J. Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, v. 17, n. 1, p. 99-120, 1991.

BARNEY, J.; HESTERLY, W. S. Administração estratégica e vantagem competitiva. São Paulo: Pearson, 2007.

BARRETO, L. M. et al. Gestão de pessoas: projetando desafios e tendências para 2015. In: Encontro de estudos organizacionais, 6.; 2010, São Paulo. Anais... Florianópolis: AnPAD, 2010.

BARROS, A. M.; SILVA J. R. G. Percepções dos indivíduos sobre as consequências do teletrabalho na configuração home-office: estudo de caso na Shell Brasil. Cadernos EBAPE.BR, v. 8, n. 1, p. 71-91, 2010.

CHEN, T. Z.; SHEN, C. C. Today’s intern, tomorrow’s practitioner? The influence of internship programmes on students’ career development in the hospitality industry. Journal of Hospitality, Leisure, Sport & Tourism Education, v. 11, n. 1, p. 29-40, 2012.

COENEN, M.; KOK, R. A. W. Workplace flexibility and new product development performance: the role of telework and flexible work schedules. European Management Journal, v. 32, n. 4, p. 564-576, 2014.

COLLI, J.; HUSSEY, R. Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

COSTA, S. A. C. Controle em novas formas de trabalho: o teletrabalho e o discurso do empreendedorismo de si. Cadernos EBAPE.BR, v. 11, n. 3, p. 463-474, 2013.

DAHLSTROM, R. T. Telecommuting and leadership style. Public Person Management, v. 32, n. 3, p. 438-451, 2013.

DUTRA, J. S. Competências: conceitos e instrumentos para a gestão de pessoas na empresa moderna. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2013.

FERRAZ, D. L. S.; OLTRAMARI, A. P.; PONCHIROLLI. O. Gestão de pessoas e relações de trabalho. São Paulo: Atlas, 2011.

FLEURY, A.; FLEURY, M. T.; BORINI F. M. The Brazilian multinational approaches to innovation. Journal of International Management, v. 19, p. 260-275, 2013.

FLEURY, M. T.; FLEURY, A. C. Alinhando estratégias e competências. Revista de Administração de Empresas, v. 44, n. 1, p. 44-47, 2004.

GREAT PLACE TO WORK. Melhores empresas para trabalhar Brasil. 2016. Disponível em: Acesso em: 19 out. 2016.

GRISCI, C. L. I.; CARDOSO, J. Experimentação do tempo e estilo de vida em contexto de trabalho imaterial. Cadernos EBAPE.BR, v. 12, n. 4, p. 851-865, 2014.

LEITE, N. P.; LEITE, F. P.; ALBUQUERQUE, L. G. A gestão de pessoas e as estratégias de atração, desenvolvimento e retenção de profissionais: o caso Petrobrás. Revista Ibero-Americana de Estratégia, v. 12, n. 4, p. 91-122, 2013.

LENUZZA, L. M. E. Teletrabalho: tecnologia gerando uma nova forma de trabalho. 93 f. Dissertação (Mestrado em Direito) – Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul, 2007.

MASCARENHAS, A. O.; BARBOSA, A. C. Produção científica brasileira em gestão de pessoas no período 2000-2010. Revista de Administração de Empresas, v. 53, n. 1, p. 35-45, 2013.

MENESES, P. P. M. et al. A produção científica brasileira sobre a gestão de recursos humanos de 2001 e 2010. Revista de Administração Mackenzie, v. 15, n. 4, p. 111-134, 2014.

MILES, M.B.; HUBERMAN, A.M. Qualitative Data Analysis. 2 ed. California: Sage Publications, 1994.

NOONAN, M.; GLASS, J. L. The hard truth about telecommuting. Monthly Labor Review, v. 135, p. 38-24, 2012.

OLIVEIRA, A. M.; OLIVEIRA, A. J. Gestão de recursos humanos: uma meta-análise de seus efeitos sobre desempenho organizacional. Revista de Administração Contemporânea, v. 15, n. 10, p. 650-669, 2011.

OLIVEIRA, S. R.; PICCININI, V. A construção do mercado de estágios em administração na cidade de Porto Alegre. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v. 6, n. 4, p. 28-48, 2012.

ORDOÑEZ, D. B. Sobre subjetividad y (tele)trabajo. Una revisión crítica. Revista de Estudios Sociales, n. 44, p. 181-196, 2012.

PANTOJA, M. J.; BORGES-ANDRADE, J. Estratégias de aprendizagem no trabalho em diferentes ocupações profissionais. Revista de Administração Contemporânea, v. 3, n. 1, p. 41-62, 2009.

PÉREZ, M. P.; SÁNCHEZ, A. M.; CARNICER M. P. L. Benefits and barriers of telework: perception differences of human resources managers according to company’s operations strategy. New Technology, Work and Employment, v. 22, n. 3, p. 208-223, 2007.

PORTER, M. Estratégia competitiva. Rio de Janeiro: Elsevier, 1986.

RODRIGUES, A. C. B. Teletrabalho: a tecnologia transformando as relações de trabalho. 136 f. Dissertação (Mestrado em Direito do Trabalho e Seguridade Social) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

ROHM, R. H. D.; LOPES, N. F. O novo sentido do trabalho para o sujeito pós-moderno: uma abordagem crítica. Cadernos EBAPE.BR, v. 13, n. 2 p. 332-345, 2015.

SENNETT, R. A corrosão do caráter: as consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 2007.

SERRA, J. P. O teletrabalho: conceito e implicações. 2010. Disponível em: . Acesso em: 24 abr. 2014.

SILVA, D. W. G. O planejamento de carreira na formação universitária. 120 f. Dissertação (Mestrado em Administração de Empresas) – Universidade de Fortaleza, Fortaleza, 2011.

SWANSON, R. S.; TOMKOVICK, C. Marketing internships: how values and search strategies differ across the student-employer dyad. Marketing Education Review, v. 22, n. 3, p. 251-262, 2012.

TEECE, D. J.; PISANO, G.; SHUEN, A. Dynamic capabilities and strategic management. Strategic Management Journal, v. 18, n. 7, p. 509-533, 1997.

TOSE, M. G. L. e S. Teletrabalho: a prática do trabalho e a organização subjetiva dos seus agentes. 185 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2005.

TREMBLAY, D., G. Balancing work and Family with telework? Organizational issues and challenges for women and managers. Women in Management Review, v. 17, n. 3/4, p. 157-170, 2012.

ULRICH, D. Recursos humanos estratégicos: novas perspectivas para os profissionais de RH. São Paulo: Futura, 2000.

VASCONCELOS, I. F. F. G. et al. Resiliência organizacional e inovação sustentável: um estudo sobre o modelo de gestão de pessoas de uma empresa brasileira de energia. Cadernos EBAPE.BR, v. 13, n. 4, p. 910-929, 2015.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 1998.

WEBER, L.; GRISCI, C. L. I.; PAULON, S. M. Cartografia: aproximação metodológica para produção do conhecimento em gestão de pessoas. Cadernos EBAPE.BR, v. 10, n. 4, p. 841-857, 2012.

WHITTLE, A.; MUELLER, F. ‘I could be dead for two weeks and my boss would never know’: telework and the politics of representation. New Technology, Work and Employment, v. 24, n. 2, p. 131-143, 2009.