Políticas de Inovação: Um Estudo Comparativo entre Brasil e França Outros Idiomas

ID:
46786
Resumo:
O objetivo do presente estudo é apresentar um comparativo entre as principais ações promovidas para incentivar a inovação pela França, bem como o estágio atual das iniciativas de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), em relação ao Brasil. Trata-se de um estudo de natureza qualitativa que quanto aos procedimentos para o seu desenvolvimento classifica-se como bibliográfica e documental. A técnica de coleta de dados foi documental e teve como fonte de dados documentos primários e secundários, oriundos de arquivos públicos e de fontes estatísticas. Para o levantamento dos dados brasileiros para o desenvolvimento do presente estudo, foi utilizado como base informacional a quinta edição da Pesquisa de Inovação (PINTEC 2011). Para o levantamento dos dados da França foi utilizado o Relatório da OECD do ano de 2014 “Reviews of Innovation Policy France 2014”. Para a apresentação dos resultados do estudo foram utilizados quadros comparativos e tabelas. Como resultados do presente estudo podem ser destacados, entre outros: A França é um país com uma longa tradição científica e técnica, e desempenha um papel significativo no mundo, nesta área. Por outro lado, o Brasil apresenta uma das menores proporções de P&D e de exportação de alta tecnologia em relação ao PIB. A realização do presente estudo trouxe um importante diagnóstico: existe uma temática ampla e com vasto campo para pesquisa que ainda é pouco explorado por pesquisadores brasileiros.
Citação ABNT:
JONES, G. D. C.; BASSO, L. F. C. Políticas de Inovação: Um Estudo Comparativo entre Brasil e França. International Journal of Innovation, v. 5, n. 2, p. 222-233, 2017.
Citação APA:
Jones, G. D. C., & Basso, L. F. C. (2017). Políticas de Inovação: Um Estudo Comparativo entre Brasil e França. International Journal of Innovation, 5(2), 222-233.
DOI:
10.5585/iji.v5i2.78
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/46786/politicas-de-inovacao--um-estudo-comparativo-entre-brasil-e-franca/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Anlló, G.; Suárez, D. (2009). Innovación: Algo más que I+D. Evidencias Iberoamericanas a partir de las encuestas de Innovación: construyendo las estrategias e empresarias competitivas. Buenos Aires, Argentina: CEPAL-REDES. Unpublished.

Antonioli, Davide; Bianchi, Annaflavia; Mazzanti, Massimiliano; Montresor, Sandro; Pini, Paolo. (2011). Economic Crisis, Innovation Strategies and Firm Performance. Evidence from Italian Firm-level Data. Disponível em: http://out.economia.unife.it/uploads/dip)_deit/quader ni/201102.pdf. Acesso em: 19 jun.2015

Avellar, Ana Paula. (2009). Impacto das Políticas de Fomento à Inovação no Brasil sobre o Gasto em Atividades Inovativas e em Atividades de P&D das Empresas. Est. Econ., 39(3), 629-649.

Avellar, Ana Paula. (2010). Políticas de inovação no Brasil: uma análise com base na PINTEC 2008. Economia & Tecnologia, 6(23), 139-149.

Coriat, B.; Weinstein, O. (2002). Organizations, Firms and Institutions in the Generation of Innovation. Research Policy, 32(2), 273-290.

Crespi, Gustavo.; Zuñiga, Pluvia. (2010). Innovation and Productivity: Evidence from Six Latin American Countries. IDB Working paper series. n. IDB-WP-218. Inter-American Development Bank.

Crisóstomo, V. L.; González, E. V. (2006). Possível reação do mercado brasileiro aos investimentos em P&D. Revista de Administração Mackenzie, 7(1), 96-114.

Figueiredo, P. N. (2004). Aprendizagem tecnológica e aprendizagem industrial em economias emergentes: uma breve contribuição para a implementação e desenho de estudos empíricos e estratégias no Brasil. Revista Brasileira de Inovação, 3(2), 323-361.

Griffith, R; Huergo, E.; Mairesse, J.; Peters, B. (2007). Innovation and Productivity across Four European Countries, Oxford Review of Economic Policy, 22(4), p. 483-498.

IBGE. (2011). PINTEC - Pesquisa de Inovação 2011. Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: http://www.pintec.ibge.gov.br/downloads/pintec2011 %20publicacao%20completa.pdf. Acesso em: 19 jun.2015.

IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Indústria. Pesquisa de Inovação 2011.

Klomp, Luuk; Van Leeuwen, George. (2001). Linking Innovation and Firm Performance: a new approach. International Journal of the Economics of Business, 8(3), 343-364.

Melo, Tatiana Massaroli; Fucidji, José Ricardo; Possas, Mario Luiz.(2015). Política industrial como política de inovação: notas sobre hiato tecnológico, políticas, recursos e atividades inovativas no Brasil. Rev.Bras.Inov., 14(n. esp.), 11-36.

Meyer-Stamer, J. (1995). New departures for technology in Brazil. Science and Public Policy, 22(5), p. 295-304.

OECD. (2014). Reviews of Innovation Policy France 2014. Paris: OECD Publishing

Raffo, J.; Lhuillery, S.; Miotti, L. (2008). Northern and Southern Innovativity: a comparison across European and Latin American countries. European Journal of Development Research, 20(2), 219-239.

Teh, Chang Chuan; Kayo, Eduardo Kazuo.; Kimura, Herbert. (2008). Marcas, patentes e criação de valor. Revista de Administração Mackenzie, 9(1), 86-106.

Tironi, Luís F.; Cruz, Bruno O. (2008). Inovação incremental ou Radical: há motivos para diferenciar?Uma abordagem com dados da PINTEC. Texto para Discussão IPEA, n, 1360. Brasília, IPEA. Rio de Janeiro.

Zucolo, Graziela Ferrero.; Toneto Júnior, Rudinei. (2005). Esforço tecnológico da indústria de transformação brasileira uma comparação com países selecionados. R. Econ. Contemp., Rio de Janeiro, 9(2), 337-365.