Desenvolvimento Regional sob a Ótica do Reconhecimento da Indicação Geográfica: O Case do Vale dos Vinhedos, a Partir da Percepção dos Atores Sociais Outros Idiomas

ID:
46790
Resumo:
Este artigo tem como objetivo analisar o desenvolvimento socioeconômico da área delimitada da região do Vale dos Vinhedos, localizada nos municípios de Bento Gonçalves, Garibaldi e Monte Belo do Sul, no estado do Rio Grande do Sul, a partir do reconhecimento da indicação geográfica e da percepção dos atores sociais envolvidos no processo. A pesquisa é qualitativa, descritiva, numa perspectiva histórica, a partir de um olhar dos próprios sujeitos envolvidos, isto é, produtores de vinhos, gestores das associações locais, representantes do poder público e técnicos que formataram o processo de reconhecimento da indicação de procedência dos vinhos. Os dados foram coletados a partir de questionários e entrevistas com os atores sociais mencionados. Os resultados proporcionaram, inicialmente, as concepções de desenvolvimento (local, endógeno), propriedade intelectual e indicações geográficas, a fim de fundamentar esta pesquisa, visando demonstrar o fomento do desenvolvimento da região do Vale dos Vinhedos por sua indicação de procedência. Além disso, esta pesquisa analisa o case dessa região, procurando evidenciar as implicações econômicas e sociais desse reconhecimento sobre o desenvolvimento do Vale dos Vinhedos.
Citação ABNT:
SIEDENBERG, D. R.; THAINES, A. H.; BAGGIO, D. K. Desenvolvimento Regional sob a Ótica do Reconhecimento da Indicação Geográfica: O Case do Vale dos Vinhedos, a Partir da Percepção dos Atores Sociais . Gestão & Regionalidade, v. 33, n. 99, p. 4-20, 2017.
Citação APA:
Siedenberg, D. R., Thaines, A. H., & Baggio, D. K. (2017). Desenvolvimento Regional sob a Ótica do Reconhecimento da Indicação Geográfica: O Case do Vale dos Vinhedos, a Partir da Percepção dos Atores Sociais . Gestão & Regionalidade, 33(99), 4-20.
DOI:
10.13037/gr.vol33n99.2771
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/46790/desenvolvimento-regional-sob-a-otica-do-reconhecimento-da-indicacao-geografica--o-case-do-vale-dos-vinhedos--a-partir-da-percepcao-dos-atores-sociais-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALBAGLI, S.; MACIEL, M. L. Informação e conhecimento na inovação e no desenvolvimento local. Ciência da Informação, Brasília, DF, v. 33, n. 3, p. 9-16, set./dez. 2004.

AMARAL FILHO, J. Desenvolvimento regional endógeno em um ambiente federalista. Planejamento e Políticas Públicas, Brasília, DF, n. 14, 1996. Disponível em: . Acesso em: 28 jun. 2017.

APROVALE – Associação dos Produtores de Vinhos Finos do Vale dos Vinhedos. Indicação de procedência Vale dos Vinhedos. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2009.

BARQUERO, A. V. Desenvolvimento endógeno em tempos de globalização. Porto Alegre: UFRGS; FEE, 2001.

BAUER, M.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2000.

BENTO GONÇALVES (município). Vale dos Vinhedos. [20??]. Disponível em: . Acesso em: 22 maio 2014.

BOISIER, S. Desenvolvimento. In: SIEDENBERG, D. R. Dicionário do desenvolvimento regional. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2006. p. 69.

BRABET, C.; PALLET, D. Os selos oficiais de qualidade dos alimentos na França e na Europa. In: LAGES, V.; LAGARES, L.; BRAGA, C. L. (Orgs.). Valorização de produtos com diferencial de qualidade e identidade: indicações geográficas e certificações para competitividade nos negócios. Brasília, DF: Sebrae, 2005. p. 19-41.

BRASIL. Lei nº 9.279, de 14 de maio de 1996. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 15 maio 1996. Seção 1, p. 8353. Disponível em: . Acesso em: 23 maio 2014.

BRITTO JÚNIOR, A. F.; FERES JÚNIOR, N. A utilização da técnica da entrevista em trabalhos científicos. Evidência: olhares e pesquisa em saberes educacionais, Araxá, v. 7, n. 7, p. 237-250, 2011.

BRUCH, K. L. Indicações geográficas para o Brasil: problemas e perspectivas. In: PIMENTEL, L. O.; BOFF, S. O.; DEL’OLMO, F. S. (Orgs.). Propriedade intelectual: gestão do conhecimento, inovação tecnológica no agronegócio e cidadania. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2008. p. 226-245.

DALCIN, M. S. Vale dos Vinhedos: história, vinho e vida. Bento Gonçalves: MSD Empreendimentos Culturais, 2008.

FISCHER, T. (Org.). Gestão do desenvolvimento e poderes locais: marcos teóricos e avaliação. Salvador: Casa da Qualidade, 2002.

FURTADO, C. Desenvolvimento. In: CAIDEN. G. E.; CARAVANTES, G. R. (Orgs.). Reconsideração do conceito de desenvolvimento. Caxias do Sul: Educs, 1988. p. 45-71.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

GURGEL, V. A. Aspectos jurídicos da indicação geográfica. In: LAGES, V.; LAGARES, L.; BRAGA, C. L. (Orgs.). Valorização de produtos com diferencial de qualidade e identidade: indicações geográficas e certificações para competitividade nos negócios. Brasília: Sebrae, 2005. p. 44-58.

INPI – Instituto Nacional da Propriedade Industrial. Lista das indicações de procedência concedidas. Brasília, DF, 2017. Disponível em: . Acesso em: 25 mar. 2017.

INPI – Instituto Nacional da Propriedade Industrial. Resolução nº 75, de 28 de novembro de 2000. Estabelece as condições para o registro das indicações geográficas. Brasília, DF: Inpi, 2000. Disponível em: . Acesso em: 28 jun. 2017.

KAKUTA, S. M. et al. (Orgs.). Indicações geográficas: guia de respostas. Porto Alegre: Sebrae, 2006.

LIN, N.; COOK, K.; BURT, R. (Eds.). Social capital: theory and research. New York: Aldine de Gruyter, 2001.

LLORENS, F. A. Desenvolvimento econômico local: caminhos e desafios para a construção de uma nova agenda política. Rio de Janeiro: BNDES, 2001.

LOCATELLI, L. Indicações geográficas: a proteção jurídica sob a perspectiva do desenvolvimento econômico. Curitiba: Juruá, 2008.

LOCATELLI, L. Indicações geográficas e desenvolvimento econômico. In: BARRAL, W.; PIMENTEL, L. O. (Orgs.). Propriedade intelectual e desenvolvimento. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2007. p. 233-254.

MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 1994.

RIBEIRO, E. A. A perspectiva da entrevista na investigação qualitativa. Evidência: olhares e pesquisa em saberes educacionais, Araxá, v. 4, n. 4, p. 129148, 2008.

RODRIGUES, M. A. C.; MENEZES, J. C. S. A proteção legal à indicação geográfica no Brasil. Revista da ABPI, Rio de Janeiro, n. 48, p. 3-20, 2000.

ROSA, M. V. F. P. C.; ARNOLDI, M. A. G. C. A entrevista na pesquisa qualitativa: mecanismos para a validação dos resultados. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

SACHS, I. Desenvolvimento: includente, sustentável, sustentado. Rio de Janeiro: Garamond, 2004.

SEN, A. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

SIEDENBERG, D. R. Desenvolvimento: ambiguidades de um conceito difuso. Revista Desenvolvimento em Questão, Ijuí, v. 2, n. 3, p. 9-26, 2004.

SIEDENBERG, D. R. Desenvolvimento regional. In:

SIEDENBERG, D. R. Prefácio. In: DALLABRIDA, V. R.; BUTTENBENDER, P. L. (Orgs.). Gestão, inovação e desenvolvimento: oportunidades e desafios para o desenvolvimento da região fronteira Noroeste. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2007. p. 9-17.

THAINES, A. H. Desenvolvimento regional sob a ótica do reconhecimento da indicação geográfica: o case do Vale dos Vinhedos. 2011. 160 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento) – Departamento de Economia e Contabilidade, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Ijuí, 2011.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1998