Redes de Poder em Empreendimentos Solidários de Reciclagem Outros Idiomas

ID:
46830
Resumo:
Em empreendimentos pertencentes ao cenário da economia solidária, o poder de decisão costuma ser distribuído e compartilhado entre os cooperados, sendo, portanto, descentralizado, democrático, difuso e horizontalizado, em panorama no qual os votos possuem o mesmo valor, independente do ator. Organizações dessa natureza são caracterizadas pela posse conjunta e integrada dos meios de produção e pela gestão democrática (ou autogestão), além da distribuição equitativa da receita proveniente daquilo que se obtém como sobra para os associados, tal como defende França-Filho (2012). Diante deste contexto, este trabalho tem como objetivo analisar a rede das relações de poder em empreendimentos solidários em seis cooperativas de coleta e reciclagem de resíduos sólidos. O estudo foi considerado exploratório, com uma abordagem quali-quantitativa, conduzido pela estratégia de estudo de caso múltiplo (YIN, 2006) em cinco cooperativas de coleta e separação de materiais recicláveis do grande ABC paulista e uma da cidade de Cotia (SP). Para a construção e análise das redes, utilizou-se do software Ucinet 6.0. Para obtenção de dados passíveis de análise qualitativa, foram realizadas entrevistas com cooperados e gestores, de modo a angariar evidências que pudessem corroborar com a análise das redes. O estudo teve como fundamentação teórica a tipologia de poder proposta por Mintzberg (1983), apresentada em seis configurações; autocracia, instrumento, missionária, meritocracia, sistema autônomo e arena política. Ao apresentar tal proposta, o mesmo autor defende que a organização não se limita a uma determinada configuração, mas que existe a possibilidade de combinações e transição dos estágios, conforme sua maturidade, sendo que tal dinâmica gera um desenvolvimento organizacional próprio. Assim, as coalizões existentes entre tais configurações, tratadas por Paz (1997; 2001; 2004) e Gosendo (2009), também foram consideradas no campo conceitual, resultando em quatro sistemas: sistema de autoridade, geralmente centralizado no gestor principal (presidente), revelado de forma centralizada em quatro das seis cooperativas, sendo que somente duas estavam aderentes a um modelo de gestão participativa, todavia, destas duas, somente uma se destacou por seus resultados econômicos, diferenciando-se das demais pelas habilidades gerenciais de sua presidente. Ademais, o estudo realizado demonstra também que o poder e a colaboração entre os cooperados estão vinculados com os resultados da sustentabilidade econômico-financeira da cooperativa, quando pautados no modelo de gestão mais profissionalizado. Esta investigação buscou ajudar a suprir uma lacuna nos estudos empíricos de poder em empreendimentos solidários, que têm nas decisões colegiadas, o principal princípio da economia solidária, a autogestão.
Citação ABNT:
SIQUEIRA, D. M.; COSTA, B. K.; VIEIRA, A. M. Redes de Poder em Empreendimentos Solidários de Reciclagem. Revista de Administração da Unimep, v. 15, n. 2, p. 130-151, 2017.
Citação APA:
Siqueira, D. M., Costa, B. K., & Vieira, A. M. (2017). Redes de Poder em Empreendimentos Solidários de Reciclagem. Revista de Administração da Unimep, 15(2), 130-151.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/46830/redes-de-poder-em-empreendimentos-solidarios-de-reciclagem/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BASTOS, A. V.; SANTOS M. V. Redes sociais informais e compartilhamento de significados sobre mudança organizacional. RAE, v. 47, n. 3, 2007.

BEZ, G. S.; FARACO, R. A.; ANGELONI, M. T. Aplicação da Técnica de Análise de Redes Sociais em uma Instituição de Ensino Superior. Anpad – XXVI Simpósio da inovação tecnológica. Vitória (ES), 28-30 nov., 2010.

CORAGGIO, J. L. Sobre la sostenibilidad de los emprendimientos mercantiles de la economía social y solidaria. Cuadernos del Cendes, v. 23, n. 61, p. 39-67, 2006. Disponível em: . Acesso em: 22 dez. 2006.

CULTI, M. N.; KOYAMA, N. A.; TRINDADE, M. Economia Solidária no Brasil: tipologia dos empreendimentos econômicos solidários. São Paulo: Todos os Bichos, 2010.

CULTI, M. N. O desafio do processo educativo na prática de incubação dos empreendimentos econômicos solidários. 2006. 248 f. Tese de Doutorado (Sociologia da Educação). São Paulo: Universidade de São Paulo, 2006.

FRANÇA-FILHO, G. C. Indicadores para a sustentabilidade em Economia Solidária: uma questão de utilidade social. In: KRAYCHETE, G; CARVALHO, P. Economia popular solidária: indicadores para a sustentabilidade. Porto Alegre: Tomo, 2012.

GOSENDO, E. M. G. Clima organizacional e sua relação com configurações de poder e estilos de funcionamento organizacional. 2009. 168 f. Tese de Doutorado (Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações. Brasília: Universidade de Brasília, 2009.

GUIMARÃES, A. T.; SANTOS, S. A.; ZACCARELLI, S. B.; KUNIYOSHI, M. S.; GASPAR, M. A. Empresas com orientação estratégica dual baseada em clusters e redes de negócios: um estudo no setor de vitivinicultura no Brasil e em Portugal. Rev. Portuguesa e Brasileira de Gestão, v. 13, p. 56-72, 2014.

KILDUFF, M.; TSAI, W. Social networks and organizations. London: Sage, 2003.

KRACKHARDT, D. Graph theoretical dimensions of informal organizations. In: Carley, K. M.; Prietula, M. J. Computational organization theory. USA: L. Erlbaum Associates Inc., Hillsdale, 1994.

KRAYCHETE, G. Economia popular solidária: indicadores para a sustentabilidade? In: KRAYCHETE, G; CARVALHO, P. Economia popular solidária: indicadores para a sustentabilidade. Porto Alegre: Tomo, 2012.

LAVILLE, J.; GAIGER, L. I. A Economia Solidária. In: CATTANI, A. D. et al. Dicionário internacional da outra economia. São Paulo: Almedina, 2009.

MARTELETO, R. M. Análise de redes sociais: aplicação nos estudos de transferência da informação. Ciência da informação, v. 30, n. 1, p. 71-81, 2001.

MINTZBERG, H. Power in and Around Organizations. Prentice-Hall, INC., Englewood Cliffs, N. J. 1983.

NELSON, R. E. Cultura, redes e governança na indústria do conhecimento. Proposta de Projeto CNPQ, 2011.

NELSON, R. E.; HSU, S. Social networks and knowledge management. The Encyclopedia of Knowledge Management. Hershey: PA, 2005. p. 826-32.

NELSON, R. E.; VASCONCELLOS, E. P. G. O ambiente e o papo: comparações internacionais e tipologia das redes verbais nas organizações. Revista de Gestão USP, v. 14, n. especial, p. 93-107, 2007.

ORGANIZAÇÃO Internacional do Trabalho – OIT. Recomendação 127. Disponível em: Acesso em: 13 dez.2013.

PAZ, M. G. T. Avaliação de desempenho ocupacional e estruturas de poder. In: TAMAYO, A.; BORGES-ANDRADE, J.E.; CODO, W. (Orgs). Trabalho, organizações e cultura. São Paulo: Cooperativa de Autores Associados, 1997.

PAZ, M. G. T.; MARTINS, M. C. F.; NEIVA, E. Poder nas organizações. In: ZANELLI J. C.; BORGES-ANDRADE, J. E.; BASTOS, A. V. B. (Orgs.). Psicologia, organizações e trabalho no Brasil. Porto Alegre: Artmed, 2004.

PAZ, M. G. T.; MENDES, A. M.; GABRIEL; I. Configurações de poder organizacional e estilos de caráter. Revista Psicologia, Organizações e Trabalho, v. 1, n. 1, p. 141-169, 2001.

SILVA, A. V. Economia Solidária: uma estratégia política de desenvolvimento. 2010. 223 f. Tese de Doutorado (Sociologia). João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba, 2010.

SINGER, P. Economia Solidária: um modo de produção e distribuição. In: SINGER, P.; SOUZA, A. R. (orgs.). A Economia Solidária no Brasil: autogestão como resposta ao desemprego. São Paulo: Contexto, 2000.

SINGER, P. Introdução à Economia Solidária. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2010.

SOUZA, Q.; QUANDT, F. Metodologia das redes sociais. In: DUARTE, F.; QUANDT, C.; SOUZA, Q. O tempo das redes. São Paulo: Perspectiva, 2008.

TAUILE, J. R. Empreendimentos autogestionários provenientes de massa falida: relatório final: junho 2004. Brasília: MTE; IPEA, ANPEC, SENAES, 2005.

WASSERMAN, S.; FAUST, K. Social network analysis: methods and applications. New York: Cambridge University Press, 1994.

YIN, R. K. Estudo de caso. Planejamento e Métodos. Porto Alegre: Bookman, 2006.