A Miopia Paradigmática e os Jogos da Verdade nas Pesquisas de Marketing Outros Idiomas

ID:
46860
Resumo:
Apesar da hegemonia do funcionalismo, o conhecimento sobre Marketing é marcado pelas contribuições de diferentes tradições, o que forma um campo multiparadigmático. Este ensaio trata dos elementos epistemológicos e paradigmáticos envolvidos no processo de construção do conhecimento no intuito de suscitar reflexões referentes a legitimidade e utilidade de pesquisas qualitativas no âmbito das investigações de Marketing. Além de apresentar procedimentos metodológicos próprios da pesquisa qualitativa, advoga-se que a análise epistemológicaparadigmática deva preceder as concepções referentes aos procedimentos metodológicos adotados em uma investigação de Marketing, para que somente assim se possa julgar a legitimidade e a extensão de seus achados.
Citação ABNT:
ANDRADE, M. L.; LEITE, R. S.; PINTO, M. R.; BATINGA, G. L. A Miopia Paradigmática e os Jogos da Verdade nas Pesquisas de Marketing. Revista Brasileira de Marketing, v. 16, n. 3, p. 383-395, 2017.
Citação APA:
Andrade, M. L., Leite, R. S., Pinto, M. R., & Batinga, G. L. (2017). A Miopia Paradigmática e os Jogos da Verdade nas Pesquisas de Marketing. Revista Brasileira de Marketing, 16(3), 383-395.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/46860/a-miopia-paradigmatica-e-os-jogos-da-verdade-nas-pesquisas-de-marketing/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Arnould, E. J.; Thompson, C. J. (2005). Consumer culture theory (CCT): Twenty years of research. Journal of consumer research, 31(4), 868-882.

Bardin, Laurence. (2004). Análise de conteúdo. 3ª ed. Lisboa: Edições, v. 70.

Batinga, Georgiana Luna; Andrade, Matheus Lemos de. (2016). Generalizações Etnográficas em Estudos de Consumo: Uma Discussão Possível? XL Encontro Nacional da ANPAD.

Bauer, M. W.; Gaskell, G.; Allum, N. C. (2002). Qualidade, Quantidade e Interesses do Conhecimento: Evitando confusões. In bauer, M. W.; Gaskell, G. Pesquisa Qualitativa com Texto, Imagem e Som: um manual prático. Petrópolis-RJ: Vozes.

Belk, R. W. (Ed.). (2007). Handbook of qualitative research methods in marketing. Edward Elgar Publishing.

Bispo, Marcelo de Souza. (2007). Educating Qualitative Researchers In Management: Toward Performative Judgements. Revista de Administração de Empresas, v. 57, n. 2, 158-169.

Boava, Diego Luis Teixeira; Boava, Fernanda Maria F. Macedo; Macedo, Natália Felicio. (2017). Visão Filosófica do Marketing: Estudo sobre sua essência e fundamentos. VI Colóquio Internacional de Epistemologia e Sociologia da Ciência da Administração.

Bottomore, T. B. (1973). Introdução à Sociologia. 5ª ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

Brannen, M. Y. (2011). Using multiple case studies to generalize from ethnographic research. Rethinking the case study in international business and management research, p. 124-45.

Bruni, A. (2005). Shadowing software and clinical records: On the ethnography of non-humans and heterogeneous contexts. Organization, 12(3), 357-378.

Burell, G.; Morgan, G. (1979). Sociological paradigms and organisational analysis. Elements of the sociology of corporate life.

Cabral, A. (2004). A sociologia funcionalista nos estudos organizacionais: foco em Durkheim. Cadernos EBAPE.BR, 2(2), 01-15.

Campbell, Colin. (2004). O Consumidor Artesão: Cultura, Artesania e Consumo em uma Sociedade Pós – Moderna. Antropolítica: Revista Contemporânea de Antropologia e Ciência Política, n. 17, p. 45-67

Caregnato, R. C. A.; Mutti, R. (2006). Pesquisa qualitativa: análise de discurso versus análise de conteúdo. Texto Contexto Enferm., 15(4), 679-84.

Carrieri, A. D. P.; Luz, T. R. (1998). Paradigmas e metodologias: não existe pecado do lado de baixo do Equador. Encontro Anual da ANPAD, 22.

Cesarino, L. (2014). Antropologia multissituada e a questão da escala: reflexões com base no estudo da cooperação sul-sul brasileira. Horizontes Antropológicos, 20(41), 19-50.

Chaebo, G.; de Aquino Guimarães, T. (2014). Zona de Transição dos Paradigmas Funcionalista e Interpretativista. Desafio Online, 2(1), 86-98.

Collins, R. (1975). Conflict sociology: Toward an explanatory science. Academic Pr.

Cotrin, G. (2002). Fundamentos de Filosofia. 15. São Paulo, Saraiva.

Cova, B.; Elliott, R. (2008). Everything you always wanted to know about interpretive consumer research but were afraid to ask. Qualitative Market Research: An International Journal, 11(2), 121-129.

Cunliffe, A. L. (2010). Crafting qualitative research: Morgan and Smircich 30 years on. Organizational Research Methods.

Davies, A.; Fitchett, J. A. (2005). Beyond incommensurability?Empirical expansion on diversity in research. European Journal of Marketing, 39(3/4), 272-293.

Denzin, N. K.; Lincoln, Y. (2000). Qualitative research. Thousand Oaks ua, 413-427.

Eisenhardt, K. M. (1989). Building theories from case study research. Academy of management review, 14(4), 532-550.

Elliott, R.; Jankel-Elliott, N. (2003). Using ethnography in strategic consumer research. Qualitative market research: An international journal, 6(4), 215-223.

Firat, A. F.; Venkatesh, A. (1995). Liberatory postmodernism and the reenchantment of consumption. Journal of consumer research, 22(3), 239-267.

Flick, U. (1992). Triangulation revisited: strategy of validation or alternative? Journal for the theory of social behaviour, 22(2), 175-197.

Flick, U. (2004). Uma introdução à pesquisa qualitativa. (Vol. 2). Porto Alegre: Bookman.

Froemming, L. M. S.; Luce, F. B.; Perin, M. G.; Sampaio, C. H.; Beber, S. J. N.; Trez, G. (2000). Inventário de artigos científicos na área de marketing no Brasil. Revista de Administração Contemporânea, 4(2), 159-173.

Glaser, B.; Strauss, A. (1967). The discovery ofgrounded theory. London: Weidenfeld and Nicholson, 24 (25), 288-304.

Guest, G.; Bunce, A.; Johnson, L. (2006). How many interviews are enough?An experiment with data saturation and variability. Field methods, 18(1), 59-82.

Hair Jr, Joseph F.; and Bryan Lukas. Marketing research. McGraw-Hill Education Australia, 2014.

Harvey, D. (1992). Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultura. São Paulo: Loyola.

Holbrook, M. B.; O'shaughnessy, J. (1988). On the scientific status of consumer research and the need for an interpretive approach to studying consumption behavior. Journal of consumer research, 15(3), 398-402.

Hunt, S. D. (1991). Positivism and paradigm dominance in consumer research: toward critical pluralism and rapprochement. Journal of Consumer Research, 18(1), 32-44.

Kuhn, T. S. (1975). A estrutura das revoluções científicas. (Vol. 3). São Paulo: Perspectiva.

Langley, A. (1999). Strategies for theorizing from process data. Academy of Management review, 24(4), 691-710.

Lather, P. (1986). Issues of validity in openly ideological research: Between a rock and a soft place. Interchange, 17(4), 63-84.

Levy, S. J. (1959). Symbols for sale. Harvard business review, 37(4), 117-124.

Lewis, M. W.; Grimes, A. J. (2005). Metatriangulação: a construção de teorias a partir de múltiplos paradigmas. RAE-Revista de Administração de Empresas, 45(1), 72-91.

Lincoln, Y. S.; Guba, E. G. (2000). The only generalization is: There is no generalization. Case study method, p. 27-44.

Lyon, D. (1998). Pós-modernidade. Paulus.

Maffezzolli, F. E. C.; Ribeiro, C. M.; Lima, T. M. V. V.; Semprebom, E.; Prado, P. H. M.; Mady, E. B. (2009). Reflexões sobre o uso de técnicas projetivas na condução de pesquisas qualitativas em marketing. PMKT–Revista Brasileira de Pesquisa de Marketing, Opinião e Mídia, (3), 37-48.

Malhotra, N. K. (2001). Pesquisa de marketing. 3 ed. Porto Alegre: Bookman.

Marcus, G. E. (1995). Ethnography in/of the world system: The emergence of multi-sited ethnography. Annual review of anthropology, p. 95-117.

Martin, D. M.; Schouten, J. W.; McAlexander, J. H. (2007). 27 Reporting ethnographic research: bringing segments to life through movie making and metaphor. Handbook of qualitative research methods in marketing, p. 3-61.

Mattar, Fauze Najib. (2012). Pesquisa de Marketing: Edição Compacta. 5ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier.

Mattos, P. L. C. (2011). Os resultados desta pesquisa (qualitativa) não podem ser generalizados: pondo os pingos nos is de tal ressalva. Cadernos Ebape.BR, 450-468.

Mattos, P. L. C. (2011). Os resultados desta pesquisa (qualitativa) não podem ser generalizados: pondo os pingos nos is de tal ressalva. Cadernos Ebape.BR, p. 450-468.

Miles, M. B. (1979). Qualitative data as an attractive nuisance: The problem of analysis. Administrative science quarterly, 24(4), 590-601.

Morgan, G.; Smircich, L. (1980). The case for qualitative research. Academy of management review, 5(4), 491-500.

Noblit, G. W.; Hare, R. D. (1988). Metaethnography: Synthesizing qualitative studies. (Vol. 11). Sage.

Offe, C. (1989). Trabalho: a categoria-chave da sociologia. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 4(10), 5-20.

Ostermann, Fernanda; Cavalcante, Claudio José de Holanda. (2011). Epistemologia: implicações para o ensino de ciências. Porto Alegre: Evangraf

Paiva Júnior, F. G.; de Souza, A. L. M.; de Mello, S. C. B. (2011). Validade e confiabilidade na pesquisa qualitativa em Administração. Revista de Ciências da Administração, 13(31), 190.

Patrus, R.; Dantas, D. C.; Shigaki, H. B. (2015). O produtivismo acadêmico e seus impactos na pósgraduação stricto sensu: uma ameaça à solidariedade entre pares?/Academic productivity and its impacts in Postgraduate programs: is it a threat to solidarity between peers?. Cadernos EBAPE.BR, 13(1), 1.

Pêcheux, M. (2011). Análise de discurso. Textos selecionados. Trad. Eni Orlandi.

Pinto, Marcelo de Rezende.; da Silveira Santos, L. L. (2008). Em busca de uma trilha interpretativista para a pesquisa do consumidor: uma proposta baseada na fenomenologia, na etnografia e na grounded theory. RAEeletrônica, v. 7, n. 2.

Rocha, D.; Deusdará, B. (2005). Análise de Conteúdo e Análise do Discurso: aproximações e afastamentos na (re) construção de uma trajetória. Alea: Estudos Neolatinos, 7(2), 305-322.

Ruddin, L. P. (2006). You can generalize stupid! Social scientists, Bent Flyvbjerg, and case study methodology. Qualitative Inquiry, 12(4), 797-812.

Sampaio, C. H.; Perin, M. G.; Luce, F. B.; Santos, M. D.; Santini, F. D.; Oliveira, M. D.; Lenz, G. D. S. (2012). Pesquisa científica da área de marketing no Brasil: uma revisão da primeira década do século 21. Revista de Administração Contemporânea, 16(3), 459-478.

Scussel, Fernanda Bueno Cardoso. (2017). Superando a Lógica Paradigmática em Marketing: Proposta de Compreensão da Produção Nacional da Disciplina a Partir das Matrizes Epistêmicas. VI Colóquio Internacional de Epistemologia e Sociologia da Ciência da Administração.

Shepherd, C.; Challenger, R. (2013). Revisiting paradigm (s) in management research: a rhetorical analysis of the paradigm wars. International Journal of Management Reviews, 15(2), 225-244.

Sheth, J. N.; Gardner, D. M.; Garrett, D. E. (1988). Marketing theory: evolution and evaluation. (Vol. 12). John Wiley & Sons Inc.

Stake, R. E.; Trumbull, D. J. (1982). Naturalistic generalizations. Review Journal of Philosophy and Social Science, 7(1), 1-12.

Strauss, A. L.; Corbin, J. (2008). Pesquisa qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada. Artmed.

Teixeira, J. C.; Nascimento, M. C. R.; Carrieri, A. D. P. (2012). Triangulação entre métodos na administração: gerando conversações paradigmáticas ou meras validações “convergentes”. Revista de Administração Pública, 46(1), 191-220.

Vergara, S. C.; Caldas, M. P. (2005). Paradigma interpretacionista: a busca da superação do objetivismo funcionalista nos anos 1980 e 1990. Revista de Administração de Empresas, 45(4), 66-72.

Vieira, V. A.; Tibola, F. (2005). Pesquisa qualitativa em marketing e suas variações: trilhas para pesquisas futuras. Revista de Administração Contemporânea, 9(2), 9-33.

Yin, R. K. (1981). The case study crisis: Some answers. Administrative science quarterly, 26(1), 58-65.

Yin, R. K. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman

Aaker, D. A.; Kumar, V.; Day, G. S. (2004). Pesquisa de marketing. São Paulo: Atlas.