Fundos de Investimentos Socialmente Responsáveis e Fundos Convencionais: Existem Diferenças de Desempenho? Outros Idiomas

ID:
46864
Resumo:
Objetivo: - O objetivo deste estudo foi comparar o desempenho de fundos de investimento em ações sustentabilidade/governança (socialmente responsáveis - SRI) e de fundos de ações Ibovespa Ativo (convencionais), com o propósito de inferir se, em média, os primeiros possuem desempenho superior ou semelhante aos convencionais. Fundamento: - O problema potencial dos fundos SRI’s, destacado por Lean, Ang e Smyth (2015) é que estes fundos contradizem a teoria moderna das carteiras. Uma carteira SRI é menos diversificada devido ao processo de filtragem na seleção e formação do portfólio e, desse modo, pode ser considerada mais arriscada. Pretende-se observar se os investidores com preocupações ambientais e sociais que optam por investir em fundos SRI’s estão obtendo vantagem, em relação ao desempenho pela sua escolha. Método: - O desempenho dos fundos foi medido pelo alfa de Jensen calculado para cada fundo da amostra através da regressão do retorno em excesso do fundo contra os fatores de risco do modelo de Carhart (1997) e o desempenho em relação ao risco/retorno foi medido pelo Índice de Sharpe. Resultados: - Os resultados demonstraram que, em média, os fundos de investimento em ações socialmente responsáveis (SRI) e os fundos de investimento em ações convencionais possuem desempenho semelhante. Entretanto, para o período de 2009 a 2012, os fundos SRI demonstraram melhor relação risco/retorno. Contribuições: - Este tema ainda é pouco explorado no mercado brasileiro. Pretende-se contribuir para a literatura sobre fundos de investimentos socialmente responsáveis. Ademais, este estudo inova na incorporação das variáveis características dos fundos que influenciam seu desempenho, nas estimações.
Citação ABNT:
SILVA, S. E.; IQUIAPAZA, R. A. Fundos de Investimentos Socialmente Responsáveis e Fundos Convencionais: Existem Diferenças de Desempenho? . Revista Evidenciação Contábil & Finanças, v. 5, n. 3, p. 4-21, 2017.
Citação APA:
Silva, S. E., & Iquiapaza, R. A. (2017). Fundos de Investimentos Socialmente Responsáveis e Fundos Convencionais: Existem Diferenças de Desempenho? . Revista Evidenciação Contábil & Finanças, 5(3), 4-21.
DOI:
10.18405/recfin20170301
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/46864/fundos-de-investimentos-socialmente-responsaveis-e-fundos-convencionais--existem-diferencas-de-desempenho---/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Amaral, G. H. O.; Iquiapaza, R. A. (2013). Rentabilidade e desempenho de ações de empresas socialmente responsáveis. Revista da Faculdade de Administração e Economia, 4(2), 61-81.

Anbima.Associação Nacional das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais. (2015). Classificação de Fundos: visão geral e nova estrutura. Recuperado em 07 de abril, 2016, de http://portal.anbima.com.br/fundos-de-investimento/nova-classificacao-de-fundos/Pages/default.aspx.

Anbima. Associação Nacional das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais. (2016). Consolidado Histórico de Fundos de Investimento. Recuperado em 29 de setembro, 2016, de http://www.anbima.com.br/pt_br/informar/estatisticas/fundos-de-investimento/fi-consolidado-historico.html

Araújo, E. A. T.; Oliveira, V do C.; Silva, W. A. C. (2012). CAPM em estudos brasileiros: uma análise da pesquisa. Revista de Contabilidade e Organizações, 6(15), 95.

Bodie, Z.; Kane, A.; Marcus, A. J. (2010). Investments. McGraw-Hill.

Brigham, E. F.; Ehrhardt, M. C. (2012). Administração Financeira: teoria e prática. 2 ed. São Paulo: Cengage Learning.

Brigham, E. F.; Gapenski, L. C.; Ehrhardt, M. C. (2008). Administração Financeira: Teoria e Prática. 1. ed. São Paulo: Atlas.

Brooks, C. (2002). Introductory econometrics for finance. 2 ed. Cambridge university press.

Calado, L. R. (2011). Fundos de investimento: conheça antes de investir. Rio de Janeiro: Elsevier.

Carhart, M. M. (1997). On persistence in mutual fund performance. The Journal of finance, v. 52, n. 1, p. 57-82.

Carneiro, R. L. A. (2014). A Influência da Certificação dos Administradores de Carteira Brasileiros no Desempenho de Fundos de Investimento. Dissertação de Mestrado em Administração - Centro de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração- FACE-UFMG, Minas Gerais.

CVM.Comissão de Valores Mobiliários. (2014). Texto Integral da Instrução CVM Nº 555, de 17 de dezembro de 2014, com as Alterações Introduzidas pelas Instruções CVM Nº 563/1, 564/15 E 572/15. Dispõe sobre a constituição, a administração, o funcionamento e a divulgação de informações dos fundos de investimento. Rio de Janeiro.

Damodaran, A. (2002). Finanças Corporativas Aplicadas Manual do Usuário. 1 ed. Porto Alegre: Bookman.

Fama, E. F.; French, K. R. (1993). Common risk factors in the returns on stocks and bonds. Journal of Financial Economics, v. 33, n. 1, p. 3-56.

Fama, E. F.; French, K. R. (1996). The CAPM is wanted, dead or alive. The Journal of Finance, v. 51, n. 5, p. 1947-1958.

Favero, L. P.; Belfiore, P.; Silva, F. D.; Chan, B. L. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Elsevier.

Galvão, A.; Bressan, A. A.; Campos, B de. (2008). Finanças corporativas: teoria e prática empresarial no Brasil. Elsevier.

Gujarati, D. N. (2004). Basic Econometrics. Fourth Edition. The McGraw−Hill Companies.

Jensen, M. C. (2001). Value maximization, stakeholder theory, and the corporate objective function. Journal of Applied Corporate Finance, v. 14, n. 3, p. 8-21.

Lean, H. H.; Ang, W. R.; Smyth, R. (2015). Performance and performance persistence of socially responsible investment funds in Europe and North America. The North American Journal of Economics and Finance, v. 34, p. 254-266.

Maciel, R. S. A.; Montezano, R. M. S. (2016). Desempenho de Fundos de Investimento Socialmente Responsáveis no Brasil. Revista Economia & Gestão, v. 16, n. 42, p. 32-60.

Mansor, F.; Bhatti, M. I.; Ariff, M. (2015). New evidence on the impact of fees on mutual fund performance of two types of funds. Journal of International Financial Markets, Institutions and Money, v. 35, p. 102-115.

Markowitz, H. (1952). Portfolio selection. The Journal of Finance, v. 7, n. 1, p. 77-91.

Milani, B.; Ceretta, P. S. (2013). Efeito tamanho nos fundos de investimento brasileiros. Revista de Administração da UFSM, v. 6, n. 1, p. 119-138.

Paz, R. A. L. (2016). Influência do Monitoramento pelos Cotistas na Performance e Captação dos Fundos Brasileiros de Investimento em Ações. Dissertação de Mestrado em Administração - Centro de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração - FACE-UFMG, Minas Gerais.

Quantum Axis. (2016). Nd. https://www.quantumaxis.com.br/webaxis/

Ramsey, J. B. (1969). Tests for specification errors in classical linear least-squares regression analysis. Journal of the Royal Statistical Society, p. 350-371. Series B (Methodological)

Renneboog, L.; Horst, J. T.; Zhang, C. (2008). The price of ethics and stakeholder governance: The performance of socially responsible mutual funds. Journal of Corporate Finance, v. 14, n. 3, p. 302-322.

Rezende, I. A. C.; Santos, L. S. R. (2006). Análise da rentabilidade e performance dos investimentos socialmente responsáveis: um estudo empírico no mercado brasileiro. Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, v. 30, 2006, Salvador. Anais do XXX ENANPAD. Salvador: ANPAD.

Rockness, J.; Williams, P. F. (1988). A descriptive study of social responsibility mutual funds. Accounting, Organizations and society, 13(4), 397-411.

Roll, R. (1977). A critique of the asset pricing theory's tests Part I: On past and potential testability of the theory. Journal of financial economics, v. 4, n. 2, p. 129-176.

Sartore, Marina de Souza (2012). A sociologia dos índices de sustentabilidade. Tempo Social, São Paulo, v. 24, n. 2, p. 169-187. Recuperado em 2 dezembro, 2016, de http://www.journals.usp.br/ts/article/view/53137