Utilização de Provisões para a Prática de Gerenciamento de Resultados em Empresas Brasileiras Outros Idiomas

ID:
46866
Resumo:
Objetivo: - Objetivou-se analisar se a constituição de (1) provisões para garantias, (2) benefícios a empregados e (3) riscos fiscais estão sendo utilizadas para provocar algum efeito de accruals específicos, que evidenciem a prática de Gerenciamento de Resultados (GR). Fundamento: - Devido às particularidades das contas de provisões, surgem as oportunidades para gerenciar os accruals específicos com o propósito de melhorar parâmetros de solvência e reduzir pagamentos dos impostos, por exemplo. Método: - A amostra foi composta por empresas listadas na BM&FBovespa com dados trimestrais de 2011 a 2015, de três formas: empresas com provisão para garantias de produtos, mercadorias e serviços, contemplando 225 observações; empresas que possuem provisão para benefícios a empregados, perfazendo 321 observações; e por fim, aquelas com provisão para riscos fiscais, contendo 2.432 observações. Os dados foram analisados utilizando regressão de dados em painel, a partir dos modelos de McNichols e Wilson (1995), Martinez (2006) e Fasolin e Klann (2015). Resultados: - Os resultados apontam que as provisões para garantias são explicadas pelo endividamento e valor dos estoques; as provisões para benefícios a empregados são explicadas pelo endividamento, tamanho e pelo valor das obrigações sociais; e as provisões para riscos fiscais são explicadas pela variação do lucro líquido. Conclui-se que os modelos 1 e 2 apontam para práticas de GR, enquanto o modelo relativo à provisão para riscos fiscais mostrou fraco poder explicativo. Contribuições: - A possibilidade de manipulação por meio de uma alternativa artificial sobre ativos específicos, torna-se importante para os stakeholders, pois essa decisão poderá influenciar seus negócios.
Citação ABNT:
DANI, A. C.; PANUCCI FILHO, L.; SANTOS, C. A. D.; KLANN, R. C. Utilização de Provisões para a Prática de Gerenciamento de Resultados em Empresas Brasileiras . Revista Evidenciação Contábil & Finanças, v. 5, n. 3, p. 37-56, 2017.
Citação APA:
Dani, A. C., Panucci Filho, L., Santos, C. A. D., & Klann, R. C. (2017). Utilização de Provisões para a Prática de Gerenciamento de Resultados em Empresas Brasileiras . Revista Evidenciação Contábil & Finanças, 5(3), 37-56.
DOI:
10.18405/recfin20170303
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/46866/utilizacao-de-provisoes-para-a-pratica-de-gerenciamento-de-resultados-em-empresas-brasileiras--/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Almeida-Santos, P. S.; Machado, D. G.; Scarpin, J. E. (2013). Gerenciamento de resultados no setor público: análise por meio das contas orçamentárias outras receitas e despesas correntes dos municípios de Santa Catarina. Contabilidade Vista & Revista, 23(4), 15-43.

Burgstahle, R. D. C.; Eames, M. J. (2003). Earnings Management to Avoid Losses and Earnings Decreases: Are Analysts Fooled? Contemporary Accounting Research, 20(2), 253-294.

Burgstahler, D. C.; Hail, L.; Leuz, C. (2006). The importance of reporting incentives: Earnings management in European private and public firms. The Accounting Review, 81(5), 983-1016.

Caetano, T. P.; Silva, T. B.; Biesdorf, S.; Leal, E. A. (2010). Evidenciação do Passivo Contingencial nas Demonstrações Contábeis: Um estudo nas Empresas de Papel e Celulose. In: Anais X Congresso USP de Controladoria e Contabilidade. São Paulo/SP.

Campbell, K.; Sefcik, S. E.; Soderstrom, N. S. (2003). Disclosure of Private Information and Reduction of Uncertainty: Environmental Liabilities in the Chemical Industry. Review of Quantitative Finance and Accounting, 21(1), 349-378.

Chavent, M.; Ding, Y.; Fu, L.; Stolowy, H.; Wang, H. (2006). Disclosure and determinants studies: An extension using the divisive clustering method (DIV). European Accounting Review, 15(2), 181-218.

Coelho, A. C.; Lima, I. S. (2009). Gerenciamento de resultados contábeis no Brasil: Comparação entre Companhias de Capital Fechado e de Capital Aberto. Revista de Administração, 44(3), 207-221.

Cohen, D.; Darrough, M. N.; Huang, R.; Zach, T. (2011). Warranty Reserve: Contingent Liability, Information Signal, or Earnings Management Tool? The Accounting Review, 86(2), 569-604.

Colauto, R. D.; Beuren, I. M. (2006). A identificação de accruals na sintaxe do lucro contábil: o caso Parmalat Brasil. Revista Eletrônica de Administração, 12(2), 1-24.

Comitê de Pronunciamentos Contábeis. (2009). Pronunciamentos Técnicos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis: CPC 25 - Provisão, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes, de 26 de junho, 2009. (2009).

Deangelo, L. (1988). Discussion of Evidence of Earnings Management from the Provision for Bad Debts. Journal of Accounting Research, 26(suppl.), 32-40.

Dechow, P.; Ge, W.; Schrand, C. (2010). Understanding earnings quality: A review of the proxies, their determinants and their consequences. Journal of Accounting and Economics, 50(2-3), 344-401.

Dechow, P. M.; Sloan, R. G.; Sweeney, A. P. (1995). Detecting earnings management. The Accounting Review, 70, 193-225.

Defond, M. L.; Park, C. W. (1997). Smoothing income in anticipation of future earnings. Journal of Accounting and Economics, 23(2), 115-139.

Ernest & Young & Fipecafi. (2011). IFRS: 1º ano - análise sobre a adoção inicial do IFRS no Brasil 2011. Ernest & Young Terco.

Ernst & Young Terco. (2012). Análises sobre o IFRS no Brasil. São Paulo: Ernst & Young Terco.

Fasolin, L. B.; Klann, R. C. (2015). Gerenciamento De Resultados Por Accruals Específicos em Empresas Familiares Brasileiras. In: Anais do IX Congresso Anpcont, Fortaleza.

Fávero, L. P.; Belfiore, P.; Silva, F.L.; Chan, B.L. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Elsevier.

Fernandes, J. F. C. (2015). Fatores determinantes da constituição das provisões em Portugal e no Brasil. 2015. Dissertação de Mestrado em Contabilidade e Finanças. Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto. Instituto Politécnico do Porto, Porto.

Ferrari, Ed L. (2013). Contabilidade geral-revista, ampliada e atualizada com as seguintes posições dos Pronunciamentos e Interpretações Técnicas do CPC. Niterói: Impetus.

Fonteles, I. V.; Nascimento, C. P. S.; Ponte, V. M. R.; Rebouças, S. M. D. P. (2014). Determinantes da Evidenciação de Provisões e Contingências por Companhias listadas na BM&FBovespa. Revista Gestão Organizacional, 6(4), 85-98.

Formigoni, H.; Antunes, M. T. P.; Paulo, E. (2009). Diferença entre o lucro contábil e lucro tributável: uma análise sobre o gerenciamento de resultados contábeis e gerenciamento tributário nas companhias abertas brasileiras. BBR Brazilian Business Review, 6(1), 44-61.

Formigoni, H.; Antunes, M. T. P.; Paulo, E.; Pereira, C. A. (2012). Estudo sobre os incentivos tributários para o gerenciamento de resultados contábeis nas companhias abertas brasileiras. BASE - Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, 9(1), 41-52.

Gleason, C. A.; Mills, L. F. (2002). Materiality and contingent tax liability reporting. The Accounting Review, 77(2), 317-342.

Gomes, A. C. (2013). Ativos Fiscais Diferidos e o Gerenciamento de Resultados Contábeis. In: Anais do XIII Congresso USP Controladoria e Contabilidade, São Paulo.

Goulart, A. M. C. (2015). Gerenciamento de resultados contábeis em instituições financeiras no Brasil. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2007. Disponível em: . Acesso em: 13 nov. 2015.

Graham, J. R.; Harvey, C. R.; Rajgopal, S. (2005). The economic implications of corporate financial reporting. Journal of Accounting and Economics, 40(1-3), 3-73.

Healy, P. M. (1985). The effect of bonus schemes on accounting decisions. Journal of Accounting and Economics, 7(1-3), 85-107.

Healy, P. M.; Wahlen, J. M. (1999). A review of the earnings management literature and is implications for standard stting. Accounting Horizons, 13(4), 365-383.

Iudícibus, S.; Martins, E.; Gelbcke, E. R.; Santos, A. (2010). Manual de Contabilidade Societária: aplicável a todas as Sociedades de acordo com as Normas Internacionais e do CPC. In: Fipecafi, orgs. São Paulo: Atlas.

Joia, R. M. (2012). Adoção de IFRS e gerenciamento de resultado nas empresas brasileiras de capital aberto. Dissertação de Mestrado em Ciências Contábeis, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.

Martinez, A. L. (2001). “Gerenciamento” dos resultados contábeis: estudo empírico das companhias abertas brasileiras. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Martinez, A. L. (2006). Minimizando a Variabilidade dos Resultados Contábeis: Estudo Empírico do Income Smoothing no Brasil. Revista Universo Contábil, 2(1), 9-25.

Martinez, A. L. (2013). Gerenciamento de resultados no Brasil: um survey da literatura. BBR-Brazilian Business Review, 10(4), 1-31.

Martinez, A. L.; Cardoso, R. L. (2009). Gerenciamento da informação contábil no Brasil mediante decisões operacionais. Revista Eletrônica de Administração, 15(3), 600-626.

Martinez, A. L.; Sonegheti, K. S. (2015). Contingências fiscais em face das mudanças de incidência do pis e da cofins. In: Anais do IX Congresso Anpcont, Curitiba.

Mcnichols, M.; Wilson, G. P. (1988). Evidence of Earnings Management from the Provision for Bad Debts. Journal of Accounting Research, 26(1), 1-31.

Melo, I. I. S. L.; Paulo, E. (2011). Análise do Modelo Operacional utilizado nas Pesquisas sobre Detecção de Gerenciamento dos Resultados Contábeis. In: Anais do III Encontro de ensino e pesquisa em Administração e Contabilidade, João Pessoa.

Nannini, L. C.; Salotti, B. M. (2009). IAS 37 - Provisões, contingências passivas e contingências ativas. In: Ernest e Young FIPECAFFI. Manual de normas internacionais de contabilidade: IFRS versus normas brasileiras. São Paulo: Atlas.

Oliveira, A. F.; Benetti, J. E.; Varela, P. S. (2011). Disclosure das provisões e dos passivos e ativos contingentes: um estudo em empresas listadas na BM&FBovespa. In: Anais do V Congresso Anpcont, Espirito Santo.

Paulo; Martins, E.; Corrar, L. J. (2007). Detecção do gerenciamento de resultados pela análise do diferimento tributário. Revista de Administração de Empresas, 47(1), 46-59.

Pereira, A. C. F. (2007). A Contabilidade ambiental: a sua revelação no relato financeiro. Jornal de Contabilidade, 367, 320-332.

Ribeiro, A. C. (2012). Provisões, contingências e normas contábeis: um estudo de gerenciamento de resultados com contencioso legal no Brasil. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto, Recuperado em 13 de novembro de 2015, de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/96/96133/tde-17052012-114448/

Rodrigues, A. (2008). Gerenciamento da informação contábil e regulação: evidências no mercado brasileiro de seguros. Tese de Doutorado em Ciências Contábeis, Departamento de Contabilidade e Atuária, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Rodrigues, A. (2008). Gerenciamento da Informação Contábil: Pesquisas Empíricas Realizadas no Mercado Norte-Americano de Seguros. In: Anais do XXXII Encontro da ANPAD, Rio de Janeiro.

Rodrigues, A. (2010). Gerenciamento dos resultados contábeis através de receitas e Despesas nãooperacionais: estudo empírico das companhias “Nível 1” - Bovespa. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 2(1), 5-18.

Rodrigues, A.; Martins, E. (2010). Gerenciamento da informação contábil através das provisões técnicas constituídas por sociedades seguradoras. Revista Universo Contábil, 6(1), 46-66.

Rodrigues, A.; Paulo, E.; Carvalho, L. N. (2007). Gerenciamento de resultados por meio das transações entre companhias brasileiras interligadas. Revista de Administração, 42(2), 216-226.

Roychowdhury, S. (2006). Earnings management through real activities manipulation. Journal of Accounting and Economics, 42(3), 335-370.

Santos, A.; Paulo, E. (2006). Diferimento das perdas cambiais como instrumento de gerenciamento de resultados. BBR- Brazilian Business Review, 3(1), 15-31.

Scarpin, J. E.; Macohon, E. R.; Dallabona, L. F. (2014). Variabilidade dos índices de endividamento em relação à adição dos passivos contingentes na estrutura patrimonial das empresas listadas na BM&FBovespa. Revista de Contabilidade e Organizações, 8(22), 4-14.

Stubben, S. R. (2010). Discretionary revenues as a measure of earnings management. The Accounting Review, 85(2), 695-717.

Tang, T. Y. (2006). Book-tax differences: a function of accounting-tax misalignment, earnings management and tax management: empirical evidence from China. In: American Accounting Association Annual Meeting, Washington DC.

Tsakumis, G. T. (2007). The influence of culture on accountants’ application of financial reporting rules. Abacus, 43(1), 27-48.

Watts, S. L.; Zimmerman, J. L. (1986). Positive accounting theory. New Jersey: PrenticeHall of Englewood Cliff.

Xiong, Y. (2006). Earnings management and its measurement: a theoretical perspective. The Journal of American Academy of Business, 9(1), 214-219