Relato Integrado e o Formato da Informação Financeira para Evidenciar a Criação de Valor das Empresas do Programa Piloto Outros Idiomas

ID:
46869
Resumo:
Objetivo: - descrever o conteúdo e a forma de evidenciação da criação de valor por meio das informações financeiras no Relato Integrado, a partir da publicação do Framework, em dezembro/2013. Fundamento: - diante do paradigma da responsabilidade social das organizações, o propósito da comunicação corporativa é evidenciar as diversas informações que afetam a criação de valor e ampliar o acesso por diferentes usuários. Esse também é o propósito do Relato Integrado [RI] ao conectar informações de seis capitais (financeiro, humano, intelectual, natural, manufaturado e de relacionamento) que levam ao pensamento integrado necessário para expressar como a empresa cria valor, no curto, médio e longo prazo, em linguagem concisa, conexa, completa e comparável, conforme framework do RI. Método: - pesquisa documental com apoio do Software Nvivo 11, nos Relatos Integrados das empresas que participam do Programa Piloto [PP] no Brasil, nos anos de 2014 e 2015. Resultados: - foi constatado uso limitado de alguns termos que fundamentam o RI e a informação financeira oriunda das Demonstrações Contábeis. Mas, também, foi identificado o uso de linguagem visual em sintonia com os princípios da concisão, completude, comparabilidade e conectividade nas informações dos RI. Contribuições: - ao meio acadêmico contribui para constatar a abordagem interdisciplinar do Relato Integrado ao conectar propósitos da Administração, da Contabilidade e da Comunicação. Às empresas, contribuiu na tomada de decisão ao mostrar a interface entre forma e conteúdo na evidenciação da criação de valor, além de desdobrar o Framework do RI.
Citação ABNT:
ALVES, N. J. F.; KASSAI, J. R.; LUCAS, E. C.; FERREIRA, H. M. G. Relato Integrado e o Formato da Informação Financeira para Evidenciar a Criação de Valor das Empresas do Programa Piloto . Revista Evidenciação Contábil & Finanças, v. 5, n. 3, p. 99-122, 2017.
Citação APA:
Alves, N. J. F., Kassai, J. R., Lucas, E. C., & Ferreira, H. M. G. (2017). Relato Integrado e o Formato da Informação Financeira para Evidenciar a Criação de Valor das Empresas do Programa Piloto . Revista Evidenciação Contábil & Finanças, 5(3), 99-122.
DOI:
10.18405/recfin20170306
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/46869/relato-integrado-e-o-formato-da-informacao-financeira-para-evidenciar-a-criacao-de-valor-das-empresas-do-programa-piloto-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Carvalho, N.; Kassai, J. R. (2014). Relato integrado: a nova revolução contábil. Revista FIPECAFI, 1, 21-34. Recuperado de: https://issuu.com/revistafipecafi/docs/revista_vol_1_corrigido.

Comissão de Valores Mobiliários. (2005). Deliberação CVM nº 488, de 03 de outubro de 2005. Recuperado de: http://www.cvm.gov.br/export/sites/cvm/legislacao/deliberacoes/anexos/0400/deli488.pdf

Conselho Federal de Contabilidade. (2008). Resolução CFC no 1.138/08. Brasília. Recuperado de: http://www1.cfc.org.br/sisweb/sre/detalhes_sre.aspx?Codigo=2008/001138

Conselho Federal de Contabilidade. (2011). Resolução CFC no 1.374/11. Brasília. Recuperado de: http://www.normaslegais.com.br/legislacao/resolucao-cfc-1374-2011.htm

Conselho Federal de Contabilidade. (2016). NBC TG 26 R4. Brasília. Recuperado de: http://www2.cfc.org.br/sisweb/sre/detalhes_sre.aspx?Codigo=2016/NBCTG26R4&arquivo=NBCTG26R4.doc

Da Cunha, J. V.; Morais, A. I.; Rodrigues, M. A. (2016). Integrated reporting - IR: o novo paradigma em corporate reporting. Revisores e Auditores, 34-41. Recuperado de: http://www.oroc.pt/fotos/editor2/Revista/72/Contabilidade.pdf

Da Silva, S. L. (2011). Stakeholders, recursos e criação de valor. Navus - Revista de Gestão e Tecnologia, 1(1), 105-111. Doi: https://doi.org/10.22279/navus.2011.v1n1.p105-111.18.

Eccles, R. G.; Krzus, M. P. (2011). Relatório único: divulgação integrada para uma estratégia sustentável. São Paulo: Saint Paul Editora.

Eccles, R. G.; Spiesshofer, B. (2015). Integrated reporting for a re-imagined capitalism. Harvard Business School General Management Unit Working Pape. 16-032. Doi.org/10.2139/ssrn.2665737.

Ernst & Young. (2014). Relato Integrado: pensamento, estratégia e valor compartilhado. Recuperado de: http://www.ey.com.br/Publication/vwLUAssets/Relato_Integrado_2014/$FILE/RelatoIntegrado_WEB.pdf.

Ferreira-Quilice, T.; Caldana, A. C. F. (2015). Aspectos negativos no modelo de reporte proposto pela GRI: a opinião das organizações que reportam. Revista de Administração (São Paulo), 50(4), 405-415. Doi: http://dx.doi.org/10.5700/rausp1209.

Garrison, R. H.; Noreen, E. W.; Brewer, P. C. (2013). Contabilidade gerencial. 14 ed. Porto Alegre: AMGH Editora. Recuperado de: https://books.google.com.br/books.

Gonzaga, R. P.; Da Cruz, A. P. C.; Pereira, C. A.; Da Luz, A. T. M. (2015). Associação entre missão institucional declarada por empresas brasileiras e seus indicadores de desempenho. Contabilidade Vista & Revista, 26(1). Recuperado de: http://www.redalyc.org/html/1970/197038251002/

GRI. (2013) G4 Diretrizes para o relatório de sustentabilidade. Princípios para o relatório e conteúdo padrão. Global Reporting Reporting Initiative. Amsterdam. Recuperado de: https://www.globalreporting.org/resourcelibrary/Brazilian-Portuguese-G4-Part-Two.pdf.

Havlová, K. (2015). What integrated reporting changed: the case study of early adopters. Procedia Economics and Finance, 34, 231-237. Doi: 10.1016/S2212-5671(15)01624-X

Institute of Chartered Accountant of England and Wales. (2009). Developments in new reporting models. Financial Reporting Faculty of ICAEW. Recuperado de http://www.aaajournals.org/doi/pdf/10.2308/accr.00000004

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. (2015). Código das Melhores Práticas de Governança Corporativa. 5 ed. Recuperado de: http://www.ibgc.org.br/userfiles/2014/files/codigoMP_5edicao_web.pdf International Integrated Reporting Council. (2011). Discussion paper: towards integrated reporting – Communicating value in the 21st century. Recuperado de: http://theiirc.org/wp-content/uploads/2011/09/IR-Discussion-Paper-2011_spreads.pdf

International Federation of Accountants. (2015). Creating value with integrated thinking: the role of professional accountants. Recuperado em: http://html5.epaperflip.com/?docid=169c6165-6ce1411e-aacc-a561002373a4#page=1

International Integrated Reporting Council. (2011). Discussion paper: towards integrated reporting – Communicating value in the 21st century. Recuperado de: http://theiirc.org/wp-content/uploads/2011/09/IR-Discussion-Paper-2011_spreads.pdf

International Integrated Reporting Council. (2013). The international framework. Recuperado de: http://www.theiirc.org/wp-content/uploads/2013/12/13-12-08-THE-INTERNATIONAL-IRFRAMEWORK-2-1.pdf.

Jensen, J. C.; Berg, N. (2012). Determinants of traditional sustainability reporting versus integrated reporting, an institutionalist approach. Business Strategy and the Environment, 21(5), 299-316. doi: 10.1002/bse.740.

Klovienė, L.; Speziale, M. T. (2014). Sustainability reporting as a challenge for performance measurement: Literature review. Economics and Business, 26, 44-53. Recuperado de: http://dx.doi.org/10.7250/eb.2014.019.

Lencastre, J. A.; Chaves, J. H. (2007). A imagem como linguagem. In Libro de actas do IX Congreso Internacional Galego-Portugués de Psicopedagoxía. pp. 1162-1173. Universidade da Coruña. Recuperado de: https://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/26093.

Lopes, A. C.; De Luca, M. M. M.; Góis, A. D.; de Vasconcelos, A. C. (2017). Disclosure Socioambiental, Reputação Corporativa e Criação de Valor nas Empresas Listadas na BM&FBovespa. Revista Ambiente Contábil, 9(1), 364-382. Recuperado de: https://search.proquest.com/openview/5fe9b991a2f16378e1523381c38e9b66/1?pq-origsite=gscholar&cbl=2036235

Mazzioni, S.; Di Domenico, D.; Bedin, H. N. (2014). Evidenciação de informações dos ativos intangíveis em empresas brasileiras de capital aberto. Revista GEINTEC-Gestão, Inovação e Tecnologias, 4(5), 1501-1520. Doi: 10.7198/geintec.v4i5.446

Ocean Tomo. (2015). Components of S&P 500 Market value, 2015. Recuperado de: http://www.oceantomo.com/2015/03/04/2015-intangible-asset-market-value-study/.

Pereira, D. A. C. (2016). Relato integrado: utopia ou realidade. Dissertação de Mestrado, Instituto Politécnico de Setúbal. Escola Superior de Ciências Empresariais, Setúbal. Recuperado de: https://comum.rcaap.pt/handle/10400.26/14349.

Perrotta, C. (2004). Um texto pra chamar de seu: preliminares sobre produção de texto acadêmico. São Paulo: Martins Fontes.

Roth, H. P. (2014). Is integrated reporting in the future? The CPA Journal, 84(3), 62-67. Recuperado de: http://search.proquest.com/openview/bf2e09b0c0aa60f813abb567c6de6d6b/1?pqorigsite=gscholar

Santaella, L. (2002). Semiótica aplicada. São Paulo: Thomson.

Silva, J M da. (2006). Interfaces: Michel Maffesoli, teórico da comunicação. Revista Famecos: mídia, cultura e tecnologia, 1(25). Recuperado de: http://revistas.univerciencia.org/index.php/famecos/article/viewArticle/401.