Práticas Contábeis Adotadas por Entidades do Terceiro Setor: Uma Análise Junto a Templos Religiosos de Pernambuco à Luz da ITG 2002 Outros Idiomas

ID:
46870
Resumo:
Objetivo: - Este estudo teve como objetivo verificar o grau de aderência das entidades religiosas, quanto à ITG 2002, em suas práticas contábeis. Fundamento: - As entidades religiosas, embora não obrigadas a publicarem seus relatórios contábeis de prestação de contas, quando optarem por elaborar e divulgar suas demonstrações, devem seguir as normas e recomendações do Conselho Federal de Contabilidade (CFC) para a elaboração das demonstrações contábeis. Os templos, como pessoas jurídicas de direito privado sem finalidade de lucros, devem seguir a ITG 2002, documento aprovado pela Resolução CFC nº 1.409/2012. Método: - Foram estudadas as demonstrações contábeis de quinze templos religiosos do Estado de Pernambuco, sendo a escolha realizada por critério de conveniência. A coleta de dados se deu através da técnica de survey, com aplicação de um questionário semiestruturado, visando observar se as práticas contábeis adotadas pelas entidades estavam em conformidade com a norma. ITG 2002 Para analisar os dados adotou-se o procedimento de análise de conteúdo. Resultados: - A pesquisa revelou que as práticas contábeis adotadas pelas entidades religiosas do Estado de Pernambuco não estão totalmente em conformidade com a Interpretação Técnica pertinente (ITG 2002). Há, portanto, oportunidade para os templos religiosos adotarem boas práticas no âmbito contábil e gerencial. Embora a aplicação deste normativo não seja obrigatório por lei, sua utilização pode contribuir para aumentar a transparência e a accountability dessas entidades, já que elas são mantidas por meio de doações. Contribuições: - O estudo é relevante porque permite que se conheçam as práticas contábeis adotadas pelos templos religiosos e também por revelar que há oportunidades para melhorias na prestação de contas dessas entidades para seus constituintes e provedores de recursos.
Citação ABNT:
SILVA, P. K. F.; CORREIA, J. J. A.; LIMA, A. C. S.; SILVA, F. E. A.; MIRANDA, L. C. Práticas Contábeis Adotadas por Entidades do Terceiro Setor: Uma Análise Junto a Templos Religiosos de Pernambuco à Luz da ITG 2002 . Revista Evidenciação Contábil & Finanças, v. 5, n. 3, p. 123-139, 2017.
Citação APA:
Silva, P. K. F., Correia, J. J. A., Lima, A. C. S., Silva, F. E. A., & Miranda, L. C. (2017). Práticas Contábeis Adotadas por Entidades do Terceiro Setor: Uma Análise Junto a Templos Religiosos de Pernambuco à Luz da ITG 2002 . Revista Evidenciação Contábil & Finanças, 5(3), 123-139.
DOI:
10.18405/recfin20170307
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/46870/praticas-contabeis-adotadas-por-entidades-do-terceiro-setor--uma-analise-junto-a-templos-religiosos-de-pernambuco-a-luz-da-itg-2002--/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Araújo, O. C. (2005). Contabilidade para organizações do terceiro setor. São Paulo: Atlas.

Bardin, L. (2007). Análise de conteúdo. (L. A. Rego & A. Pinheiro, Trads.). Lisboa: Edições 70.

Boedau, A. V.; Lima, L. M. (2008). Importância da contabilidade para o terceiro setor. São Paulo: M.A.S.

Brasil. (1911). República e Laicidade: Lei da separação da igreja do estado. Recuperado em 10 junho, 2014, de http://www.laicidade.org/documentacao/legislacao-portuguesa/portugal/republica1910-1926/lei-da-separacao-da-igreja-do-estado/.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Recuperado em 11 junho, 2014, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm.

Brasil. (2002). Código civil brasileiro. Recuperado em 23dezembro, 2013, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10406.htm.

Burchell, S.; Clubb, C.; Hopwood, A. G. (1985). Accounting in its Social Context: Towards a History of Value Added in the United Kingdom’Accountin. Organizations and Society, pp. 341-413.

Camargo, M. F. (2001). Gestão do terceiro setor no Brasil. São Paulo: Futura.

Carneiro, A. F.; Oliveira, D. L.; Torres, L. C. (2001). Accountability e prestação de contas das organizações do terceiro setor: uma abordagem à relevância da contabilidade. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 6(2), pp. 90-105.

CFC. (2012). Interpretação Técnica ITG 2002. Recuperado em 12junho, 2014, de http://www.cfc.org.br/sisweb/sre/detalhes_sre.aspx?Codigo=2012/001409.

CFC. (2012). Obrigatoriedade da escrituração contábil. Recuperado em 12 de Junho, 2014, de http://portalcfc.org.br/coordenadorias/camara_tecnica/faq/faq.php?Id=1879.

Coliath, G. C. (2014). A contabilidade como ciência social e sua contribuição para o capitalismo. Revista ENIAC Pesquisa, 3(2), 152-161.

Corrêa, V. S.; Vale, G. M. V. (2017). Ação econômica e religião: Igrejas como empreendimentos no Brasil. Revista de Administração Contemporânea, 21(1), 1-18.

Cruz, C. V. O. A. (2010). A relevância da informação contábil para os investidores sociais privados de entidades do terceiro setor no Brasil: uma investigação empírica. Tese de Doutorado (Doutora em Controladoria e Contabilidade). São Paulo: Universidade de São Paulo.

EFF. (2015). Vaticano é acusado de desvio de dinheiro e gastos excessivos. Recuperado em 07 de julho de 2017, de http://odia.ig.com.br/noticia/mundoeciencia/2015-11-03/vaticano-e-acusado-de-desvio-de-dinheiro-e-gastos-excessivos.html.

Falconer, A. P. (1999). A promessa do terceiro setor: um estudo sobre a construção do papel das organizações sem fins lucrativos e do seu campo de gestão. Dissertação de Mestrado (Mestre em Administração). São Paulo: Universidade de São Paulo.

Faria, J. A.; Rego, A. L. S. (2014). Transparência nas entidades religiossas: um estudo de caso sobre a aplicação de fatores que cotribuem para a transparência financeira na paróquia senhor do bonfim. Revista Teologia e Ciências da Religião, 4(1), 267-299.

Favero, H. L.; Lonardoni, M.; Souza, C.; Takamura, M. (2011). Contabilidade: teoria e prática. 16 ed. São Paulo: Atlas.

Fernandes, V. (2016). Receita cobra quase R$ 23 milhões por fraude em Igreja Maranata no ES. Recuperado em 07 de julho de 2017, de http://g1.globo.com/espiritosanto/noticia/2016/04/receita-cobra-quase-r-23-milhoes-por-fraude-em-igreja-maranata-noes.html.

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa (3ª ed.; J. E. Costa, Trad.). São Paulo: Artmed.

Folha de São Paulo. (2010). Procuradoria pede condenação da Fundação Renascer e ex-bispo por desvio de dinheiro. Recuperado em 07 de julho de 2017, de http://www1.folha.uol.com.br/poder/2010/08/783655-procuradoria-pede-condenacao-da-fundacao-renascer-e-ex-bispo-pordesvio-de-dinheiro.shtml.

Freeman, R. J.; Shoulders, C. D. (1993). Governmental and nonprofit accounting: theory and practice. 4 ed. Ed. New Jersey: Prentice Hall.

Gomes, D. R. (2000). A evolução dos registros contabilísticos e a aplicação da partida dobrada em Portugal. Dissertação de Mestrado. (Mestre em Contabilidade e Auditoria). Braga: Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho.

Hardy, L.; Ballis, H. (2013). Accountability and giving accounts informal reporting practices in a religious corporation. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 26(4), 539-566.

Ihemeje, J. C.; Okereafor, G.; Ogungbangbe, B. M. (2015). The use of accounting system in the Nonprofit-Oriented Church Organizations of Nigeria. International Journal of Management Science and Business Administration, 1(12), 58-66.

Iudícibus, S.; Martins, E.; Gelbcke, E. R.; Santos, A. (2010). Manual de Contabilidade Societária. 1ª ed. São Paulo: Atlas.

Kothe, A. C. C. L.; Sousa, L. A.; Gozer, I. C. (2009). Orçamento em entidades sem fins lucrativos: estudo de caso em uma entidade religiosa. Rev. Ciênc. Empres. UNIPAR, 10(1), 69-98.

Laughlin, R. C. (1988). Accounting in its social context: an analysis of the accounting systems of the Church of England. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 1(2), 19-42.

Lehman, J. F.; Mehrens, W. A. (1971).Educational research: readings in focus. New York: Holt, Rineart & Winston.

Matarazzo, D. C. (2003). Análise financeira de balanços: abordagem básica e gerencial. 6ª ed. São Paulo: Atlas.

Mendonça, L. R.; Machado Filho, C. A. P. (2004) Governança nas organizações do terceiro setor: considerações teóricas. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, 39(4), 302-308.

Nascimento, A. M.; Reginato, L. (2008). Divulgação da informação contábil, governança corporativa e controle organizacional: uma relação necessária. Revista Universo Contábil, 4(3), 25-47.

Olak, P. A.; Nascimento, D. T. (2010). Contabilidade para entidades Sem Fins Lucrativos (Terceiro Setor). 3ª ed. São Paulo: Atlas.

Oliveira, A.; Romão, V. (2011). Manual do terceiro setor e instituições religiosas. 3ª ed. São Paulo: Atlas.

Paixão, J. C.; Lourenço, A. (1994). Contos do Reino e da Casa. Lisboa: Tribunal de Contas.

Portulhak, H.; Delay, A. J.;Pacheco, V. (2015) Prestação de contas por entidades do terceiro setor e seus impactos na obtenção de recursos: um olhar sobre o comportamento dos doadores individuais. Pensar Contábil, 17(64), 39-47.

Saunders, M.; Lewis, F.; Thornhill, A. (2016). Research methods of business students. 7ª ed. England: Pearson.

Soares, L. L.; Vicente, E. F. R.; Lunkes, R. J. (2010). Controles internos em pequenas comunidades católicas de Florianópolis. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 5(Especial), 67-83.

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo, Atlas.

Vergara, S. C. (2006). Projetos e relatórios de pesquisa em Administração. 7ª ed. São Paulo: Atlas.