Inovação Aberta nas Empresas Brasileiras: Uma Análise da Produção Acadêmica no Período de 2003 a 2016 Outros Idiomas

ID:
46876
Resumo:
O objetivo deste artigo é traçar um perfil da pesquisa científica em Inovação Aberta (IA) no Brasil no período de 2003 a 2016 em periódicos nacionais da área de administração. Almeja-se evidenciar lacunas existentes e oportunidades de contribuição para o avanço do tema. Foram identificados 32 estudos que revelam que o tema ainda não está consolidado nas agendas dos pesquisadores brasileiros. Os resultados destacam que: (i) os estudos empíricos são a maioria, com 24 artigos, dentre os quais 19 pesquisas têm natureza qualitativa, (ii) as únicas duas categorias temáticas identificadas são (1) Benefícios e vantagens da inovação aberta, com 13 estudos que ponderam sobre a relevância de se adotar o modelo de inovação aberta tanto na visão da organização quanto sob a ótica de clientes e da rede; e (2) Nível de adoção da inovação aberta, com 19 pesquisas relativas à efetiva adoção ou não do modelo de inovação aberta, no qual foram focalizadas organizações públicas e privadas que situam-se em diferentes indústrias e setores da economia.
Citação ABNT:
FREITAS, A. S.; FILARDI, F.; LOTT, A. C. O.; BRAGA, D. Inovação Aberta nas Empresas Brasileiras: Uma Análise da Produção Acadêmica no Período de 2003 a 2016. Revista Ibero-Americana de Estratégia, v. 16, n. 3, p. 22-38, 2017.
Citação APA:
Freitas, A. S., Filardi, F., Lott, A. C. O., & Braga, D. (2017). Inovação Aberta nas Empresas Brasileiras: Uma Análise da Produção Acadêmica no Período de 2003 a 2016. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 16(3), 22-38.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/46876/inovacao-aberta-nas-empresas-brasileiras--uma-analise-da-producao-academica-no-periodo-de-2003-a-2016/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Andrade, M. (2015). Evidências teóricas para compreensão da inovação aberta (open innovation) nas organizações. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 5(1), 31-42.

Balestrin, A., & Verschoore, J. (2010). Aprendizagem e inovação no contexto das redes de cooperação entre pequenas e médias empresas. Organizações & Sociedade, 17(53), 311-330. Bardin, L. (2008). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Bardin, L. (2008). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Benevides G., Oliveira E., & Mendes R. (2016). A utilização do modelo de inovação aberta como ferramenta competitiva em APLS. Revista Alcance, 23(1), 4-18.

Bueno, B., & Balestrin, A. (2012). Inovação colaborativa: uma abordagem aberta no desenvolvimento de novos produtos. Revista de Administração de Empresas 52(5), 517-530.

Caetano, M., Schnetzler, J., & Amaral, D. (2012). Incorporação de parcerias no planejamento estratégico da inovação em uma estratégia technology push de integração. Revista Gestão & Tecnologia, 12(2), 89-112.

Caregnato, R. C. A., & Mutti, R. (2006). Pesquisa qualitativa: análise de discurso versus análise de conteúdo. Texto Contexto Enfermagem, 15 (4), 679-684.

Chesbrough, H. (2003). Open innovation: the new imperative for creating and profiting from technology. Boston: HBS Press.

Chesbrough, H., & Kardon, A. (2006). Beyond high tech: early adopters of open innovation in other industries. R&D Management, 36(3), 229-236.

Chesbrough, H., Vanhaverbeke, W., & West, J. (2006). Open innovation: researching a new paradigm. Oxford: Oxford University Press.

Christensen, C. (2012). O dilema da inovação: quando as novas tecnologias levam empresas ao fracasso. São Paulo: M. Books do Brasil.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed.

Dahlander, L.; Gann, D.M. (2010). How open is innovation? Research Policy, 39, 699-709.

Desidério, P., & Popadiuk, S. (2015). Redes de inovação aberta e compartilhamento do conhecimento: aplicações em pequenas empresas. Revista de Administração e Inovação, 12(2), 110129.

Dewes, M., & Padula, A. (2012). Innovation in a strategic development program: the aerospace program in Brazil. Revista Brasileira de Inovação, 11(1), 169-194.

Drucker, P. F. (1986). O novo papel da administração. São Paulo: Nova Cultural.

Eboli, L., & Dib, L. (2013). Criação coletiva na web 2.0: um estudo de caso em uma empresa brasileira. Revista Eletrônica de Sistemas de Informação, 12(3), 1-22.

Faccin K., & Brand F. (2015). Inovação Aberta E Redes: Enfoques, Tendências E desafios. Revista de Administração IMED, 5(1), 10-25.

Figueiredo, J., & Grieco, A. (2013). O papel da inovação aberta na internacionalização de empresas em rede: o caso Brasil Foods. Revista de Administração e Inovação, 10(4), 63-84.

Francis, D., & Bessant, J. (2005). Targeting innovation and implications for capability development. Technovation, 25(3), 171-183.

Freitas, R., & Dacorso, A. (2014). Inovação aberta na gestão pública: análise do plano de ação brasileiro para a open government partnership. Revista de Administração Pública, 48(4), 869-888.

Garcez, M., Sbragia, R., & Kruglianskas, I. (2014). Factors for selecting partners in innovation projects evidences from alliances in the brazilian petrochemical leader. Revista de Administração e Inovação, 11(2), 241-272.

Gil, A. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6.ed. São Paulo: Atlas.

Jonash, R., & Sommerlatte, T. (2001). O valor da inovação: como as empresas mais avançadas atingem alto desempenho e lucratividade. Rio de Janeiro: Campus.

Kafouros, M. I., & Forsans, N. (2012). The role of open innovation in emerging economies: do companies profit from the scientific knowledge of others? Journal of World Business, 47(3), 362-370.

Marques H. et al. (2016). Cooperation for technological development: an analysis in the context of federal universities of Minas Gerais state. Revista de Administração e Inovação, 13(1), 127-146.

Oliveira, S., & Alves, J. (2014). Influência das práticas de inovação aberta na prospecção de conhecimentos para a criação de valor em ambientes de alta complexidade sob condições de incerteza e imprevisibilidade. Revista de Administração e Inovação, 11(1), 295-318.

Pitassi, C. (2012a). A virtualidade nas estratégias de inovação aberta: proposta e articulação conceitual. Revista de Administração Pública, 46(2), 619-641.

Pitassi, C. (2012b). Inovação aberta na perspectiva das empresas brasileiras de base tecnológica: proposta de articulação conceitual. Revista de Administração e Inovação, 9(3), 77-102.

Pitassi, C. (2014). Inovação aberta nas estratégias competitivas das empresas brasileiras. Revista Brasileira de Estratégia, 7(1), 18-36.

Robertson, T. (1967). The process of innovation and the diffusion of innovation. Journal of Marketing, 31, 14-19. Disponível em: . Acesso em 03. mar. 2016.

Rodrigues, L. et al. (2012). Inovação aberta e internacionalização de negócio. Revista Pretexto, 13(3), 92-107.

Rodrigues, L., Maccari, E., & Campanario, M. (2011). Expanding the open innovation concept: the case of Totvs S/A. Journal of Information Systems and Technology Management, 7(3), 737-754.

Rogers, E. M. (1995). Diffusion of innovation. 5.ed. New York: The Free Press.

Santos, M., Zilber, M., & Toledo, L. (2011). A study concerning open innovation and its relation to innovation and market orientation. Future Studies Research Journal Future Journal, 3(2), 186-211.

Silva, B. et al. (2013). Contribuições da inovação aberta para uma empresa de comunicação. Revista Gestão & Tecnologia, 13(2), 222-246.

Silva, G., & Dacorso, A. (2013a). Inovação aberta como uma vantagem competitiva para a micro e pequena empresa. Revista de Administração e Inovação, 10(3), 251-268.

Silva, G., & Dacorso, A. (2013b). Perspectivas de inovação na micro e pequena empresa. Revista Economia e Gestão, 13(33), 90-107.

Silva, G., & Dacorso, A. (2014). Riscos e incertezas na decisão de inovar das micro e pequenas empresas. Revista de Administração Mackenzie, 15(4), 229255.

Silva, G. et al. (2016). Relationships and partnerships in small companies: strengthening the business through external agents. Brazilian Administration Review, fev, 1-18.

Silva, G., & Silva, D. (2015). Inovação aberta em serviços e o papel do cliente no ambiente de negócios: uma análise com estudantes universitários. Revista de Gestão e Tecnologia – Navus, 5(3), 74-87

Silva, M., & Zilber, M. (2013). Benefícios percebidos pela adoção do processo de inovação aberta. Revista de Administração da UNIMEP, 11(3), 1-24.

Silva, S. (2016). A capacidade dinâmica de “orquestração de redes de inovação” no modelo de inovação aberta. Revista Alcance, 23(1), 19-33.

Sluszz, T. et al. (2013). O modelo de inovação aberta no apoio ao desenvolvimento regional: o caso do Proeta. Desenvolvimento em Questão, 11(24), 141168.

Soda, G. (2011). The management of firms’ alliance network positioning: implications for innovation. European Management Journal, 29, p. 377388.

Stal, E., Nohara, J., & Chagas, M. (2014). Os conceitos da inovação aberta e o desempenho de empresas brasileiras inovadoras. Revista de Administração e Inovação, 11(2), 295-320.

Teece, D. J. (2010). Business Models, Business Strategy and Innovation. Long Range Planning, 43(2), 172-194.

Tigre, P. (2006). Gestão da inovação. Rio de Janeiro: Campus.

Trentini A. et al. (2012). Inovação aberta e inovação distribuída, modelos diferentes de inovação?. Revista Eletrônica Estratégia e Negócios, 5(1), 88109.

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

Varrichio, P. (2016). Uma discussão sobre a estratégia de inovação aberta em grandes empresas e os programas de relacionamento voltados para startups no Brasil. Revista de Administração, Contabilidade e Economia da Fundace 7(1), 148-161.

Wang, M. (2012). Exploring potential R&D collaborators with complementary technologies: the case of biosensors. Technological Forecasting & Social Change, 79, 862-874.

Woerter, M., & Roper, S. (2010). Openness and innovation home and export demand effects onmanufacturing innovation: panel data evidence for Ireland and Switzerland. Research Policy, 39(1), 155-164.