Disclosure dos Passivos Contingentes: Análise Comparativa entre Empresas de Mercado Aberto no Brasil e na Austrália Outros Idiomas

ID:
46943
Periódico:
Resumo:
As normas internacionais possibilitaram maior liberdade aos profissionais no julgamento do emprego das práticas contábeis. Nesse sentido, este artigo tem o objetivo de analisar as diferenças identificadas nos passivos contingentes das firmas listadas na BM&FBovespa do Brasil e na ASX da Austrália. Para isso, foi realizada uma revisão de literatura que abordou o disclosure, os passivos contingentes, bem como a teoria que sustenta a pesquisa, a teoria de Gray (1988). A amostra compreendeu o período de 2010 a 2015, com dados coletados a partir das demonstrações financeiras sobre as categorias que representam as características contingenciais. Como resultado, foi identificado que, no Brasil, a categoria do passivo contingente predominante é a tributária, que corresponde a 56% do total de passivos contingentes evidenciados pelas companhias brasileiras. Já na Austrália são as garantias, que correspondem quase à totalidade das contingências verificadas, ou seja, 98%. Ao passo que, com relação à aderência as informações descritas no CPC 25 e na AASB 137, verifica-se que as firmas apresentam uma aderência tímida (com um índice de divulgação em torno dos 23%). Ainda, a partir do teste de diferença de média Kruskal Wallis, constata-se que a hipótese nula foi rejeitada para quatro características de passivos contingentes abordados (cível, trabalhista, tributária e garantias), indicando que as médias são estatisticamente distintas.
Citação ABNT:
COSTA, I. L. S.; CORREIA, T. S.; MACHADO, M. R.; LUCENA, W. G. L. Disclosure dos Passivos Contingentes: Análise Comparativa entre Empresas de Mercado Aberto no Brasil e na Austrália . Pensar Contábil, v. 19, n. 69, p. 54-66, 2017.
Citação APA:
Costa, I. L. S., Correia, T. S., Machado, M. R., & Lucena, W. G. L. (2017). Disclosure dos Passivos Contingentes: Análise Comparativa entre Empresas de Mercado Aberto no Brasil e na Austrália . Pensar Contábil, 19(69), 54-66.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/46943/disclosure-dos-passivos-contingentes--analise-comparativa-entre-empresas-de-mercado-aberto-no-brasil-e-na-australia-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALMEIDA, K. K. N. de; BATISTA, F. F. Provisões Contingentes Ambientais e seus Reflexos no Endividamento das Empresas de Alto Impacto Ambiental Após Adoção do CPC 25. Revista Sociedade, Contabilidade e Gestão, v. 11, n. 1, p. 46-65, 2016.

BALDOINO, E.; BORBA, J. A. Passivos contingentes na Bolsa de Valores de Nova York: uma análise comparativa entre as empresas estrangeiras. Revista de Contabilidade e Organizações, 23, p. 63-81, 2015.

BUENO, A. F. Problemas de disclosure no Brasil - o caso das empresas com ações no exterior. Caderno de Estudos Fipecafi, n. 20, 1999.

CAMPBELL, K.; SEFCIK, S. E.; SODERSTROM, N. S. Disclosure of Private Information and Reduction of Uncertainty: Environmental Liabilities in the Chemical Industry. Review of Quantitative Finance and Accounting, v.21, n. 1, p. 349-378, 2003.

CORRÊA, R.; RIBEIRO, H. C. M.; SOUZA, M. T. S. Disclosure Ambiental: Informações sobre GEES das Empresas Brasileiras que Declaram no Nível A+ da GRI. Revista de Administração da Unimep, v. 12, n. 3, p. 1-22, 2014.

COSTA, E. B. Passivos contingentes na Bolsa de Valores de Nova York: uma análise comparativa entre as empresas estrangeiras. 126 f. Dissertação (Mestrado) – Pós-graduação em Contabilidade, Universidade Federal de Santa Catarina, 2013.

CPC 25. Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes. Disponível em: www.cpc.org.br.. Acesso em: 15 de Julho de 2016.

DYE, R. A. An evaluation of ‘essays on disclosure’ and the disclosure literature in accounting. Journal of Accounting and Economics, v. 32, n. 13, p.181-235, 2001.

ENTWISTLE, G. M.; LANFRANCONI, C. P.; ROBERTSON, D. A. The incomplete disclosure of litigation-type contingencies: Contemporary Canadian evidence. Journal of International Accounting, Auditing and Taxation, v. 3, n. 2, p. 169-185, 1994.

FERREIRA, D. D. M.; BORBA, J. A.; ROSA, C. A. The Environmental Contingencies of Foreign Companies That Publish Their Financial Statements on Ifrs in US Market. Revista Universo Contábil, v. 10, n. 3, p. 134-154, 2014.

FERREIRA, D. D. M.; BORBA, J. A.; ROSA, C. A. VICENTE, E. F. R. Relevância das contingências ambientais: uma investigação nas empresas brasileiras. Contabilidad y Negocios, v. 9, n. 18, p. 58-74, 2014.

GRAY, S. J. Toward a theory of cultural influence on the development of accounting systems internationally. Abacus, v. 24, n. 1, p. 1-15, 1988.

HEALY, P. M.; PALEPU, K. G. Information asymmetry, corporate disclosure, and the capital markets: A review of the empirical disclosure literature. Journal of Accounting and Economics, v. 31, n. 1-3, p. 405-440, 2001.

HUGHES, J. S.; PAE, S. Voluntary disclosure of precision information. Journal of Accounting and Economics, v. 37, n. 2, p.261-289, 2004.

IUDÍCIBUS, S.; MARTINS, E.; GELBCKE, E. R.; SANTOS, A. Manual de Contabilidade Societária: aplicável a todas as Sociedades de acordo com as Normas Internacionais e do CPC. In: FIPECAFI, orgs. São Paulo: Atlas, 2010.

KOLEŚNIK, K. The role of culture in Accounting in the Light of Hofstede’s, Gray’s and Schwartz’s cultural dimensions theories – a literature review. Financial Internet Quarterly, v. 9, n. 3, 2013.

LI, S.; LIN, S. The size and structure of China’s government debt. The Social Science Journal. Chinese Economy, v. 48, n. 3, p. 527-542, 2011.

LIMA, G. A. S. F. et al. Avaliação da Relação do Nível de Evidenciação com o Custo da Dívida das Empresas Brasileiras Utilizando Análise de Correspondência. Revista de Informação Contábil, v. 4, n. 1, p. 21-40, 2010.

MARCELINO, Manuela Maria et al. A Influência da Cultura e do Julgamento Profissional sobre a Contabilidade: uma Análise sob o Ponto de Vista dos Preparadores da Informação em Portugal. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, v. 10, n. 1, p. 65-89, 2016.

MURCIA, F. D.; SANTOS, A. Principais práticas de disclosure voluntário das 100 maiores empresas listadas na Bolsa de Valores de São Paulo. Revista Contabilidade e Controladoria, v. 1, n. 1, 2009.

NAKAYMA, W. K., SALOTTI B. M. Fatores Determinantes do Nível de Divulgação de Informações sobre Combinações de Negócios com a Entrada em Vigor do Pronunciamento Técnico CPC 15. Revista Contabilidade & Finanças, v. 25, n. 66, p.267-280, 2014.

OVERLAND, J. Corporate social responsibility in context: the case for compulsory sustainability disclosure for listed public companies in Australia? Macquarie Law Working Paper Series, September, 2007.

PAE, S. Selective disclosures in the presence of uncertainty about information endowment. Journal of Accounting and Economics, v. 39, n. 3, p. 383-409, 2005.

RIBEIRO, A de C.; RIBEIRO, M de S.; WEFFORT, E. F. J. Provisions, Contingencies and Cpc 25 Remarks : the Perceptions of the Actors Involved. Revista Universo Contábil, n. 11, p. 38-54, 2013.

SALOTTI, B. M.; YAMAMOTO, M. M. Ensaio sobre a Teoria da Divulgação. Brazilian Business Review, v. 2, n. 1, p. 53-70, 2005.

SCARPIN, J. E.; MACOHON, E. R.; DALLABONA, L. F. Variabilidade dos índices de endividamento em relação à adição dos passivos contingentes na estrutura patrimonial das empresas listadas na BM&FBovespa. Revista de Contabilidade e Organizações, v. 8, n. 22, p. 3-14, 2014.

SOUSA, C. B.; SILVA, A. F.; RIBEIRO, M. S.; WEFFORT, E. F. J. Valor de mercado e disclosure voluntário: estudo empírico em companhias listadas na BM&FBOVESPA. Revista Ambiente Contábil, v. 6, n. 2, p. 94-115, 2014.

TSAKOUMIS, G. T. The influence of culture on accountants’ application of financial reporting rules. Abacus, v. 43, n. 1, p. 27-48, 2007.

VERRECCHIA, ROBERT E. Essays on disclosure. Journal of Accounting and Economics, v. 32, n. 13, p. 97-180, 2001.

AASB 137. Provisions, Contingent Liabilities and Contingent Assets. Disponível em: http://www.aasb.gov.au/admin/file/content105/c9/AASB137_08-15.pdf. Acesso em: 15 de Julho de2016.