Desafios na Política Pública de Mensuração dos Ativos para a Formação das Tarifas no Setor Elétrico: Alguém Deve Ser Beneficiado e Alguém Deve Ser Sacrificado? Outros Idiomas

ID:
46952
Resumo:
Este artigo contribui para fomentar a discussão sobre a política pública de tarifação de serviços públicos quando baseada no valor do investimento feito pelos geradores desses serviços. O objetivo deste estudo foi, de forma pioneira, e reunindo as teorias da avaliação patrimonial e de finanças, identificar o método de avaliação de ativo que pode conduzir ao justo valor para o equilíbrio entre a modicidade tarifária para o consumidor e o retorno adequado dos investimentos às concessionárias. O valor atribuído a esses ativos influi duplamente no valor da tarifa: (i) via sua depreciação/amortização, influi no custo do serviço; (ii) via remuneração sobre esse investimento, na parcela correspondente ao lucro do investidor. Analisou-se o setor de energia elétrica brasileiro, em que as tarifas determinadas pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) atualmente utilizam a abordagem do valor novo de reposição (VNR). Efetuaram-se testes empíricos a partir de dados disponibilizados no site da ANEEL no 2º Ciclo de Revisão Tarifária Periódica (CRTP) e de informações obtidas nas demonstrações financeiras a partir de 1995. A análise contemplou os métodos do VNR e custo histórico corrigido (CHC), sendo esse último atualizado pelo índice de preços ao consumidor amplo (IPCA). Após as análises descritiva e estatística, aplicou-se o teste de médias para verificar as diferenças das variáveis quanto aos métodos VNR x CHC. A primeira conclusão foi a não existência de diferença significativa entre os métodos do VNR e CHC, ou seja, na média, o preço de reposição não apresentou diferença significativa com relação ao que seria a utilização da pura e simples correção monetária dos ativos. Mas verificou-se que isso esconde algo relevante, o fato de que essa média deriva de dois grandes blocos: o dos consumidores que estão pagando mais do que deveriam pelos serviços de energia, o que constitui benefício visível aos investidores e prejuízo a esses consumidores, e o dos consumidores que estão pagando menos do que deveriam, o que os beneficia, mas prejudica os investidores.
Citação ABNT:
ANDRADE, M. E. M. C.; MARTINS, E. Desafios na Política Pública de Mensuração dos Ativos para a Formação das Tarifas no Setor Elétrico: Alguém Deve Ser Beneficiado e Alguém Deve Ser Sacrificado? . Revista Contabilidade & Finanças - USP, v. 28, n. 75, p. 344-360, 2017.
Citação APA:
Andrade, M. E. M. C., & Martins, E. (2017). Desafios na Política Pública de Mensuração dos Ativos para a Formação das Tarifas no Setor Elétrico: Alguém Deve Ser Beneficiado e Alguém Deve Ser Sacrificado? . Revista Contabilidade & Finanças - USP, 28(75), 344-360.
DOI:
10.1590/1808-057x201703160
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/46952/desafios-na-politica-publica-de-mensuracao-dos-ativos-para-a-formacao-das-tarifas-no-setor-eletrico--alguem-deve-ser-beneficiado-e-alguem-deve-ser-sacrificado--/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Agência Nacional de Energia Elétrica. (2011). Resolução Normativa nº 457 de 08 de novembro de 2011. Recuperado de http://www2.aneel.gov.br/cedoc/ren2011457.pdf

Agência Nacional de Energia Elétrica. (s.n.). ANEEL. Recuperado de www.aneel.gov.br.

Anuatti, F.; Neto, Pelin, E. P.; Peano, C. R. (2004). O papel do fator X na regulação por incentivos e a consolidação com a manutenção do equilíbrio econômico-financeiro. Contribuição enviada para ANEEL referente à AP nº 43/2003. São Paulo, SP: Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas/Universidade de São Paulo).

Baran, A.; Lakonishok, J.; Ofer, A. R. (1980). The information content of general price level adjusted earnings: some empirical evidence. The Accounting Review, 15(1), 22-35.

Barbieri, G. (1996). Lucro inflacionário e fluxo de caixa. Caderno de Estudos, 13(jan./jun).

Beesley, M.; Littlechild, S. (1989). The regulation of privatized monopolies in the UK. Rand Journal of Economics, 20, 454-472.

Brasil. (1964). Lei nº 4.537, de 16 de julho de 1964. Autoriza a emissão de Obrigações do Tesouro Nacional, altera a legislação do imposto sobre a renda, e dá outras providências. Brasília, DF: Diário Oficial da União.

Brasil. (1995). Lei nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995. Altera a legislação do imposto de renda das pessoas jurídicas, bem como da contribuição social sobre o lucro líquido, e dá outras providências. Brasília, DF: Diário Oficial da União.

Brunéli, T. C. (1987). Os bancos comerciais sob o efeito da inflação – reflexo nas suas demonstrações contábeis: um estudo de caso. (Dissertação de Mestrado). Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro.

Dameda, A. N.; Alves, T. W.; Ott, E. (2011). Uso do custo corrente na avaliação de ativos de empresas de tecnolgia de informação. Revista Universo Contábil, 7(3), 25-40.

Davis-Friday, P. Y. (2001). Equity valuation and current cost disclosures: the case of Mexico. Journal of International Financial Management and Accounting 12(3), 260-285.

Economic Insights. (2009). Asset valuation and productivitybased regulation taking account of sunk costs and financial capital maintenance. Report by Erwin Diewert, Denis Lawrence and John Fallon. Recuperado de http://econ.sites.olt.ubc.ca/files/2013/06/pdf_paper_erwin-diewert-assetvaluation-productivity.pdf.

Feitosa, A. (2002). Uma análise dos efeitos inflacionários sobre demonstrações contábeis de empresas brasileiras traduzidas para apresentação no exterior. (Dissertação de Mestrado). Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de São Paulo, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Foster, V.; Antmann, P. (2004). The regulatory challenge of asset valuation: a case study from the Brazilian electricity distribution sector. Recuperado de http://documents.worldbank.org/curated/en/316591468744268475/The-regulatory-challengeof-asset-valuation-a-case-study-from-the-Brazilianelectricity-distribution-sector.

Gabriel, F.; Assaf, A. Neto.; Corrar, L. J. (2003). O impacto do fim da correção monetária no retorno do patrimônio líquido dos bancos no Brasil. Recuperado de http://www.institutoassaf.com.br/downloads/Impacto_Fim_Corre%C3%A7%C3%A3o_Monet%C3%A1ria_%20Retorno_Patrim%C3%B4nio_L%C3%ADquidodos_Bancos_Brasileiros.pdf.

Gordon, E. A. (2001). Accounting for changing prices: the value relevance of historical cost, price level, and replacement cost accounting in Mexico. Journal of Accounting Research, 39(1), 177-200.

Greenwald, B. (1980). Admissible rate bases, fair rates of return and the structure of regulation. The Journal of Finance, 35(2), 359-368.

Iudícibus, S. (2010). Teoria da contabilidade. 8a. ed. São Paulo, SP: Atlas.

Martins, E. (1972). Contribuição à avaliação do ativo intangível. (Tese de Doutorado). Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Martins, E. (1982). O significado da correção monetária patrimonial. Boletim IOB, Temática Contábil e Balanços, 3, 82.

Martins, E. (1984). Análise da correção monetária das demonstrações financeiras – implicações no lucro e na alavancagem financeira. 2a. ed. São Paulo, SP: Atlas.

Martins, E. (1984). Contabilidade e inflação – como entender um pouco mais. Boletim IOB, Temática Contábil e Balanços, 22, 251.

Martins, E. (1985). Correção integral de balanço. Revista da CVM, 3(7), 9-15.

Martins, E. (2002). A posição do Conselho Federal de Contabilidade com relação à atualização monetária dos balanços: decepção! Boletim IOB, Temática Contábil e Balanços, 15, 1-6.

Martins, E. (2004). Um pouco da história dos juros sobre o capital próprio. Boletim IOB, Temática Contábil e Balanços, 49, 1-7.

Martins, E.; Salotti, B.; Amaral, J. V.; Nagai, C.; Melo, S. (2012). Demonstrações contábeis sem efeitos inflacionários: uma abordagem relativa às empresas distribuidoras de energia elétrica. Contabilidade, Gestão e Governança, 15(2), 21-35.

Pedell, B. (2006). Regulatory risk and the cost of capital: determinants and implication for rate regulation. Berlin: Springer.

Salotti, B. M.; Lima, G. S.; Corrar, J. L.; Yamamoto, M. M.; Malacrida, M. C. (2006). Um estudo empírico sobre o fim da correção monetária integral e seu impacto na análise das demonstrações contábeis: uma análise setorial. UnB Contábil, 9(2).

Santos, A. (2001). Avaliação da falta de reconhecimento dos efeitos inflacionários no Brasil no período de 1966-2000 (1ª parte). Boletim IOB, Temática Contábil e Balanços, 27, 1-6.

Santos, A. (2001). Avaliação da falta de reconhecimento dos efeitos inflacionários no Brasil no período de 1966-2000 (2ª parte). Boletim IOB, Temática Contábil e Balanços, 28, 1-6.

Santos, A. (2002). Pior que decepção!Dá para entender os resultados publicados pelas empresas? Boletim IOB, Temática Contábil e Balanços, 36, 1-7.

Santos, A.; Barbieri, G. (1990). Os bancos ganham ou não com a inflação? Boletim IOB, Temática Contábil e Balanços, 17, 168-169.

Souza, J. Â. (2004). Para entender os índices de preços – uma visão moderna. Revista de Economia Mackenzie, 2(2), 141-168.

Spence, C. (2004). The regulation of energy utilities based on depreciated optimised replacement cost (DORC), valuation of assets. (Tese de Doutorado). Departamenting of Accounting and Finance, University of Wollongong, Wollongong.

Szuster, N. (1985). Análise do lucro passível de distribuição: uma abordagem reconhecendo a manutenção do capital da empresa. (Tese de Doutorado). Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Teixeira, D. (2005). Regulators’ challenge in the price ceiling – the valuation of regulatory assets in the Brazil’s electricity ratemaking. [Working Paper]. The George Washington University. Recuperado de https://www2.gwu.edu/~ibi/minerva/Spring2005/Denise.Teixeira.pdf.