Buen Vivir Andino: Resistência e/ou Alternativa ao Modelo Hegemônico de Desenvolvimento Outros Idiomas

ID:
46994
Periódico:
Resumo:
Este ensaio teórico problematiza a ética do Buen Vivir como forma de resistência e/ou alternativa ao modelo hegemônico de desenvolvimento que tem sido disseminado e implementado por organizações internacionais e corporações. Após a declaração das Nações Unidas sobre os direitos indígenas, em 2007 (MAMANI, 2010), o Buen Vivir alcançou status oficial nas Constituições do Equador e da Bolívia. O Buen Vivir é uma visão de mundo distinta da ordem internacional liberal institucionalizada no pós-II Guerra Mundial; fundamenta-se nas noções de cosmovisão relacional e pluriverso (ESCOBAR, 2011), multiverso (MAMANI, 2010) ou ecosofia andina (ESTERMANN, 2013), enunciados no Sul e subalternizados por mais de cinco séculos de colonialidade. Com base nestas noções, o ensaio enfatiza a importância de repensar, segundo uma abordagem decolonial, o papel desempenhado pelos Estados e organizações governamentais internacionais no que diz respeito ao desenvolvimento local. A análise crítica da literatura sugere a existência de múltiplas visões acerca do desenvolvimento que devem ser debatidas no âmbito de estudos organizacionais.
Citação ABNT:
SILVA, K. P.; GUEDES, A. L. Buen Vivir Andino: Resistência e/ou Alternativa ao Modelo Hegemônico de Desenvolvimento. Cadernos EBAPE.BR, v. 15, n. 3, p. 682-693, 2017.
Citação APA:
Silva, K. P., & Guedes, A. L. (2017). Buen Vivir Andino: Resistência e/ou Alternativa ao Modelo Hegemônico de Desenvolvimento. Cadernos EBAPE.BR, 15(3), 682-693.
DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/1679-395162230
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/46994/buen-vivir-andino--resistencia-e-ou-alternativa-ao-modelo-hegemonico-de-desenvolvimento/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ACOSTA, A. El Buen Vivir en el camino del post-desarrollo. Una lectura desde la constitución de Montecristi. Policy Paper, 9, Oct. 2010, Fundación Friedrich Ebert, 2010.

ACOSTA, A. El Buen Vivir, una Oportunidad por Construir. Revista Ecuador Debate, n. 75, p. 33-48, 2008.

BANERJEE, S. B. Voices of the Governed: towards a theory of the translocal. Organization, n. 18, v. 3 p. 323-344, 2011.

BANERJEE, S. B. Who Sustains Whose Development?Sustainable Development and the Reinvention of Nature. Organization Studies, n. 24, p. 143, 2003.

BATISTA, P.N. O Consenso de Washington e a visão neoliberal dos problemas latino-americanos. In: LIMA SOBRINHO, B. et al. Em defesa do interesse nacional: desinformação e alienação do patrimônio público. São Paulo: Paz e Terra, 1994.

BOFF, L. ¿Vivir Mejor o El Buen Vivir?. 2009. Disponível em: . Acesso em: 14 set. 2017.

BROWN, E.; CLOKE, J. Critical Perspectives on Corruption: an overview. Critical Perspectives on International Business, v. 7, n. 2, p. 116-124, 2011.

CHOQUEHUANCA, C. Hacia la reconstrucción del Vivir Bien. America Latina en Movimiento, ALAI, n. 452, p. 6-13, 2010.

COOKE, B.; FARIA, A. Desenvolvimento, Administração e Imperialismo do Atlântico-Norte: para Eduardo Ibarra-Colado. Cadernos EBAPE.BR, v.11, n. 2, Editorial, Rio de Janeiro, jun.; 2013.

COOKE, B. The Managing of the (Third) World. Organization, v. 11, n. 5, p. 603-629, 2004.

DUSSEL, H.; IBARRA-COLADO, E. Globalization, Organization and the Ethics of Liberation. Organization, v.13 n. 4, p. 489-508, 2006.

ESCOBAR, A. Beyond the Third World: imperial globality, global coloniality and anti-globalisation social movements. Third World Quartely, v. 25, n. 1, p. 207-230, 2004.

ESCOBAR, A. Latin America at a Crossroads: Alternative Modernizations, Post-liberalism, or Post-development? Cultural Studies, v. 24, n. 1, p. 1-65, jan. 2010.

ESCOBAR, A. O lugar da natureza e a natureza do lugar: globalização ou pós-desenvolvimento? In: LANDER, E. (Org.). A colonialidade do saber. Eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clacso, 2005. p. 133-168.

ESCOBAR, A. Una minga para El posdesarrollo. Signo y Pensamiento 58 - Puntos de vista, v. XXX, p. 306-312, jan./jun. 2011.

ESTERMANN, J. Ecosofía andina: un paradigma alternativo de convivencia cósmica y de vivir bien. FAIA, v. II, n. IX-X, p. 1-21, 2013.

FARIA, A. Reframing Diversity Management. In: BENDL, R.; BLEIJENBERGH, I.; HENTTONEN, E.; MILLS, A. J. The Oxford Handbook of Diversity in Organizations. Oxford: Oxford University Press, 2015. p. 127-149.

FERNANDEZ, B. S.; PARDO, L.; SALAMANCA, K. El buen vivir en Ecuador: ¿marketing político o proyecto en disputa? Revista de Ciencias Sociales, n. 48, p. 101-117, jan. 2014.

FERREIRA, L. Do acesso à água e do seu reconhecimento como direito humano. Revista de Direito Público. v. 6, n. 1, p. 55-69, jan./abr. 2011.

GALLEGOS, R. Los Nuevos Retos de America Latina. Socialismo del Sumak Kawsay o biosocialismo republicano. Senplades, p. 55-74, 2010.

GRUGEL, J.; RIGGIROZZI, P.; THIRKELL-WHITE, B. Beyond the Washington Consensus? Asia and Latin America in Search of More Autonomous Development. International Affairs, v. 84, n. 3, p. 499-517, 2008.

GUDYNAS, E; ACOSTA, A. La renovación de la crítica al desarrollo y el buen vivir como alternativa. Utopía y Práxis Latinoamericana, v. 16, n. 53, p. 71-83, abr./jun. 2011.

GUDYNAS, E. Buen Vivir: Germinando alternativas al desarrollo. ALAI, n. 462, p. 1-20, fev. 2011.

IBARRA-COLADO. Organization Studies and Epistemic Coloniality in Latin America: Thinking Otherness from the Margins. Organization, v. 13, n. 4, p. 468-488, 2006.

JUSTEN, C. E.; NETO, L. M. Gestões do desenvolvimento e desenvolvimento da gestão: da unilateralidade reificada à dialogicidade da simbiose homem/natureza. Cadernos EBAPE.BR, v. 11, n. 2, p. 295-310, 2013.

LEÓN, M. “El “buen vivir”: objetivo y camino para otro modelo”. La Tendencia, Quito, 2008.

MAMANI, F. Buen Vivir/Vivir Bien. Filosofia, políticas, estrategias y experiencias regionales andinas. CAOI, 2010.

MIGNOLO, W. El pensamiento dês-colonial, desprendimiento y apertura: un manifesto. Tristes Trópicos, 2005.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DO EQUADOR. 2017. Disponível em: . Acesso em: 07 abr. 2017.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DO EQUADOR, 2017. Disponível em: . Acesso em: 07 abr. 2017.

MINISTÉRIO DE DESENVOLVIMENTO E TERRAS. 2017. Disponível em: http://www.ruralytierras.gob.bo/. Acesso em: 07 abr. 2017.

MINISTERIO DE EDUCACIÓN BOLIVIANA. 2017. Disponível em:. Acesso em: 02 abr. 2017.

MISOCZKY, M. C.; BÖHM, S. Resistindo ao desenvolvimento neocolonial: a luta do povo de Andalgalá contra projetos megamineiros. Cadernos EBAPE.BR, v. 11, n. 2, p. 311-339, 2013.

OTTO, B; BOHM, S. “The people” and resistance against international business: the case of the Bolivian “water war”. Critical perspectives on international business, v. 2, n. 4, 2006.

PINTO, E. Geopolítica da Água. Revista de Geopolítica, v. 8, n. 1, p. 19-32, jan./jun. 2017.

PUIG, S.M. The Emergence of Indigenous Movements in Latin America and Their Impact on the Latin American Political Scene: Interpretive Tools at the Local and Global Levels. Latin American Perspectives, ed.175, v. 37, n. 6, p. 74-92, 2010.

QUIJANO, A. Bien Vivir: entre el desarrollo y la des-colonialidad del poder. Viento Sur, 2012.

SALGADO, F. Sumaq Kawsay: the birth of a notion? Cadernos EBAPE.BR, v. 8, n. 2, p. 198-208, jun. 2010.

SANTOS, B. Globalization, Emerging Powers, and the Future of capitalism. Latin American Perspectives, ed. 177, v. 38, n. 2, p. 45-57, mar. 2011.

SANTOS, B. S. Epistemologias del Sur. Utopia y Praxis Latinoamericana, v. 16, n. 54, p. 17-39, jul./set. 2011.

SANTOS, B. S. Globalizations. Theory Culture Society, n. 23, p. 393, 2006.

SANTOS, B. S. Se Deus fosse um ativista dos direitos humanos. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2014.

SANTOS, B. S. Una Epistemología del Sur. La reinvención del conocimiento y la emancipación social. México: Clacso y Siglo XXI, 2009.

SPULDAR, R. Empreiteiras brasileiras crescem no exterior, mas se envolvem em polêmicas. BBC Brasil. 2011. Disponível em: . Acesso em: 07 abr.2017.

VAINER, C. Lugar, Região, Nação, Mundo: Explorações Históricas do Debate acerca da Ação Política. R.B. Estudos Urbanos e Regionais, v. 8, n. 2, nov. 2006.

VEIGA, E. Desenvolvimento Sustentável: o desafio do século XXI. Rio de Janeiro: Garamond, 2010.

VENTURA, D.; MIOLA, I. Os Efeitos da Transnacionalização sobre a Governança Regional: o Caso da Conflituosa Implantação da Indústria de Celulose no Cone Sul da América. Contexto Internacional, v. 31, n. 3, p. 391-427, set./dez.; 2009.

VITALE, D. Democracia Direta e Poder Local: a Experiência Brasileira do Orçamento Participativo. In: COELHO, V.; NOBRE, M. (Orgs.). Participação e Deliberação: Teoria Democrática e Experiências Institucionais no Brasil Contemporâneo. São Paulo: Editora 34, 2004. p. 239-254.