Quando a Casa é a Marquise, o Albergue, a Rua: Discursos e Políticas Sociais para Pessoas em Situação de Rua em Belo Horizonte Outros Idiomas

ID:
47036
Resumo:
em situação de rua é uma questão social que precisa ser problematizada, nesse trabalho se busca compreender como são articulados discursos que subsidiam as políticas sociais para a população em situação de rua na cidade de Belo Horizonte. Considerada-se aqui a população em situação de rua como um grupo social relativamente coeso e minoritário em termos de poder político institucionalmente reconhecido. A partir de uma pesquisa qualitativa que se valeu de entrevistas semiestruturadas associada à observação participante e registro sistemático em diário de campo, foram obtidos subsídios relevantes para a abordagem da temática, material tratado por meio de análise do discurso. As principais categorias de análise concentraram nas pessoas em situação de rua e nas suas intenções, nos motivos que as levaram a residir nas ruas, no controle social e espacial, e na repressão a que estão sujeitos cotidianamente.
Citação ABNT:
HONORATO, B. E. F.; SARAIVA, L. A. S. Quando a Casa é a Marquise, o Albergue, a Rua: Discursos e Políticas Sociais para Pessoas em Situação de Rua em Belo Horizonte . Administração Pública e Gestão Social, v. 9, n. 4, p. 244-254, 2017.
Citação APA:
Honorato, B. E. F., & Saraiva, L. A. S. (2017). Quando a Casa é a Marquise, o Albergue, a Rua: Discursos e Políticas Sociais para Pessoas em Situação de Rua em Belo Horizonte . Administração Pública e Gestão Social, 9(4), 244-254.
DOI:
https://doi.org/10.21118/apgs.v1i4.1175
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/47036/quando-a-casa-e-a-marquise--o-albergue--a-rua--discursos-e-politicas-sociais-para-pessoas-em-situacao-de-rua-em-belo-horizonte-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Adorno, R. C. F.; Varanda W. (2004). Descartáveis urbanos: discutindo a complexidade da população de rua e o desafio para políticas de saúde. Saúde e Sociedade, 13(1) 23-45.

Albertsen N.; Diken B. (2001). Mobility, justification, and the city. Nordic Journal Architectural Research, 14(1) 13-24.

Angrosino, M. (2009). Etnografia e observação participante. Porto Alegre: Artmed.

Bursztyn, M. (2003). No meio da rua: nômades, excluídos e viradores. Rio de Janeiro: Garamond.

Certeau, M. (1998). A invenção do cotidiano: artes de fazer. (Vol. 1, 3a ed.).. Petrópolis: Vozes.

Chauí, M. (1989). Conformismo e resistência: aspectos da cultura popular no Brasil. 4 ed. São Paulo: Brasiliense.

Costa, A. P. M. (2005). População em situação de rua: contextualização e caracterização. Revista Textos & Contextos, 4(4) 1-15.

Decreto n. 14.146 de 07 de outubro de 2010. (2015). Institui o Comitê de Monitoramento e Assessoramento da Política Municipal para a População em Situação de Rua, e dá outras providências. Belo Horizonte: Prefeitura de Belo Horizonte.

Decreto n. 7.053 de 23 de dezembro de 2009. (2009). Institui a Política Nacional para a População em Situação de Rua e seu Comitê Intersetorial de Acompanhamento e Monitoramento, e dá outras providências. Brasília: Presidência da República.

Decreto s/n de 25 de outubro de 2006. (2008). Política Nacional para Inclusão Social da População em Situação de Rua. Brasília: Presidência da República.

Fairclough, N. (2001). Discurso e mudança social. Brasília: Editora da Universidade de Brasília.

Ferreira, F. P. M. (2006). População em situação de rua, vidas privadas em espaços públicos: o caso de Belo Horizonte 1998-2005. Anais do Seminário sobre a Economia Mineira, Diamantina, MG, Brasil, 12.

Ferreira, F. P. M.; Machado, S. C. C. (2007). Vidas privadas em espaços públicos: os moradores de rua em Belo Horizonte. Serviço Social e Sociedade, 29(90) 1-20.

Ferreira, J. (2010). Tratar, cuidar: valores e práticas terapêuticas na assistência humanitária ao sans domicile fixe. Antropolítica, n. 29, p. 79-97.

Fraser, N. (2007). Toward a nonculturalist sociology of culture: on class and status in globalizing capitalism. In: The Blackwell companion to the sociology of culture. Oxford: Blackwell.

Gaboriau, P. (2011). Sem domicílio em Paris, Moscou e Los Angeles um etnólogo em três campos de pesquisa: tentativas de esclarecimento. Antropolítica, n. 29, p. 37-54.

Ghirardi, M. I. G.; Lopes, S. R.; Barros, D. D.; Galvani, D. (2005). Vida na rua e cooperativismo: transitando pela produção de valores. Interface: Comunicação, Saúde e Educação, 9(18). 601-610.

Gonzalez Rey, F. (2005). Pesquisa qualitativa e subjetividade: os processos de construção da informação. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Magni, C. T. (2010). Nova pobreza e paradoxos da política de inclusão social francesa: considerações a partir de uma oficina cerâmica no socorro católico. Antropolítica, n. 29, p. 37-68.

Melo, T. H. A. G. (2015). População em situação de rua e “direito a ter direitos”. Novos debates, 2(1) 198-206.

Mendes, L.; Cavedon, N. R. (2012). A atividade de camelô como prática urbana no contexto das cidades. Urbe, 4(1), 123-140.

Mendes, M. V. B. (2007). Os moradores de rua e suas trajetórias: um estudo sobre os territórios existenciais da população de rua de Belo Horizonte.(Dissertação de Mestrado).. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Nardi, H. C.; Rigoni, R. Q. (2005). Marginalidade ou cidadania?A rede discursiva que configura o trabalho dos redutores de danos. Psicologia em Estudo, 10(2) 273-282.

Neves, D. P. (2010). Habitantes de rua e vicissitudes do trabalho livre. Antropolítica, n. 29, p. 99-130.

Resende, V. M. (2008). A naturalização da miséria contemporânea: análise discursiva crítica de uma circular de condomínio. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, 8(1), 71-91.

Saraiva, L. A. S. (2009). Mercantilização da cultura e dinâmica simbólica local: a indústria cultural em Itabira. (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Silva, T. L. (2010). A rua como espaço de interação social: um estudo antropológico das relações entre população em situação de rua e grupos caritativos. Antropolítica, n. 29, p. 131-149.

Silveira, D. X. da. (2013). Dependência não se resolve por decreto. Recuperado de: http://www.uniad.org.br/index.php?view=article&catid=29%3Adependencia-quimicanoticias&id=9364%3Adeve-ser-permitida-a-internacaocompulsoria-de-viciados-emcrack&form at=pdf&option=com_content&Itemid= 94.

Snow, D.; Anderson, L. (1998). Desafortunados: um estudo sobre o povo da rua. Petrópolis: Vozes.

Vieira, M. C.; Bezerra, E. M. R.; Rosa, C. M. M. (Org.). População de rua: quem é?Como vive?Como é vista? São Paulo: Hucitec. 1994.