Participação Social nos Serviços Públicos: Caracterização do Estado da Arte por Meio da Bibliometria e da Revisão Sistemática Outros Idiomas

ID:
47090
Periódico:
Resumo:
Ao mesmo tempo em que são amplamente reconhecidos na literatura os benefícios da participação social para a qualificação das ações públicas, falta sistematização dos desafios a ela associados e de opções práticas para sua superação. Nesse contexto, o artigo tem como objetivo contribuir para a caracterização do estado da arte sobre o tema da participação social relacionada aos serviços públicos. Para tanto, foi analisado um portfólio de 56 artigos resultante de revisão sistemática da literatura com foco na produção científica nacional e internacional de 2005 a 2015. Compõem o trabalho uma análise bibliométrica e a categorização dos resultados obtidos, com foco nos benefícios da participação social, nos principais desafios e nas recomendações para enfrentá‐los. A bibliometria indica os principais periódicos, autores e subtemas associados à participação social nos serviços públicos. As conclusões da análise qualitativa sugerem que, além das demais recomendações encontradas na literatura, os próprios benefícios gerados pelo processo participativo podem ser usados como insumo para soluções que mitiguem os desafios associados à participação social. A matriz de síntese resultante da análise, além de sistematizar informações para caracterizar o estado da arte no campo, pode orientar e incentivar gestores em iniciativas de implantação.
Citação ABNT:
STRUECKER, D. R.; HOFFMANN, M. G. Participação Social nos Serviços Públicos: Caracterização do Estado da Arte por Meio da Bibliometria e da Revisão Sistemática. Revista de Gestão, v. 24, n. 4, p. 371-380, 2017.
Citação APA:
Struecker, D. R., & Hoffmann, M. G. (2017). Participação Social nos Serviços Públicos: Caracterização do Estado da Arte por Meio da Bibliometria e da Revisão Sistemática. Revista de Gestão, 24(4), 371-380.
DOI:
https://doi.org/10.1016/j.rege.2017.03.008
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/47090/participacao-social-nos-servicos-publicos--caracterizacao-do-estado-da-arte-por-meio-da-bibliometria-e-da-revisao-sistematica/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Aiyar, Y. (2010). Invited spaces invited participation: effects of greater participation on accountability in service delivery. India Review, 9(2).

Ansell, C.; Torfing, J. (2014). Public innovation through collaboration and design. New York: Routledge.

Boin, et al. (2011). A time for public administration. Public Administration, 89(2), 221–225.

Booher, D. E.; Innes, J. (2005). Living in the house of our predecessors: the demand for new institutions for public participation. Planning Theory e Practice, 6(3), 431- 435.

Carvalho Filho, J. S. (2015). Manual de direito administrativo. 28a ed. pp. 317-318. São Paulo: Atlas.

Chun, S.; Cho, J. (2012). E-participation and transparent policy decision making. Information Polity, 17(2), 129-145.

Clark, B. Y.; Brudney, J. L.; Jang, S. (2013). Coproduction of government services and the new information technology: Investigating the distributional biases. Public Administration Review, 73(5), 687-701.

Cook, D. J.; Mulrow, C. D.; Haynes, R. B. (1997). Systematic reviews: synthesis of best evidence for clinical decisions. Annals of Internal Medicine, 126(5), 376-380.

Cretella Júnior, J. (1980). Manual de direito administrativo. Rio de Janeiro: Forense, 1980.

De Mattia, C.; Zappellini, M. B. (2014). Ética e coprodução de serviços públicos: uma fundamentação a partir de Habermas/Ethics and coproduction of public services: a rationale from Habermas. Cadernos Ebape BR, 12(3), 573.

Edelenbos, J.; Van Schie, N.; Gerrits, L. (2010). Organizing interfaces between government institutions and interactive governance. Policy Sciences, 43(1), 73-94.

Eriksson, K. (2012). Self-service society: participative politics and new forms of governance. Public Administration, 90(3), 685-698.

Ferenhof, H. A.; Fernandes, R. F. (2016). Desmistificando a revisão de literatura como base para redação científica: método SSF. Revista ACB, 21(3).

Ferrarezi, E.; Oliveira, C. G. de. (2013). Reflexões sobre a emergência da participação social na agenda das políticas públicas: desafios à forma de organização burocrática do Estado. In: Participação Social: Textos para Discussão. Brasília: Editora IABS.

Forester, J. (2006). Making participation work when interests conflict: Moving from facilitating dialogue and moderating debate to mediating negotiations. Journal of the American Planning Association, 72(4), 447-456.

Fung, A. (2006). Varieties of participation in complex governance. Public Administration Review, 66, 66-75.

Gerometta, J.; Haussermann, H.; Longo, G. (2005). Social innovation and civil society in urban governance: Strategies for an inclusive city. Urban Studies, 42(11), 2007-2021.

Gonçalves, M. P.; Branquinho, F. T. B.; Felzenszwalb, I. (2011). Uma análise contextual do funcionamento efetivo e participação popular em uma unidade de conservação: o caso da área de proteção ambiental de Petrópolis. Revista Sociedade e Natureza, 23(2).

Gustafsson, U.; Driver, S. (2005). Parents, power, and public participation: Sure Start, an experiment in New Labour governance. Social Policy e Administration, 39(5), 528-543.

Halachmi, A.; Holzer, M. (2010). Citizen participation and performance measurement: operationalizing democracy through better accountability. Public Administration Quarterly, 378-399.

Handley, D. M.; Howell Moroney, M. (2010). Ordering stakeholder relationships and citizen participation: Evidence from the community development block grant program. Public Administration Review, 70(4), 601-609.

Karkin, N.; Ç alhan, H. S. (2012). An interactive e-participation model for the public administration system in Turkey: SIBIYO. Ege Academic Review, 12(1).

Kloby, K. (2009). Less is more: exploring citizen-based financial reporting in local government. Journal of Public Budgeting, Accounting e Financial Management, 21(3).

Kluvers, R.; Pillay, S. (2009). Participation in the budgetary process in local government. Australian Journal of Public Administration, 68(2), 220-230.

Lawton, A.; Macaulay, M. (2014). Localism in practice: Investigating citizen participation and good governance in local government standards of conduct. Public Administration Review, 74(1), 75-83.

Lollar, X. L. (2006). Assessing China’s e-government: information, service, transparency and citizen outreach of government websites. Journal of Con-temporary China, 15(46), 31-41.

Mahrer, H.; Krimmer, R. (2005). Towards the enhancement of e democracy: identifying the notion of the ‘middleman paradox’. Information Systems Journal, 15(1), 27-42.

Marinela, F. (2006). Direito administrativo. Salvador: Juspodium.

Medaglia, R. (2007). Measuring the diffusion of e-participation: A survey on Italian local government. Information Polity, 12(4), 265-280.

Medauar, O. (2015). Direito administrativo moderno. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais.

Meek, J. W. (2008). Adaptive intermediate structures and local sustainability advances. Public Administration Quarterly, 415-432.

Musso, J.; Weare, C.; Bryer, T.; Cooper, T. L. (2011). Toward strong democracy in global cities? Social capital building, theory driven reform, and the Los Angeles Neighborhood Council experience. Public Administration Review, 71(1), 102-111.

Neshkova, M. I. (2014). Does agency autonomy foster public participation? Public Administration Review, 74(1), 64-74.

Neshkova, M. I.; Guo, H. D. (2012). Public participation and organizational performance: Evidence from state agencies. Journal of Public Administration Research and Theory, 22(2), 267-288.

Osborne, S. P.; Strokosch, K. (2013). It takes two to tango?Understanding the Co-production of public services by integrating the services management and public administration perspectives. British Journal of Management, 24(S1), S31-S47.

Pacheco, F. L.; Da Silva, A. B. N.; Nogueira, A. C. (2007). Participação social na Conferência Municipal de Olinda: mito ou realidade? Cadernos Ebape BR, 5(3), 1-11.

Paes de Paula, A. P. (2005). Administração pública brasileira: entre o gerencialismo e a gestão social. Revista de Administração de Empresas, 45(1), 36-49.

Perez, M. A. (2004). A administração pública democrática. Belo Horizonte: Fórum.

Pozzebon, M.; Mailhot, C. (2012). Citizens engaged to improve the sustainability and quality of life of their cities: the case of Nossa Sao Paulo. Journal of Change Management, 12(3), 301-321.

Roberts, N. (2004). Public deliberation in an age of direct citizen participation. American Review of Public Administration, 34(4), 315-353.

Roberts, N. (2008). The Age of Direct Citizen Participation. Armonk, NY: M. E. Sharpe.

Rocha, E. (2008). pp. 131-148. A Constituição Cidadã e a institucionalização dos espaços de participação social: avanços e desafios (20) Brasília: Anfip.

Ryan, B. (2012). Co-production: option or obligation? Australian Journal of Public Administration, 71(3), 314-324.

Salm, J. F.; Menegasso, M. E. (2010). Proposta de modelos para a coprodução do bem público a partir das tipologias de participação. Anais do XXXIV Enanpad.

Salm, J. F.; Menegasso, M. E.; de Ribeiro, R. M. (2008). Coprodução do bem público e o desenvolvimento da cidadania: o caso do Proerd em Santa Catarina. Revista Alcance, 14(2), 231-246.

Santos, G. F. Z.; Hoffmann, M. G. (2015). Em busca da efetividade na administração pública: proposição de uma metodologia para design e implantação de serviços públicos no município de Florianópolis. Navus- -Revista de Gestão e Tecnologia, 6(1), 88-105.

Schooley, S. E. (2008). Appreciative democracy: the feasibility of using appreciative inquiry at the local government level by public administrators to increase citizen participation. Public Administration Quarterly, 243-281.

Simmons, R.; Birchall, J. A. (2005). Joined-up approach to user participation in public services: strengthening the participation chain. Social Policy e Administration, 39(3), 260-283.

Tenório, F. G. (Ed.). (2012). Cidadania e desenvolvimento local: critérios de análise. 2012.

Thompson, V. (1965). Bureacracy and innovation. Administrative Science Quarterly, 10, 1-20.

Van Tatenhove, J.; Edelenbos, J.; Klok, P. J. (2010). Power and interactive policy-making: a comparative study of power and influence in 8 interactive projects in the Netherlands. Public Administration, 88(3), 609-626.

Yang, K.; Pandey, S. K. (2011). Further dissecting the black box of citizen participation: When does citizen involvement lead to good outcomes? Public Administration Review, 71(6), 880-892.

ZANI, F. B. O programa de desenvolvimento sustentável dos territórios rurais pela ótica da cidadania deliberativa. In: TENÓRIO, F. G. (Org.). Cidadania e desenvolvimento local: critérios de análise. Rio de Janeiro: FGV, 2012. p. 181-206.