Práticas de Trabalho da Cultura Popular no Agreste de Pernambuco: Entre o Moderno e o Tradicional Outros Idiomas

ID:
47108
Resumo:
Este artigo tem como pergunta de pesquisa “como os hibridismos entre ethos tradicionais e modernos estão presentes nas práticas de trabalho da cultura popular no Agreste pernambucano?” Neste sentido, lançamos como objetivo compreender o hibridismo tradicional-moderno nas práticas de trabalho da cultura popular no Agreste pernambucano e as respostas dadas a estes hibridismos, a partir do estudo de duas organizações culturais: uma banda de pífano e o grupo bumba-meu-boi. Para isso, foi proposta uma matriz de compreensão teórica que agrega a noção de prática dos Estudos Baseados em Prática e, mais especificamente, da etnometodologia, as noções weberianas de ethos e ação social, para a compreensão do que são práticas híbridas. Por meio da própria epistemologia dos Estudos Baseados em Práticas, do método etnometodológico e de abordagem qualitativa, realizamos e registramos entrevistas semiestruturadas, conversas informais e observações participantes. Através de análise de orientação etnometodológica, considerando como categorias analíticas a noção de prática, membro, linguagem e significados, identificamos sete práticas existentes no contexto de trabalho das organizações de cultura popular. Utilizando a matriz de interpretação proposta, que tem como categorias analíticas as noções de ethos e ação social, vários hibridismos foram identificados em cada prática. Observou-se que isso acontece principalmente em função de algumas práticas possuírem ethos cuja orientação é essencialmente tradicional, mas recursos financeiros se fazem necessários para a manutenção dessas práticas, resultando na necessidade de elaboração de projetos culturais, ofícios, leis etc., visando fins específicos. Respostas aos hibridismos foram observadas, dentre elas, a ação dos líderes de grupos de cultura popular, que caminham entre o ethos tradicional e o moderno, utilizando meios modernos para manutenção do tradicional, evidenciando a existência de uma interdependência entre estes elementos. Como principal contribuição da presente pesquisa, evidenciamos a abordagem multi e interdisciplinar proposta, a fim de compreender fenômenos complexos como o trabalho com cultura popular.
Citação ABNT:
SANTOS, E. C. D.; HELAL, D. H. Práticas de Trabalho da Cultura Popular no Agreste de Pernambuco: Entre o Moderno e o Tradicional. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, v. 16, n. 2, p. 127-150, 2017.
Citação APA:
Santos, E. C. D., & Helal, D. H. (2017). Práticas de Trabalho da Cultura Popular no Agreste de Pernambuco: Entre o Moderno e o Tradicional. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 16(2), 127-150.
DOI:
10.21529/RECADM.2017009
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/47108/praticas-de-trabalho-da-cultura-popular-no-agreste-de-pernambuco--entre-o-moderno-e-o-tradicional/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Albuquerque, D. M., Jr. (2011). A Invenção do Nordeste e Outras Artes. 5a ed. São Paulo: Cortez.

Alcadipani, R.; Khan, F. R.; Gantman, E.; Nkomo, S. (2012). Southern voices in management and organization knowledge. Organization, 19(2), 131-143.

Almeida, M. I. M.; Pais, J. M. (2012). Criatividade, Juventude e novos horizontes profissionais. Rio de Janeiro: Zahar.

Andrade, M. M. (2009). Introdução à Metodologia do Trabalho Científico. 9a ed. São Paulo: Atlas.

Angrosino, M. (2009). Etnografia e observação participante. Porto Alegre: Artmed.

Araújo, T. B. (2004). Northeast, Northeasts: what northeast? Latin A merican Perspectives, 31(2), 16-41.

Bispo, M. (2015). Methodological Reflections on Practice-Based Research in Organization Studies. Brazilian Administration Review, 12(3), 309-323.

Bispo, M. S.; Godoy, A. S. (2014). Etnometodologia: uma proposta para pesquisa em estudos organizacionais. Revista de Administração da Unimep, 12(2), 108-135.

Blass, L. M. S. (2007). Desfile na avenida, trabalho na escola de samba: a dupla face do Carnaval. São Paulo: Annablume.

Bourdieu, P.; Chamboredon, J.; Passeron, J. (2007). Ofícios do sociólogo: metodologia da pesquisa na sociologia. Petrópolis: Vozes.

Canclini, N. G. (1995). As Culturas Populares no Capitalismo. São Paulo: Brasiliense.

Canclini, N. G. (2013). Culturas Híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. 4a ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Chaui, M. (1989). Conformismo e resistência: Aspectos da cultura popular no Brasil. (4a ed.). São Paulo: Brasiliense.

Dalmoro, M.; Nique, W. M. (2017). Tradição mercantilizada: Construção de mercados baseados na tradição. Revista de Administração Contemporânea, 21(3), 327-346.

Dourado, D. C. P.; Holanda, L. A.; Silva, M. M. M.; Bispo, D. A. (2009). Sobre o sentido do trabalho fora do enclave de mercado. Cadernos EBAPE.BR, 7(2), 350-367.

Farias, E. S. (2001). Festas populares e entretenimento-turismo no Brasil. (Tese de Doutorado). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Farias, E. S. (2005). Economia e cultura no circuito das festas populares brasileiras. Sociedade e Estado, 20(3), 647-688.

Figueiredo, M. D. (2016). Uma Agenda de Pesquisa para o Estudo das Práticas Culturais Tradicionais nos Estudos Organizacionais. Revista Interdisciplinar de Gestão Social, 5(2), 33-49.

Fischer, E. (1987). A necessidade da arte. (9a ed.). São Paulo: Editora Guanabara

Gameiro, R.; Menezes, M. F.; Carvalho, C. A. (2003). Maracatu Pernambucano: Resistência e Adaptação na Era da Cultura Mundializada. In Carvalho, C. A.; Vieira, M. M. F. Organizações, cultura e desenvolvimento local: A agenda de pesquisa do Observatório da Realidad e Organizacional. Recife, EDUFEPE.

Gil, A. C. (2008). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. (6a ed.). São Paulo: Atlas.

Greenwood, R.; Raynard, M.; Kodeih, F.; Micelotta, E. R.; Lounsbury, M. (2011). Institucional Complexity and Organizational Responses. The Academy of Management Annals, 5(1), 317-371.

Gubert, A.; Kroeff, L. R. (2001). Versões sobre o trabalho na rua: significações na relação do retratista com a sua arte. Psicologia: ciência e profissão, 21(1), 84-93.

Helal, D. H. (2015). Mérito, Reprodução Social e Estratificação Social: apontamentos e contribuições para os estudos organizacionais. Organizações & Sociedade, 22(73), 251-267.

Holanda, L. A. (2011). Resistência e apropriação de práticas do management no organizar de coletivos da cultura popular. (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Imas, J. M.; Weston, A. (2012). From Harare to Rio de Janeiro: Kukiya-Favela organization of the excluded. Organization, 19(2), 205-227.

Laraia, R. B. (1986). Cultura: um conceito antropológico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Madeiro, G.; Carvalho, C. (2003). Da origem pagã às micaretas. In Carvalho, C.; Vieira, M. Organizações, Cultura e Desenvolvimento Local. Recife: EDUFEPE.

Maynard, D.; Clayman, S. E. (1991). The diversity of ethnomethodology. Annual Review of Sociology, 17, 385-418.

Merriam, S. B. (2009). Qualitative Research: a guide to design and interpretation. San Francisco: Jossey-Bass.

Mira, M. C. (2014). Metrópole, tradição e mediação cultural: reflexões a partir da experiência dos grupos recriadores de maracatu na cidade de São Paulo. Revista Mediações, 19(2), 185-204.

Nicolini, D. (2009). Zooming In and Out: Practices by Switching Theoretical Lenses and Trailing Connections. Organizations Studies, 12(30), 1391-1418.

Nicolini, D. (2013). Practice Theory, Work, & Organization: an introduction. Oxford: Oxford University Press.

Nicolini, D.; Monteiro, P. (2016). The Practice Approach: For a Praxeology of Organisational and Management Studies. In Tsoukas, H.; Langley, A. (eds). The SAGE Handbook of Process Organization Studies. London: SAGE. Retrieved from http://www.researchgate.net/publication/282334669_The_Practice_Approach_For_a_Praxeology_of_Organisational_and_Management_Studies_%282016%29.

Reckwitz, A. (2002). Toward a theory of social practices: a development in culturalist theorizing. European Journal of Social Theory, 5(2), 243-263.

Romero, J. J. C. (1991). Etnometodologia: una explicación de la construcción social de la realidad. Revista Española de Investigaciones Sociológicas, 56, 83-114.

Rosa, A. R.; Alcadipani, R. (2013). A terceira margem do rio dos estudos críticos sobre administração e organizações no Brasil: (Re)Pensando a crítica a partir do pós-colonialismo. Revista de Administração Mackenzie, 14(6), 185-215.

Sá, M. G. (2013). Feirantes: Possíveis Contribuições. In Sá, M. G.; Helal, D. H.; Ferraz, A.; Silva, J. P. Trabalho: Questões no Brasil e no Agreste Pernambucano. Recife: Ed. Universitária da UFPE.

Sá, M. G. (2015). Os filhos das feiras e o campo de negócios do Agreste. (Tese de Doutorado). Universidade do Minho, Braga, Portugal.

Santos, E. C. (2013). O produtor da cultura popular de Pernambuco frente às transformações das políticas culturais em 2003: uma abordagem relacional e disposicional. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil.

Santos, E. C.; Costa, M. (2015). Reflexões Teóricas sobre o Regime de Acumulação Flexível e a Mercantilização da Cultura. In Anais do Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura. Salvador, BA, Brasil, 11.

Schatzki, T. R. (2001). Introduction: practice theory. In Schatzki, T. R.; Knorr Cetina, K.; SAVIGNY, E. von. (eds.). The Practice Turn in Contemporary Theory. New York: Routledge.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. (2012). Estudo Econômico do Arranjo Produtivo Local de Confecções do Agreste Pernambucano, 2012. Relatório Final. Recife, Brasil.

Silva, L. H., Jr.; Sobral, E. F. M.; Santana, O. M. S. (2012). Notas sobre a infraestrutura social e econômica do Agreste pernambucano. Economia e Desenvolvimento, 11(1), 108-136.

Souza, J. (2000). A modernização seletiva: uma reinterpretação do dilema brasileiro. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Weber, M. (2005). A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. São Paulo: Martin Claret.

Weber, M. (2014). Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. (4a. ed.). Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Adamoglu de Oliveira, S.; Montenegro, L. M. (2012). Etnometodologia: desvelando a alquimia da vivência cotidiana. Cadernos EBAPE.BR, 10(1), 129-145.

Bispo, M. (2013). Estudos Baseados em Prática: Conceitos, História e Perspectivas. Revista Interdisciplinar de Gestão Social, 2(1), p. 13-33.

Menger, P. M. (2005). Retrato do artista enquanto trabalhador: Metamorfoses do capitalismo. Lisboa: Roma Editora.

Silva, A. S. (2015). A Liderança como Relação Social: Uma Proposta de Abordagem Interpretativa a Partir da Teoria da Ação Sociale das Estruturas Típicas de Dominação Weberianas. (Tese de Doutorado). Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, Brasil.

Souza, C. L. C. (2011). Panis et ars: artistas e gestores nas indústrias criativas. (Tese de Doutorado). Pontíficia Universidade Católica, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Véras de Oliveira, R. (2013). O Pólo de Confecções do Agreste de Pernambuco: elementos para uma visão panorâmica. In Véras de Oliveira, R.; Santana, M. A. Trabalho em territórios produtivos reconfigurados no Brasil. João Pessoa: Editora da UFPB.