Plano Municipal da Mata Atlântica de São Paulo: Oficinas Participativas como Parte do Processo de Planejamento Outros Idiomas

ID:
47176
Resumo:
O município de São Paulo iniciou, em 2014, a elaboração do Plano Municipal da Mata Atlântica, impulsionado pela Lei da Mata Atlântica e pela revisão do Plano Diretor, que ocorrera no mesmo ano. Este artigo analisa o processo de condução das oficinas participativas para identificação de potenciais áreas prioritárias para conservação e recuperação da vegetação de Mata Atlântica na cidade de São Paulo, como parte do planejamento. O estudo de caso apoiou-se em informações de documentos e registros, bem como em observação direta e participante, coletadas durante a preparação e execução das oficinas. Os temas analisados foram: a preparação e organização das oficinas, incluindo o contexto político, estratégico e a comunicação com partes interessadas; a realização das oficinas, a participação e os resultados atingidos; e as lições aprendidas e consequências para o processo de planejamento como um todo. Como resultado, observou-se que as oficinas capturaram informações importantes; mas houve uma limitação no número de participantes. A limitação resultou da adoção de um cronograma apertado, fruto do contexto político da cidade na época, bem como do contingente de profissionais disponíveis e aptos para as oficinas. Um aspecto positivo foi o aprimoramento no método promovido entre oficinas sucessivas. Concluiu-se que as oficinas permitiram agregar o conhecimento técnico e os saberes da população local para sua utilização nas próximas etapas do plano. As dificuldades presentes referem-se a entraves para articulação com outras áreas da administração pública e com outros agentes para a comunicação com a comunidade.
Citação ABNT:
GAUDERETO, G. L.; AGUIAR, A. O.; GALLARDO, A. L. C. F. Plano Municipal da Mata Atlântica de São Paulo: Oficinas Participativas como Parte do Processo de Planejamento. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, v. 6, n. 2, p. 18-30, 2017.
Citação APA:
Gaudereto, G. L., Aguiar, A. O., & Gallardo, A. L. C. F. (2017). Plano Municipal da Mata Atlântica de São Paulo: Oficinas Participativas como Parte do Processo de Planejamento. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, 6(2), 18-30.
DOI:
10.5585/geas.v6i2.842
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/47176/plano-municipal-da-mata-atlantica-de-sao-paulo--oficinas-participativas-como-parte-do-processo-de-planejamento/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Haikio, L. (2007). Expertise, Representation and the Common Good: Grounds for Legitimacy in the Urban Governance Network. Urban Studies, 44(11), 2147-2162. http://doi.org/10.1080/00420980701518982

Aguiar, A de . e; Steinmetz, S. (2013). Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica: Lições aprendidas num projeto de mobilização e capacitação. In XXXVII EnANPAD. pp. 1-16. Rio de Janeiro.

Ambiental Consulting. (2015). Observatório dos municípios que estão envolvidos com o PMMA. Retrieved June 15, 2015, from http://www.pmma.etc.br/index.php?option=com_content&view=article&id=192&Itemid=1081

Andion, C. (2009). Contribuições do debate sobre desenvolvimento territorial sustentável para a efetividade da gestão municipal. Política e Sociedade, 8(14), 181-210.

Barone, A. C. C. (2013). As áreas verdes no contexto do planejamento urbano em São Paulo: os parques da gestão Setúbal (1976-1979). Pós - Revista do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da FAUUSP, 20(34), 198-217.

Bingham, L. B.; Nabatchi, T.; O’Leary, R. (2013). The New Governance: Practices Citizen and Processes for Work Stakeholder and of in the Participation Government. Public Administration Review, 65(5), 547-558. http://doi.org/10.1111/j.15406210.2005.00482.x

Brasil. (1981). Política Nacional de Meio Ambiente – Lei 6.938/1981 (lei ordinária) 31/08/1981. Brasil: Executivo. Retrieved from http://legislacao.planalto.gov.br/legisla/legislacao.nsf/Viw_Identificacao/lei6.938-1981?OpenDocument.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF. Retrieved from http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/cons tituicaocompilado.htm%3E. Acesso em: 14 fev.2013.

Brasil. (2006). Lei 11.428/2006. Legislativo.

Brasil. (2008). Decreto N° 6.660, de 21 de novembro de 2008. Diário Oficial da União (24/11/2008, p. 1). Retrieved from http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato20072010/2008/decreto/d6660.htm

Brasil. (2008). Mapa da Área de Aplicação da Lei n° 11.428 de 2006.

Buckeridge, M. (2015). Árvores urbanas em São Paulo: planejamento, economia e água. Estudos Avançados, 29(84), 85-101. http://doi.org/10.1590/S0103-40142015000200006

Cavalcanti, C. (2004). Economia e Ecologia: Problemas da Governança Ambiental no Brasil. Revista Iberoamericana de Economía Ecológica, n. 1, p. 1-10. Retrieved from http://ddd.uab.cat/pub/revibec/13902776v1a5.pdf

Cidade de São Paulo. (2011). Plano Municipal de Estratégias e Ações Locais pela Biodiversidade. São Paulo, SP. Retrieved from http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/chamadas/lab_pt_eng_v04a_1339689459.pdf

Cidade de São Paulo. (2015). Portaria Intersecretarial 001/SVMA/SMDU/SMSP/2015.

Dutra, C. M. (2013). Lições aprendidas na conservação e recuperação da Mata Atlântica. 1 ed. Brasília: Ministério do Meio Ambiente.

Dutra, C. M.; Cordeiro, S H T de C.; Cordeiro, L. A.; Deitenbach, A. (2013). Roteiro para a elaboração dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica. Brasília: Ministério do Meio Ambiente. http://doi.org/https://www.sosma.org.br/wpcontent/uploads/2014/05/livro_roteiro_planos_municipais.pdf

Fernandes, V.; Malheiros, T. F.; Philippi, A.; Sampaio, C. A. C. (2012). Metodologia de avaliação estratégica de processo de gestão ambiental municipal. Saúde e Sociedade, 21(SUPPL. 3), 128-143. http://doi.org/10.1590/S0104-12902012000700011.

Goddard, M. A.; Dougill, A. J.; Benton, T. G. (2010). Scaling up from gardens: biodiversity conservation in urban environments. Trends in Ecology & Evolution, 25(2), 90-98.

Henriques, M. S.; Braga, C. S.; Mafra, R. L. M. (2009). Planejamento da comunicação para a mobilização social: em busca da corresponsabilidade. Thesis Eleven, 97(1), 26-45. http://doi.org/10.1177/0725513608101907

IBGE. (2011). Perfil dos Municípios Brasileiros. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Iizuka, E. S.; Gonçalves-Dias, S. L. F.; Aguerre, P. (2012). Reflexões sobre o desenvolvimento territorial sustentável, gestão social e cidadania deliberativa: o caso da bacia do rio Almada (BA). Revista de Administração Pública, 46(6), 1599-1623. http://doi.org/10.1590/S0034-76122012000600009

Jacobi, P. R. (2003). Espaços públicos e práticas participativas na gestão do meio ambiente no Brasil. Sociedade e Estado, 18(1-2), 315-338. http://doi.org/10.1590/S0102-69922003000100015

Kingston, R.; Carver, S.; Evans, A.; Turton, I. (2000). Web-based public participation geographical information systems: An aid to local environmental decision-making. Computers, Environment and Urban Systems, 24(2), 109-125. http://doi.org/10.1016/S0198-9715(99)00049-6

Larson, A. M.; Ferroukhi, L. (2003). Conclusions. In: L. Ferroukhi (Ed.), Municipal Forest Management in Latin America. pp. 213-232. Bogor, Indonesia: CIFOR, IDRC.

Lubambo, C. W. (2006). Desempenho da Gestão Pública: Que variáveis compõem a aprovação popular em pequenos municípios? Sociologias, (16), 86-125. http://doi.org/10.1590/S1517-45222006000200005

Maglio, I. C. (2000). A Descentralização da Gestão Ambiental no Brasil: O papel dos órgãos estaduais e as relações com o Poder local, 1990/1999.

Milani, C. R. S. (2008). O princípio da participação social na gestão de políticas públicas locais: uma análise de experiências latino-americanas e europeias. Revista de Administração Pública, 42(3), 551-579. http://doi.org/10.1590/S0034-76122008000300006

Niemelä, J.; Saarela, S. R.; Söderman, T.; Kopperoinen, L.; Yli-Pelkonen, V.; Väre, S.; Kotze, D. J. (2010). Using the ecosystem services approach for better planning and conservation of urban green spaces: A Finland case study. Biodiversity and Conservation, 19(11), 3225-3243. http://doi.org/10.1007/s10531-0109888-8

Nunes, M. R.; Philippi, A.; Fernandes, V. (2012). A atuação de conselhos do meio ambiente na gestão ambiental local. Saúde e Sociedade, 21(SUPPL. 3), 48-60. http://doi.org/10.1590/S0104-12902012000700005

Prefeitura de São Paulo. (2015). Secretaria do Verde e do Meio Ambiente de São Paulo. Retrieved July 17, 2015, from http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/meio_ambiente

Reed, M. S. (2008). Stakeholder participation for environmental management: a literature review. Biological Conservation2, 141(10), 2417-2431.

Roseland, M. (2012). Governing sustainable communities. In Toward Sustainable Communities. 4 ed. p. 363. Gabriola Island: New Society Publishers.

Salles, C.; Assunção, J. V. (2001). A descentralização da Gestão Ambiental municipal no Brasil. In Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 21. (p. 21). João Pessoa: ABES.

SOS Mata Atlântica & INPE. (2014). Atlas dos remanescentes florestais da Mata Atlântica – período 2012-2013. São Paulo.

SOS Mata Atlântica, & INPE. (2016). Atlas dos Remanescentes Florestais. Retrieved September 26, 2016, from http://mapas.sosma.org.br/?c=mun&q=São+Paulo

Varjabedian, R. (2010). Lei da Mata Atlântica: Retrocesso ambiental. Estudos Afro-Asiáticos, 23(68), 147-160. http://doi.org/10.1590/S010340142010000100013

Yin, R. K. (2015). Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. Porto Alegre: Bookman Editora.