Panorama do Saneamento Básico na Região Metropolitana de Goiânia Outros Idiomas

ID:
47214
Resumo:
Com a publicação da Lei nº 13.089/2015, que institui o Estatuto da Metrópole, ficaram estabelecidas diretrizes gerais para o planejamento urbano, incluindo normas para a elaboração do Plano de Desenvolvimento Integrado da Região Metropolitana (PDI-RM). Pouco antes, o governo do Estado de Goiás já iniciara os procedimentos para a produção do Plano de Desenvolvimento Integrado da Região Metropolitana de Goiânia (PDI-RMG), que foi atualizado à luz da nova legislação. Como parte integrante do PDI-RMG, foi proposta a elaboração do “Caderno Temático de Recursos Hídricos e Saneamento; Alternativas Energéticas/Tecnologia” que deverá contribuir com propostas voltadas para a sustentabilidade ambiental e infraestrutura. Nesse contexto, o presente estudo contempla a parte de abastecimento de água e esgotamento sanitário, que compõe o eixo de saneamento básico do caderno temático supracitado. A pesquisa, baseada em revisão bibliográfica, documental e coleta de dados, apresenta uma síntese sobre as condições de abastecimento de água e esgotamento sanitário nos 20 municípios integrantes da Região Metropolitana de Goiânia (RMG). Verificou-se que 90,52% da população da RMG é servida com abastecimento de água, enquanto 56,06% é atendida com o serviço de coleta de esgoto sanitário, valores que estão associados ao número de habitantes dos municípios e sua respectiva proximidade geográfica da capital. Para além dos dados de atendimento, os resultados obtidos indicam para um cenário de insuficiência de instrumentos voltados para o planejamento integrado da RMG.
Citação ABNT:
SACHO, S. D.; HORA, K. E. Panorama do Saneamento Básico na Região Metropolitana de Goiânia . Desenvolvimento em Questão, v. 15, n. 41, p. 498-522, 2017.
Citação APA:
Sacho, S. D., & Hora, K. E. (2017). Panorama do Saneamento Básico na Região Metropolitana de Goiânia . Desenvolvimento em Questão, 15(41), 498-522.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21527/2237-6453.2017.41.498-522
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/47214/panorama-do-saneamento-basico-na-regiao-metropolitana-de-goiania-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AGÊNCIA NACIONAL DAS ÁGUAS (ANA). Atlas Brasil – Abastecimento urbano de água. Superintendência de Planejamento de Recursos Hídricos – SPR. Brasília, DF, 2010.

APARECIDA DE GOIÂNIA. Lei nº 2.875 de 14 de dezembro de 2009.

BRASIL. Lei nº 11.079, de 30 de dezembro de 2004.

BRASIL. Lei nº 11.107, de 6 de abril de 2005.

BRASIL. Lei nº 11.445, de 5 de janeiro de 2007.

BRASIL.Ministério do Planejamento. PAC – Infraestrutura social e urbana – Saneamento. Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Brasil, 2015a. Disponível em: . Acesso em: out. 2015.

BRASIL. nº 13.089, de 12 de janeiro de 2015.

GAMA, R. S. Aspectos da política nacional de saneamento diante da transição democrática da sociedade e do Estado brasileiro. Desenvolvimento e Meio Ambiente, Paraná: Ed. UFPR, n. 22, p. 141-152, 2010.

GOIÁS. Decreto-Lei nº 4.756, de 17 de setembro de 1941.

GOIÁS. Decreto nº 3.359, de 18 de maio de 1933.

GOIÁS. Decreto nº 826, de 16 de fevereiro de 1949.

GOIÁS. Lei complementar nº 27, de 30 de dezembro de 1999b.

GOIÁS. Lei complementar nº 78, de 25 de março de 2010.

GOIÁS. Lei complementar nº 87, de 7 de julho de 2011.

GOIÁS. Lei estadual nº 13.550, de 11 de novembro de 1999a.

GOIÁS. Lei nº 3.329, de 12 de novembro de 1960.

GOIÁS. Lei nº 6.680, de 13 de setembro de 1967.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa nacional de saneamento básico. Rio de Janeiro: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, 2008.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (Ipea). Governança metropolitana no Brasil – região metropolitana de Goiânia. Goiás: Secretaria de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Goiânia, 2013.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (Ipea). Relatório de pesquisa governança metropolitana no Brasil, caracterização e quadros de análise comparativa da governança metropolitana no Brasil: análise comparativa das funções públicas de interesse comum (Componente 2). Região Metropolitana de Goiânia. Disponível em: . Acesso em: 10 maio2016.

INSTITUTO TRATA BRASIL. 6 anos de acompanhamento do PAC Saneamento – 2009 a 2014. De olho no PAC, ago. 2015. Disponível em: . Acesso em: 1º out. 2015.

LEONETI, A. B.; PRADO, E. L.; OLIVEIRA, S. V. W. B. Saneamento básico no Brasil: considerações sobre investimentos e sustentabilidade para o século XXI. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, vol. 45, n. 2, 2011.

MARQUES. E. C. Da higiene à construção da cidade: o Estado e o saneamento no Rio de Janeiro. História, Ciências, Saúde. Manguinhos, RJ, vol. 2, n. 2, 1995.

MINISTÉRIO DA SAÚDE DO BRASIL. Portaria nº 2.914, de 12 de dezembro de 2011.

MINISTÉRIO DA SAÚDE DO BRASIL. Portaria nº 518, de 25 de março de 2004.

REZENDE, S. C.; HELLER, L. O saneamento no Brasil – políticas e interfaces. 2. ed., revista e ampliada. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2008.

RIBEIRO, W. J.; ROOKE, J. M. S. Saneamento básico e sua relação com o meio ambiente e a saúde pública. 2011. Trabalho (Conclusão de Curso de Especialização em Análise Ambiental) – Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2011.

RUBINGER. S. D. Desvendando o conceito de saneamento no Brasil: uma análise da percepção da população e do discurso técnico contemporâneo. 2008. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos) – Faculdade de Engenharia da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008.

SALLES, M. J. Política nacional de saneamento: percorrendo caminhos em busca da universalização. 2009. Tese (Doutorado) – Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Rio de Janeiro, 2009.

SANEAMENTO DE GOIÁS S. A. (Saneago). Memória Saneago. Disponível em: . Acesso em: out.2015.

SISTEMA ESTADUAL DE GEOINFORMAÇÃO (Sieg). Shapefiles. Disponível em: . Acesso em: out.2015.