Cultura Organizacional e Qualidade em Serviços em Instituição de Saúde Pública Portuguesa Outros Idiomas

ID:
47253
Resumo:
Nos últimos anos, têm proliferado em Portugal investigações sobre a cultura organizacional e a gestão da qualidade, quer no setor industrial, quer no setor da saúde. Esta investigação por meio de um estudo de caso consistiu na aplicação de dois questionários, o Organizational Culture Assessment Instrument (OCAI) e o SERVPERF, no Hospital Distrital da Figueira da Foz tendo em vista identificar a tipologia da cultura organizacional e verificar uma possível relação com as dimensões da qualidade percecionadas pelos colaboradores desta instituição de saúde. Os resultados obtidos demonstram que a tipologia de cultura organizacional que obteve maior pontuação foi a cultura de mercado. Relativamente à perceção das dimensões da qualidade, nos serviços, pelos clientes internos, verificou-se que a dimensão confiança que obteve a pontuação mais elevada, correlacionando-se estatisticamente com as quatro tipologias de cultura, clã, adocrática, burocrática e de mercado.
Citação ABNT:
LOURENÇO, P. J. F.; CARDOSO, I. M. M. M.; MATOS, F. R. N.; NODARI, C. H. Cultura Organizacional e Qualidade em Serviços em Instituição de Saúde Pública Portuguesa . Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v. 11, n. 4, p. 120-135, 2017.
Citação APA:
Lourenço, P. J. F., Cardoso, I. M. M. M., Matos, F. R. N., & Nodari, C. H. (2017). Cultura Organizacional e Qualidade em Serviços em Instituição de Saúde Pública Portuguesa . Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 11(4), 120-135.
DOI:
http://dx.doi.org/10.12712/rpca.v11i4.1001
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/47253/cultura-organizacional-e-qualidade-em-servicos-em-instituicao-de-saude-publica-portuguesa-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Aktouf, O. (1994). O simbolismo e a cultura de empresa: dos abusos conceituais às lições empíricas. In: Chanlat, J. F. O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. São Paulo: Atlas.

Alharbi, T. S. J.; Ekman, I.; Olsson, L.; Dudas, K.; Carlström, E. (2012), Organizational culture and the implementation of person centered care: Results from a change process in Swedish hospital care. Health Policy, v. 108, n. 1, p. 294-301.

Alvesson, M. (1993). Cultural perspectives on organization. Cambridge: Cambridge University Press.

Barney, J.B. (1991). Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, v. 17, n. 1, p. 99-120.

Beil-Hildebrand, M. (2005). Instilling and distilling a reputation for institutional excellence - a critical reflection on organizing practice. International Journal of Health Care Quality Assurance, v. 19, n. 6, p. 440-465.

Beppler, M. K.; Pereira, M. F. (2011). Influências da cultura organizacional na estratégia: um debate teórico-empírico. Porto Alegre/RS, V Encontro de Estudos em Estratégia. 3Es. Anais...15 a 17 de março.

Berry, L. L.; Parasuraman, A. (1991). Marketing Services: Competing Through Quality. Nova Iorque: The Free Press.

Berry, L. L.; Zeithaml, V. A.; Parasuraman, A. (1990). Five Imperatives for Improving Service Quality. Sloan Management Review, v. 31, n.4,p. 29-38.

Cameron, K. S. & Quinn, R. E. (2006). Diagnosing and changing organizational culture: Based on the competing values framework. Jossey-Bass Inc. Publishers. San Francisco, California. (Revised edition 1999).

Capricho, L. & Lopes A. (2007), Manual de gestão da qualidade. 1ª ed. Editora RH. Lisboa.

Ceccim, R. B. & Feuerwerker, L. C. M. (2004), O Quadrilátero da Formação para a Área da Saúde: Ensino, Gestão, Atenção e Controle Social. PHYSIS: Revista de Saúde Coletiva, v. 14, n. 1, p. 41- 65.

Cervo, A. L.; Bervian, P. A.; Silva, R. da. (2007). Metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Charles, C. M. (1998). Introduction to educational research. New York: Longman.

Cronin, J. J.; Taylor, S. A. (1992). Measuring Service Quality: A Re-examination and Extension. Journal of marketing. 56. July. p. 55-68.

Crosby, P. B. (1979). Quality is free. McGrew-Hill: New York.

Davies, H.; Nutley, S.; Mannion, R. (2000). Organizational culture and quality of health care. Quality in Health Care v. 9, p. 111-119.

Deming, W. E. (1986). Out of the crisis. Press sindicate of the University of Cambridge. Cambridge.

Dessler, G. (2003). Administração de Recursos Humanos. São Paulo: Prentice Hall.

DQS.Departamento da qualidade em saúde. (2016). Nd. Disponível em: . [consultado em agosto de 2016].

Dupuis, J. P. (1996). Antropologia, cultura e organizações: proposta de um modelo construtivista. In: Chanlat, J. F. (org). O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. São Paulo: Atlas.

Ferreira, A. I. & Hill, M. M. (2007). Diferenças de cultura entre instituições de ensino superior público e privado – um estudo de caso. Psicologia, v. 21, n. 1, p. 7-26.

Ferreira, A. I. (2006). Instrumento para avaliação da cultura em instituições de ensino superior. Psicologia, Educação e Cultura, v. 10, n. 2, p. 477-487.

Fleury, M. T. L.; Fischer, R. M. (1996). Cultura e poder nas organizações. São Paulo: Atlas.

Freitas, M. E. (2002). Cultura organizacional: identidade, sedução e carisma? Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas.

Goffee, R. & Jones, G. (1998). Character of a corporation: How your company’s culture can make or break your business. London: Harper Collins.

Gomes, D. (2000). Cultura Organizacional: comunicação e identidade. Coimbra, Quarteto Editora.

Hair Jr, J. F.; Babin, B.; Money, A. H.; Samouel, P. (2005) Fundamentos de Métodos de Pesquis em Administração. Porto Alegre: Bookman.

Hofstede, G.; Neuijen, B.; Ohavy, D. D.; Sanders, G. (1990). Measuring organizational cultures: a qualitative study across twenty cases. Administrative Science Quarterly, v. 35, n.1, p. 286-316.

Huq, Z.; Martin, T. (2000). Workforce cultural factors in TQM/CQI - implementation in hospitals. Health Care Management Review, v. 25 n. 3, p. 80-93.

Ishikawa, K. (1995). What is total quality control? Editora Campus. 6ª ed. Rio de Janeiro.

Jaime Júnior, P. (2002). Um texto, múltiplas interpretações: antropologia hermenêutica e cultura organizacional. RAE - Revista de Administração de Empresas, v. 42, n. 4, p. 72-83.

Juran, J. M. (1997). A qualidade desde o projeto. 3ª ed. Pioneira: Brasil.

Kang, G.; James, J.; Alexandris, K. (2002). Measurement of Internal Service Quality: Application of the SERVQUAL Battery to Internal Service Quality. Managing Service Quality, 12(5).

Leitão, M. C. (2005). À procura de uma atuação sustentável rumo à excelência: estudo do clima e da cultura de uma organização de saúde em mudança para a qualidade. Tese de mestrado inédita. Lisboa: ISCTE.

Lopes Alves, A. (2005). A relação entre cultura organizacional e eficácia. Tese de mestrado inédita. Departamento de Psicologia Social e das organizações. Lisboa: ISCTE.

Mannion, R.; Davies, H.; Marshall, M. (2005). Cultural characteristics of “high” and “low” performing hospitals. Journal of Health Organization and Management, v. 19 n. 6, p. 431-439.

Mintzberg, H. & Quinn, J. B. (2001). O processo da estratégia. Porto Alegre: Bookman.

Panagiotis, M.; Alexandros, S.; George, P. (2014). Organizational culture and motivation in the public sector. The case of the City Of Zagrafou. Procedia Ecnomics and Finance, v. 4, p. 415-424.

Parasuraman, A.; Zeithaml, V. A.; Berry, L. L. A. (1985), A conceptual model of service quality and its implication for future research. Journal of Marketing, v. 49, n. 4, p. 41-50.

Parasuraman, A.; Zeithaml, V. A.; Berry, L. L. A. (1988) SERVQUAL: A Multiple-Item Scale for Measuring Consumer Perceptions of Service Quality. Journal of Retailing, v. 64, n. 1, p. 12-40.

Pereira, M. F.; Serra, F. A. R.; Ferreira, M. P. (2010). Estratégia em diferentes contextos empresariais: fundamentos, modelos e perspectivas. São Paulo: Atlas.

Pettigrew, A. (1979). On studying organizational culture. Administrative Science Quarterly, v. 24, p. 570-581.

Pettigrew, A. M. (1996). A cultura nas organizações é administrável? In: Fleury, M.T.L. & Fischer, R.M. (1996). Cultura e poder nas organizações. São Paulo: Atlas.

Pinho, J. & Neto, C. (2006). Determinantes e Implicações da Satisfação da Classe Médica face aos Medicamentos Genéricos. XVI Jornadas LusoEspanholas de Gestão Científica. Évora: Universidade de Évora.

Pires, A. R. (2007), Qualidade – Sistemas de Gestão da Qualidade. 3ª ed. Sílabo, Lda: Lisboa.

Quinn, R. E. & Spreitzer, G. M. (1991). The Psychometrics of the Competing Values Culture Instrument and an Analysis of the Impact of Organizational Culture on Quality of Life. In: Woodman, R. W. & Pasmore, W. A. (1991). Research in Organizational Change and Development. Greenwich, Conn.: JAI Press.

Ramsaran - Fowdar, R. R. (2005). Identifying Health Care Quality Attributes. JHHSA. Mauritius: University of Mauritius.

Schein, E. H. (1999). The corporate culture. San Francisco: Jossey-Bass Publishers.

Schein, E. H. (2001). Guia de sobrevivência da cultura corporativa. Rio de Janeiro: José Olympio.

Schneider, W. E. (1996). Uma alternativa à reengenharia: um plano para fazer a cultura atual da sua empresa funcionar. Rio de Janeiro: Record.

Silva, L. M. T. da; Medeiros, C. A. F.; Albuquerque, L. G. de. (2009). Diagnóstico de Cultura Organizacional: Uma Aplicação do Modelo de Valores Competitivos em Restaurantes de Natal/RN. Curitiba/PR, II Encontro de Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho, Anais...

Smircich, L. (1983). Concepts of culture and organizational analysis. Administrative Science Quarterly, v. 28, n. 3. Disponível em WWW: .

Soares, I. & Pinto, A. (2011). Sistemas de Gestão da Qualidade – Guia para a sua implementação. 1ª ed. Edições Sílabo, Lda: Lisboa.

Sousa, P. (2010). Qualidade em Saúde: da definição de políticas à avaliação de resultados. Em: Silva, C.; Saraiva, M.; Teixeira, A. A qualidade numa perspetiva multi e interdisciplinar - Qualidade e Saúde: perspetivas e práticas. TMQ Qualidade, temático 1. Edições Sílabo: Lisboa.

Sousa, S N da S. de. (2011). A relação entre a cultura organizacional e o uso de práticas de gestão da qualidade: uma investigação empírica no sector hospitalar. Tese de Doutoramento. Universidade Técnica de Lisboa. Instituto Superior de Economia e Gestão.

Vaghetti, H. H.; Padilha, M. I. C. S.; Lunardi Filho, W. D.; Lunardi, V. L.; Costa, C. F. S. (2009). Significados das hierarquias no trabalho em hospitais públicos brasileiros a partir de estudos empíricos. Acta Paul Enfermagem, v. 24, n. 1, p. 87-93.

Weber, M. (1999). A objetividade do conhecimento nas ciências sociais. In: Cohn, G. (1999). Weber - Sociologia. Coleção Grandes Cientistas Sociais. 13. São Paulo: Ática. p. 79-127.

Yeung, A. K. O.; Brockbank, J. W.; Ulrich, D. O. (1991). Organizational Culture and Human Resources Practices: Culture and Human Resources Practices: An Empirical Assessment. In: Woodman, R. W.; Pasmore, W. A. (1991). Research in Organizational Change and Development. Greenwich, Conn.: JAI Press.

Yilmaz, C.; Ergun, E. (2008). Organizational culture and firm effectiveness: An examination of relative effects of culture traits and the balanced culture hypothesis in an emerging economy. Journal of World Business. v. 43, n. 3, p. 290-306.

Zammuto, R. F.; Krakower, J. Y, (1991). Quantitative and Qualitative Studies of Organizational Culture. In: Woodman, R. W. & Pasmore, W.A. (1991). Research in Organizational Change and Development. Vol. 5. Greenwich, Conn.: JAI Press.

ACSA. (2016). Agencia de Calidad Sanitaria de Andaluzia. Disponível em: . consultado em agosto de 2016.

JCI. (2016). Nd. Disponível em: /. [consultado em agosto de2016].