As Novas Configurações Utilizadas Pelo Controle Nas Organizações Outros Idiomas

ID:
47307
Resumo:
O homem, grande pilar de sustentação das organizações, vem gradativamente sofrendo um processo de esmagamento. Sob o impulso de numerosos conflitos, o design das relações empregador-empregado está se transformando e o trabalhador vem perdendo cada vez mais o controle sobre os meios de produção frente às novas tecnologias. Neste ensaio, procurar-se-á identificar o impacto do processo destas transformações organizacionais a partir da modernização tecnológica sobre a organização do trabalho e como a introdução de novas tecnologias vem modificando as formas de controle mais comuns nas empresas. O processo de modernização tecnológica trouxe efeitos colaterais como insegurança, incerteza, cansaço, temor ao desemprego, vigilância mais violenta, haja vista que passa a ser feita por sofisticados mecanismos, conseguidos através da pressão emocional e introjeção de medos gerais a situações aversivas (desemprego, queda do poder aquisitivo, autoimagem negativa, perda de status, entre outras). Adaptando-se à época vigente, os detentores do poder desenvolvem novas e mais sofisticadas estratégias de controle. Neste sentido, os potenciais abusos do controle pelos grupos dominantes são subestimados, pois as novas roupagens utilizadas pelo controle nas organizações empresariais são disfarçadas pelo aparato tecnológico.
Citação ABNT:
MATOS, F. R. N.; MACHADO, D. Q. As Novas Configurações Utilizadas Pelo Controle Nas Organizações . GESTÃO.Org - Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, v. 15, n. 1, p. 37-45, 2017.
Citação APA:
Matos, F. R. N., & Machado, D. Q. (2017). As Novas Configurações Utilizadas Pelo Controle Nas Organizações . GESTÃO.Org - Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 15(1), 37-45.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21714/1679-18272017v15n1.p37-45
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/47307/as-novas-configuracoes-utilizadas-pelo-controle-nas-organizacoes-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho - ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Bontempo Editorial, 1999.

ARENDT, H. A Condição Humana. Rio de Janeiro: Forense, 2000.

ARISTÓTELES. Política. 2ª ed. Brasília: Editora UnB, 1988.

BACON, F. Novum Organun. São Paulo: Abril Cultural, 1979. (Coleção Os Pensadores).

BRAUDEL, F. Civilização material, economia e capitalismo séculos XV-XVIII. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

BRAVERMAN, H, Trabalho e Capital Monopolista: a degradação do trabalho o século XXI. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1987.

BULFINCH, T. O Livro de Ouro da Mitologia - Histórias de Deuses e Heróis. 4ª ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 1999.

BURAWOY, M. Manufacturing consent. Chicago: Chicago University Press, 1979.

CASTELLS, M. A sociedade em rede - A era da informação: economia, sociedade e cultura. v. 1. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CORIAT, B. A revolução dos robôs: o impacto sócio-econômico da automação. São Paulo: Busca Vida, 1988.

CROZIER, M. A Sociedade Bloqueada. Brasília, DF: Editora UnB, 1983.

EDWARDS, R. Contest terrain. New York: Basic Books, 1979.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade 1: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1985.

FOUCAULT, M. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Edições Graal Ltda. 1998.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes, 1987.

FREIRE, P. Ação cultural para a liberdade e outros escritos. 6ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

FRIEDBERG, E. O Poder e a Regra - Dinâmicas da Acção Organizada. Lisboa: Instituto Piaget, 1993.

GÊNESIS. Bíblia Sagrada. São Paulo: Editora Ave Maria, 1984.

HARVEY. D. Condição pós-moderna - uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Edições Loyola, 1994.

HOBBES, T. Leviatã ou Matéria, forma e poder de um estado eclesiástico e civil. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

KEYNES, J. M. Um novo mundo é possível (Conferência proferida em Madri em junho de 1930). Folha de São Paulo, 19/07/1995. p. 15-22.

KURTZ, R. O torpor do capitalismo. Folha de São Paulo, 11/02/1996. p. 5-14.

LAFARGUE, P. O Direito à Preguiça. São Paulo: Kairós, 1980.

LE GOFF, J. A civilização do ocidente medieval. Bauru, SP: Edusc, 2005.

LIPIETZ, A. Audácia: uma alternativa para o século XXI. São Paulo: Nobel, 1991.

LUKES, S. Poder e Autoridade. In: BOTTOMORE, T.; NISBET, R. História da Análise Sociológica. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1980.

MAQUIAVEL, N. O Príncipe. 2ª ed. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

MARCUSE, H. Tecnologia, Guerra e Fascismo. São Paulo: Unesp, 1999.

MARX, K. O Capital (Crítica da Economia Política). Livro 1, Volume 1 - O Processo de Produção do Capital. São Paulo: DIFEL, 1982.

MASI, D. O Ócio Criativo. São Paulo: Editora Sextante, 2000.

MATTOSO, J. (Org.) A desordem do trabalho. São Paulo: Atlas, 1996.

MOTTA, F. C. P. Organização e poder: empresa, Estado e escola. São Paulo: Atlas, 1986.

OFFE, C. Industry and inequality. Londres: Edward Arnold, 1976.

OLIVEIRA, B. J. Francis Bacon e a fundamentação da ciência como tecnologia. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2002.

PAGÉS, M. et al. O poder das organizações. São Paulo: Atlas, 1987.

PINTO, Á. V. O Conceito de Tecnologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 2005.

SALERMO, M. S. Trabalho e organização na empresa industrial integrada e flexível. In: BRUNO, L.; SACCARDO, C. Organização, trabalho e tecnologia. São Paulo: Atlas, 1986.

SCHMITZ, H.; CARVALHO, R. Automação, competitividade e trabalho: a experiência internacional. São Paulo: Hucitec, 1988.

SEGNINI, L. R. Taylorismo: uma análise crítica. In: BRUNO, L.; SACCARDO, C. Organização, trabalho e tecnologia. São Paulo: Atlas, 1986.

SILVA, E. B. Refazendo a fábrica fordista. São Paulo: Hucitec, 1991.

SROUR R. H. Poder, Cultura e Ética nas Organizações. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

TORNATZKI, L. G.; FLEISCHER, M. The Process of Technological Innovation. Lexington: Lexington Books, 1990.

WEBER, M. Economia e Sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 2000.

WHEBBER, P. Os impactos das novas tecnologias na gestão de recursos humanos. Dissertação de Mestrado. Natal: PPGA/CCSA/UFRN, 1997.