Tecnologia da Informação Verde: Estudo à luz da Teoria Crença-Ação-Resultado Outros Idiomas

ID:
47348
Resumo:
Este estudo pretende compreender como as pressões institucionais e as crenças ambientais de gestores influenciam a adoção da Tecnologia da Informação Verde (TI Verde); para tanto, foi utilizado como aporte teórico o modelo Crença-Ação-Resultado (Belief-Action-Outcome [BAO]). A pesquisa é qualitativa, e os sujeitos da pesquisa são 10 gestores de instituições de ensino superior (IES). A coleta de dados foi realizada por entrevistas e um checklist com práticas de TI Verde. A análise das entrevistas foi realizada por análise de conteúdo, e as respostas do checklist foram avaliadas pela frequência. Os resultados revelam que a pressão institucional mais relacionada com a adoção da TI Verde, pelos entrevistados, é a mimética. Sobre as crenças ambientais, oito gestores demonstraram preocupações com tais questões. Contudo, apenas três gestores tomaram iniciativas próprias; os demais entrevistados reportaram vivenciar barreiras como disfunções da burocracia e falta de apoio da alta gerência ao proporem ações relacionadas a TI Verde.
Citação ABNT:
DIAS, G. F.; RAMOS, A. S. M.; SOUZA NETO, R. A.; BASTOS, E. M. Tecnologia da Informação Verde: Estudo à luz da Teoria Crença-Ação-Resultado. Revista de Administração de Empresas, v. 57, n. 6, p. 0-0, 2017.
Citação APA:
Dias, G. F., Ramos, A. S. M., Souza Neto, R. A., & Bastos, E. M. (2017). Tecnologia da Informação Verde: Estudo à luz da Teoria Crença-Ação-Resultado. Revista de Administração de Empresas, 57(6), 0-0.
DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/S0034-759020170606
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/47348/tecnologia-da-informacao-verde--estudo-a-luz-da-teoria-crenca-acao-resultado/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Tauchen, J.; Brandlin, L. (2006). A gestão ambiental em instituições de ensino superior: Modelo para implantação em campus universitário. Gestão & Produção, 13(3), 503-515. doi: 10.1590/S0104530X2006000300012

Brasil. (1996) Leis de diretrizes e bases da educação. Cultura, M. D. E. E. Brasil: Ministério da Educação e Cultura. 9394/96.

Cai, S.; Chen, X.; Bose, I. (2012). The many faces of green IT. International Journal of Business Data Communications and Networking, 8(2), 52-59. doi: 10.4018/jbdcn.2012040104

Chen, A.; Watson, R.; Boudreau, M.; Karahanna, E. (2011). An institutional perspective on the adoption of green IS & IT. Australasian Journal of Information Systems, 17(1), 5-27. doi: 10.3127/ajis.v17i1.572

Chou, D.; Chou, A. (2012). Awareness of green IT and its value model. Computer Standards & Interfaces, 34(5), 447-451. doi: 10.1016/j. csi.2012.03.001

Coleman, J. (1958). Relational analysis: The study of social organizations with survey methods. Human Organization, 17(4), 2836. doi: 10.17730/humo.17.4.q5604m676260q8n7

Coleman, J. (1986). Social theory, social research, and a theory of action. American Journal of Sociology, 91(6), 1309-1335. doi: 10.1086/228423

Flick, U. (2009). Introdução a pesquisa qualitativa (3a ed.). Porto Alegre, RS: Artmed.

Gholami, R.; Sulaiman, A.; Ramayah, T.; Molla, A. (2013). Senior managers’ perception on green information systems adoption and environmental performance: Results from a field survey. Information & Manegament, 50(7), 431-438. doi: 10.1016/j.im.2013.01.004.

Glaser, B.; Strauss, A. (2006). The discovery of grounded theory: Strategies for qualitative research. New Jersey, USA: AldineTransaction.

Jenkin, T.; Webster, J.; McShane, L. (2011). An agenda for ‘green’ information technology and systems research. Information and Organization, 21(1), 17-40. doi: 10.1016/j.infoandorg.2010.09.003

Joireman, J.; Vanlange, P.; Vanvugt, M. (2004). Who cares about the environmental impact of cars?Those with an eye toward the future. Environment and Behavior, 36(2), 187-206. doi: 10.1177/0013916503251476

Lunardi, G.; Alves, A.; Salles, A. (2014). Desenvolvimento de uma escala para avaliar o grau de utilização da tecnologia da informação verde pelas organizações. RAUSP-Revista de Administração da Universidade de São Paulo, 49(3), 591-605. doi: 10.5700/rausp1170

Lunardi, G.; Simões, R.; Frio, R. (2014). TI Verde: Uma análise dos principais benefícios e práticas utilizadas pelas organizações. READRevista Eletrônica de Administração, 77(1), 1-30. doi: 10.1590/S141323112014000100001.

Machado, P.; Ramos, A.; Nunes, B. (2015). Trajetória dos estudos de green IT/S. Anais do V ENADI – Encontro de Administração da Informação, Brasília, DF.

Melnyk, S.; Sroufe, R.; Calantone, R. (2003). Assessing the impact of environmental management systems on corporate and environmental performance. Journal of Operations Management, 21(3), 329-351. doi: 10.1016/S0272-6963(02)00109-2

Melville, N. (2010). Information systems innovation for environmental sustainability. MIS Quarterly, 34(1), 1-21.

Miles, M. B.; Huberman, A.; Saldaña, J. (2014). Qualitative data analysis: A methods sourcebook (3rd ed.). Thousand Oaks, USA: Sage.

Mithas, S.; Kunthia, J.; Roy, P. (2010). Green information technology, energy efficiency, and profits: Evidence from an emerging economy. Proceedings of the 31st International Conference on Information Systems(ICIS), Saint Louis, USA. Recuperado de http://aisel.aisnet.org/cgi/viewcontent.cgi?article=1009&context=icis2010_ submissions

Molla, A.; Abareshi, A. (2011). Green IT adoption: A motivational perspective. Proceedings of the 15st Pacific Asian conference on information systems (PACIS), Brisbane, Australia. Recuperado de http://aisel.aisnet.org/cgi/viewcontent.cgi?article=1136&context=pacis2011

Molla, A.; Abareshi, A.; Cooper, V. (2014). Green IT beliefs and proenvironmental IT practices among IT professionals. Information Technology & People, 27(2), 129-154. doi: 10.1108/ITP-10-2012-0109.

Mshira, D.; Akman, I.; Mshira, A. (2014). Theory of reasoned action application for green information technology acceptance. Computers in Human Behavior, 36, 29-40. doi: 10.1016/j.chb.2014.03.030

Murugesan, S. (2008). Harnessing green IT: Principles and practices. IEEE Computer Society, 10(1), 24-33. doi: 10.1109/MITP.2008.10

Myers, M. (2009). Qualitative research in business & management. London, UK: Sage.

Saldaña, J. (2009). The coding manual for qualitative researchers. London, UK: Sage.

Salles, A. C.; Alves, A. P.; Dolci, D.; Lunardi, G. (2016). Tecnologia da informação verde: Um estudo sobre sua adoção nas organizações. RAC-Revista de Administração Contemporânea, 20(1), 41-63. doi: 10.1590/1982-7849rac20161887

Strathman, A.; Gleicher, F.; Boninger, D.; Edwards, C. (1994). The consideration of future consequences: Weighing immediate and distant outcomes of behavior. Journal of Personality and Social Psychology, 66(4), 742-752. doi: 10.1037/0022-3514.66.4.742

Ajzen, I. (1991). The theory of planned behavior. Organizational Behavior and Human Decision Processes, 50(2), 179-211. doi: 10.1016/07495978(91)90020-T

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. (3a ed.) São Paulo, SP: Edições 70.

Bose, R.; Luo, X. (2012). Green IT adoption: A process management approach. International Journal of Accounting and Information Management, 20(1), 63-77. doi: 10.1108/18347641211201081

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Casa Civil, S. P. A. J. Brasília, DF: Governo Federal.