A Transformação Social de uma Ferramenta Estratégica em uma Organização Familiar Brasileira Outros Idiomas

ID:
47370
Resumo:
O objetivo deste artigo é compreender o fenômeno de transformação de um software, com potencial para ser uma ferramenta estratégica, pelas construções sociais dos atores inseridos em uma organização familiar brasileira. Defende-se que as ferramentas estratégicas podem ser transformadas pelas construções sociais de seus usuários articuladas nos contextos em que estão inseridos. Para compreender o fenômeno dessas transformações nas ferramentas estratégicas, discute-se a temática da construção social nas organizações, reconhecendo as implicações das especificidades sociais das organizações familiares. Esta pesquisa trouxe uma abordagem fenomenológica do mundo social de Schütz. O lócus do estudo foi uma organização familiar do setor de vendas de equipamentos comerciais no estado do Espírito Santo - Brasil. A coleta de dados se deu a partir de dezessete entrevistas semiestruturadas, observação participante e pesquisa documental. A análise dos dados foi inspirada no método fenomenológico. A justificativa deste trabalho está em contribuir para preencher lacunas de pesquisa sobre a transformação das ferramentas estratégicas no “fazer estratégia” em uma ótica socialmente construída, por meio de articulações teóricas e empíricas. Como resultados, questões como o despreparo, o feeling, as redes de motivos e interesses, as imposições, as heranças do contexto, as tentativas (d)e manutenção de práticas, a experiência de vida do indivíduo e interesses organizacionais, entre outras, evidenciaram que as transformações da ferramenta foram causadas pelas redes de motivos e interesses, tanto institucionais quanto específicos dos atores sociais, imersos em construções sociais no contexto.
Citação ABNT:
CARDOSO, E. R. S.; SILVA, A. R. L. A Transformação Social de uma Ferramenta Estratégica em uma Organização Familiar Brasileira. REAd. Revista Eletrônica de Administração, v. 23, n. 3, p. 173-205, 2017.
Citação APA:
Cardoso, E. R. S., & Silva, A. R. L. (2017). A Transformação Social de uma Ferramenta Estratégica em uma Organização Familiar Brasileira. REAd. Revista Eletrônica de Administração, 23(3), 173-205.
DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/1413-2311.153.56537
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/47370/a-transformacao-social-de-uma-ferramenta-estrategica-em-uma-organizacao-familiar-brasileira/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BELMONDO, C.; SARGIS‐ROUSSEL, C. Negotiating language, meaning and intention: strategy infrastructure as the outcome of using a strategy tool through transforming strategy objects. British Journal of Management, London, v. 26, n. 1, p. 90-104, 2015.

ANDREWS, T. What is social constructionism? Grounded Theory Review, Mill Valley, v. 11, n. 1, p. 39-46, 2012.

BISPO, M. Estudos baseados em prática: conceitos, história e perspectivas. Revista Interdisciplinar de Gestão Social, Salvador, v. 2, n. 1, p. 13-21, 2013.

BURR, V. Social constructionism. 3. ed. London: Routledge, 2003.

DA SILVA, A. B.; ROSSETTO, C. R. Os conflitos entre a prática gerencial e as relações em família: uma abordagem complexa e multidimensional. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 14, n. 1, p. 40-60, 2010.

FISCHER, T.; DANTAS, M.; DAVEL, E. Organizações familiares como linha de pesquisa. Organizações & Sociedade, Salvador, v. 7, n. 18, p. 43-44, 2000.

GILL, M. J. The possibilities of phenomenology for organizational research. Organizational Research Methods, Thousand Oaks, v. 17, n. 2, p. 118-137, 2014.

HODARY, D. Strategy tools-in-practice: contextual factors and practical use. 2009. 306 f. Tese (Doutorado em Filosofia) – School of Management, University of Surrey, Guildford, 2009.

JARRATT, D; STILES D. How are methodologies and tools framing managers strategizing practice in competitive strategy development? British Journal of Management, London, v. 21, n. 1, p. 28-43, 2010.

JARZABKOWSKI, P.; BALOGUN, J.; SEIDL, D. Strategizing: the challenges of a practice perspective. Human Relations, London, v. 60, n. 1, p. 5-27, 2007.

JARZABKOWSKI, P.; GIULIETTI, M.; OLIVEIRA, B.; AMOO, N. We dont need no education – or do we?Management education and alumni adoption of strategy tools. Journal of Management Inquiry, Thousand Oaks, v. 22, n. 1, p. 452-472, 2013.

JARZABKOWSKI, P.; KAPLAN, S. Strategy tools‐in‐use: a framework for understanding “technologies of rationality” in practice. Strategic Management Journal, Hoboken, v. 36, n. 4, p. 537-558, 2015.

MACEDO, F. M. F.; BOAVA, D. L. T.; ANTONIALLI, L. M. A fenomenologia social na pesquisa em estratégia. Revista de Administração de Mackenzie, São Paulo, v. 13, n. 5, p. 171-203, 2012.

SANCHIS, J. R. P.; CAMPOS, V. C.; MOHEDANO, A. S. Management in social enterprises: the influence of the use of strategic tools in business performance. International Entrepreneurship and Management Journal, v. 9, n. 4, p. 541-555, 2013.

SCHÜTZ, A. The phenomenology of the social world. Evanston: Northwestern University Press, 1967.

SCHWANDT, T. A. Three epistemological stances for qualitative inquiry: interpretavism, hermeneutics, and social constructionism. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Eds.). Handbook of Qualitative Research. 2. ed. Thousand Oaks: Sage. 2000. p. 189-213.

SILVA JUNIOR, A.; MARTINS-SILVA, P. O.; SILVA, A. R. L. da. Sistema de valores e implicações na governança corporativa em um grupo empresarial familiar. Organizações & Sociedade, Salvador, v. 20, n. 65, p. 239-260, 2013.

SPEE, A. P.; JARZABKOWSKI, P. Strategy tools as boundary objects, Strategic Organization, London, v. 7, n. 2, p. 223−232, 2009.

VIEIRA, A. M.; RIVERA, D. P. B. A Hermenêutica no campo organizacional: duas possibilidades interpretativistas de pesquisa. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, São Paulo, v. 14. n. 44, p. 261-273, 2012.

VOGEL, R. The visible colleges of management and organization studies: a bibliometric analysis of academic journals. Organization Studies, London, v. 8, n. 33, p. 1015-1043, 2012.

WARD, J. L. The special role of strategic planning for family business. Family Business Review, Vermont, v. 1, n. 2, p. 105-117, 1988.

ABIB, G.; HOPPEN, N.; HAYASHI JUNIOR, P. Observação participante em estudos de administração da informação no Brasil. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 53, n. 6, p. 604-616, 2013.

BERGER, P.; L. LUCKMANN, T. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. 9. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1985.

DA FONSECA, V. S.; MACHADO-DA-SILVA, C. L. Conversação entre abordagens da estratégia em organizações: escolha estratégica, cognição e instituição. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 14, n. esp., p. 51-75, 2010.

FERNANDES, K. R.; ZANELLI, J. C. O processo de construção e reconstrução das identidades dos indivíduos nas organizações. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 10, n. 1, p. 55-72, 2006.

GERGEN, K. J. An invitation to social construction. London: Sage, 1999.

GUNN, R.; WILLIAMS, W. Strategic tools: an empirical investigation into strategy in practice in the UK. Strategic Change, Hoboken, v. 16, n. 5, p. 201-216, 2007.

JARZABKOWSKI, P.; GIULIETTI, M. Strategic management as an applied science: but not as we (academics) know it. In: The Third Organization Studies Summer Workshop, 3., 2007, Creta. Anais eletrônicos... Disponível em: < https://mafiadoc.com/strategic-management-asan-applied-science-but-not-as-we-_59985a4c1723dd95bd2a74fc.html >. Acesso em: 27 out. 2007.

KAPLAN, S.; JARZABKOWSKI, P. Using strategy tools in practice: how tools mediate strategizing and organizing. AIM Research Paper, v. 1, n. 47, p. 1-57, 2006. Disponível em: < https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=1309556 >. Acesso em: 27 out. 2006.

SANDERS, P. Phenomenology: a new way of viewing organizational research. Academy of Management Review, New York, v. 7, n. 3, p. 353-360, 1982.

SANTIAGO, A. L. The family in family business case of the in-laws in Philippine businesses. Family Business Review, Vermont, v. 24, n. 4, p. 343-361, 2011.

TURETA, C.; LIMA, J. B. Estratégia como prática social: o estrategizar em uma rede interorganizacional. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, v. 12, n. 6, p. 76-108, 2011.