Análises da Gestão Social Brasileira Através da Teoria da Descolonialidade Outros Idiomas

ID:
47377
Resumo:
O objetivo deste artigo científi co está na afi rmação que assegura que o processo de ruptura epistémica na ciência administrativa está em curso, não só há uma quebra com o pensamento eurocêntrico, senão com o pensamento hegemônico que produz o conhecimento e tem como fi nalidade trazer contribuições acadêmicas construindo para a consolidação e validez do pensamento latino-americano, assim como a partir do mesmo. Consequentemente resgata-se a proposta conceitual brasileira sob a gestão social e os possíveis nexos com a construção do conhecimento. Para fi nalizar dá-se conta das relações entre a gestão social brasileira e a teoria da colonialidade e descolonialidade. A metodologia de trabalho é hermenêutica livre.
Citação ABNT:
HERNANDÉZ, A. R.; CANÇADO, A. C. Analisis de la Gestión Social Brasileña a Través de la Teoría de la Decolonialidad . Amazônia, Organizações e Sustentabilidade, v. 6, n. 1, p. 25-43, 2017.
Citação APA:
Hernandéz, A. R., & Cançado, A. C. (2017). Analisis de la Gestión Social Brasileña a Través de la Teoría de la Decolonialidad . Amazônia, Organizações e Sustentabilidade, 6(1), 25-43.
DOI:
http://dx.doi.org/10.17800/2238-8893/aos.v6n1p25-43
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/47377/analises-da-gestao-social-brasileira-atraves-da-teoria-da-descolonialidade/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Espanhol
Referências:
ARAÚJO, E. T. de. (In) Consistências da gestão social e seus processos de formação: um campo em construção. 257 f. Tese (Doutorado em Serviço Social) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2012. .

BOULLOSA, R de F.; SCHOMMER, P.C. Limites da natureza da inovação ou qual o futuro da Gestão social? In: XXXII ENCONTRO DA ANPAD. 2008. Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro ANPAD, 2008. p. 1-16.

CANÇADO, A. C. Fundamentos Teóricos da Gestão social: aprofundando a discussão. In: MARQUES, Marco Aurélio Ferreira (Org.) Administração pública, economia solidária e gestão social: limites desafios e possibilidades. Viçosa, MG: UFV. 2015. p. 54-82.

CANÇADO, A. C. Fundamentos teóricos da gestão social. Lavras, M.G.: UFLA,2011.

CANÇADO, A. C. Gestão social: aspectos teóricos e aplicações. Río Grande do Sul: Unijuí, 2012.

CANÇADO, A. C. Gestão social: epistemologia de um paradigma. 2 ed. Curitiba, PR: CRV. 2015.

CANÇADO, A. C. Gestão social: epistemologia de um paradigma. Curtiba, PR: CRV, 2013.

CANÇADO, A. C. Gestão social: reflexões teóricas e conceituais. Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 681-703, 2011

CANÇADO, A. C. Gestão social: um debate para a construção do campo. Revista Nau Social, v. 4, n. 6, p. 191-209, 2013.

CANÇADO, A. C. Gestão social versus gestão estratégica. In: TENÓRIO, F. G. (Org.). Gestão social e gestão estratégica: experiências em desenvolvimento territorial. Rio de janeiro: FGV. 2013. v. 2, p. 15-99.

CASTRO-GÓMEZ, S. Michel Foucault y la colonialidad el poder. Colombia: Universidad Javeriana; Instituto Pensar. [201-]. p.1-24.

DUSSEL, E. Europa, modernidad y Eurocentrismo. En: E. LANDER, La colonialidad del saber:eurocentrismo y ciencias sociales. Buenos Aires, Argentina: CLACSO. 2000. p. 41-54. (Perspectivas Latinoamericanas).

FISCHER, T. Gestão do desenvolvimento e poderes locais: marcos teóricos e avaliação. Salvador, BA: Casa da qualidade, 2002.

GARCÉS, F. Las políticas del conocimiento y la colonialidad lingüística y epistémica. En: CASTRO-GÓMEZ, S; GROSFOGUEL. El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores. 2007. p. 217-242.

GROSFOGUEL, R.; MIGNOLO, W. Intervenciones descoloniales: una breve introducción. Tábula Rasa, n. 9, p. 29-37, 2008.

LANDER, E. La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales. Perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires, Argentina: CLACSO. 2000.

MIGNOLO, W. Diferencia colonial y razón postoccidental. En: CASTRO-GÓMEZ, S. La reestructuracion de las ciencias sociales en América Latina. Bogotá: Pensar, 2000. p.3-28.

MIGNOLO, W. La colonialidad a lo largo y ancho: el hemisfero occidental en el horizonte colonial de la modernidad. En: LANDER, E. La colonialidad del saber: Eurocentrismo y ciencias sociales. Perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires, Argentina: CLACSO, 2000. p. 55-86

MIGNOLO, W. La colonialidad: la cara oculta de la modernidad. En: MIGNOLO, W. Historias locales, diseños globales: colonialidad, conocimientos subalternos y pensamiento fronterizo. Madrid: Akal, 2003. p. 39-45

MIGNOLO, W. The darker side of renaissanse. Michigan: University of Michigan Press, 1995.

PAULA, A. P. P. de. Administração pública Brasileira entre o Gerencialismo e a Gestão Social. RAE Debate, v. 45, n. 1, p. 36-49, 2005.

PINHO, J. A. G. Gestão social: conceituando e discutindo os limites e possibilidades reais na sociedade brasileira. Em: SCALFONI, A.R. et al. Gestão social e políticas públicas de desenvolvimento: ações, articulações e agenda. Juazeiro, BA/ Petrolina, PE: UNIVASF, 2010. p.2152.

QUIJANO, A. América, el capitalismo, la modernidad nacieron el mismo día. ILLA, No. 10, Lima, 1991.

QUIJANO, A. Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina. En E. LANDER, La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales. Perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires, Argentina: CLACSO, 2000.

QUIJANO, A. Colonialidade, Poder, Globalizacao e Democracia. Novos Rumos, v.17, n. 37, p. 4-27. 2000.

RAMOS, A. G. A nova ciência das organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1989.

RAMOS, A. G. A redução sociológica. Río de Janeiro: Brasil: UFRJ. 1996

TENÓRIO, F. G. Gestão social: uma perspectiva conceitual. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 32, n. 5, p. 7-23, 2002.

TENORIO, F. G. Tem razão a gestão social? III COLÓQUIO INTERNACIONAL DE EPISTEMOLOGIA E SOCIOLOGIA DA CIÊNCIA DA ADMINISTRAÇÃO. Florianópolis, Anais... Florianópolis: Núcleo ORD/CIRIEC-Brasil. 2013. p. 2-7.