Novas Metodologias de Ensino? O Discurso do Sujeito Coletivo de uma Turma de Administração Outros Idiomas

ID:
47394
Periódico:
Resumo:
As recentes mudanças tecnológicas e no perfil dos alunos vêm levando escolas e professores a repensar suas estratégias e técnicas de ensino. Surgem diversas propostas, com destaque para as metodologias ativas de ensino. Contudo, faz-se necessária a verificação se os alunos efetivamente anseiam e se sentem confortáveis com novas dinâmicas em sala de aula. Nesse contexto, o presente artigo investiga como os alunos lidam com metodologias ativas de ensino. Para tanto, o depoimento individual de 52 alunos de um Curso de Administração foi coletado por meio de questionário com questões abertas. Analisando o conteúdo, por meio do método do Discurso do Sujeito Coletivo (DSC) e com apoio de um software de análise qualitativa, conclui-se que é necessária parcimônia na reformulação das estratégias de ensino. Mudanças drásticas podem prejudicar o processo de aprendizagem e a heterogeneidade da sala deve ser respeitada. O DSC foi selecionado, pois ele busca iluminar o campo social pesquisado, procurando entender o que pensa um conjunto específico de pessoas e analisar o significado de algum contexto para tal grupo. Por meio dele, o coletivo é reconstituído a partir da opinião de um conjunto de discursos na primeira pessoa do singular. Com base nos dados coletados, também é proposta uma classificação do perfil dos alunos com base em duas dimensões abstratas extraídas dos próprios discursos individuais.
Citação ABNT:
FALCÃO, R. F.; HAMZA, K. M.; VELOSO, A. R.; CAMPOMAR, M. C. Novas Metodologias de Ensino? O Discurso do Sujeito Coletivo de uma Turma de Administração . Revista Alcance, v. 24, n. 3, p. 445-459, 2017.
Citação APA:
Falcão, R. F., Hamza, K. M., Veloso, A. R., & Campomar, M. C. (2017). Novas Metodologias de Ensino? O Discurso do Sujeito Coletivo de uma Turma de Administração . Revista Alcance, 24(3), 445-459.
DOI:
alcance.v24n3.p445-459
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/47394/novas-metodologias-de-ensino--o-discurso-do-sujeito-coletivo-de-uma-turma-de-administracao-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BANDEIRA-DE-MELLO, R. Softwares em pesquisa qualitativa. In: GODOI, C; BANDEIRA-DE-MELLO, R.; SILVA, A. (Org.). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, 2006, p. 429-460.

BONWELL, C. C.; EISON, J. A. Active Learning: Creating Excitement in the Classroom. ERIC Digest. Higher Education Reports. 1991. Disponível em: . Acesso em: 05 mar. 2016. 1991

BORDENAVE, J. D.; PEREIRA, A. M. Estratégias de ensino-aprendizagem. Petrópolis: Vozes, 1995.

BRINGER, J. D.; JOHNSTON, L. H.; BRACKENRIDGE, C. H. Maximizing transparency in a doctoral thesis: The complexities of writing about the use of QSR* NVIVO within a grounded theory study. Qualitative research, v. 4, n. 2, p. 247-265, 2004.

FERRARI, M. Paulo Freire, o mentor da educação para a consciência. Disponível em: . Acesso em: 02 jun. 2016.

FREEMAN, S.; EDDY, S. L.; MCDONOUGH, M.; SMITH, M. K.; OKOROAFOR, N.; JORDT, H.; WENDEROTH, M. P. Active learning increases student performance in science, engineering, and mathematics. Proceedings of the National Academy of Sciences, v. 111, n. 23, p. 8410-8415, 2014.

GILBERT, L. S. Going the distance: 'closeness' in qualitative data analysis software. International journal of social research methodology, v. 5, n. 3, p. 215-228, 2002.

GODOY, A. S. Revendo a aula expositiva. In: MOREIRA, D. A. Didática do ensino superior: técnicas e tendências. São Paulo: Pioneira. 1997. p. 75-82.

JODELET, D. Representações sociais: um domínio em expansão. In: JODELET, D. (Org.). As representações sociais. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2001. p. 17-44.

LEFEVRE, F.; LEFEVRE, A. M. C. Discurso do sujeito coletivo: um novo enfoque em pesquisa qualitativa (desdobramentos). Caxias do Sul: EDUCS, 2003.

LEFEVRE, F.; LEFEVRE, A. M. C. O discurso do sujeito coletivo como expressão narrativa da quantidade. 2006. Disponível em: . Acesso em: 19 mai. 2006.

LEFEVRE, F.; LEFEVRE, A. M. C. Os novos instrumentos no contexto da pesquisa qualitativa. In: LEFEVRE, F.; LEFEVRE, A. M. C.; TEIXEIRA, J. J. V. (Org.). O discurso do sujeito coletivo: uma nova abordagem metodológica em pesquisa qualitativa. Caxias do Sul: EDUCS. 2000. p. 11-36.

LEFEVRE, F.; LEFEVRE, A. M. C. O sujeito coletivo que fala. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, v. 10, n. 20, p. 517-524, 2006.

LEFEVRE, F. Pesquisa de representação social: um enfoque qualiquantitativo: a metodologia do Discurso do Sujeito Coletivo. Brasília: Líber Livro Editora, 2010.

MANGABEIRA, W. CAQDAS and its diffusion across four countries: national specificities and common themes. Current Sociology, v. 44, p. 191-205, 1996.

MCKENNY, A. F.; SHORT, J. C.; PAYNE, G. T. Using computer-aided text analysis to elevate constructs an illustration using psychological capital. Organizational Research Methods, v. 16, n. 1, p. 152-184, 2013.

MEYERS, C.; JONES, T. B. Promoting active learning. San Francisco: Jossey Bass, 1993.

MILIKEN, J.; BARNES, L. P. (2002). Teaching and technology in higher education: student perceptions and personal reflections. Computers & Education, v. 39, n. 1, p. 223-235, 2002.

NOVEMBER, P. Teaching marketing theory: a hermeneutic approach. Marketing Theory, v. 2, n. 1, p. 115-133, 2002.

PECOTCHE, C. B. G. Logosofia: ciência e método. São Paulo: Ed. Logosófica, 2011.

PEIRCE, C. S. Semiótica e filosofia. São Paulo. Cultrix/Edusp, 1975.

PEREIRA, J. C. R. Análise de dados qualitativos: estratégias metodológicas para as ciências da saúde, humanas e sociais. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2004.

PIAZZI, P. Ensinando inteligência. São Paulo: Aleph, 2009.

REVELL, A.; WAINWRIGHT, E. What Makes Lectures ‘Unmissable’? Insights into Teaching Excellence and Active Learning. Journal of Geography in Higher Education, v. 33, n. 2, p. 209–223, 2009.

RICHARDS, L. Qualitative computing - a methods revolution? International Journal of Social Research Methodology, v. 5, n. 3, p. 263-276, 2002.

SILBERMAN, M. Active learning: 101 strategies do teach any subject. Massachusetts: Ed. Allyn and Bacon, 1996.

SINKOVICS, R. R.; ALFOLDI, E. A. Progressive focusing and trustworthiness in qualitative research. Management International Review, v. 52, n. 6, p. 817-845, 2012.

SNYDER, K. D. Ropes, Poles, and Space Active Learning in Business Education. Active Learning in Higher Education, v. 4, n. 2, p. 159-167, 2003.

VALENTE, J. A. (2013). Aprendizagem Ativa no Ensino Superior: a proposta da sala de aula invertida. Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2016.

WEITZMAN, E. A.; MILES, M. B. Computer Programs for Qualitative Data Analysis: a software sourcebook. Newbury Park: Sage Publications, 1995.