A Ciclicidade da Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa sob Três Diferentes Modelos Contábeis: Reino Unido, Espanha e Brasil

ID:
47623
Resumo:
Uma polêmica envolvendo a provisão para créditos de liquidação duvidosa em bancos refere-se à sua relação com os ciclos econômicos. Enquanto os padrões contábeis internacionais para o reconhecimento da provisão (modelo de perda incorrida) seriam presumivelmente pró-cíclicos, acentuando os efeitos do ciclo econômico vigente, um modelo alternativo, o modelo de perda esperada, teria características anticíclicas, atuando como uma espécie de amortecedor dos desequilíbrios econômicos próprios das fases de expansão e de contração da economia. No Brasil, vigora um modelo contábil misto, cujo comportamento não se sabe ser pró-cíclico ou anticíclico. Identifi car o comportamento desses modelos contábeis frente aos ciclos econômicos, por meio de um modelo econométrico composto por variáveis contábeis e macroeconômicas, foi o objetivo desta pesquisa. O estudo contempla uma discussão sobre o impacto do comportamento do risco de crédito, do gerenciamento de resultados, do gerenciamento de capital, do comportamento do Produto Interno Bruto (PIB) e do comportamento da taxa de desemprego sobre a provisão, em países que utilizam os distintos modelos contábeis. Foram utilizados dados de bancos comerciais do Reino Unido (perda incorrida), da Espanha (perda esperada) e do Brasil (modelo misto), no período de 2001 a 2012. Os resultados revelaram que os modelos contábeis dos três países, apesar de serem formados por regras de natureza bastante distinta no que diz respeito a um eventual efeito sobre os ciclos econômicos, apresentaram comportamento pró-cíclico, indicando que, quando o PIB está em ascensão, as provisões tendem a cair e viceversa. Os resultados revelaram também outros elementos que podem estar infl uenciando o comportamento da provisão, como a prática de gerenciamento de resultados.
Citação ABNT:
ARÁUJO, A. M. H. B.; LUSTOSA, P. R. B.; PAULO, E. A Ciclicidade da Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa sob Três Diferentes Modelos Contábeis: Reino Unido, Espanha e Brasil. Revista Contabilidade & Finanças - USP, v. 29, n. 76, p. 97-113, 2018.
Citação APA:
Aráujo, A. M. H. B., Lustosa, P. R. B., & Paulo, E. (2018). A Ciclicidade da Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa sob Três Diferentes Modelos Contábeis: Reino Unido, Espanha e Brasil. Revista Contabilidade & Finanças - USP, 29(76), 97-113.
DOI:
10.1590/1808-057x201804490
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/47623/a-ciclicidade-da-provisao-para-creditos-de-liquidacao-duvidosa-sob-tres-diferentes-modelos-contabeis--reino-unido--espanha-e-brasil/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Bebczuk, R., Carrera, J.; Sangiácomo, M. (2010). A new look into credit procyclicality: International panel evidence. In BIS Consultative Council for the Americas Conference on “systemic risk, bank behavior and regulation over the business cycle”. Buenos Aires, Argentina.

Betancourt, L.; Baril, C. P. (2009). Accounting for loan losses: Is Dynamic provisioning the answer? Bank Accounting Finance, 22(6), 9-16. http://connection.ebscohost.com/c/ articles/44680540/accounting-loan-losses-dynamicprovisioning-answer.

Bikker, J. A.; Hu, H. (2002). Cyclical patterns in profi ts, provisioning and lending of banks and procyclicality of the new basel capital requirements. Banca Nazionale del Lavaro Quarterly Review, 55(221), 143-175. https://www.dnb.nl/binaries/ot039_tcm46-146052.pdf.

Bikker, J. A.; Metzemakers, P. A. J. (2004). Bank provisioning behaviour and procyclicality. Journal of International Financial Markets Institutions & Money, 209, 1-17. doi: 10.1016/j.intfin.2004.03.004.

Bortoluzzo, A. B., Sheng, H. H.; Gomes, A. L. P. (2016) Earning management in Brazilian financial institutions. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, 51(2), 182-197. doi: 10.5700/rausp1233.

Bouvatier, V.; Lepetit, L. (2007). Banks’ procyclical behavior: Does provisioning matter? Journal of International Financial Markets, Institutions & Money, 18, 513-528. doi: 10.1016/j.intfin.2007.07.004.

Bouvatier, V.; Lepetit, L. (2012, July). Provisioning rules and bank lending: A theoretical model. Journal of Financial Stability, 8(2), 25-31. http://ssrn.com/abstract=1148314.

Burns, A. F.; Mitchell, W. C. (1946). Measuring business cycles. NBER Book Series Studies in Business Cycles, New York: National Bureau of Economic Research.

Cavallo, M.; Majnoni, G. (2001). Do banks provision for bad loans in good times?Empirical evidence and policy implications. Working Paper n. 2619. World Bank Policy Research. https://openknowledge.worldbank.org/handle/10986/19607.

Cohen, D. A.; Zarowin, P. (2007). Earnings management over the business cycle. New York University. Stern School of Business. August. http://w4.stern.nyu.edu/emplibrary/EM_08_23_07FINAL.pdf.

Cortavarria, L., Dziobek, C., Kanaya, A.; Song, I. (2000). Loan review, provisioning, and macroeconomic linkages. WP/00/195. IMF Working Paper. International Monetary Fund. http://www.imf.org/external/pubs/ft /wp/2000/wp00195.pdf.

Curcio, D.; Hasan, I. (2015). Earnings and capital management and signaling: The use of loan-loss provisions by European banks. The European Journal of Finance, 21(1), 26-50. doi: 10.1080/1351847X.2012.762408.

Glen, J.; Mondragón-Vélez, C. (2011). Business cycle eff ects on commercial bank loan portfolio performance in developing economies. Review of Development Finance, 1(2), 150-165. http://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=1754672.

Gonzales, J. E. N. (2009). The fundamentals of procyclicality of the fi nancial system. Economic Newsletter. Bangko Sentral NG Pilipinas, 9(3). http://www.bsp.gov.ph/downloads/ EcoNews/EN09-03.pdf.

Gray, R. P.; Clarke, F. L. (2004). A methodology for calculating the allowance for loan losses in commercial banks. Abacus, 40(1), 321-341.

Handorf, W. C.; Zhu, L. (2006). US Bank loan-loss provisions, economic conditions, and regulatory guidance. Journal of Applied Finance, 16(1), 97-114. http://search.proquest.com/openview/ee52c0978ed6e519591ff513944a8a54/1?pqorigsite=gscholar&cbl=26518.

Harrald, P.; Sandal, T. (2010). Addressing procyclicality. Asia-Risk, (October), 70-72. www.risk.net.

Healy, P. M.; Wahlen, J. M. (1999). A review of the earnings management literature and its implications for standard setting. Accounting Horizons, 13(4), 365-383. https://fisher.osu.edu/~young.53/Healy-Wahlen.

Hendriksen, E. S.; Van Breda, M. F. (1999). Teoria da contabilidade. São Paulo, SP: Atlas.

Laeven, L.; Majnoni, G. (2003). Loan loss provisioning and economic slowdowns: too much, too late? Journal of Financial Intermediation, 12(2), 178-197. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1042957303000160.

Longbrake, W. A.; Rossi, C. V. (2011). Procyclical versus countercyclical policy effects on financial markets. Study prepared for the Anthony T. Cluff Fund. The Financial Services Roundtable. Financing America’s Economy. July. http://www.fsround.org/fsr/pdfs/cluff /CountercyclicalPE.pdf.

Macedo, M. A. S.; Kelly, V. L. A. (2016). Gerenciamento de resultados em instituições financeiras no Brasil: uma análise com base em provisões para crédito de liquidação duvidosa. Revista Evidenciação Contábil & Finanças, 4(2), 82-96.

Martinez, A. L. (2001). ‘Gerenciamento’ dos resultados contábeis: estudo empírico das companhias abertas brasileiras. (tese de doutorado). Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.

Silva, C. A. M. (2016). Utilização da provisão para créditos de liquidação duvidosa para fins de gerenciamento de resultado nas instituições financeiras brasileiras e luso-espanholas. (dissertação de mestrado). Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de Brasília, Brasília, DF.