Teoria do Ator-Rede: Irredutibilidade, Simetria e os Estudos em Administração/Organizações Outros Idiomas

ID:
47898
Resumo:
A Actor network-theory (ANT) é uma perspectiva teórico-metodológica que vem sendo elaborada desde a década de 1980. Traduzida para o Brasil como Teoria do Ator-Rede (TAR), ela inverte teórica e empiricamente a lógica comumente empregada pelos estudos sociológicos. Assim, em vez de assumir elementos como poder, tamanho, estrutura, agência e outros (meta)construtos, como causas das transformações sociais e técnicas, a TAR os coloca como efeitos, isto é, como consequências temporárias de redes relacionais heterogêneas, que indistinguem puros elementos sociais ou técnicos. Face à crescente adoção da TAR nos estudos em administração/organizações brasileiros, o presente trabalho discute pressupostos ontológicos e epistemológicos, notadamente a irredutibilidade e a simetria, que devem ser considerados nas práticas científicas que lançam mão da TAR como lente teórico-metodológica. Além disso, aborda-se a questão da operacionalização de pesquisas que empregam essa abordagem na exploração empírica de suas temáticas, discutindo-se um breve conjunto de artigos brasileiros que apresentam esforços dessa natureza. Ao final, busca-se explicitar as oportunidades de inovação nos estudos do campo de administração/organizações, a partir de investigações nas quais os pressupostos em discussão sejam adequadamente assimilados nas práticas de pesquisa.
Citação ABNT:
VALADÃO, J. A. D.; CORDEIRO NETO, J. R.; ANDRADE, J. A. Teoria do Ator-Rede: Irredutibilidade, Simetria e os Estudos em Administração/Organizações . Revista Organizações em Contexto, v. 14, n. 27, p. 93-130, 2018.
Citação APA:
Valadão, J. A. D., Cordeiro Neto, J. R., & Andrade, J. A. (2018). Teoria do Ator-Rede: Irredutibilidade, Simetria e os Estudos em Administração/Organizações . Revista Organizações em Contexto, 14(27), 93-130.
DOI:
http://dx.doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v14n27p93-130
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/47898/teoria-do-ator-rede--irredutibilidade--simetria-e-os-estudos-em-administracao-organizacoes-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALCADIPANI, R.; HASSARD, J. Actor-network theory, organizations and critique: towards a politics of organizing. Organization, v. 17, n. 4, p. 419-345, 2010.

ALCADIPANI, R.; TURETA, C. Teoria Ator-rede e análise organizacional: contribuições e possibilidades de pesquisa no Brasil. Organizações & Sociedade, v. 16, n. 51, p. 647-664, 2009.

ANDRADE, J. A. Actor-Network Theory (ANT): uma tradução para compreender o relacional e o estrutural nas redes interorganizacionais? Cadernos EBAPE. Rio de Janeiro, v. 2, n. 4, 2004.

ANDRADE, J. A. Redes de atores: uma nova forma de gestão das políticas públicas no Brasil? Gestão e Regionalidade, n. 64, p. 52-66, 2006.

ANDRADE, J. A. What holds us together? Analyzing Biotech field formation. J. Technol. Manag Innov., v. 6, n. 3, 2011, p. 1-12.

ANDRADE, J. A.; CORDEIRO NETO, J. R.; VALADAO, J. A. D. Associações sociotécnicas e práticas de gestão em desenvolvimento: analisando rastros por entre o traçado do P1MC. Cadernos EBAPE.BR (FGV), v. XI, p. 274-294, 2013.

ARNABOLDI M., AZZONE G. (2010). Constructing performance measurement in the public sector. Critical Persp. Account. 21: 266-282.

AULETE, Digital. Dicionário contemporâneo da Língua Portuguesa. Disponível em: www.aulete.com.br. Acesso em 18 de agosto de 2012.

BIJKER, W. E. Do not despair: there is life after constructivism. Science, Technology & Human Values, v. 18, n. 1. Winter, 1993, p. 113-138.

BIJKER, W. E., HUGHES, T. P., PINCH, T. (Orgs.). The Social Construction of Technological Systems: New Directions in the Sociology and History of Technology. The MIT Press, Cambridge, Massachusetts, 1987.

BLOOR, David. Conhecimento e imaginário social, 2. ed. São Paulo: UNESP, 2009.

CALLON, M. Actor-network theory – the market test. In: LATOUR, B. In: LAW, J.; HASSARD, J. Actor-network theory and after. Oxford: Blackwell Publishing, 1999, p. 15-25.

CALLON, M. Some elements of a sociology of translation: domestication of the scallops and the fishermen of St Brieuc Bay. In: LAW, J. Power, action and belief: a new sociology of knowledge? London: Routledge, 1986, p. 196-223.

CALLON, M.; LATOUR, B. Unscrewing the big leviathan: how actor macro-structure reality and how sociologists help them to do so. In: KNORR-CETINA, K.; CICOUREL, A. V. Advances in social theory and methodology: toward an integration of micro and macro-sociologies. Boston: Routledge & Kegan, 1981, p. 277-303.

CAMILLIS, P. K.; ANTONELLO, C. S. Da translação para o enactar: contribuições da Teoria Ator-Rede para a abordagem processual das organizações. Cad. EBAPE.BR, v. 14, n. 1, Artigo 4. Rio de Janeiro, jan./mar. 2016.

CAMILLIS. P. K.; BUSSOLAR, C. Z.; ANTONELLO, C. S A agência a partir da Teoria Ator-Rede: reflexões e contribuições para as pesquisas em administração. Organizações & Sociedade, v. 23, n. 76, p. 073-091, jan./mar. 2016.

CAVALCANTI, M. F. R.; ALCADIPANI, R. Organizações como processos e Teoria Ator-Rede: A contribuição de John Law para os Estudos Organizacionais. Cad. EBAPE.BR, v. 11, n. 4, artigo 4. Rio de Janeiro, dez. 2013.

CERRETO, C. DOMENICO, S. M. Mudança e Teoria Ator-Rede: Humanos e Não Humanos em Controvérsias na Implementação de um Centro de Serviços Compartilhados. Cad. EBAPE. BR, v. 14, nº. 1, Artigo 5. Rio de Janeiro, jan./mar. 2016.

CORDEIRO NETO, J. R.; VALADÃO, J. A. D.; ANDRADE, J. A. Análise de Redes Sociais, Suas Limitações e Recursos Teóricos para uma Abordagem Relacional nos Estudos Organizacionais. In: Anais do XL Encontro Nacional da ANPAD_Enanpad, 2016,

CZARNIAWSKA, B. Emerging institutions: pyramids or anthills? Organization Studies, v. 30, n. 4, 2009, p. 423-441.

CZARNIAWSKA, B. STS Meets MOS. Organization, 2009b, v. 16(1): 155-160.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. A thousand plateaus: capitalism and schizophrenia. Minneapolis: University Minnesota Press, 1987.

DOMÈNECH, M. TIRADO, F. J. Sociología simétrica: ensayos sobre ciencia, tecnología y sociedad. Barcelona: Gedisa Editorial, 1998.

DUARTE, M. F.; ALCADIPANI, R. Contribuições do organizar (organizing) para os estudos organizacionais. Organizações e Sociedade, v. 23, n. 76, p. 057-072, jan./mar. 2016.

DUSEK, V. Philosophy of technology: an introduction. Oxford: Blackwell Publishing, 2006.

FELDMAN, M. S.; ORLIKOWSKY, W. J. Theorizing practice and practicing theory. Organization Science, v. 22, n. 5, p. 1.240-1.253, 2011.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1987.

GARFINKEL, H. Studies in ethnomethodology. New Jersey: Prentice Hall, 1967.

GREIMAS, A. J.; COURTÉS, J. Dicionário de semiótica. São Paulo: Cultrix, 1979.

HARMAN, G. Technology, objects and things in Heidegger. Cambridge Journal of Economics, n. 34, 2009, p. 1-9.

HASSARD, J.; COX, J. W. Can sociological paradigms still inform organizational analysis? A paradigm model for post-paradigm times. Organization Studies, 2013, 34(11): 1.701-1.728.

HUGHES, T. Networks of power: electrification in Western Society, 1880-1930. Londres: Johns Hopkins University Press, 1983.

HUGHES, T. The evolution of large technological systems. In: BIJKER, W. E., HUGHES, T. P., PINCH, T. (Orgs.). The social construction of technological systems: new directions in the sociology and history of technology. The MIT Press. Cambridge, Massachusetts, 1987. p. 51-82.

LATOUR, B. “Where are the missing masses? The sociology of a few mundane artifacts.” In: BIJKER, W. E.; PINCH, T. F.; LAW, L. (Orgs.). Shaping technology/building society: studies in sociotechnical change. Cambridge: Mass. MIT Press, 1992, p. 225-258.

LATOUR, B. A esperança de pandora: ensaios sobre a realidade dos estudos científicos. São Paulo: EDUSC, 2001.

LATOUR, B. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: UNESP, 2000.

LATOUR, B. Entrevista: por uma antropologia do centro. MANA. Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p. 397-414, 2004b.

LATOUR, B. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1994a.

LATOUR, B. La tecnología es la sociedade hecha para que dure. In: DORMÈNECH, M.; TIRADO, F. J. Sociología simétrica: ensayos sobre ciencia, tecnología y sociedad. Barcelona: Gedisa Editorial, 1998, p. 109-142.

LATOUR, B. On recalling ANT. In: LAW, J.; HASSARD, J. (Orgs.). Actor-Network Theory and after. The Sociological Review. Oxford: Blackwell Publishers, 1999, p. 15-25.

LATOUR, B. On recalling ANT. In: LAW, J.; HASSARD, J. Actor-network theory and after. Oxford: Blackwell Publishing, 1999, p. 15-25.

LATOUR, B. On technical mediation – philosophy, sociology, genealogy. Common knowledge, fall. Geórgia, v, 3, n. 2, p. 29-64, 1994b.

LATOUR, B. Políticas da natureza: como fazer ciência na democracia. São Paulo: EDUSC, 2004a.

LATOUR, B. Reagregando o social: uma introdução à teoria do Ator-Rede. Salvador: EDUFBA, 2012.

LATOUR, B. The pasteurization of France. EUA: Harvard University Press, 1988a.

LATOUR, B.. A relativistic account of Einstein’s Relativity. Social Studies of Science, América do Norte, v. 18, n. 1, p. 3-44, fev. 1988b.

LATOUR, B.; WOOLGAR, S. A vida de laboratório: a produção dos fatos científicos. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1997.

LAW, J. Actor-Network Theory and material semiotics. Lancaster University, 2007, p. 1-21. Disponível em: http://www.heterogeneities.net/publications/Law2007ANTandMaterial Semiotics.pdf, acesso em 24 de maio de 2012.

LAW, J. After ANT: complexity, naming and topology. In: LAW, J.; HASSARD, J. Actor-network theory and after. Oxford: Blackwell Publishing, 1999.

LAW, J. Del poder y suas tácticas: un enfoque desde la sociología de la ciencia. In: DORMÈNECH, M. TIRADO, F. J. Sociología simétrica: ensayos sobre ciencia, tecnología y sociedad. Barcelona: Gedisa Editorial, 1998, p. 63-108.

LAW, J. Notes on the theory of the actor network: ordering, strategy and heterogeneity. Centre for Science Studies, 1992, p. 1-11.

LAW, J. On the methods of long-distance control: vessel, navigation and the Portuguese rout to India. In: LAW, J. Power action and believe: a new sociology of knowledge? Heley: Routladge (sociological Review Monografh, 32), 1986.

LAW, J.; Mol, A. (1995). “Notes on Materiality and Sociality.” The Sociological Review, 43: 274-294.

LEE, N.; BROWN, S. La alteridad y el actor-red: el continente no descubierto. In: DORMÈNECH, M. TIRADO, F. J. Sociología simétrica: ensayos sobre ciencia, tecnología y sociedad. Barcelona: Gedisa Editorial, 1998, p. 219-248.

LEE, N.; HASSARD, J. Organization unbound: Actor-network theory, research strategy and institutional flexibility. Organization, v. 6, n. 3, p. 391-404, 1999.

MACKENZIE, D. WAJCMAN, J. The social shaping of technology. Buckingham: Open University Press, 1999.

MOL, A. M. LAW, J. Embodied Action, Enacted Bodies: The Example of Hypoglycaemia. Body & Society, v. 10 (2-3): 43-62.

MOSER, I.; LAW, J. Good passages, bad passages. In: HASSARD, J. (Orgs.). Actor-Network Theory and after. The Sociological Review. Oxford: Blackwell Publishers, 1999, p. 196-219.

ORLIKOWSKI, W. J.; SCOTT, S. V. Sociomateriality: challenging the separation of technology, work and organization. The Academy of Management Annals, v. 2, n. 1, p. 433-474, 2008.

PINCH, T. F. On making infrastructure visible: putting the non-humans to rights. Cambridge Journal of Economics, v. 34, 2010, p. 77-89.

PINCH, T. F.; BIJKER, W. E. The social construction of facts and artifacts: or how the sociology of science and the sociology of technology might benefit each other. In: BIJKER, W. E.; HUGHES, T. P.; PINCH, T. F. (Orgs.). The social construction of technological systems. Cambridge: Massachussetts Institute of Technology, 1987, p. 17-50.

SERRES, M. Dialógo sobre a ciência, a cultura e o tempo. Lisboa: Instituto Piaget, 1996.

SERRES, M. Genesis. Michigan: The University of Michigan Press, 1995.

SERRES, M. Hermes: uma filosofía da ciência. Rio de Janeiro: Graal, 1990.

SERRES, M. The bird of physics. Manchester: Clinamen Press, 2000.

SINGLETON, V. MICHAEL, M. Actores-red e ambivalencia. Los médicos de familia en el programa británico de citología de cribaje. In: DORMÈNECH, M. TIRADO, F. J. Sociología simétrica: ensayos sobre ciencia, tecnología y sociedad. Barcelona: Gedisa Editorial, 1998, p. 171-218.

STRUM, S. S.; LATOUR, B. Redefining the social link: from baboons to humans. London: Social Science Information, v. 26, n. 4, 1987, p. 783-802.

TONELLI, D. F. Origens e afiliações epistemológicas da Teoria Ator-Rede: implicações para a análise organizacional. Cad. Ebape, v. 14, n. 2, abr./jun. 2016, p. 377-390.

TONELLI, D. F.; ZAMBALDE, A. L. Empreendedorismo de base tecnológica no contexto das instituições públicas de pesquisa em minas gerais: influências da pré-estabilização de objetos. Interciencia, v. 40, n. 2, febrero, 2015, p. 76-83.

TURETA, C.; ALCADIPANI, R. Entre o Observador e o Integrante da Escola de Samba: os Não-Humanos e as Transformações Durante uma Pesquisa de Campo. RAC, Curitiba, v. 15, n. 2, art. 3, p. 209-227, mar./abr. 2011.

TURETA, C.; ARAÚJO, B. F. V. B. Escolas de samba: trajetória, contradições e contribuições para os estudos organizacionais, v. 20, n. 64, p. 111-129, jan./mar. 2013.

VALADÃO, J. A.; CORDEIRO NETO, J. R.; ANDRADE, J. A. Bases sociotécnicas de uma tecnologia social: o transladar da Pedagogia da Alternância em Rondônia. Organizações & Sociedade (On-line), v. 24, p. 89-114, 2017.

VENTURINI, T. Building on faults: how to represent controversies with digital methodsPublic Understanding of Science. 20(10), 2010b, 1-17.

VENTURINI, T. Diving in magma: how to explore controversies with actor-network theory. Public Understand. Sci. 19(3), (2010a) 258-273.