Cultura Organizacional e Vivências de Prazer e Sofrimento no Trabalho: Um Estudo com Professores de Instituições Federais de Ensino Superior Outros Idiomas

ID:
47905
Resumo:
Este trabalho busca analisar como a cultura organizacional se entrelaça às vivências de prazer e sofrimento no trabalho de professores de Instituições Federais de Ensino Superior. Tal problematização foi motivada pela escassez de estudos sobre as relações entre a cultura organizacional e seus elementos, com as vivências de prazer e sofrimento dos trabalhadores. A pesquisa qualitativa se deu por meio de entrevistas com 20 docentes de duas Instituições Federais de Ensino Superior. Os dados obtidos revelam que as vivências de prazer desses docentes estão relacionadas com a própria atividade da docência e o relacionamento com os alunos. Já as vivências de sofrimento no trabalho estão relacionadas também com os alunos, mas principalmente ao relacionamento conflituoso entre pares e chefias. Observou-se ainda o impacto da atividade docente nas esferas familiar e social, e o impacto na saúde dos docentes. O contexto organizacional, e a gestão das instituições também foram apontados como fontes de sofrimento no trabalho. Espera-se com este estudo contribuir para o entendimento das vivências de prazer e sofrimento no trabalho, ao fornecer dados que propiciem a melhoria das práticas organizacionais e de gestão de pessoas dentro das organizações.
Citação ABNT:
DARIO, V. C.; LOURENÇO, M. L. Cultura Organizacional e Vivências de Prazer e Sofrimento no Trabalho: Um Estudo com Professores de Instituições Federais de Ensino Superior. Revista Organizações em Contexto, v. 14, n. 27, p. 345-395, 2018.
Citação APA:
Dario, V. C., & Lourenço, M. L. (2018). Cultura Organizacional e Vivências de Prazer e Sofrimento no Trabalho: Um Estudo com Professores de Instituições Federais de Ensino Superior. Revista Organizações em Contexto, 14(27), 345-395.
DOI:
http://dx.doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v14n27p345-395
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/47905/cultura-organizacional-e-vivencias-de-prazer-e-sofrimento-no-trabalho--um-estudo-com-professores-de-instituicoes-federais-de-ensino-superior/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALCADIPANI, R.; CRUBELLATE, J. M. Cultura Organizacional Brasileira: Generalizações Improváveis e Conceituações Imprecisas. RAE Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v. 43, n. 2, abr./jun. 2003.

ALTHUSSER, L. Concepções sobre o trabalho. In: KANAANE, R. Comportamento humano nas organizações: o homem rumo ao século XXI. São Paulo: Atlas, 1994.

ARANTES, I. C. S. Aproximações Teórico-metodológicas entre a Psicodinâmica do Trabalho, a Sociologia Clínica e a Análise Crítica do Discurso: Repensando Possibilidades Onto-epistêmicas para a Pesquisa em Administração. In: ENANPAD XXXIX, 2015. Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte, 2015.

ARAÚJO, et al. Psicodinâmica do Trabalho e Qualidade de Vida no Trabalho (QVT): Duas Faces da Mesma Moeda? Pesquisa ação em uma Organização do Governo Brasileiro. In: ENANPAD, XL, Costa do Sauípe. Anais… Costa do Sauípe, 2016.

AUGUSTO, M. M.; FREITAS, L. G.; MENDES, A. M. Vivências de prazer e sofrimento no trabalho de profissionais de uma fundação pública de pesquisa. Psicologia em Revista. Belo Horizonte, v. 20, n. 1, p. 34-55, 2014.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2010.

BARROS, T.; PRATES, M. O estilo brasileiro de administrar. São Paulo: Atlas, 1996.

BASTOS, A. V. B. O ofício acadêmico: singular ou plural? Revista O&S, Salvador, v. 14, n. 43, p. 179-185, 2007.

BERGER, P. L.; LUCKMAN, T. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. Petrópolis: Vozes, 1998.

BRANT, L. C.; GOMEZ, C. M. A transformação do sofrimento em adoecimento: do nascimento da clínica à psicodinâmica do trabalho. Revista Ciência & Saúde Coletiva, v. 9, n. 1, p. 213-223, 2004.

BREAKWELL, G. Métodos de entrevista. In: BREAKWELL, G.; HAMMOND, S.; FIFE-SCHAW, C; SMITH, J. A. Métodos de pesquisa em Psicologia, 3 ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

CHANLAT, J. F. Por uma antropologia da condição humana nas organizações. In: CHANLAT, J. F. (Coord.). O indivíduo na organização: dimensões esquecidas, 3. ed. São Paulo: Atlas, 2013, 1 v.

CHU, R. A.; WOOD, T. J. Cultura organizacional brasileira pós-globalização: global ou local? Revista de Administração Pública – RAP. Rio de Janeiro, v. 42, n. 5, p. 969-91, 2008.

CORBETTA, P. Social research: theory, methods and techniques. London: Sage, 2003.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto, 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

DAMATTA, R. O que faz do Brasil, Brasil? 5. ed. Rio de Janeiro: Rocca, 1991.

DEJOURS, C. A banalização da injustiça social. Trad. Luiz Alberto Monjardim. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 2007.

DEJOURS, C. A carga psíquica do trabalho. In: DEJOURS. C; ABDOUCHELI, E.; JAYET, C. Psicodinâmica do trabalho: contribuições da escola dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas, 2012.

DEJOURS, C. A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho, 5. ed. São Paulo: Cortez-Aboré, 1992.

DEJOURS, C. O fator humano. Trad. Maria Irene Stocco Betiol, Maria José Tonelli. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 1997.

DEJOURS, C. Subjectivity, work, and action. Critical Horizons, v. 7, n. 1, p. 45-62, 2006.

DEJOURS, C. Uma nova visão do sofrimento humano nas organizações. In: CHANLAT, J. F. (Coord.). O indivíduo na organização: dimensões esquecidas, 3. ed. São Paulo: Atlas, 2013, 1 v.

DEJOURS, C.; ABDOUCHEL, E. Itinerário teórico em psicopatologia do trabalho. In: DEJOURS. C; ABDOUCHELI, E.; JAYET, C. Psicodinâmica do trabalho: contribuições da escola dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas, 2012.

DEJOURS, C.; ABDOUCHELI, E.; JAYET, C. Psicodinâmica do trabalho: contribuições da escola dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas, 2012.

DEJOURS, C.; DERANTY, J. P. The centrality of work. Critical Horizons, v. 11, n. 2, p. 167180, 2010.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. Handbook of qualitative research. Sage, 1994.

FARIA, J. H.; MENEGHETTI, F., K. Discursos organizacionais. In: FARIA, J. H. (Org.). Análise crítica das teorias e práticas organizacionais. São Paulo: Atlas, 2007.

FERREIRA, et al. Qualidade de vida no trabalho: questões fundamentais e perspectivas de análise e intervenção. Brasília: Paralelo, 2013.

FERREIRA, M. C. Qualidade de vida no trabalho. Uma abordagem centrada no olhar dos trabalhadores, 2. ed. Brasília: Paralelo 15, 2012.

FERREIRA, M. C.; MENDES, A. M. “Só de pensar em vir trabalhar, já fico de mau humor”: atividade de atendimento ao público e prazer sofrimento no trabalho. Estudos de Psicologia, Universidade de Brasília, v. 6, n. 1, p. 93-104, 2001.

FISCHER, T.; MAC-ALLISTER, M. Jogando com cultura organizacional. In: CLEGG, S; HARDY, C; NORD, W. R. Handbook de estudos organizacionais, v. 2. São Paulo: Atlas, 2001.

FLEURY, M. T. L.; FISCHER, R. M. Cultura e poder nas organizações, 2. ed. São Paulo: Atlas, 1996.

FREITAS, A. B. Traços brasileiros para uma análise organizacional. In: MOTTA, F. C. P; CALDAS, M. P. Cultura Organizacional e Cultura Brasileira. São Paulo: Atlas, 1997.

FREITAS, M. E. A carne e os ossos do ofício acadêmico. Revista O&S, Salvador, v. 14, n. 42, p. 187-191, 2007a.

FREITAS, M. E. Cultura organizacional: evolução e crítica. Ed. Cencage Learning, 2007b.

FREITAS, M. E. Cultura organizacional: formação, tipologias e impactos. São Paulo: Makron, McGraw-Hill, 1991.

FREITAS, M. E. Cultura organizacional: identidade, sedução e carisma? Ed. FGV, 2006.

FREITAS, M. E. Quem paga a conta do assédio moral no trabalho? RAE-eletrônica, v. 6, n. 1, art. 5, jan./jun. 2007c.

GARCIA, A. B. Cultura organizacional e vivências de prazer e sofrimento no trabalho de profissionais de enfermagem de um hospital filantrópico do interior do estado de São Paulo, 108s. Dissertação (Mestrado em Administração) – Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2014.

GEERTZ, C. A Interpretação das Culturas, 1. ed. Rio de Janeiro: LTC Editora, 1989.

GODOI, C. K.; BALSINI, C. P. V. A pesquisa qualitativa nos estudos organizacionais brasileiros: uma análise bibliométrica. In: GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELLO, R.; SILVA, A. B. Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, 2010.

GODOY, A. S. Estudo de caso qualitativo. In: GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELLO, R.; SILVA, A. B. Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, 2010.

HOLANDA, S. B. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

MARCHIORI, M. et al. Faces da cultura e da comunicação organizacional, 2. ed. São Paulo: Difusão Editora, 2008.

MATHEUS, T. C. Inverno social: uma discussão psicanalítica sobre o imaginário da lei no Brasil. In: MOTTA, F. C. P.; CALDAS, M. P. Cultura Organizacional e Cultura Brasileira. São Paulo: Atlas, 1997.

MENDES, A. M. Aspectos psicodinâmicos da relação homem trabalho: as contribuições de C. Dejours. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 15, n. 1. Brasília, 1995.

MENDES, A. M. Vivências de prazer sofrimento no contexto organizacional, 306. Tese. Universidade de Brasília, Brasília, 1999.

MENDES, A. M., ABRAHÃO, J. I. A influência da organização do trabalho nas vivências de prazer e sofrimento dos trabalhadores: uma abordagem psicodinâmica. Psicologia Teoria e Pesquisa, v. 26, p. 179-184, 1996.

MENDES, A. M.; AGUIAR, V. B. Por uma gestão mobilizadora de qualidade de vida no trabalho. A proposta da clínica psicodinâmica do trabalho. In: FERREIRA, et al. Qualidade de vida no trabalho: questões fundamentais e perspectivas de análise e intervenção. Brasília: Paralelo, 2013.

MENDES, A. M.; TAMAYO, A. Valores organizacionais e prazer sofrimento no trabalho. Psico-USF, v. 6, n. 1, p. 39-46, 2001.

MENEZES, L. M.; NEPOMUCENO, L. H.; BATISTA-DOS-SANTOS, A. C. Os sentidos do trabalho para um grupo de professores de uma universidade pública: a dialética prazer sofrimento em tempos de flexibilidade. In: ENANPAD XXXV, 2011. Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro, 2011.

MORGAN, G. Imagens da organização. São Paulo: Atlas, 1998.

MOTTA, F. C. P.; CALDAS, M. P. Cultura Organizacional e Cultura Brasileira. São Paulo: Atlas, 1997.

OLIVEIRA, E. S. G. O. Mal-estar docente como fenômeno da modernidade: os professores no país das maravilhas. Revista Ciências & Cognição, Rio de Janeiro, v. 7, p. 27-41, 2006.

PEÇANHA, D. L. N. Cultura Organizacional e Saúde – contribuições da Psicodinâmica do Trabalho. Boletim Academia Paulista de Psicologia, v. 77, n. 2, 329-344, 2009.

PIRES, J. C. D. S.; MACÊDO, K. B. Cultura organizacional em organizações públicas no Brasil. Revista de Administração Pública, v. 40, n. 1, p. 81-105, 2006.

ROCHA, S. R. A.; MENDES, A. M; MORRONE, C. F. Sofrimento, distúrbios osteomoleculares e depressão no contexto de trabalho: uma abordagem psicodinâmica. Estudos e Pesquisas em Psicologia. Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, p. 379-394, 2012.

SCHUJMANN, A.; COSTA, S. G. Amizade no local de trabalho. In: VAZQUEZ, A. C. S.; BASTIANELLO, M. R. In: COSTA, S. G. Psicologia aplicada à administração. São Paulo: Elsevier, 2011.

STAKE, R. E. The art of case study research. Sage, 1995.

TAKAHASHI, A. R. W. Pesquisa Qualitativa em Administração. São Paulo: Atlas, 2013.

TAMAYO, M. R.; TRÓCCOLI, B. T. Burnout no trabalho. In: MENDES, A. M.; BORGES, L. O.; FERREIRA, M. C. Trabalho em transição, saúde em risco. Universidade de Brasília, Brasília, 2002.

VAZQUEZ, A. C. S.; BASTIANELLO, M. R. In: COSTA, S. G. Psicologia aplicada à administração. São Paulo: Elsevier, 2011.

VIEIRA, S. R. S. Sofrimento psíquico e trabalho. Revista Latinoam. Psicopat. Fund. São Paulo, v. 17, n. 1, p. 114-124, 2014.