Territórios da Cozinha sob a Ótica de Empregadas Domésticas Outros Idiomas

ID:
47933
Resumo:
As cozinhas domésticas recentemente têm sido ressignificadas, em razão de aspectos arquitetônicos e midiáticos que lhes destinam a função de espetacularização da preparação de alimentos, silenciando sobre diversas dimensões associadas ao cozinhar. Para problematizar este quadro, o objetivo aqui é identificar e analisar os territórios da cozinha sob a ótica de empregadas domésticas, o que foi feito por meio do método indutivo com base em um estudo qualitativo de caráter descritivo, no qual foi usada a fotoelicitação para a coleta de dados e a análise do discurso para tratar das falas de empregadas domésticas. Os principais resultados sugerem territórios marcados em razão de diferentes elementos. Encontramos diferentes formas de apropriação e diferentes argumentos que as sustentam, como a “cozinha de verdade”, em que cozinhar se relaciona a uma obrigação, e a um cotidiano muitas vezes de melancolia e tristeza; a “cozinha moderna” como espaço de status social e distinção; a “cozinha bem montada” enquanto espaço de prazer e alegria; e a “cozinha como vitrine”, possibilitando a autopromoção por meio da exposição. As empregadas domésticas buscaram se afastar de algumas imagens e se aproximar de outras, como se tentassem compreender qual o território que se assemelhava às suas vivências e seus desejos. As principais implicações do estudo apontam a necessidade de politizar espaços aparentemente neutros, tais como a cozinha, e encará-los também sob a ótica de produção social de desigualdades de raça, sexo e trabalho, ampliando os diálogos da interseccionalidade no campo dos Estudos Organizacionais.
Citação ABNT:
PENA, F. G.; SARAIVA, L. A. S. Territórios da Cozinha sob a Ótica de Empregadas Domésticas. Revista de Gestão Social e Ambiental, v. 11, n. Ed. Especial, p. 91-106, 2017.
Citação APA:
Pena, F. G., & Saraiva, L. A. S. (2017). Territórios da Cozinha sob a Ótica de Empregadas Domésticas. Revista de Gestão Social e Ambiental, 11(Ed. Especial), 91-106.
DOI:
http://dx.doi.org/10.24857/rgsa.v0i0.1382
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/47933/territorios-da-cozinha-sob-a-otica-de-empregadas-domesticas/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Agnew, J. A. (1994). Territory. In: Johnston, R. J., Gregory, D. & Smith, D. M. (Eds.) The dictionary of human geography (3. ed.), 746-747. London: Blackwell Publishers.

Banks, M. (2009). Dados visuais para pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed.

Barbosa, L. (2012). Os donos e as donas da cozinha. In: Freitas, M. E. & Dantas, M. (Orgs.). Diversidade sexual e trabalho, 171-201. São Paulo: Cengage Learning.

Bernardo, P. (2015). Cotidiano no trike e territorialidades na cidade. Dissertação de mestrado, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, PR, Brasil.

Carneiro, S. (2003). Mulheres em movimento. Estudos Avançados, 17(49), 117-133.

Conceição, E. B. (2009). A negação da raça nos estudos organizacionais. Anais do Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, São Paulo, SP, Brasil, 33, setembro.

Cornelsen, E. L. (2009). Análise do discurso no âmbito dos estudos organizacionais: uma abordagem teórica. In: Carrieri, A. P., Saraiva, L. A. S., Pimentel, T. D. & Souza-Ricardo, P. A. G. (Orgs.). Análise do discurso em estudos organizacionais, 21-44. Curitiba: Juruá.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto (3a. ed.). Porto Alegre: Artmed.

Davis, A. (2016). Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo.

Denzin, N. K., & Lincoln, Y. (2006). Pesquisa qualitativa. São Paulo: Artmed.

Devreux, A. M. (2005). A teoria das relações sociais de sexo: um quadro de análise sobre a dominação masculina. Sociedade e Estado, 20(3), 561-584.

Faria, A. A. M. (2009). Aspectos de um discurso empresarial. In: Carrieri, A. P., Saraiva, L. A. S., Pimentel, T. D. & Souza-Ricardo, P. A. G. (Orgs.). Análise do discurso em estudos organizacionais, 45-52. Curitiba: Juruá.

Fiorin, J. L. (2003). Linguagem e ideologia (7.ed.). São Paulo: Ática.

Heredia, B. M. A. (1979). A morada da vida, trabalho familiar de pequenos produtores do nordeste do Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Hirata, H., & Kergoat, D. (2007). Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, 37(132), 595-609.

Lefebvre, H. (1991). The production of space. Oxford: Blackwell.

Lefebvre, H. (1992). A vida cotidiana no mundo moderno. São Paulo: Ática.

Lefebvre, H. (2008). Espaço e política. Belo Horizonte: Ufmg.

Maia, R. S. (2012). Sobre portas, paredes e afetos: casa, territorialidade e identidade entre os segmentos populares. Terra Plural, 6(2), 339-352.

Munanga, K. (2006). Algumas considerações sobre “raça”, ação afirmativa e identidade negra no Brasil: fundamentos antropológicos. Revista USP, 68, 45-57.

Neves, M. A. (2013). Anotações sobre trabalho e gênero. Cadernos de Pesquisa, 43(149), 404-421.

Pagès, M., Bonetti, M., Gaulejac, V., & Descendre, D. (1997). O poder das organizações. São Paulo: Atlas.

Paula, F. C. (2011). Sobre a dimensão vivida do território: tendências e a contribuição da fenomenologia. GeoTextos, 7(1), 105-126.

Pereira, D. C., & Carrieri, A. P. (2005). Movimentos de desterritorialização e reterritorilização na transformação das organizações. RAE-eletrônica, 4(1), 1-17.

Pinto, A., Nunes, S. M., & Fazenda, R. (2014). Um estudo sobre a influência do gênero em funções tradicionalmente masculinas e femininas. International Journal on Working Conditions, 7, 17-33.

Piscitelli, A. (2008). Interseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras. Sociedade e Cultura, 11(2), 263-274.

Raffestin, C. (1993). Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática.

Saffioti, H. I. B. (2004). Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

Saffioti, H. I. B. (2013). A mulher na sociedade de classes (3. ed.). São Paulo: Expressão Popular.

Sales, R. (2006). Democracia racial: o não-dito racista. Tempo Social: Revista de Sociologia da USP, 18(2), 229-258.

Saraiva, L. A. S., Carrieri, A. D. P., & Soares, A. D. S. (2014). Territorialidade e identidade nas organizações: o caso do mercado central de belo Horizonte. Revista de Administração Mackenzie, 15(2), 97-126.

Teixeira, J. C. (2015). As artes e práticas cotidianas de viver, cuidar, resistir e fazer das empregadas domésticas. Tese de doutorado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil.

Teixeira, J. C., Carrieri, A. P., & Naves, F. (2014). Uma “preta sem cor”: a invisibilidade do trabalho doméstico refletida em uma história de vida. In: Naves, F. (Org.) Trabalho e trabalhadores nas sociedades contemporâneas: outras lentes sobre invisibilidade construídas 81-100. Rio de Janeiro: Elsevier.

Teixeira, J. C., Saraiva, L. A. S., & Carrieri, A. P. (2015). Os lugares das empregadas domésticas. Organizações & Sociedade, 22(72), 161-178.

USP, 18(2), 229-258. Santos, M. (2008). Metamorfoses do espaço habitado (6a. ed.). São Paulo: USP.