Gestão da Ciência, Tecnologia e Inovação: As Perspectivas do Brasil Face ao Contexto Internacional Outros Idiomas

ID:
48013
Resumo:
Economias globais aliadas a mercados dinâmicos e complexos têm lançado às nações uma demanda por pro-atividade na busca da vantagem competitiva, característica que impulsiona o crescimento econômico e torna uma nação competitiva no cenário mundial. Alcançar vantagem competitiva, no entanto, exige esforços direcionados para Políticas de Gestão da Ciência, Tecnologia e Inovação, as quais, se bem implementadas, permitem a construção de Sistemas Nacionais de Inovação (SNI) fortes, facilitando a formação de empresas inovadoras. O presente artigo, a partir de dados secundários, analisa as perspectivas do Brasil face ao contexto internacional no tocante aos indicadores de Ciência, Tecnologia e Inovação, o perfil de suas empresas inovadoras e o papel da gestão nesse ambiente. As conclusões indicam que o país, embora um dos ainda mais ativos no continente latino-americano, não conseguiu ainda uma posição de destaque como inovador. Vários fatores contribuem para esse posicionamento, como abaixa interação entre Governo, Universidades e Empresas como peças harmonicamente atuantes e a falta de incentivos fiscais atraentes e de fácil uso. Por fim, empresas inovadoras requerem práticas de gestão que aliem a capacitação à inovação, e desta à competitividade, numa autentica inovação de valor.
Citação ABNT:
SBRAGIA, R.; MARQUES, N. S.; FARIA, A. M. Gestão da Ciência, Tecnologia e Inovação: As Perspectivas do Brasil Face ao Contexto Internacional. Revista Gestão & Tecnologia, v. 17, n. 4, p. 43-78, 2017.
Citação APA:
Sbragia, R., Marques, N. S., & Faria, A. M. (2017). Gestão da Ciência, Tecnologia e Inovação: As Perspectivas do Brasil Face ao Contexto Internacional. Revista Gestão & Tecnologia, 17(4), 43-78.
DOI:
10.20397/2177-6652/2017.v17i4.1260
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/48013/gestao-da-ciencia--tecnologia-e-inovacao--as-perspectivas-do-brasil-face-ao-contexto-internacional/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Albuquerque, E. da M. e. (1996). Sistema nacional de inovação no Brasil: uma análise introdutória a partir de dados disponíveis sobre a ciência e a tecnologia. Revista de Economia Política.

Banco Central de Chile. (2017). Investigación. http://www.bcentral.cl/es/faces/home;jsessionid=8Ea9VJdtl-dGbrB8UjytwNvusKWRPlz5RmdHTp8xCJxpq4wpFn-!-166085304!1366034935?_afrLoop=257524495036049&_afrWindowMode=0&_afrWindowId=null#!%40%40%3F_afrWindowId%3Dnull%26_afrLoop%3D257524495036049 %26_afrWindow

Banco de México. (2007). Divulgación. http://www.banxico.org.mx/divulgacion/index.html

BRASIL. Lei n° 10.973, de 2 de dezembro de 2004 (2004). Brasília. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.973.htm

Carvalho, S. A.; Furtado, A. T. (2017). A problemática dos indicadores de inovação na América Latina, pp. 1-5.

Cavalcante, L. R.; De Negri, F. (2011). Trajetória recente dos indicadores de inovação no Brasil.

Cornell University.; INSEAD.; WIPO. (2017). The Global Innovation Index 2017: Innovation Feeding the World. Fontainebleau and Geneva.

De Negri, J. A.; Salerno, M. S.; Castro, A. B. (2005). Inovações, Padrões Tecnológicos e Desempenho das Firmas Industriais Brasileiras. In: Inovações, Padrões Tecnológicos e Desempenho das Firmas Industriais Brasileiras. 1st ed. p. 7-28. Brasília: IPEA.

Fabiani, S.; Sbragia, R. (2014). Tax incentives for technological business innovation in Brazil: The use of the good law ?Lei do Bem (Law no. 11196/2005). Journal of Technology Management and Innovation, 9(4), 53-63.

Garnica, L. A.; Ferreira Junior, I.; Fonseca, S. A. (2005). Relações empresa universidade: Um estudo exploratório da Unesp no município de Araraquara SP. In: Anais do XXV Enegep. Porto Alegre.

IBGE. (2015). Pesquisa de Inovação 2014. http://doi.org/ISSN 0101-4234

IRI. (2016). 2016 GLOBAL R & D Funding Forecast: A supplement to R&D Magazine. R&DMagazine.

IRI. (2017). GLOBAL R & D FUNDING FORECAST A Supplement to R & D Magazine. R&D Magazine, (Winter), 1-36. http://digital.rdmag.com/researchanddevelopment/2017_global_r_d_funding_forecas

Mancini, R. F.; Lorenzo, H. C. (2006). Potencialidades e Barreiras à cooperação Universidade, Empresa e Governo: O caso das micro e pequenas empresas do segmento médico-odontológico do município de Araraquara. In Anais do XXVI Enegep. Fortaleza.

Marcovitch, J.; Sbragia, R.; Stal, E.; Terra, J. C. C. (1991). Inovação tecnológica e incentivos fiscais. RAUSP-E, 26, 3-13.

MCTI. (2014). Lei do Bem: Utilização dos incentivos fiscais à inovação tecnológica (Ano-Base 2014).

MCTIP. (2015). Indicadores De Ciencia Y Tecnología Argentina 2015. Buenos Aires. http://indicadorescti.mincyt.gob.ar/documentos/indicadores_2015.pdf

Muller, P. (2003). Les Politiques Publiques. Paris: Presses Universitaires de France.

OECD. (1997). Manual de Oslo: Diretrizes para a Coleta e Interpretação de dados sobre Inovação Tecnológica. OCDE, Eurostat E Financiadora de Estudos E Projetos, 184. http://doi.org/10.1787/9789264065659-es

OECD. (2015). OECD Science, Technology and Industry Scoreboard 2015: Innovation for growth and society.

RICYT. (2015). Estado de la Ciencia 2015. Retrieved from http://www.oei.es/salactsi/estado2015.pdf

Sbragia, R. (1994). A experiência da Universidade de São Paulo. Revista Ciência.

Sbragia, R.; Boscolo, R. (2011). Estratégia, Inovação e Desempenho: Uma análise da relevância da inovação de valor no desempenho das empresas. Revista Spacios, Espacios, 32(1), 35.

Sbragia, R.; Kruglianskas, I.; Arango-Alzate, T. (2001). Empresas Inovadoras no Brasil: Uma proposição de tipologia e características associadas. In Anais da Conferência Internacional da Altec - Associación Lation-Ibero Americana de Gestión Tecnológica. Caracas/VE.

Segatto, A. P. (1996). Análise do Processo de Cooperação Tecnológica Universidade-Empresa: Um estudo exploratório. Universidade de São Paulo.

Terra, J. C. C. & Sbragia, R. (1994). Incentivos fiscais para capacitação tecnológica: avaliação do custo de P&D para a empresa a partir do Decreto-Lei n° 949 de 5 de outrubro de 1993. Revista de Administração, 29(2), 105-109.

Unesco. (2017). Global Investments in R&D (research and experimental development). UIS Fact Sheet 42.

Vasconcellos, E. P. G. (1979). Centralização x Descentralização: uma aplicação para laboratórios de pesquisa e desenvolvimento científico e tecnológico. Revista de Administração (FEA-USP), 14(2), 101-121.

WIPO. (2012). World Intellectual Property Indicators 2016. WIPO Economics and Statistics Series. http://doi.org/10.1016/0172-2190(79)90016-4