Inclusão de Minorias nas Organizações de Trabalho: Análise Semiótica de uma Estratégia de Recrutamento de uma Multinacional de Fast Food Outros Idiomas

ID:
48024
Resumo:
A inclusão de minorias sociais nas organizações de trabalho é uma delicada questão no que se refere à dinâmica sócio-organizacional, marcada por sua referenciação a um modelo hegemônico (e ideológico) de trabalhador que hierarquiza as reais possibilidades aos sujeitos que se distanciam de tal referência. Permanecem os discursos pela inclusão e pelo desenvolvimento como forma de manipular subjetivamente o trabalhador, sem que haja de fato a sua integração e possibilidade de empoderamento na estrutura organizacional. Este ensaio busca, portanto, refletir sobre os impasses e possibilidades nesse processo, a partir de uma revisão bibliográfica sobre a situação de mulheres, negros, homossexuais e pessoas com deficiência no mercado de trabalho e, em seguida, relacionar tal situação geral a uma análise semiótica de uma estratégica de captação numa grande empresa no contexto brasileiro. O que se percebe, ao final do trabalho, é que, concretamente, as organizações ainda reproduzem espaços de estigmatização existentes na sociedade. Adverte-se aqui aos gestores que o ato de incluir não deve ser visto como um cumprimento legislativo ou qualquer outro mecanismo de apropriação do trabalho, mas como um processo que possa promover o desenvolvimento organizacional, social e humano, de maneira geral.
Citação ABNT:
MAGALHÃES, A. F.; ANDRADE, C. R.; SARAIVA, L. A. S. Inclusão de Minorias nas Organizações de Trabalho: Análise Semiótica de uma Estratégia de Recrutamento de uma Multinacional de Fast Food . Teoria e Prática em Administração, v. 7, n. 2, p. 12-35, 2017.
Citação APA:
Magalhães, A. F., Andrade, C. R., & Saraiva, L. A. S. (2017). Inclusão de Minorias nas Organizações de Trabalho: Análise Semiótica de uma Estratégia de Recrutamento de uma Multinacional de Fast Food . Teoria e Prática em Administração, 7(2), 12-35.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21714/2238-104X2017v7i2-33702
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/48024/inclusao-de-minorias-nas-organizacoes-de-trabalho--analise-semiotica-de-uma-estrategia-de-recrutamento-de-uma-multinacional-de-fast-food-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Abreu, J. A.; Marques, V. (2007). Gestão de pessoas com deficiência: um olhar da psicologia. Anais do Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia. Resende: Rio de Janeiro, 4.

Ações em Gênero, Cidadania e Desenvolvimento. (2002). Considerando as diferenças de gênero: para uma política de igualdade entre homens e mulheres (pp. 105-139). In: P. Spink, S. Caccia Bava, & V. Paulics. (Org.). Novos contornos da gestão local: conceitos em construção. São Paulo: Polis.

Bakhtin, M. (2006). Marxismo e filosofia da linguagem. (12. ed.). São Paulo: Hucitec.

Barbosa, C. S. (2007). Habilidades excepcionais: uma avaliação das capacidades produtivas de pessoas portadoras de deficiência mental. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Berger, P. L.; Luckmann, T. (2011). A construção social da realidade. (33. ed.). Petrópolis: Vozes.

Brandão, H. H. N. (2004). Introdução à análise do discurso. Campinas: Unicamp.

Charlot, B. (2000). Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Porto Alegre: Artes Médicas Sul.

Chauí, M. (2003). Cultura e democracia: o discurso competente e outras falas. São Paulo: Cortez.

Cox, T. (2001). Creating the multicultural organization: a strategy for capturing the power diversity. San Francisco: Jossey-Bass.

Dutra, J. S. (2012). Competências: conceitos e instrumentos para a gestão de pessoas na empresa moderna. São Paulo: Atlas.

Felicíssimo, M. (2010). Uma análise semiótica e discursiva do discurso da leitura nos anuais didáticos de língua portuguesa: um vislumbre das representações da leitura escolar. SIGNUM: Estudos Linguísticos, 13(1), 139-159.

Fiorin, J. L. (2005). Elementos de análise do discurso. São Paulo: Contexto.

Glass Ceiling Comission. (1995). A solid investiment: making use the nation's human capital. Washington: US Departament of Labor.

Goffman, E. (1988). Estigma – notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2014). Pesquisa nacional por amostra de domicílios. Brasília: IBGE.

Irigaray, H. A. R.; Vergara, S. C. (2009). Mulheres no ambiente de trabalho: abrindo o pacote “gênero”. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, São Paulo, SP, 33.

Jung, C. G. (1996). O homem e seus símbolos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Kanan, L. A. (2010). Poder e liderança de mulheres nas organizações de trabalho. Organizações & Sociedade, 17(53), 243-257.

Laborne, A. A. P. (2006). Mobilidade educacional: um estudo a partir de trajetórias de mulheres negras. (Monografia de Bacharelado). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Lapierre, L. (1994). Interioridade, gestão e organização da realidade psíquica como fundamento da gestão. In: J. F. Chanlat. (Coord.). O indivíduo nas organizações. Dimensões esquecidas. (Vol. 2). São Paulo: Atlas.

Lima, L. C. (2009). Interação família-escola: papel da família no processo ensinoaprendizagem. Londrina: Secretaria da Educação.

Matte, A. C. F.; Lara, G. M. P. (2009). Um panorama da semiótica greimasiana. Alfa, 53(2), 339-350.

Nogueira, M. C. O. C. (2006). Os discursos das mulheres em posições de poder. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 9(2), 57-72.

Paula, A. P. P. (2002). Tragtenberg revisitado: as inexoráveis harmonias administrativas e a burocracia flexível. Revista de Administração Pública, 36(1), 127-144.

Ribeiro, M. A.; Carneiro, R. (2009). A inclusão indesejada: as empresas brasileiras face à lei de cotas para pessoas com deficiência no mercado de trabalho. Organizações & Sociedade, 16(50), 545-564.

Sandroni, P. (1995). O que é mais-valia? (13. ed.). São Paulo: Brasiliense.

Saraiva, L. A. S.; Irigaray, H. A. R. (2009) Humor e discriminação por orientação sexual nas organizações: um estudo sobre histórias de vida. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, São Paulo, SP, 33.

Saraiva, L. A. S.; Irigaray, H. A. R. (2009). Políticas de diversidade nas organizações: uma questão de discurso? Revista de Administração de Empresas, 49(3), 337-348.

Tanaka, E. D. O.; Manzini, E. J. (2005). O que os empregadores pensam sobre o trabalho da pessoa com deficiência? Revista Brasileira de Educação Especial, 11(2), 273-294.

Teixeira, A. B. M. (2002). Identidades docentes e relações de gênero. Escritos sobre Educação, 1(1), 7-16.

Teixeira, A. B. M.; Villani, C. E.; Nascimento, S. S. (2008). Exploring modes of communication among pupils in Brazil: gender issues in academic performance. Journal of Gender and Education, 20(4), 387-398.

Teixeira, L. S. (2004). Responsabilidade social empresarial. Brasília: Câmara dos Deputados.

Thomas Júnior, R. R. (1991). Beyond race and gender: unleashing the power of your total work force by managing diversity. New York: AMACON.

Valente, A. L. E. F. (1994). Ser negro no Brasil hoje. São Paulo: Moderna.