“Ajudar os Outros me Deixa Feliz": Voluntariado e Felicidade no Projeto Acesso Cidadão Outros Idiomas

ID:
48025
Resumo:
O presente estudo objetivou identificar relações entre motivação e felicidade no trabalho dos voluntários do Projeto Acesso Cidadão. Para abordar a felicidade foi utilizado instrumento composto por fatores como afetos positivos, afetos negativos e realização no trabalho. Para mensurar os aspectos motivacionais do trabalhador voluntário foi utilizado instrumento que identifica uma hierarquia de ações, proposta em cinco níveis: altruísta, afetivo, amigável, ajustado e ajuizado. As análises demonstraram que os elementos relacionados ao bem-estar impactam positivamente na motivação dos voluntários. Conclui-se que o nível altruísta aparece em maior proporção como motivador e, que os fatores egoístas não demonstraram resultados representativos.
Citação ABNT:
MORAES, A. F. G.; SILVA, A. G. C.; CAVALCANTE, C. E.; AMORIM, A. F. A. “Ajudar os Outros me Deixa Feliz": Voluntariado e Felicidade no Projeto Acesso Cidadão. Teoria e Prática em Administração, v. 7, n. 2, p. 36-65, 2017.
Citação APA:
Moraes, A. F. G., Silva, A. G. C., Cavalcante, C. E., & Amorim, A. F. A. (2017). “Ajudar os Outros me Deixa Feliz": Voluntariado e Felicidade no Projeto Acesso Cidadão. Teoria e Prática em Administração, 7(2), 36-65.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21714/2238-104X2017v7i2-31480
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/48025/---ajudar-os-outros-me-deixa-feliz---voluntariado-e-felicidade-no-projeto-acesso-cidadao/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Ageu, J. D. (2015). Motivações de permanência no trabalho voluntário: um estudo na Fundação Cidade Viva. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa. http://tede.biblioteca.ufpb.br/bitstream/tede/7951/2/arquivototal.pdf

Albuquerque, A. S.; Tróccoli, B. T. (2004). Desenvolvimento de uma escala de bem-estar subjetivo. Psicologia: teoria e pesquisa, 20(2), 153-164.

Aquino, M. A. G. D. (2015). Expectativas, adesão e desligamento no trabalho voluntário: estudos de motivos do voluntariado da Fundação Cidade Viva. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa. http://tede.biblioteca.ufpb.br/bitstream/tede/7954/2/arquivototal.pdf

Bussell, H.; Forbes, D. (2002). Understanding the volunteer market: The what, where, who and why of volunteering. International Journal of Nonprofit and Voluntary Sector Marketing, 7(3), 244-257.

Caissie, L. T.; Halpenny, E. A. (2003). Volunteering for nature: Motivations for participating in a biodiversity conservation volunteer program. World Leisure Journal, 45(2), 38-50.

Cavalcante, C. E. (2012). Motivação no trabalho voluntário: expectativas e motivos na Pastoral da Criança.

Cavalcante, C. E. (2016). Motivação de Voluntários: teoria e prática. Curitiba: Appris Editora.

Cavalcante, C. E.; Souza, W. J.; Cunha, A. S. R.; Nascimento, M. A. A. (2010). Comportamento organizacional no trabalho voluntário: motivos, perfis e correlações na Pastoral da Criança. Estudos do CEPE, p. 97-132.

Cavalcante, C. E.; Souza, W. J.; da Cunha, A. S. R.; Nascimento, M. A. A.; Fernandes, L. T. (2012). "Por que sou voluntário?": etapa de construção de Escala. Revista Pretexto, 13(2), 76-90.

Clary, E. G.; Snyder, M.; Ridge, R. (1992). Volunteers' motivations: A functional strategy for the recruitment, placement, and retention of volunteers. Nonprofit Management and Leadership, 2(4), 333-350.

Cnaan, R. A.; Handy, F.; Wadsworth, M. (1996). Defining who is a volunteer: Conceptual and empirical considerations. Nonprofit and voluntary sector quarterly, 25(3), 364-383.

Cravens, J. (2014). Internet-mediated Volunteering in the EU: Its history, prevalence, and approaches and how it relates to employability and social inclusion (No. JRC85755). Joint Research Centre (Seville site).

Daniels, K. (2000). Measures of five aspects of affective well-being at work. Human Relations, 53(2), 275-294.

Diener, E.; Scollon, C. N.; Lucas, R. E. (2003). The evolving concept of subjective wellbeing: The multifaceted nature of happiness. Advances in cell aging and gerontology, 15(2), 187-219. doi: 10.1016/S1566-3124(03)15007-9

Ferreira, M. R.; Proença, T.; Proença, J. F. (2008). As motivações no trabalho voluntário. Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão, 7(3), 43-53.

Figueiredo, N. C. M. (2005). Interfaces do trabalho voluntário na aposentadoria. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Fischer, L. R.; Schaffer, K. B. (1993). Older volunteers: A guide to research and practice. Sage Publications, Inc.

Gomide Júnior, S.; Silvestrin, L. H. B.; Oliveira, Á. D. F. (2015). Bem-estar no trabalho: o impacto das satisfações com os suportes organizacionais e o papel mediador da resiliência no trabalho. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 15(1), 19-29.

Lemos, S. L. L. (2016). Motivação para expectativa, entrada, permanência e saída: um estudo longitudinal no voluntariado da Fundação Cidade Viva. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa. Recuperado de http://tede.biblioteca.ufpb.br:8080/handle/tede/8609

Lum, T. Y.; Lightfoot, E. (2005). The effects of volunteering on the physical and mental health of older people. Research on aging, 27(1), 31-55.

Mostyn, B. (1983). The meaning of voluntary work: a qualitative investigation. Volunteers: Patterns, meanings and motives, 24-50.

Musick, M. A.; Wilson, J. (2008). Volunteers: A social profile. Indiana University Press.

Parizotto, A. P. V.; Freitas, A. P. (2015). Percepções de voluntários em um hospital universitário sobre o desenvolvimento de atividades lúdicas: a arte de se doar ao outro. Pesquisa em Psicologia-anais eletrônicos.

Paschoal, T. (2008). Bem-estar no trabalho: Relações com suporte organizacional, prioridades axiológicas e oportunidades de alcance de valores pessoais no trabalho. (Tese de Doutorado). Universidade de Brasília, Brasília.

Paschoal, T.; Tamayo, A. (2008). Construção e validação da escala de bem-estar no trabalho. Avaliação psicológica, 7(1), 11-22.

Paschoal, T.; Torres, C. V.; Porto, J. B. (2010). Felicidade no trabalho: Relações com suporte organizacional e suporte social. Revista de Administração Contemporânea, 14(6), 1054.

Paz, M. D. G. T.; Tamayo, A. (2004). Poder e saúde organizacional. Cultura e saúde nas organizações, 127-154.

Pearce, J. L. (1983). Comparing volunteers and employees in a test of Etzioni's compliance typology. Journal of Voluntary Action Research, 12(2), 22-30.

Penner, L. A. (2002). Dispositional and organizational influences on sustained volunteerism: An interactionist perspective. Journal of Social Issues, 58(3), 447-467.

Piccoli, P.; Godoi, C. K. (2009, novembro). Motivação para o trabalho voluntário contínuo: um estudo etnográfico no Núcleo Espírita Nosso Lar. In: Encontro de Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho, Curitiba, 2.

Prouteau, L.; Wolff, F. C. (2008). On the relational motive for volunteer work. Journal of Economic Psychology, 29(3), 314-335.

Rocha Sobrinho, F.; Porto, J. B. (2012). Bem-estar no trabalho: um estudo sobre suas relações com clima social, coping e variáveis demográficas. RAC-Revista de Administração Contemporânea, 16(2).

Rose-Ackerman, S. (1996). Altruism, nonprofits, and economic theory. Journal of economic literature, 34(2), 701-728.

Ryan, R. M.; Deci, E. L. (2001). On happiness and human potentials: A review of research on hedonic and eudaimonic well-being. Annual review of psychology, 52(1), 141-166.

Silva, J. O. (2004). Voluntário: quem é, por que é e por que deixa de ser. In: J.O. Silva. (Org.). Novo voluntariado social: teoria e ação. (pp. 113-135). Porto Alegre: Dacasa.

Silva, N.; Tolfo, S. D. R. (2012). Trabalho significativo e felicidade humana: explorando aproximações. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 12(3), 341-354.

Siqueira, M. M. M.; Padovam, V. A. R. (2008). Bases teóricas de bem-estar subjetivo, bemestar psicológico e bem-estar no trabalho. Psicologia: teoria e pesquisa, 24(2), 201-209.

Souza, L. M.; Lautert, L.; Hilleshein, E. F. (2010). Trabalho voluntário, características demográficas, socioeconômicas e autopercepção da saúde de idosos de Porto Alegre. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 44(3).

Souza, W. D.; Medeiros, J. D.; Fernandes, C. L. (2006, dezembro). Trabalho voluntário: elementos para uma tipologia. Colóquio Internacional sobre Poder Local, Salvador, 10, p. 1-16.

Souza, W. J.; Medeiros, J. P. (2012). Trabalho voluntário: Motivos para sua realização. Revista de Ciências da Administração, 14(33), 93.

Tang, F.; Morrow-Howell, N.; Hong, S. (2009). Institutional facilitation in sustained volunteering among older adult volunteers. Social Work Research, 33(3), 172-182.

Teodósio, A. D. S. (2002). Voluntariado: Entre a utopia e a realidade da mudança social. Anais do Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação em Administração. Recife, 26.

Trogdon, S. E. II. (2005). A study of parks and recreation citizen board members in North Carolina and their motivations for participation. (Dissertação de Mestrado). Faculty of North Carolina State University, Raleigh.

Unger, L. S. (1991). Altruism as a motivation to volunteer. Journal of Economic Psychology, 12(1), 71-100.

Yeung, A. B. (2004). The octagon model of volunteer motivation: Results of a phenomenological analysis. Voluntas: International Journal of Voluntary and Nonprofit Organizations, 15(1), 21-46.