Quem Conhece as Ouvidorias Públicas? Um Estudo sobre a Imagem Percebida por Cidadãos de Florianópolis (SC) Outros Idiomas

ID:
48148
Resumo:
As ouvidorias públicas são instituições que atuam como interlocutoras entre o cidadão e os órgãos públicos. São normalmente utilizadas quando o cidadão necessita realizar uma reclamação, fazer uma sugestão ou solicitar informação. No Brasil, tornaram-se populares no final da década de 1990, impulsionadas pelo movimento do gerencialismo na administração pública. Em 2014, segundo dados da Ouvidoria-Geral da União (OGU), somavam 285 as ouvidorias públicas dos órgãos vinculados ao Poder Executivo na esfera federal. Entretanto, em que pese sua expansão e relevância, são escassos os estudos sobre ouvidoria pública e, em especial, aqueles cujo sujeito de pesquisa é o cidadão. É nesse cenário que nasce o presente estudo, movido pelo interesse em investigar o nível de conhecimento e a imagem das ouvidorias públicas na percepção de cidadãos. Para tanto, foi empreendida pesquisa survey com 400 pessoas na região central de Florianópolis (SC). Entre os respondentes, 71% manifestaram não saber o que seria uma ouvidoria pública. No procedimento de análise, o teste qui-quadrado confirmou existência de diferenças estatisticamente significativas, especialmente no tocante à ocupação profissional e conhecimento sobre a existência das ouvidorias. Entre os que manifestaram conhecimento, as principais associações são feitas aos termos “reclamação” e “ouvir o cidadão”. Foi observada a predominância de associações neutras e positivas à imagem, revelando boa reputação. Entre as possíveis contribuições de uma ouvidoria pública, destaca-se, na percepção dos respondentes, a facilidade no contato com o órgão público, melhoria na qualidade dos serviços públicos e facilidade na cobrança dos direitos.
Citação ABNT:
SANTOS, A. R.; COSTA, J. I. P.; BURGER, F.; BORJA, G. R. Quem Conhece as Ouvidorias Públicas? Um Estudo sobre a Imagem Percebida por Cidadãos de Florianópolis (SC). Cadernos Gestão Pública e Cidadania, v. 22, n. 73, p. 400-420, 2017.
Citação APA:
Santos, A. R., Costa, J. I. P., Burger, F., & Borja, G. R. (2017). Quem Conhece as Ouvidorias Públicas? Um Estudo sobre a Imagem Percebida por Cidadãos de Florianópolis (SC). Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 22(73), 400-420.
DOI:
http://dx.doi.org/10.12660/cgpc.v22n73.66025
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/48148/quem-conhece-as-ouvidorias-publicas--um-estudo-sobre-a-imagem-percebida-por-cidadaos-de-florianopolis--sc-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Abratt, R. (1989). A new approach to the corporate image management process. Journal of Marketing Management, 5(1), 63-76.

Arnstein, S. R. (2002). Uma escada da participação cidadã. Revista da Associação Brasileira para o Fortalecimento da Participação - PARTICIPE, 2(2), 4-13.

Balmer, J. M. T.; Gray, E. R. (2003). Corporate brands: What are they?What of them? European Journal of Marketing, 37(7/8), 972999.

Bardin, L. (2007). Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70.

Boulding, K. E. (1956). The image. Ann Arbor, MI: University of Michigan Press.

Brandão, E. P. (2007). Conceito de comunicação pública. In J. Duarte, Comunicação pública: Estado, governo, mercado, sociedade e interesse público. pp. 1-32. São Paulo, SP: Atlas.

Brown, T. J.; Dacin, P. A. (1997). The company and the product: Corporate associations and consumer product responses. Journal of Marketing, 61(1), 68-84.

Controladoria-Geral da União, & Instituto de Pesquisas Econômicas e Aplicadas. (2015). Pesquisa coleta OGU 2014. Brasília, DF. http://www.cgu.gov.br/Publicacoes/ouvidoria/arquivos/coleta-ogu-2014.pdf

Cortes, S. V. (2011). Instituições participativas e acesso a serviços públicos nos municípios brasileiros. In R. R. C. Pires (Org.), Efetividade das instituições participativas no Brasil: Estratégias de avaliação. pp.77-84. Brasília, DF: IPEA.

Denhardt, J. V.; Denhardt, R. B. (2003). The new public service: Serving, not steering. New York, USA: M. E. Sharpe.

Duarte, M. Y. M. (2007). Comunicação e cidadania. In J. Duarte, Comunicação pública: Estado, governo, mercado, sociedade e interesse público. pp. 95-115. São Paulo, SP: Atlas.

Fuks, M.; Fialho, F. M. (2009). Mudança institucional e atitudes políticas: A imagem pública da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (1993-2006). Opinião Pública, 15(1), 82-106.

GesPública. (2010). Instrumento para avaliação da gestão pública - 250 e 500 pontos. MP, SEGES. Brasília, DF. Versão 1/2010. https://www.Gespública.gov.br/folder_produtos/folder_produtos/ pasta.2010-04-26.6448349404/anexos/ iagp_250_500_web.pdf

Gray, E. R.; Balmer, J. M. T. (1998). Managing corporate image and corporate reputation. Long Range Planning, 31(5), 695-702.

Hair Jr, J. F.; Babin, B.; Money, A. H.; Samouel, P. (2005). Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre, RS: Bookman.

Howard, C. (2010). The organizational ombudsman: Origins, roles and operations - a legal guide. Chicago, USA: ABA Publishing.

Índice de Oportunidades da Educação Brasileira. Ranking das Capitais (2015). http://www.ioeb.org.br/ranking

Kunsch, M. M. K. (2003). Planejamento de relações públicas na comunicação integrada. 4ª ed. São Paulo, SP: Summus.

Lacerda, A. V. (2007). As ouvidorias do Brasil Colônia. Curitiba, PR: Juruá.

Laisner, R. C.; Mario, C G De. (2014). Os desafios da avaliação de políticas públicas como instrumento estratégico de gestão e de controle social. Revista Políticas Públicas, 18(2), 619-630.

Lima, P. D. B. (2007). A excelência em gestão pública: A trajetória e a estratégia do Gespública. Rio de Janeiro, RJ: QualityMark.

Lyra, R. P.; Cardoso, A. S. R. (2011). Novas modalidades de ouvidoria pública no Brasil. João Pessoa, PB: Editora Universitária da UFPB.

Malhotra, N. K. (2007). Pesquisa de marketing: Uma orientação aplicada. 4a ed. Porto Alegre, RS: Bookman.

Mario, C G De. (2011). Ouvidoria pública: Possibilidades e desafios. Jundiaí, SP: Paco Editorial.

Moraes, D.; Cruz, A.; Silveira, F.; Ferla, A. (2010). A ouvidoria como um processo democrático: Sua história e experiência no Pará. http://www.sead.pa.gov.br/sites/default/files/ouvidoriacomoprocessodemocraticohistoriadasouvidorias.pdf

Ouvidoria-Geral da União. (2012). Orientações para implementação de uma unidade de ouvidoria. 5ª ed. Brasília, DF. http://www.cgu.gov.br/Publicacoes/ouvidoria/arquivos/ogu-implantacao-unidade-ouvidoria.pdf

Paludo, A. G. (2010). Administração pública: Teoria e questões. Rio de Janeiro, RJ: Elsevier.

Pó, M. V.; Abrucio, F. L. (2006). Desenho e funcionamento dos mecanismos de controle e accountability das agências reguladoras brasileiras: Semelhanças e diferenças. Revista de Administração Pública, 40(4), 679-698.

Reif, L. (2004). The ombudsman, good governance and the international human rights system. Leiden, Holanda: Springer Science+Business Media Dordrecht.

Santos, A. R.; Costa, J. I. P.; Burguer, F.; Tezza, R. (2016). O papel da ouvidoria pública: Uma análise a partir das dimensões funcional, gerencial e cidadã. XL Encontro Nacional da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Administração, Costa do Sauípe, BA.

Santos, A. R.; Costa, J. I. P.; Chichorro, F.; Luca, C. (2015). A produção acadêmica sobre ouvidoria pública: Um estudo em eventos e periódicos no período de 2002 a 2013. XXXIX Encontro Nacional da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Administração, Belo Horizonte, MG.

Secretaria de Assuntos Estratégicos. (2013). Governo define que a classe média tem renda entre R$ 291 e R$ 1.019. http://www.sae.gov.br/imprensa/sae-na-midia/governo-define-que-a-classe-media-tem-renda-entre-r-291-e-r-1-019-cidade-verde-em-24-07-2013/

Silva, A. (2015). Cordel da ouvidoria. (Tiragem limitada). Tribunal Regional do Trabalho - 13ª Região. João Pessoa, PB: Ouvidoria TRT 13ª Região.

Siraque, V. (2005). Controle social da função administrativa do Estado: Possibilidades e limites na Constituição de 1988. São Paulo, SP: Saraiva.

Souza, S. A. (2016). O que é um tribunal de contas?Estudo sob a perspectiva popular, em Curitiba (PR). Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 21(70), 282-302.

Teixeira, M. A. C. (2012). Estado, governo e administração pública. Rio de Janeiro, RJ: Editora FGV.

Tran, M. A.; Nguyen, B.; Melewar, T. C.; Bodoh, J. (2015). Exploring the corporate image formation process. Qualitative Market Research: An International Journal, 18(1), 86-114.

Vaz, J. C. N.; Rocha, V. G. (2005). Imagem das instituições públicas brasileiras: A utilização da promoção como ferramenta para evitar sua deterioração. Revista Gestão e Planejamento, 12(Ano 6), 53-70.

Vázquez, M. L.; Silva, M. R. F.; Gonzalez, E. S. C.; Diniz, A. S.; Pereira, A. P. C.; Veras, I. C. L.; Arruda, I. K. G. (2005). Nível de informação da população e utilização dos mecanismos institucionais de participação social em saúde em dois municípios do Nordeste do Brasil. Ciência & Sáude Coletiva, 10(Sup. 1), 141-155.

Vianna, R. A. (2008). Ouvidoria: cidadania e poder dos públicos. Joinville, SC: Ed. Clube dos Autores.

Worcester, R. (2009). Reflections on corporate reputations. Management Decision, 47(4), 573.

Zouain, D. M.; Cruz, B. P. A.; Ross, S. D. (2008). Imagem da Polícia Militar do Rio de Janeiro pela ótica da classe social dos cidadãos pesquisados. Revista Administração em Diálogo, 10(2), 1-20.

Aaker, D. A. (1998). Marcas: Brand equity gerenciando o valor da marca. São Paulo, SP: Ed. Negócio.