Planos de Opções de Compra de Ações, Oportunidades de Crescimento e Desempenho: Evidências na BM&FBovespa Outros Idiomas

ID:
48159
Resumo:
O presente trabalho tem como objetivo analisar como as oportunidades de crescimento influenciam a relação entre planos de opções de compra de ações, ou, como é internacionalmente conhecido, employee stock options plans (ESOP), e desempenho das empresas. A linha teórica deste estudo parte da busca desse mitigar conflitos de agência, por meio de mecanismos para o alinhamento de interesses entre os gestores das organizações (agentes) e acionistas (principais), de forma a se assegurar a geração de valor para a empresa. Esse artigo replica e estende os estudos de Perobelli, Lopes e Silveira (2012) e de Hutchinson e Gul (2006). A pesquisa analisa empresas que tiveram suas ações negociadas em no mínimo 90% dos dias em que houve negociação na bolsa de valores. A amostra é composta por 115 empresas, no período de 2012 a 2014. Os dados foram extraídos a partir dos Formulários de Referência (FR), disponibilizados pela CVM, e a partir do banco de dados Com Dinheiro. Para estimar os modelos, foi utilizado o método de análise de dados em painel. A hipótese de pesquisa 1, de que empresas utilizam ESOP como forma de maximizar o desempenho, foi refutada. Os testes mostraram que ter ou não ESOP, por si só, não gera riqueza ao acionista, mas, sim, a qualidade na estruturação dos planos, ou seja, quando há uma distância entre o preço de exercício e o preço da ação na data da outorga (ações out-of-money). A hipótese 2 de pesquisa, que afirma que o efeito da presença de ESOP é influenciado pelas oportunidades de crescimento, foi aceita. Foram encontrados indícios consistentes de que o desempenho avaliado pelo retorno das ações é influenciado, positivamente, pelas oportunidades de crescimento, e que a presença de ESOP, de sua qualidade (QESOP) e de governança corporativa (GC) ampliam esse efeito.
Citação ABNT:
RAMALHO, R. T.; BORTOLON, P. M.; MACEDO, M. A. S. Planos de Opções de Compra de Ações, Oportunidades de Crescimento e Desempenho: Evidências na BM&FBovespa . Contabilidade, Gestão e Governança, v. 20, n. 3, p. 483-506, 2017.
Citação APA:
Ramalho, R. T., Bortolon, P. M., & Macedo, M. A. S. (2017). Planos de Opções de Compra de Ações, Oportunidades de Crescimento e Desempenho: Evidências na BM&FBovespa . Contabilidade, Gestão e Governança, 20(3), 483-506.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21714/1984-3925_2017v20n3a9
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/48159/planos-de-opcoes-de-compra-de-acoes--oportunidades-de-crescimento-e-desempenho--evidencias-na-bm-fbovespa-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Berle, A.; Means, G. (1932). The modern corporation and private property. New York: Macmillan.

Chen, Y-R.; Ma, Y. (2011). Revisiting the risk-taking effect of executive stock options on firm performance. Journal of Business Research, 64(6), 640-648. doi: 10.1016/j.jbusres.2010.02.012

Comissão de Valores Mobiliários. (2007). Ofício-Circular CVM/SNC/SEP nº 01/2007. Rio de Janeiro: CVM. .

Core, J. E.; Guay, W. R. (2001). Stock option plans for non-executive employees. Journal of Financial Economics, 61(2), 253-287. doi: 10.1016/S0304-405X(01)00062-9

Hall, B.; Murphy, K. (2002). Stock options for undiversified executives. Journal of Accounting and Economics, 33(1), 3-42. doi: 10.1016/S0165-4101(01)00050-7

Hillegeist, S. A.; Penalva, F. (2003). Stock option incentives and firm performance. doi: 10.2139/ssrn.480384

Hutchinson, M.; Gul, F. A. (2004). Investment opportunity set, corporate governance practices and firm performance. Journal of Corporate Finance, 10(4), 595-614. doi: 10.1016/S0929-1199(03)00022-1

Hutchinson, M.; Gul, F. A. (2006). The effects of executive share options and investment opportunities on firms’ accounting performance: Some Australian evidence. The British Accounting Review, 38(3), 277-297. doi: 10.1016/j.bar.2006.02.002

Ittner, C.; Lambert, R.; Larcker, D. (2003).The structure and performance consequences of equity grants to employees of new economy firms. Journal of Accounting and Economics, 34(1), 89-127. doi: 10.1016/S0165-4101(02)00088-5

Jensen, M. C.; Meckling, W. H. (1976). Theory of firm: managerial behavior, agency costs, and ownership structure. Journal of Financial Economics, n. 3, p. 305-360. doi: 10.1016/0304405X (76)90026-X

Klapper, L. F.; Love, I. (2004).Corporate governance, investor protection, and performance in emerging markets. Journal of Corporate Finance, 10(5), 703-728. doi: 10.1016/S09291199(03)00046-4

Lopes, R. F. & Galdi, F. C. (2010, junho).Como as variáveis contábeis explicam o retorno das ações: um estudo empírico no mercado brasileiro. Anais do Congresso ANPCONT - Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Ciências Contábeis. Natal, RN. Brasil, 4. .

Myers, S. C. (1977). Determinants of corporate borrowing. Journal of Financial Economics, 5(2), 147-175. doi: 10.1016/0304-405X(77)90015-0

Oliveira, I. G. S. de. (2014). Remuneração executiva e desempenho: evidências empíricas no mercado de capitais brasileiro. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES, Brasil. .

Perobelli, F.; Lopes, B.; Silveira, A. (2012).Planos de opções de compra de ações e o valor das companhias brasileiras. Revista Brasileira de Finanças, 10(1), 105-147. .

Silveira, A. D. M. (2004).Governança corporativa e estrutura de propriedade: determinantes e relação com o Desempenho das empresas no Brasil. Tese de doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil. doi: 10.11606/T.12.2004.tde-23012005-200501

Silveira, A. D. M. (2010). Governança corporativa no Brasil e no mundo: teoria e prática. Rio de Janeiro: Elsevier Brasil.

Smith, C. W.; Watts, R. L. (1992). The investment opportunity set and corporate financing, dividend, and compensation policies. Journal of financial Economics, 32(3), 263-292. doi: 10.1016/0304-405X(92)90029-W

Wakamatsu, A.; Kimura, H.; Basso, L. F. C. (2005). Pesquisa empírica sobre programas de opções sobre ações para funcionários em empresas no Brasil. Anais do Congresso USP de Controladoria e Contabilidade. São Paulo, SP, Brasil, 5. .