Fatores Explicativos de Work-Life Balance e a Gestão de Tempo Conduzindo ao Bem Estar na Visão de Contadores Paranaenses Outros Idiomas

ID:
48165
Resumo:
Recentemente, work-life balance tem sido foco de debates que visam abordar sobre a integração entre os diferentes domínios trabalho e família. As discussões procuram reduzir os conflitos de papéis inerentes a estas esferas. Em determinadas profissões, decorrente do trabalho intenso, observa-se a intensificação dos conflitos de papéis. Isto posto, constata-se que a profissão contábil apresenta demandas específicas em determinados períodos, logo, o profissional fica sobrecarregado de tarefas e necessita gerir adequadamente seu tempo. Dessa forma, o estudo objetiva identificar quais são os fatores que explicam a percepção de contadores paranaenses quanto ao seu work-life balance e a gestão de tempo. Por meio de survey online, a partir do instrumento de pesquisa adaptado do estudo de Wong e Ko (2009), 267 contadores registrados no estado do Paraná responderam ao questionário. Para analisar os dados, utilizou-se estatística descritiva e análise fatorial. A partir da técnica de análise fatorial, foram três os fatores identificados como explicativos de work-life balance: (1) apoio no trabalho; (2) comprometimento com o trabalho; e (3) comprometimento com a família e aspectos pessoais. Além dos três fatores de work-life balance identificados, considerou-se a gestão de tempo. Os resultados da presente pesquisa estão alinhados aos achados de Wong e Ko (2009). Como contribuição científica, este estudo possibilita discussões relevantes sobre aspectos relacionados a qualidade de vida e a performance dos profissionais contábeis.
Citação ABNT:
ALTOÉ, S. M. L.; VOESE, S. B. Fatores Explicativos de Work-Life Balance e a Gestão de Tempo Conduzindo ao Bem Estar na Visão de Contadores Paranaenses. Enfoque Reflexão Contábil, v. 37, n. 1, p. 71-90, 2018.
Citação APA:
Altoé, S. M. L., & Voese, S. B. (2018). Fatores Explicativos de Work-Life Balance e a Gestão de Tempo Conduzindo ao Bem Estar na Visão de Contadores Paranaenses. Enfoque Reflexão Contábil, 37(1), 71-90.
DOI:
10.4025/enfoque.v37i1.35392
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/48165/fatores-explicativos-de--work-life-balance-e-a-gestao-de-tempo-conduzindo-ao-bem-estar-na-visao-de-contadores-paranaenses/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Referências:
AMORIN, M. V.; CAMPOS, A. C. C. F. A felicidade no trabalho: estudo sobre sua revelação e articulação com produtividade. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 22.; 2002. Curitiba. Anais... Curitiba, 2002.

ANDRADE, M. C. P. Work-Life balance : condições de trabalho facilitadoras da integração do papel profissional e familiar. Exedra, ed. especial, p. 41-54, 2011.

APPEL-SILVA, M.; ARGIMON, I. I.; WENDT, G. Conflito de papéis entre os domínios da família e do trabalho. Contextos Clínicos, v. 4, n. 2, p. 88-98, dez.; 2011.

BEAUREGARD, T. A.; HENRY, L. C. Making the link between work-life balance practices and organizational performance. Human Resource Management Review, v. 19, n. 1, p. 9-22, 2009.

BEZERRA, F. A. Análise fatorial. In: CORRAR, L. J.; PAULO, E.; DIAS FILHO, J. M. (Coords.), Análise multivariada para os cursos de administração, ciências contábeis e economia. São Paulo: Atlas, p. 73-130, 2009.

BLOOM, N.; KRETSCHMER, T.; VAN REENEN, J. Work-life balance, management practices and productivity. Centre for Economic Performance, 2006.

BURKE, R. J. Work and family integration. Equal Opportunities International, v. 23, n. 1/2, p. 1-5, 2004.

CAPRONI, P. Work/Life Balance: You Can’t Get There From Here. The Journal of Applied Behavioral Science, p. 46-56, n. mar. 1997.

CARLSON, D. S.; KACMAR, K. M. Work-Family conflict in the organization: Do life role values make a difference? Journal of Management, v. 26, n. 5, p. 1031-1054, out.; 2000.

CARVALHO, M. B. de. A felicidade na agenda da administração e suas relações com conceitos organizacionais. 160 f. Dissertação (Mestrado em Administração), Universidade FUMEC - Faculdade de Ciências Empresariais, Belo Horizonte, 2010.

CARVALHO, M. B. DE; GONÇALVES, C. A.; PARDINI, D. J. A felicidade em foco - mensurando conceito metafísico para estratégia governamental e recomendações organizacionais. Revista Adm. UFSM, v. 3, n. 2, p. 269-287, 2010.

CAVALHEIRO, G.; TOLFO, S. da R. Trabalho e depressão: um estudo com profissionais afastados do ambiente laboral. Psico-USF, v. 16, n. 2, p. 241-249, 2011.

CIERI, H. de; HOLMES, B.; ABBOTT, J.; PETTIT, T. Work/life balance strategies: progress and problems in Australian organizations. Monash University Faculty of Business and Economics, 2002.

CLARK, S. C. Work Cultures and Work/Family Balance. Journal of Vocational Behavior, v. 58, n. 3, p. 348-365, 2001.

CLARK, S. C. Work/Family Border Theory: A New Theory of Work/Family Balance. Human Relations, v. 53, n. 6, p. 747-770, 2000.

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE (CFC). Quanto somos. . Acesso em:01.06.2013.

CONTE, A. L. Qualidade de vida no trabalho. Revista FAE Business, v. 7, p. 32-34, n. nov. 2003.

CORDEIRO, J do S.; DUARTE, A M da P. O profissional contábil diante da nova realidade. Qualit@s Revista Eletrônica, v. 1, p. 68-96, 2006.

DARCY, C.; MCCARTHY, A.; HILL, J.; GERALDINE, G. Work- life balance: One size fits all?An exploratory analysis of the differential effects of career stage. European Management Journal, v. 30, n. 2, p. 111-120, 2012.

DEX, S.; BOND, S. Measuring work-life balance and its covariates. Work, Employment and Society, v. 19, n. 3, p. 627-637, 2005.

EDRALIN, D. M. Innovative work-life balance strategies of Filipina entrepreneurs: new evidence from survey and case research approaches. Procedia - Social and Behavioral Sciences, v. 57, p. 201-208, n. out. 2012.

EDWARDS, J. R.; ROTHBARD, N. P. Mechanisms linking work and family: clarifying the relationship between work and family constructs. Academy of Management Review, v. 25, n. 1, p. 178-799, 2000.

EDWARDS, M. E. Uncertainty and the rise of the work-family dilemma. Journal of Marriage and Family, v. 63, n. 1, p. 183-196, 2001.

FAJARDO, V. Guia de carreiras: ciências contábeis, 2012. . Acesso em:25.10.2013.

FARI, M. A.; NOGUEIRA, V. Perfil do profissional contábil: relações entre formação e atuação no mercado de trabalho. Perspectivas Contemporâneas, v. 2, n. 1, 2007.

FÁVERO, L. P.; BELFIORE, P.; SILVA, F. L. da; CHAN, B. L. Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

FERRAZ, R. B.; TAVARES, H.; ZILBERMAN, M. L. Felicidade: uma revisão. Revista de Psiquiatria Clínica, v. 34, n. 5, p. 234-242, 2007.

FRIEDMAN, S. D.; CHRISTENSEN, P.; DEGROOT, J. Work and Life: The end of the zero-sum game. Harvard Business review, p. 119-129, 1998.

GREENHAUS, J. H.; BEUTELL, N. J. Sources of conflict between work and family roles. Academy of Management Review, v. 10, n. 1, p. 76-88, 1985.

HEALTH MAGAZINE. 10 careers with high rates of depression. . Acessoem:11/03/2013.

HUNT, S. C.; FALGIANI, A. A.; INTRIERI, R. C. The nature and origins of student’s perceptions of accountants. Journal of Education for Business, v. 79, n. 3, p. 142-148, 2004.

KHALLASH, S.; KRUSE, M. The future of work and work-life balance 2025. Futures, v. 44, n. 7, p. 678-686, 2012.

MARKS, S. R. Multiple roles and role strain: Some notes on human energy, time and commitment. American Sociological Review, v. 42, n. 6, p. 921-936, 1977.

MCCARTHY, A.; DARCY, C.; GRADY, G. Worklife balance policy and practice: Understanding line manager attitudes and behaviors. Human Resource Management Review, v. 20, n. 2, p. 158-167, 2010.

OLIVEIRA, C. de; FEY, V. A.; RAUPP, F. M.; MECHELN, P. J. V. Adaptação do profissional contábil aos avanços tecnológicos : um estudo em escritórios de Florianópolis. Revista Contemporânea de Contabilidade, v. 1, n. 6, p. 21-38, 2006.

PARRIS, M. A.; VICKERS, M. H.; WILKES, L. Caught in the Middle: Organizational Impediments to Middle Managers’ Work-life Balance. Employee Responsibilities and Rights Journal, v. 20, n. 2, p. 101-117, 2008.

PASCHOAL, T.; TAMAYO, A. Construção e validação da escala de bem-estar no trabalho. Avaliação Psicológica, v. 7, n. 1, p. 11-22, 2008.

PICADO, L. Ser professor: do mal-estar para o bem-estar docente. Psicologia.com.pt, 2009.

PIMENTA, S S de A. G. Trabalho-família: uma questão de equilíbrio?Relações com conflito, a facilitação e contributos para a satisfação e bemestar psicológico. 149 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Família), Universidade Católica Portuguesa, 2011.

POSIG, M.; KICKUL, J. Work-role expectations and work family conflict: gender differences in emotional exhaustion. Women in Management Review, v. 19, n. 7, p. 373-386, 2004.

SADIR, M. A.; LIPP, M. E. N. As fontes de stress no trabalho. Revista de Psicologia da IMED, v. 1, p. 114-126, 2009.

SANTOS, M. L. dos; SOUZA, M. A. de. A importância do profissional contábil na contabilidade gerencial: uma percepção dos conselheiros do CRC/MG. Revista Científica do Departamento de Ciências Jurídicas, Políticas e Gerenciais do Uni-BH, v. 3, n. 1, 2010.

SANTOS, M. R. dos; CODA, R.; MAZZALI, L. Clima organizacional e desempenho financeiro. Revista Universo Contábil, v. 6, n. 2, p. 27-46, 2010.

SELIGMAN, M. E. P. Positive psychology, positive prevention, and positive therapy. In: C. R. SNYDER, C. R.; LOPEZ, S. J. Handbook of positive psychology. New York: Oxford University Press, 2002, p. 3-9.

SELIGMAN, M. E. P.; CSIKSZENTMIHALYI, M. Positive psychology: an introduction. American Psychologist, v. 55, n. 1, p. 5-14, 2000.

SERVA, M.; FERREIRA, J. L. O. O fenômeno workaholic na gestão de empresas. RAP, v. 40, n. 2, p. 179-198, 2006.

SHELDON, K. M.; KING, L. Why positive psychology is necessary. American Psychologist, v. 56, n. 3, p. 216-217, 2001.

SIEBER, S. D. Toward a theoryof role acumulation. American Sociological Review, v. 39, n. 4, p. 567-578 ,1974.

SILLAS, E. P. Mulheres contabilistas: um estudo do nível de estresse das profissionais atuantes no estado do Paraná. 73 f. Dissertação (Mestrado em Contabilidade), Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2011.

SILVA, M. L. R. da; SANTOS, N. M. B. F. dos; SANTOS, R. F. dos. Um estudo sobre o clima organizacional nos departamentos de contabilidade de empresas de grande porte. In: ENCONTRO DA ANPAD, 24.; 2010, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro, 2010.

SOUZA, G. C. de. Fontes de bem-estar no trabalho e estratégias de mediação no contexto do serviço público: desafios e perspectivas para a qualidade de vida no trabalho. 74 f. Monografia (Especialização em Gestão Universitária), Universidade de Brasília, Brasília, 2010.

SUB, S.; SAYAH, S. Balance between work and life a qualitative study of German contract workers. European Management Journal, v. 31, n. 3, p. 250-262, 2013.

SUCCAR JR, F. Níveis de estresse dos contabilistas do estado do Rio de Janeiro. 97 f. Dissertação (Mestrado), Faculdade de Administração e do Finanças, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

TORRES, L. M. Relação trabalho e vida pessoal na perspectiva de gerentes médios de empresas. 265 f. Tese (Doutorado em Administração), Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

VALCOUR, M. Work-based resources as moderators of the relationship between work hours and satisfaction with work-family balance. Journal of Applied Psychology, v. 92, n. 6, p. 1512-1523, 2007.

VASCONCELOS, A. F. Felicidade no ambiente de trabalho: exame e proposição de algumas variáveis críticas. REAd, v. 10, n. 1, 2004.

VLEMS, E. Work-Life Balance. Unpublished thesis, Katholieke Hogeschool Kempen, Handelswetenschappen en Bedrijfskunde Geel, v. 1353, 2005.

WONG, S. C.; KO, A. Exploratory study of understanding hotel employees’ perception on work- life balance issues. International Journal of Hospitality Management, v. 28, n. 2, p. 195-203, 2009.

WU, L.; RUSYIDI, B.; CLAIBORNE, N.; MCCARTHY, M. L. Relationships between work- life balance and job-related factors among child welfare workers. Children and Youth Services Review, v. 35, p. 1447-1454, 2013.

YUNES, M. A. M. Psicologia positiva e resiliência: o foco no indivíduo e na família. Psicologia em Estudo, v. 8, n. especial, 2003.