Ações Empreendedoras Inovadoras no Setor Público Outros Idiomas

ID:
48171
Resumo:
O objetivo geral deste estudo é analisar ações empreendedoras desenvolvidas no setor público a partir das iniciativas premiadas no Concurso Inovação na Gestão Pública Federal. Especificamente pretende identificar os ambientes interno e externo das organizações de acordo com o modelo proposto por Kearney, Hisrich e Roche (2008) e sua relação com o fomento da prática inovadora e os respectivos desempenhos organizacionais. Nesse modelo o empreendedorismo corporativo é um processo que tende a facilitar os esforços de uma organização para inovar constantemente e se adequar eficientemente às mudanças que ocorrem tanto no ambiente interno quanto no externo. No tocante à dimensão interna, os componentes são a estrutura/formalização, decisões/controle, cultura, tomada de risco e proatividade. A dimensão externa abrange o ambiente político, a complexidade, a munificência e as mudanças provenientes do ambiente externo ao setor. Para realização deste estudo foi realizada pesquisa documental, tendo como fonte de dados os vinte relatos das ações premiadas no Concurso Inovação na Gestão Pública Federal, promovida pela Escola Nacional de Administração Pública nos anos 2013 e 2014. De modo geral, observou-se, nos casos analisados, que o desempenho organizacional em âmbito público é consequência de ações que promovem crescimento, desenvolvimento e produtividade. Torna-se necessário, portanto, para o alcance de objetivos e metas planejadas, o suporte das lideranças organizacionais assim como a utilização de recursos diversos, sem os quais são inviabilizadas as ações inovadoras.
Citação ABNT:
COSTA FILHO, E.; GOMES, M. A. A.; TEIXEIRA, R. M. Ações Empreendedoras Inovadoras no Setor Público . Revista Brasileira de Gestão e Inovação, v. 5, n. 2, p. 1-29, 2018.
Citação APA:
Costa Filho, E., Gomes, M. A. A., & Teixeira, R. M. (2018). Ações Empreendedoras Inovadoras no Setor Público . Revista Brasileira de Gestão e Inovação, 5(2), 1-29.
DOI:
10.18226/23190639.v5n2.01
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/48171/acoes-empreendedoras-inovadoras-no-setor-publico-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Ahuja, G.; Lampert, C. M. (2001). Entrepreneurship in the large corporation: a longitudinal study of how established firms create breakthrough inventions. Strategic Management Journal, 22(6-7), 521-543.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Lisboa, 70.

Bastiani, S N A da C. de. (2014). A inovação como estratégia em organizações públicas: limites e possibilidades em relação ao uso da taxonomia de Bonaccorsi e Piccoluga (1994). Dissertação de mestrado. Universidade do Sul de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Bloch, C. (2011). Measuring Public Innovation in the Nordic Countries (MEPIN). Copenhagen: Nordic Council of Ministers.

Boas, E. P. V.; Santos, S. A. D. (2014). Empreendedorismo corporativo: estudo de casos múltiplos sobre as práticas promotoras em empresas atuantes no Brasil. Revista de Administração, 49(2), 399-414.

Brandão, S. M.; Bruno-Faria, M de F. (2013). Inovação no setor público: análise da produção científica em periódicos nacionais e internacionais da área de administração. Revista de Administração Pública, 47(1), 227-248.

Burgelmann, R. A. (1984). Designs for Corporate Entrepreneurship. Californian Management Review, 26(3), 154-66.

Coelho, M. L. G. M. M. (2010). Intraempreendedorismo e a inovação na gestão pública federal. Revista do Serviço Público, v. 61(3), 233-247.

Cornwall, J. R.; Perlman, B. (1990). Organizational Entrepreneurship. Irwin: Homewood.

Covin, J. G.; Slevin, D. P. (1991). A conceptual model of entrepreneurship as firm behavior. Intrepreneurship Theory and Practice, (16), 7-25.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa métodos qualitativo, quantitativo e misto. In Projeto de pesquisa métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed. Porto Alegre: Bookman.

Damanpour, F.; Walker, R. M.; Avellaneda, C. N. (2009). Combinative effects of innovation types and organizational performance: A longitudinal study of service organizations. Journal of Management Studies, v. 46(4), 650-675.

Diefenbach, F. E. (2011). Entrepreneurship in the public sector: when middle managers create public value. Gabler Verlag Wiesbaden: Gabler Research.

Emmendoerfer, M. L.; Valadares, J. L.; Hashimoto, M. (2010). Evidências do empreendedorismo interno em organizações no contexto da inovação. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 9(2) 144-156.

Flick, U. (2009). An Introduction to Qualitative Research. London: Sage.

Gallouj, F.; Weinstein, O. (1997). Innovation in services. Research policy, 26(4), 537-556.

Goodsell, C. (1993). Reinvent government or rediscover it? Public Administration Review, 53, 85-87.

Greco, S. M. S et al. (2009). Empreendedorismo no Brasil: 2008. Curitiba: IBQP (Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade).

Hashimoto, M. (2009). Organizações intraempreendedoras: construindo a ponte entre clima interno e desempenho superior. Tese de doutorado. EAESP/FGV, São Paulo, SP, Brasil.

Kearney, C.; Hisrich, R.; Roche, F. (2008). A conceptual model of public sector corporate entrepreneurship. International Entrepreneurship and Management Journal, 4(3), 295-313.

Lana, J.; Orlandi, C.; Camargo, M.; Branco, M. A.; Lenzi, F. C. (2013). A relação das competências empreendedoras e da conduta intraempreendedora no setor de serviços educacionais. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 7(2), 77-95.

Lenzi, F. C.; Santos, S. A. dos; Casado, T.; Kuniyoshi, M. S. (2015). Empreendedores Corporativos: Um Estudo sobre a Associação entre Tipos Psicológicos e Competências Empreendedoras em Empresas de Grande Porte de Santa Catarina – Brasil. Revista de Administração da Unimep, 13(2), 117-141.

Miller, D.; Friesen, P. H. (1983). Strategy-making and environment: The third link. Strategic Management Journal, 4(3), 221-235.

Morais, M. C. A.; Valadares, J. L.; Emmendoerfer, M.; Tonelli, D. (2015). Polissemias do empreendedorismo no setor público. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 4(1), 26-53.

Moreira, M. F.; Vargas, E. R. (2012). Compras para a inovação: casos de inovações induzidas por clientes públicos. RAM - Revista de Administração Mackenzie, v. 13(5), 232-257.

Moreira, M. F.; Vargas, E. R. (2015). Indução de inovações em serviços: compras governamentais para a inovação ou compras de inovações? Revista Gestão & Tecnologia, v. 15(2) 186-210.

Moriano, J. A.; Topa, G.; Valero, E.; Lévy, J. P. (2009). Identificácion organizacional y conducta “intraemprendedora”. Anales de Psicología, 25(2), 277-287.

Ndubisi, N. O. (2014). Entrepreneurship and service innovation. Journal of Business & Industrial Marketing, v. 29(6), 449-453.

OCDE-Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Manual de Oslo: diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação, FINEP, 2005.

Oliveira, L. G. de; Santana, R. L. F. de; Gomes, V. C. (2014). Inovação no setor público: uma reflexão a partir das experiências premiadas no Concurso Inovação na Gestão Pública Federal. Brasília: ENAP.

Pereira, F. S. (2014). Ações premiadas no 18º Concurso Inovação na Gestão Pública Federal – 2013. Brasília: ENAP.

Pereira, F. S.; Vilela, P. J. (2014). Ações premiadas no 19º Concurso Inovação na Gestão Pública Federal – 2014. Brasília: ENAP.

Pinchot, G. (1985). Intraempreendedoring: Why You Don't Have to Leave the Corporation to Become an Entrepreneur. New-York: Harper & Row.

Reis, M. C. A. dos. (2015). Co-produção e inovação no setor público: análise de experiências inovadoras de gestão na administração pública federal. Dissertação(Mestrado em Administração) – Faculdade de Administração, Contabilidade e Economia(FACE), Universidade de Brasília(UnB), Brasília, DF, Brasil.

Saunders, M.; Lewis, P.; Thornill, A. (2009). Research Methods for Business Students. 5 ed. Harlow, England: Pearson Education.

Schumpeter, J. A. (1934). The theory of economic development: An inquiry into profits, capital, credit, interest, and the business cycle. Transaction Publishers.

Sundbo, J. & Gallouj, F. (1998) Innovation in service. PREST - Policy Research in Engineering, Science & Technology. Manchester.

Valadares, J. L.; Emmendoerfer, M. L. (2015). A Incorporação do Empreendedorismo no Setor Público: reflexões baseadas no contexto brasileiro. Revista de Ciências da Administração, 17(41), 82-98.

Zahra, S. A. (1993). Meio-ambiente, empreendedorismo corporativo e desempenho financeiro: A abordagem taxonômica. Journal of Business Venturing, 8, 319-340.

Zahra, S. A.; Garvis, D. M. (2000). International corporate entrepreneurship and firm performance: The moderating effect of international environmental hostility. Journal of Business Venturing, 15(5), 469-492.