A Efetividade da Governança Corporativa sobre o Risco dos Ativos da BM&FBovespa Outros Idiomas

ID:
48234
Resumo:
Com este artigo teve-se o propósito de verificar se a utilização dos métodos de governança corporativa adotados pelas empresas listadas na Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo (BM&FBovespa) diminui o risco nos ativos. Utilizando cotações do período de 01 de junho de 2012 a 04 de julho de 2016, este estudo se divide em três etapas: no primeiro momento, as cotações são otimizadas e analisadas quanto ao desempenho das três carteiras de variância mínima referentes aos diferentes níveis de governança corporativa: Nível 1 (N1), Nível 2 (N2) e Novo Mercado (NM). Na segunda etapa é estimado por MQO o modelo de precificação de ativos de Sharpe-Lintner-Black, o Capital Asset Pricing Model (CAPM). Na terceira etapa são comparados os desempenhos de carteiras representativas para as ações classificadas em diferentes níveis de governança com índices de governança propostos pela BM&FBovespa. De acordo com os resultados obtidos, foi observado que os ativos que possuem maior nível de transparência tendem a apresentar menores níveis de variância ou risco.
Citação ABNT:
BESARRIA, C. N.; SILVA, H. S. A Efetividade da Governança Corporativa sobre o Risco dos Ativos da BM&FBovespa. RACE: Revista de Administração, Contabilidade e Economia, v. 16, n. 3, p. 933-956, 2017.
Citação APA:
Besarria, C. N., & Silva, H. S. (2017). A Efetividade da Governança Corporativa sobre o Risco dos Ativos da BM&FBovespa. RACE: Revista de Administração, Contabilidade e Economia, 16(3), 933-956.
DOI:
http://dx.doi.org/10.18593/race.v16i3.13318
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/48234/a-efetividade-da-governanca-corporativa-sobre-o-risco-dos-ativos-da-bm-fbovespa/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ACHARYA, V. et al. Corporate Governance and Value Creation: evidence from Private Equity. NYU Working Paper, i. FIN-08-032, 2011.

AGRAWAL, A.; COOPER, T. Corporate governance consequences of accounting scandals: evidence from top management, CFO and auditor turnover. Quarterly Journal of Finance, v. 7, i. 1, p. 1650014, 2017.

ARARAT, M.; BLACK, B. S.; YURTOGLU, B. B. The effect of corporate governance on firm value and profitability: time-series evidence from Turkey. Emerging Markets Review, v. 30, p. 113-132, 2017.

BESARRIA, C. N. et al. A qualidade das informações prestadas pelas empresas reduz os riscos de investimento? Uma análise empírica para os diferentes níveis de governança corporativa das empresas brasileiras. RACE, Revista de Administração, Contabilidade e Economia, Joaçaba: Ed. Unoesc, v. 14, n. 1, p. 11-38, jan./abr. 2015.

BODUR, F. J. Uma comparação entre os modelos CAPM, Fama-French e Fama-French-Carhart. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2011.

BOLLERSLEV, T.; ENGLE, R. F.; WOOLDRIDGE, J. M. A Capital Asset Pricing Model with Time-varying Covariances. Journal of Political Economy, v. 96, i. 1, Feb. 1988.

BORGES, L. F. X.; SERRÃO, C. F. de B. Aspectos de Governança Corporativa Moderna no Brasil. Revista do BNDES, Rio de Janeiro: GEDIT, v. 12, n. 24, p. 111148, dez. 2005.

BREZEANU, P. et al. Does Corporate Governance impact risk management system? Theoretical and Applied Economics, v. 18, i. 4, p. 49-64, 2011.

CARMONA, C. U. de M. Finanças corporativas e mercados. São Paulo: Atlas, 2009.

FAMA, E.; FRENCH, K. Common risk factors in the returns on stocks and bonds. Journal of Financial Economics, v. 33, i. 1, p. 3-56, 1993.

FERREIRA, M.; LAUX, P. Corporate Governance, Idiosyncratic Risk, and Information Flow, Journal of Finance, v. 62, p. 951-989, 2007.

JENSEN, M. C. The Foundations and Current State of Capital Market Theory. The Bell Journal of Economics and Management Science, v. 3, i. 2, 1972.

KLEFFNER, A. E.; LEE, R. B.; MCGANNON, B. The effect of Corporate Governance on the use of enterprise risk management: evidence from Canada. Risk Management and Insurance Review, v. 6, i. 1, p. 53-73, Feb. 2003.

LAMBERT, R. A.; LEUZ, C.; VERRECCHIA, R. Accounting Information Disclosure, and the Cost of Capital. Journal of Accounting Research, v. 45, p. 385-420, 2007.

LINTNER, John. The valuation of risk assets and the selection of risky investments in stock portfolios and capital budgets. Review of Economics and Statistics, v. 47, i. 1, p. 13-37, 1965.

LIU, B.; MCCONNELL, J. J.; XU, W. The power of the pen reconsidered: The media, CEO human capital, and corporate governance. Journal of Banking & Finance, v. 76, p. 175-188, 2017.

MALACRIDA, M. J. C.; YAMAMOTO, M. M. Governança Corporativa: nível de evidenciação das informações e sua relação com a volatilidade das ações do Ibovespa. RC&F – Revista de Contabilidade e Finanças da USP, São Paulo, p. 65-79, 2006. Edição Comemorativa.

MARKOWITZ, H. M. Portfolio selection. The Journal of Finance, v. 7, i. 1, p. 7791, Mar. 1952.

METODOLOGIA do índice Bovespa. BM&FBOVESPA. São Paulo, abr. 2015. Disponível em: . Acesso em: 05 mar. 2017.

METODOLOGIA do índice de ações com governança corporativa diferenciada (IGC). BM&FBOVESPA, São Paulo, abr. 2015a. Disponível em: . Acesso em: 05 mar. 2017.

METODOLOGIA do índice de governança corporativa Novo Mercado (IGC-NM). BM&FBOVESPA, São Paulo, abr. 2015b. Disponível em: . Acesso em: 05 mar. 2017.

MONTE, P. A. do et al. Existe relação entre Governança Corporativa e volatilidade? Um estudo a partir da formação de carteiras. Contabilidade Vista & Revista, v. 21, n. 2, p. 15-44, 2010.

OKIMURA, R. T. Estrutura de propriedade, governança corporativa, valor e desempenho das empresas no Brasil. São Paulo: Ed. USP, 2003.

OWALA, A. C. Corporate Governance and stock returns: evidence from S&P 500. Vaasa: University of Vaasa, 2010.

ROGERS, P.; SECURATO, J. R. Estudo comparativo no mercado brasileiro do Capital Asset Pricing Model (CAPM), Modelo 3-fatores de Fama e French e Reward Beta Approach. RAC-E, Revista de Administração Contemporânea Eletrônica, Curitiba, v. 3, n. 1, p. 159-179, jan./abr. 2009.

SÁ, G. T. de. Administração de investimentos, teoria de carteiras e gerenciamento de risco. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1999.

SCHMIDT, C.; FAHLENBRACH, R. Do exogenous changes in passive institutional ownership affect corporate governance and firm value? Journal of Financial Economics, v. 124, i. 2, p. 285-306, 2017.

SHARPE, W. F. Capital asset prices: A theory of market equilibrium under conditions of risk. Journal of Finance, v. 19, i. 3, p. 425-442, Sept. 1964.

SHI, W.; CONNELLY, B. L.; HOSKISSON, R. E. External corporate governance and financial fraud: cognitive evaluation theory insights on agency theory prescriptions. Strategic Management Journal, v. 38, i. 6, p. 1268-1286, 2017.

SILVA, M. B. da; CÂMARA, S. F. A governança corporativa como um diferencial de mercado das empresas listadas na BM&FBovespa no ano de 2012. GeCont, v. 2, n. 1, p. 152-170, jan./jun. 2015.

SILVEIRA, A. di M. da. Governança corporativa e estrutura de propriedade: determinantes e relação com o desempenho das empresas no Brasil. 2004. Tese (Doutorado em Administração)–Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

SUCOLOTTI, L. Avaliação de desempenho de carteiras: Markowitz x Índice Bovespa. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2007.

TERRA, P. R. S.; LIMA, J. B. N. de. Governança Corporativa e a reação do mercado de capitais à divulgação das informações contábeis. RC&F – Revista de Contabilidade e Finanças da USP, São Paulo, p. 35-49, set./dez. 2006.