A Cultura Organizacional como Impulsionadora dos Processos de Inteligência na Gestão Pública Outros Idiomas

ID:
48250
Resumo:
O uso de dados e informações advindos do ambiente externo à administração pública pode proporcionar o aprimoramento da tomada de decisão dos gestores públicos, bem como uma maior eficiência e eficácia no desenvolvimento da atividade pública. Sistematizar o monitoramento de ambientes exige a estruturação de processos de inteligência, os quais possuem foco nas informações externas das organizações, objetivando o monitoramento do ecossistema como um todo, sendo determinante para as organizações conhecerem e se adaptarem ao seu ambiente. Reconhecendo a importância de uma cultura organizacional impulsionadora que permita a manutenção e a evolução desses processos, neste estudo buscou-se identificar pontos relevantes relacionados à influência da cultura organizacional na concretização de processos de inteligência na gestão pública. Com a realização de 17 entrevistas com gestores públicos de diferentes, foi possível evidenciar que os mesmos reconhecem a cultura organizacional como impulsionadora dos processos de inteligência, uma vez que apontam o fortalecimento de um ambiente estimulado para o monitoramento do ambiente externo, o engajamento das pessoas e a utilização de tecnologias da informação e comunicação como mecanismos-chave da cultura organizacional para a concretização de tais processos. Identifica-se como limitação deste trabalho a não realização de entrevistas com gestores que trabalham diretamente com processos de inteligência, bem como a participação de órgãos de um único estado no estudo, impossibilitando a realização de comparativos entre culturas organizacionais. Para estudos futuros, sugere-se a continuidade da pesquisa por meio da realização de entrevistas com servidores que não exerçam cargos de gestão.
Citação ABNT:
MELATI, C.; JANISSEK-MUNIZ, R. A Cultura Organizacional como Impulsionadora dos Processos de Inteligência na Gestão Pública. RACE: Revista de Administração, Contabilidade e Economia, v. 16, n. Ed. Especial, p. 131-156, 2017.
Citação APA:
Melati, C., & Janissek-muniz, R. (2017). A Cultura Organizacional como Impulsionadora dos Processos de Inteligência na Gestão Pública. RACE: Revista de Administração, Contabilidade e Economia, 16(Ed. Especial), 131-156.
DOI:
http://dx.doi.org/10.18593/race.v0i0.14701
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/48250/a-cultura-organizacional-como-impulsionadora-dos-processos-de-inteligencia-na-gestao-publica/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AGUILAR, F. J. Scanning the Business Environment. New York: Macmillan, 1967.

AGUNE, R.; CARLOS, J. Governo eletrônico e novos processos de trabalho. In: LEVY, E.; DRAGO, P. Gestão pública no Brasil contemporâneo. São Paulo: Fundap, 2005. p. 302-315.

ANDRIOTTI, F. K.; FREITAS, H. M. R. de; JANISSEK-MUNIZ, R. Informação informal e a monitoração do ambiente organizacional: reflexões e sugestões para a área de TI. In: ENANPAD, 32., 2008, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2008.

AUSTER, E.; CHOO, C. W. How senior managers acquire and use information in environmental scanning. Information Processing & Management, v. 30, i. 5, p. 607-618, 1994.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011.

BATISTA, F. F. Modelo de gestão do conhecimento para a administração pública brasileira: como implementar a gestão do conhecimento para produzir resultados em benefício do cidadão. Brasília, DF: Ipea, 2012. Disponível em: . Acesso em: 06 jun. 2017.

BERGUE, S. T. Comportamento organizacional. Florianópolis: CAPES, UAB, 2010.

BERGUE, S. T. Modelos de Gestão em Organizações Públicas: teorias e tecnologias para análise e transformação organizacional. Caxias do Sul: Educs, 2011.

BRÂNZAŞ, B. V.; RADU, I. Transformation of Public Management Process Due to Competitive Intelligence Implementation. Procedia Economics and Finance, v. 32, p. 694-701, 2015.

CAPOBIANGO, R. P. Reformas administrativas no Brasil: uma abordagem teórica e crítica. REGE – Revista de Gestão, v. 20, n. 1, p. 61-78, 2013.

CEPIK, M. Inteligência, política e poder no Estado contemporâneo. Revista de Sociologia e Política, n. 9, p. 193-196, 1997.

CEPIK, M. Regime político e sistema de inteligência no Brasil: legitimidade e efetividade como desafios institucionais. Dados – Revista de Ciências Sociais, v. 48, n. 1, 2005.

CHOO, C. W. Information management for the intelligent organization: the art of scanning the environment. Medford: Information Today, Inc., 2002.

CHOO, C. W. The Art of Scanning the Environment. Bulletin of the American Society for Information Science and Technology, 1999. p. 21-24.

COOPER, C. L.; CARTWRIGHT, S.; EARLEY, P. C. Organizational culture and climate. Chichester: John Wiley & Sons Ltda, 2001.

DAVENPORT, T. H. Ecologia da informação: por que só a tecnologia não basta na era da informação. Tradução Bernadette S. Abrão. São Paulo: Futura, 1998. v. 4.

DE PAULA, A. P. P. Administração pública brasileira entre o gerencialismo e a gestão social. RAE – Revista de administração de empresas, v. 45, n. 1, p. 36-49, 2005.

DE PAULA, G.; ROVER, A. J. O governo eletrônico e a atividade de inteligência. Revista Democracia Digital e Governo Eletrônico, v. 1, n. 6, 2012.

DESOUZA, K. C. Restructuring government intelligence programs: a few good suggestions. Government Information Quarterly, v. 22, n. 3, p. 342-353, 2005.

FERREIRA, M. C. et al. Desenvolvimento de um instrumento brasileiro para avaliação da cultura organizacional. Estudos de Psicologia, v. 7, n. 2, p. 271-280, 2002.

FREITAS, H.; JANISSEK-MUNIZ, R. Uma proposta de plataforma para Inteligência Estratégica. In: CONGRESSO IBERO-AMERICANO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA, 1., 2006, Curitiba. Anais... Curitiba: ABRAIC, 2006.

GIL-GARCIA, J. R.; HELBIG, N.; OJO, A. Being smart: Emerging technologies and innovation in the public sector. Government Information Quarterly, v. 31, p. 11-18, 2014.

GIL-GARCIA, J. R.; PARDO, T. A.; ALDAMA-NALDA, A. Smart cities and smart governments: using information technologies to address urban challenges. In: ACM INTERNATIONAL CONFERENCE PROCEEDING SERIES, 14., 2013, Canadá. Proceedings… Canadá: ACM, 2013.

GIL-GARCIA, J. R.; ZHANG, J.; PURON-CID, G. Conceptualizing smartness in government: An integrative and multi-dimensional view. Government Information Quarterly, v. 33, i. 3, p. 524-534, 2016.

HAKANSSON, C.; NELKE, M. Competitive Intelligence for Information Professionals. Whaltham: Chandos Publishing, 2015.

HERMAN, M. Intelligence power in peace and war. Cambridge: Cambridge University Press, 1996.

HOFSTEDE, G. Cultures and organizations: software of the mind. London: McGrawHill UK, 1991.

JANISSEK-MUNIZ, R. Fatores Críticos em Projetos de Inteligência Estratégica Antecipativa e Coletiva. Revista Inteligência Competitiva, v. 6, n. 2, p. 147-180, 2016.

JANISSEK-MUNIZ, R.; BLANCK, M. R. de M. Weak signals management, entrepreneurship and uncertainty: a relational theoretical essay under the perspective of intelligence. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON INFORMATION SYSTEMS AND TECHNOLOGY MANAGEMENT – CONTECSI, 11., 2014, São Paulo. Anais… São Paulo: CONTECSI, 2014.

JIMENEZ, C. E.; SOLANAS, A.; FALCONE, F. E-government interoperability: Linking open and smart government. Computer, v. 47, i. 10, p. 22-24, 2014.

JOHANN, S. L. Gestão da cultura corporativa: como as organizações de alto desempenho gerenciam sua cultura organizacional. São Paulo: Saraiva, 2004.

JOHNSTON, E. W.; HANSEN, D. L. Design lessons for smart governance infrastructures. In: BALUTIS, A. P.; INK, D. Transforming American governance: Rebooting the public square. National Academy of Public Administration, 2011. p. 197-212.

KLERING, L.; PORSSE, M. de C. S.; GUADAGNIN, L. A. Novos caminhos da administração pública brasileira. Análise, v. 21, n. 1, jan./jun. 2010.

LESCA, H. Veille stratégique: la méthode L.E.SCAnning®. 1. ed. Grenoble France: Editions EMS, 2003.

LINDERS, D.; LIAO, C. Z. P.; WANG, C. M. Proactive e-Governance: Flipping the service delivery model from pull to push in Taiwan. Government Information Quarterly, 2015. http://doi.org/10.1016/j.giq.2015.08.004

LIU, X.; ZHENG, L. Cross-departmental collaboration in one-stop service center for smart governance in China: Factors, strategies and effectiveness. Government Information Quarterly, 2015. http://dx.doi.org/10.1016/j.giq.2015.12.001.

MELATI, C.; JANISSEK-MUNIZ, R. Knowledge Management and Intelligence: an analysis of conceptual complementarity through the Public Management Perspective. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE GESTÃO DE TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO – CONTECSI, 2017, São Paulo. Anais... São Paulo: CONTECSI, 2017.

MYERS, M. D. Qualitative research in business and management. London: Sage, 2013.

OSBORNE, D.; PLASTRIK, P. Banishing Bureaucracy: The Five Strategies for Reinventing Government. New York: Plume; Addison-Wesley Publishing Company, Inc., 1997.

PRESCOTT J.; MILLER, S. Inteligência competitiva na prática. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

REZENDE, D. Projeto de Organizational Business Intelligence (OBI): modelo organizacional de três organizações paranaenses. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON INFORMATION SYSTEMS AND TECHNOLOGY MANAGEMENT – CONTECSI, 2012, São Paulo. Anais… São Paulo: CONTECSI, 2012.

RIBEIRO, L. M. P.; PEREIRA, J. R.; BENEDICTO, G. C. As reformas da administração pública brasileira: uma contextualização do seu cenário, dos entraves e das novas perspectivas. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 37., 2013, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2013.

ROBBINS, S. P. Comportamento Organizacional. Tradução Reynaldo Marcondes. 11. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.

ROBBINS, S. P.; JUDGE, T. A. Organizational Behavior. 15. ed. New Jersey: Prentice Hall, 2012.

RODRIGUES, C.; BLATTMANN, U. Gestão da informação e a importância do uso de fontes de informação para geração de conhecimento. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 19, n. 3, p. 4-29, 2014.

RUSSO, G. M. Diagnóstico da cultura organizacional. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

SCHEIN, E. Cultura Organizacional e liderança. São Paulo: Atlas, 2010

SCHOLL, H. J.; SCHOLL, Margit C. Smart governance: a roadmap for research and practice. In: iCONFERENCE 2014. Proceedings…, 2014.

SECCHI, L. Modelos organizacionais e reformas da administração pública. RAP Revista de Administração pública, v. 43, n. 2, p. 347-369, 2009.

TRIVIÑOS, A. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VERONESE, J. E. Lei de Acesso à Informação e os reflexos sobre a produção de Inteligência na Polícia Federal. Revista Brasileira de Inteligência, Brasília, DF, n. 8, 2013.

VIDIGAL, F.; ZIVIANI, F. Inteligência Competitiva: Histórico, evolução e metodologias organizacionais sob a ótica da ciência da informação. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 16., 2015, João Pessoa. Anais... João Pessoa, 2015.

WARRICK, D. D.; MILLIMAN, J. F.; FERGUSON, J. M. Building high performance cultures. Organizational Dynamics, v. 1, i. 45, p. 64-70, 2016.