O Consumo de Homens Homossexuais no Brasil e as Marcas de Grife Outros Idiomas

ID:
48472
Resumo:
Nas últimas décadas, a inserção dos homossexuais na sociedade, por meio da conquista de direitos e no mercado de trabalho, gerando um aumento de seu poder aquisitivo, fez com que esse público, historicamente marginalizado, entrasse na sociedade de consumo e despertasse interesses econômicos. Este trabalho descritivo analisou, por meio de um questionário online, respondido por 203 homens brasileiros homossexuais de diferentes perfis socioeconômicos e através de uma fundamentação teórica, se a identidade coletiva desse grupo gerou preferência por determinadas marcas de vestuário. Se propôs a descobrir também, se os homens homossexuais brasileiros enxergam grifes de moda como parte do processo de formação de sua identidade bem como de reafirmação do seu estilo de vida. Portanto, o presente estudo se coloca como mais uma forma de melhor entender esse consumidor. Os resultados apontam uma identidade coletiva, que acredita que a marca pode influenciar na construção de uma identidade e é meio para reafirmar seu estilo de vida. Assim, consomem moda e estão dispostos a pagar mais por determinada marca que corresponda as suas expectativas e critérios de compra.
Palavras-chave:
Citação ABNT:
SANTOS, S. P. D.; COSTA, B. R. L.; ARAUJOA, R. M. O Consumo de Homens Homossexuais no Brasil e as Marcas de Grife . Caderno Profissional de Administração da UNIMEP, v. 7, n. 2, p. 41-61, 2017.
Citação APA:
Santos, S. P. D., Costa, B. R. L., & Araujoa, R. M. (2017). O Consumo de Homens Homossexuais no Brasil e as Marcas de Grife . Caderno Profissional de Administração da UNIMEP, 7(2), 41-61.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/48472/o-consumo-de-homens-homossexuais-no-brasil-e-as-marcas-de-grife-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BACCEGA, Maria Aparecida. Inter-relações comunicação e consumo na trama cultural: o papel do sujeito ativo. Animus: revista interamericana de comunicação midiática. Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Ciências Sociais e Humanas. Vol. VIII, n, 15 (jan-jun 2009). Santa Maria, NedMídia.

DE MELLO, Sérgio C Benício; FONSÊCA, Francisco Ricardo Bezerra. COMPREENDENDO O RELACIONAMENTO MARCA-CONSUMIDOR. Revista de Administração FACES Journal, v. 6, n. 1, 2007.

FRANÇA, Isadora Lins. Cada macaco no seu galho?: poder, identidade e segmentação de mercado no movimento homossexual. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 21, n. 60, p. 104-115, 2006. http://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v21n60/29763.pdf.

KOTLER, Philip. Administração de Marketing. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2000.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. A. Técnicas de Pesquisa. São Paulo: Atlas, 2006.

MASLOW, Abraham H. Motivation and personality. New York, Harper & Brothers, 1954.

SOUSA, Isa. Mercado é cego para potencial de consumo do público LGBT. Revista Exame, 18 ago. 2012. http://exame.abril.com.br/marketing/mercado-e-cego-para-potencial-deconsumo-do-publico-lgbt/.

AAKER, David. Marcas: “brand equity” gerenciando o valor da marca. São Paulo: Negócio Editora, 1998.

ABIT. Pesquisa de usos, hábitos e costumes do consumidor de vestuário. Publicado em: 2011.

ANDRADE, Diogo de Calasans Melo. A inserção social dos homossexuais nos padrões de consumo. 2008. www.diogocalasans.com/artigos/insercao.doc

BAUDRILLARD, Jean. O Sistema dos Objetos. São Paulo: Perspectiva, 1997.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: J. Zahar Ed. 2001.

BORGES, F. M.; LIMA, E. O Consumidor Saindo do Armário: o público gay e a mídia. L2 Pesquisas e Comunicação, 1999.

CHASIN, A. Selling Out: the gay & lesbian movement goes to market. New York: St. Martins Press, 2000.

CHURCHILL JR, Gilbert A; PETER, J. Paul. Marketing: criando valor para os clientes. São Paulo: Saraiva, 2000.

COBRA, Marcos; BREZZO, Roberto. O novo marketing. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

COMSCORE. Brazil Digital Future In Focus 2013: Principais Insights de 2012 e o que Eles Significam para o Novo Ano. [Apresentação em ppt]. Março, 2013.

COSTA, Barbara Regina Lopes. Manifestaciones consumeristas realizadas em lãs redes sociales: Evidencias de que lãs empresas desconocen lãs demandas de los consumidores del siglo 21. 2016. 299 f. Tese (Doutorado) – Universidad de la empresa facultad de ciências empresariales montevideo – Uruguay, Montevideo, 2016.

COSTA, Barbara Regina Lopes; MIRANDA JUNIOR, João Lucas. A visão do público heterossexual a respeito de marcas preferidas e/ou assumidas gays: Calvin Klein, Diesel, Sergio K. Bagoas-Estudos gays: gêneros e sexualidades, v. 10, n. 15, 2017.

COSTA, Barbara; JENSEN, Anelise. Marketing aplicado à gestão. São Paulo: Aymará, 2010.

DE ANDRADE, Hanrrikson. Segundo IBGE, 47,4% dos casais homossexuais se dizem católicos, 20,4% não têm religião. 2012. .

GARCIA LIMA, Paula. Moda, necessidade e consumo. Diseño en Palermo. V Encuentro Latinoamericano de Diseño 2010. Comunicaciones Académicas. Año V, Vol. 9, Julio 2010. Buenos Aires: Argentina. 264 p.

GAUGE (Brasil). Faces do Facebook. São Paulo, 2013. 207 slides, color, 26.67 x 15.00. Publicado em 16/02/2013. . Acesso em: 16 abr. 2013.

GIDDENS, Anthony. Modernidade e Identidade. Rio de Janeiro: Zahar Ed. 2002.

GOBÉ, M. A emoção das marcas: conectando marcas às pessoas. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

IBGE. Síntese de indicadores sociais - uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro, 2013.

KAPFERER, Jean-Noël. As marcas, capital da empresa: criar e desenvolver marcas fortes. Porto Alegre: Bookman, 2003.

KARSAKLIAN, Eliane. Comportamento do Consumidor. São Paulo: Editora Atlas, 2000.

MARTINS, L. B. A cidade Sai do Armário. Jornal do Brasil, Revista Programa, 8 de jun. p. 26-30. Rio de Janeiro, v. 17, n. 11, 2001.

MOCELLIM, Alan. A questão da identidade em Giddens e Bauman. Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC, v. 5, n. 1, 2008.

MUNIZ, Karlan Müller; MARCHETTI, Renato. Dimensões da personalidade da marca: análise da adequação da escala de Aaker (1997) ao contexto brasileiro. ANPAD 2005. .

NETO, Dario. Geração Y - Perfil, Motivadores e Relacionamento. 2012. Acesso em: 15 Nov. 2012.

NUSSBAUMER, Gisele Marchiori. Cultura e identidade gay: a diferença do múltiplo. In: Anais do XXIV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Campo Grande/MS, setembro. 2001.

PADULA, Willian Vasconcelos; COSTA, Barbara Regina Lopes. Perfil e comportamento do usuário/cliente diante de uma campanha viral. Iniciacom, v. 5, n. 1, 2013. http://portcom.intercom.org.br/revistas/index.php/iniciacom/article/view/1638. Acesso em: 25 mai. 2017.

PNAD – Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio.Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. IBGE _ Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Rio de Janeiro, v. 33, p. 1-133, 2013.

QUALMAN, Erik. Socialnomics: como as mídias sociais estão transformando a forma como vivemos e fazendo negócios. São Paulo: Saraiva, 2011.

SCRIVANO Roberta; SOBRIMA NETO, João. Potencial de compras LGBT é estimado em R$ 419 bilhões no Brasil. O Globo, 05/04/2015.

SIMÕES, Júlio Assis; FACCHINI, Regina. Na trilha do arco-íris: Do movimento homossexual ao LGBT. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2008.

STRUNK, G. Como criar identidade visual para marcas de sucesso: Um guia sobre marketing das marcas e como representar graficamente seus valores. Rio de Janeiro: Rio Books, 2001.

TAVARES, Mauro Calixta. Gestão de marcas: construindo marcas de valor. São Paulo: Harbra, 2008.

VIGITEL. Brasil 2013: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

VIVAN, Luiz Alberto. O consumo simbólico da marca: seu jogo de subjetividades, sensibilidades e emoções. Curitiba, 2006. . Acesso em: 24 mai. 2017.