Lan House: Instrumento de Lazer e Interação em Comunidades de Baixa Renda Outros Idiomas

ID:
48475
Resumo:
O presente estudo tem como objetivo investigar o papel da lan house em uma comunidade de baixa renda, buscando identificar as principais atividades que são realizadas no espaço em que o serviço é oferecido e compreender o que os frequentadores procuram encontrar neste local. Para atingir o objetivo proposto, optou-se por realizar um estudo exploratório, baseado em um estudo de caso realizado em uma lan house que funciona dentro de uma comunidade da cidade do Rio de Janeiro. Foram feitas entrevistas em profundidade com 28 frequentadores, os dois proprietários e um funcionário. Os resultados apontaram que a lan house tem um importante papel na inclusão digital na comunidade e funciona como um ponto de encontro entre os jovens. Além do aspecto utilitário oferecido pela lan house (como o acesso à internet), há o aspecto hedônico (diversão com jogos na internet e lugar para socialização).
Citação ABNT:
SCHULZE, M. F.; ARAUJO, F. F.; CHAUVEL, M. A.; SILVA, R. C. M.; ROCHA, A. R. C. Lan House: Instrumento de Lazer e Interação em Comunidades de Baixa Renda . Caderno Profissional de Administração da UNIMEP, v. 7, n. 2, p. 101-121, 2017.
Citação APA:
Schulze, M. F., Araujo, F. F., Chauvel, M. A., Silva, R. C. M., & Rocha, A. R. C. (2017). Lan House: Instrumento de Lazer e Interação em Comunidades de Baixa Renda . Caderno Profissional de Administração da UNIMEP, 7(2), 101-121.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/48475/lan-house--instrumento-de-lazer-e-interacao-em-comunidades-de-baixa-renda-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BOURDIEU, P. La Distinction: critique sociale du jugement. Paris: Les Éditions de Minuit, 1979.

BRAKUS, J. J.; SCHMITT, B. H.; ZARANTONELLO, L. Brand experience: What is it?How is it measured?Does it affect loyalty? Journal of Marketing, 73, 52-68, 2009.

BARROS, C. Jogando World of Warcraft na Lan da Periferia: Um Estudo sobre Formadores de Opinião e Trocas de Influências no Consumo de Produtos Culturais In: ENANPAD, 33, 2009. Anais. São Paulo: Anpad, 2009.

LÉVY, P. L’intelligence collective: pour une anthropologie du cyberspace. Paris: Libraire Les Éditions La Découverte, 1997.

AHUVIA, A. C. Beyond the extended self: loved objects and consumers' identity narratives. Journal of Consumer Research, v. 32, n. 1, p. 171-84. 2005.

ALMEIDA, M. A. B.; GUTIERREZ, G. L. O Lazer no Brasil: do nacional desenvolvimentismo à globalização. Conexões, v. 3, n. 1, p. 36-572, 2005.

ARAUJO, F. F.; CHAUVEL, M. A. Marketing de Cinema Francês no Brasil: Um estudo exploratório sobre as estratégias de promoção para o lançamento de filmes no mercado brasileiro. Revista FACEF Pesquisa - Desenvolvimento e Gestão, v. 15, n. 3, 2012.

ARAUJO, F. F.; ROCHA, A.; CHAUVEL, M. A.; SCHULZE, M. F. Meanings of leisure among young consumers of a Rio de Janeiro low-income community. Leisure Studies, v. 32, n. 3, p. 319-332, 2013.

BARBOSA, L. Sociedade de Consumo. Rio de Janeiro: Zahar, 2004.

BARROS, C.; ROCHA, E. Lógica de Consumo em grupos das camadas populares: uma visão antropológica de significados culturais. In: ENANPAD, 31, 2007. Anais. Rio de Janeiro: Anpad, 2007.

BELK, R. Possessions and the Extended Self. Journal of Consumer Research, vol. 15, n. 1, 1988.

CASTELLS, M. A sociedade em Rede. A era da informação: economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CASTILHOS, R. B. Subindo o Morro: consumo, posição social e distinção entre famílias e classes populares. In: ENANPAD, 31, 2007. Anais. Rio de Janeiro: Anpad, 2007.

CHAUVEL, M. A.; MATTOS, M. P. A. Z. Consumidores de baixa renda: uma revisão dos achados de estudos feitos no Brasil. Cadernos Ebape, v. 6, n. 2, 2008.

DUAILIBI, J.; BORSATO, C. Ela empurra o crescimento. IPSOS. São Paulo, abr. 2008. .

GUIDO, G.; CAPESTRO, M.; PELUSO, A. M. Experiential analysis of consumer stimulation and motivational states in shopping experiences. International Journal of Market Research, vol. 49, n. 3, 2007.

HABERMAS, J. A Inclusão do Outro: Estudos da Teoria Política. 2ª ed. São Paulo: Edições Loyola, 2004.

HOLBROOK, M. B.; HIRSCHMANN, E. C. The experiential aspects of consumption: consumer fantasies, feelings and fun. Journal of Consumer Research, n. 9. 1982.

LÉVY, P. As Tecnologias da Inteligência. Rio de Janeiro: Editora 34. 1993.

LIPOVETSKY, G. A. 2007. Felicidade Paradoxal. São Paulo: Companhia das Letras.

MACINNIS, D.; FOLKES, V. The disciplinary status of consumer behavior: a sociology of science perspective on key controversies. Journal of Consumer Research, vol. 36, n. 1, 2010.

MATTOSO, C. Q.; ROCHA, A. Significados associados às estratégias para solução de problemas financeiros dos consumidores pobres. In: ENANPAD, 29, 2005. Anais. Rio de Janeiro: Anpad, 2005.

PINE II, B.; GILMORE, J. H. Welcome to the experience economy. Harvard Business Review, n. July/August, 97-105, 1998.

ROCHA, E.; BARROS, C. F. Dimensões Culturais do Marketing: Teoria Antropológica, Estudos Etnográficos e Comportamento do Consumidor. In: ENANPAD, 28, 2004. Anais. Curitiba: Anpad, 2004.

SARTI, C. A. Família como espelho: um estudo sobre a moral dos pobres. Campinas: Ed. Autores Associados, 1996.

SCARABOTO, D.; ZILLES, F. P.; RODRIGUEZ, J. B.; KNY, M. A. Pequenos luxos, grandes prazeres - significados do consumo e valores dos consumidores de joalheria e vestuário de luxo. In: 1º Encontros de Marketing da Anpad, Rio de Janeiro, Anais, 1, 2006. Rio de Janeiro: ANPAD, 2006.

SCHMITT, B. H. Marketing Experimental. 1 ed. São Paulo: Nobel, 2001.

TASCHNER, B. G. Lazer, cultura e consumo. Revista de Administração de Empresas, n. outubro/dezembro, 2000.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e método. 3ª ed. Porto Alegre: Brookman, 2005.