Empoderamento e Gênero: Um Estudo com Mulheres que Ocupam Cargos de Gestão em uma Universidade Federal Outros Idiomas

ID:
48540
Resumo:
O empoderamento consiste basicamente em autonomia, como se fosse uma máquina pela qual as organizações ou até mesmo as pessoas tomam controle dos seus assuntos, destino, competências e habilidades. Tendo em vista o histórico de desigualdades entre mulheres e homens, este estudo objetivou analisar as relações de empoderamento de mulheres que ocupam cargos de gestão em uma universidade federal. Para tanto, optou-se pela pesquisa qualitativa com entrevistas com duas Pró-Reitoras. Os resultados indicam que essas gestoras se sentem empoderadas – embora, em um quadro de nove pró-reitorias, apenas quatro serem mulheres –, elas são livres para sugerir ideias aos superiores, estão seguras no cargo que exercem e acreditam que ter liderança e mostrar segurança é necessário para um bom funcionamento da equipe.
Citação ABNT:
FIALHO, C. B.; ROSA, ?. F.; GAI, M. J. P.; PAZ, A. F. N. Empoderamento e Gênero: Um Estudo com Mulheres que Ocupam Cargos de Gestão em uma Universidade Federal. Revista Administração em Diálogo, v. 20, n. 1, p. 1-24, 2018.
Citação APA:
Fialho, C. B., Rosa, ?. F., Gai, M. J. P., & Paz, A. F. N. (2018). Empoderamento e Gênero: Um Estudo com Mulheres que Ocupam Cargos de Gestão em uma Universidade Federal. Revista Administração em Diálogo, 20(1), 1-24.
DOI:
http://dx.doi.org/10.23925/2178-0080.2017v20i1.33452
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/48540/empoderamento-e-genero--um-estudo-com-mulheres-que-ocupam-cargos-de-gestao-em-uma-universidade-federal/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Agostinho, C. S., & Saboia, A. L. (2011). Indicadores sobre trabalho decente: uma contribuição para o debate da desigualdade de gênero. Rio de Janeiro: IBGE. Coordenação de População e Indicadores Sociais.

Albuquerque Jr. D. M. (2010). Máquina de fazer machos: gênero e práticas culturais, desafio para o encontro das diferenças. In: C. J. S. Machado, I. M. F. L. Santiago, & M. L. S. Nunes (Orgs). Gêneros e práticas culturais: desafios históricos e saberes interdisciplinares. Campina Grande: EDUEPB.

Bardin, L. (2006). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Borges, N. (2009). A Evolução Recente da Mulher no Mercado de Trabalho Brasileiro: perspectiva social e econômica (Trabalho de Conclusão de Curso). Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Bourdieu, P. (1989). O Poder Simbólico. São Paulo: Difusão Editorial.

Bourdieu, P. (2007). A dominação masculina(5. ed.). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Bruschini, C.; Lombardi, M. R. (1996). O trabalho da mulher brasileira nos primeiros anos da década de noventa. Anais do Encontro Nacional de Estudos Populacionais. Caxambu, MG, Brasil.

Bruschini, M. C. A. (2007). Trabalho e gênero no Brasil nos últimos dez anos. Cadernos de pesquisa, 37(132), 537-572.

Cappelle, M. (2006). O Trabalho Feminino No Policiamento operacional: Subjetividade, Relações de Poder e Gênero Na Oitava região da Polícia Militar de Minas Gerais. Belo Horizonte: Centro de Pós-Graduação e Pesquisas em Administração – Cepead.

Castells, M. (2008). O poder da identidade (6a. ed.). São Paulo: Paz e Terra.

Chizzotti, A. (2006). Pesquisa em ciências humanas e sociais (8a. ed.). São Paulo: Vozes.

Cruz, A. R. S. (2010). Mestras do sertão: a carreira docente de mulheres formadas pela Escola Normal de Feira de Santana entre 1930 e 1949. In: C. J. S. Machado, I. M. F. L. Santiago, & M. Machado, C. J. D. S., Santiago, I. M. F. L., & Nunes, M. L. D. S. (2010). Gêneros e práticas culturais: desafios históricos e saberes interdisciplinares. Campina Grande: EDUEPB.

Cunha, E. M. G. P. (2012). Brasil está reduzindo suas disparidades raciais? Anais do Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP, Águas de Lindóia, Brasil, 28.

Del Priore, M. (1993). Ao sul do corpo: condição feminina, maternidade e mentalidades no Brasil Colônia. Rio de Janeiro: Olympio.

Del Priore, M. (2010). História das crianças no Brasil (7a. ed.). São Paulo: Contexto.

Dutra, J. S. (2002). Gestão de pessoas: modelo, processos, tendências e perspectivas. São Paulo: Editora Atlas.

Felipe, M., Melo, M., Pinto, R., & Lopes, A. (2014). Empoderamento ou Violência Simbólica: Percepção de Mulheres Docentes em Cursos de Engenharia do CEFET-MG. Anais do Encontro de Estudos Organizacionais da ANPAD-EnEO, Gramado, RS, Brasil, 7.

Ferreirinha, I. M. N., & Raitz, T. R. (2010). As relações de poder em Michel Foucault: reflexões teóricas. Revista de Administração Pública-RAP, 44(2).

Figueiredo, L. (2001). Mulheres nas Minas Gerais: História das Mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto e Fundação Unesp.

Fischer, I.; Marques, F. (2001). Gênero e exclusão social. Revista Fundação Joaquim Nabuco, 113.

Fleury, M.; Fischer, R. (2010). Cultura e Poder nas Organizações (2a. ed.). São Paulo: Atlas.

Georges, I. (2008). Entre Vida Doméstica e Vida Profissional. Engenheiras no Brasil e na França. Rio de Janeiro: FGV.

Gil, A. (2002). Como elaborar um projeto de pesquisa. Ed. São Paulo: Atlas.

Herrenkohl, R. C., Judson, G. T., & Heffner, J. A. (1999). Defining and measuring employee empowerment. The Journal of Applied Behavioral Science, 35(3), 373-389.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Recuperado de http://www.ibge.gov.br/home/.

Kanan, L. A. (2010). Poder e liderança de mulheres nas organizações de trabalho. Organizações & Sociedade, 17(53), 243-257.

Kleba, M. (2005). Descentralização do sistema de saúde no Brasil: limites e possibilidades de uma estratégia para o empoderamento. (1a. ed.). Chapecó: Argos.

Krausz, R. (1991). Compartilhando o poder nas organizações. São Paulo: Nobel.

Lisboa, T. K. (2008). O empoderamento como estratégia de inclusão das mulheres nas políticas sociais. Anais do Seminário Internacional Fazendo Gênero: Corpo, Violência e Poder, Florianópolis, SC, Brasil, 8.

Machado, H. V. (2002). Identidade empreendedora de mulheres no Paraná. (Tese de doutorado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Marques, M. (2008). Administração pública – uma abordagem prática. Rio de Janeiro: Ferreira.

Martins, C. F. N. (2008). O Princípio da Eficiência na Administração Pública. Recuperado de http://egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/anexos/32602-39847-1-PB.pdf.

Matias-Pereira, J. (2012). Manual de gestão pública contemporânea. 4. ed. São Paulo: Editora Atlas.

Melo, M. de O. L. (2011). Mulheres de Sucesso em setores predominantemente masculinos de Belo Horizonte: além do teto de vidro na carreira gerencial. Belo Horizonte, (relatório de pesquisa).

Menezes, R. (2012). Feminilidades em Primeira Pessoa: Narrativas Plurais, Vivências Singulares de Mulheres nos “Negócios” (Tese de doutorado). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Metz, E. S. (2014). Gestão Feminina: a Presença das Mulheres na Liderança de Empresas. Ágora: Revista de Divulgação Científica, Universidade do Contestado.

Minayo, M. (1995). Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade (14a. ed.). Rio de Janeiro: Vozes.

Monteiro, H. M. D. R. (2015). Mulher, trabalho e identidade: relatos de mulheres em cargos de poder e prestígio sobre suas trajetórias profissionais (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Mosedale, S. (2005). Assessing women's empowerment: towards a conceptual framework. Journal of International Development, 17(2), 243-257.

Muraro, R., & Boff, L. (2002). Feminino e Masculino: uma nova consciência para o encontro das diferenças. (3a. ed.). Rio de Janeiro: Sextante.

Oliveira, L. (2012). “Teto de vidro”: Relações de Gênero, Relações de Poder e Empoderamento das Mulheres na Polícia Militar. Bahia: Programa de Pós-Graduação em Estudos Interdisciplinares Sobre Mulheres, Gênero e Feminismo. Organização das Nações Unidas. Mulheres, princípios de Empoderamento das Mulheres. Recuperado de http://www.onumulheres.org.br/referencias/principios-de-empoderamentodas-mulheres/.

Piovesan, F. (2011). Direitos humanos, civis e políticos: a conquista da cidadania feminina. In: L. L. Barsted, & J. Pitanguy. O Progresso das Mulheres no Brasil 2003–2010. Rio de Janeiro/ Brasília: Cepia/ ONU.

Prá, J. (2006). Políticas públicas, direitos humanos e capital social. Ijuí: Unijui.

Sacramento, W. (2008). Metodologia da pesquisa científica. Minas Gerais: Ufop

Saldanha, C. (2006). Gestão Pública. São Paulo: Saraiva.

Santos; M. S. C., Brandão, L. E. T., & Maia, V. T. (2015). Decisão de escolha de carreira no Brasil: uma abordagem por opções reais. Revista de Administração, 50(2), 141,152.

Scott, J. (1995). Gênero: uma Categoria Útil de Análise Histórica. Educação e Realidade. Recife: SOS Corpo.

Silva, A. P. D. (2010). Perfis das personagens mulheres da literatura brasileira de autoria feminina: dependência, vingança, solidão. In: C. J. S. Machado, I. M. F. L. Santiago, & M. L. S. Nunes (Orgs.). Gêneros e práticas culturais: desafios históricos e saberes interdisciplinares. Campina Grande, EDUEPB.

Steil, A. V. (1997). Organizações, Gênero e Posições Hierárquicascompreendendo o fenômeno do teto de vidro. Revista de Administração de Empresas, 32(3), 62-69.

Strey, M. (1997). O gênero e a escolha pessoal. Porto Alegre: PSICO-PUCRS.

Teixeira, A. B. M. (2010). “Magistério” do gênero: impactos da vida de discentes e docentes. In: C. J. S. Machado, I. M. F. L. Santiago, & M. L. S. Nunes (Orgs.). Gêneros e práticas culturais: desafios históricos e saberes interdisciplinares. Campina Grande: EDUEPB.

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

Vergara, S. (2005). Métodos de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas