Indicadores de Assimetria de Informação e Estrutura de Capital das Empresas Abertas no Brasil Outros Idiomas

ID:
48620
Resumo:
Objetivo: - Este estudo teve como objetivo analisar a variação dos indicadores de assimetria de informação das empresas abertas no Brasil de acordo com sua estrutura de capital. Fundamento: - Abordou-se um referencial teórico acerca da mensuração da assimetria da informação e da estrutura de capital, destacando-se duas teorias: Trade-Off e Pecking Order. Método: - Foram coletados dados de 211 companhias não financeiras que negociaram ações na Brasil, Bolsa e Balcão (B3) no período de 2010 a 2014. Para tanto, analisou-se a diferença das médias por meio do teste de Kruskal-Wallis e a associação dos indicadores de assimetria com o endividamento das empresas por meio de uma regressão com dados em painel e efeitos fixos. Resultados: - Os principais resultados mostraram que: (i) em média a dívida de longo prazo é maior em relação à dívida de curto prazo; (ii) os indicadores de assimetria Market-to-book, Beta e Volatilidade apresentaram médias maiores no grupo de empresas com maior endividamento de curto prazo; (iii) os indicadores Retorno Anormal, ADR e Governança Corporativa apresentaram médias maiores no grupo de empresas com maior endividamento de longo prazo; e (iv) a maior parte dos indicadores de assimetria apresentou associação negativa com o endividamento total das empresas. Contribuições: - Nossas evidências revelam que os indicadores de assimetria de informação que habitualmente são utilizados na literatura de finanças se associam negativamente e diferem significativamente de acordo com o nível de endividamento das empresas.
Citação ABNT:
CORREIA, T. S.; SILVA, M. N. F.; MARTINS, O. S. Indicadores de Assimetria de Informação e Estrutura de Capital das Empresas Abertas no Brasil . Revista Evidenciação Contábil & Finanças, v. 6, n. 1, p. 24-42, 2018.
Citação APA:
Correia, T. S., Silva, M. N. F., & Martins, O. S. (2018). Indicadores de Assimetria de Informação e Estrutura de Capital das Empresas Abertas no Brasil . Revista Evidenciação Contábil & Finanças, 6(1), 24-42.
DOI:
10.18405/recfin20180102
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/48620/indicadores-de-assimetria-de-informacao-e-estrutura-de-capital-das-empresas-abertas-no-brasil--/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Akerlof, G. (1970). The Market for “Lemons”: Quality and the Market Mechanism. Quarterly Journal of Economics, p. 84.

Albanez, T., & Valle, M. R. (2009). Impactos da assimetria de informação na estrutura de capital de empresas brasileira. Revista Contabilidade & Finanças, 20(51), p. 6-27.

Albanez, T., Valle, M. R., & Corrar, L. J. (2012). Fatores institucionais e assimetria Informacional: influência na estrutura de capital de empresas brasileiras. RAM, Rev. Adm. Mackenzie, 13(2), p. 76-105.

Almeida, J. E. F., Lopes, A. B., & Corrar, L. J. (2011). Gerenciamento de Resultados para Sustentar a Expectativa do Mercado de Capitais: Impactos no Índice Market-To-Book. Advances in Scientific and Applied Accounting. 4(1), p. 44-62.

Balassiano, M. (2012). Estrutura de propriedade e teoria da agência: um estudo de empresas brasileiras e seus diferentes tipos de controladores. Dissertação (Mestrado em Administração) – Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro.

Bastos, D. D., & Nakamura, W. T. (2009). Determinantes da estrutura de capital das companhias abertas no Brasil, México e Chile no período 2001-2006. Revista Contabilidade & Finanças, 20(50), p. 75-94.

Belo, N. M., & Brasil, H. G. (2006). Assimetria informacional e eficiência semiforte de mercado. RAE, Edição especial Minas Gerias, 46, p. 48-57.

Bharath, S. T., P. Pasquariello, & G. Wu. (2009). 09 (. T., P. Pasquarie e eficDrive Capital Structure Decisions?ciReview of Financial Studies, 22(8), p. 3211(8), Brasil, Decreto Nº 6.654, de 20 de novembro de 2008. Recuperado em 22 de julho de 2015 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Decreto/D6654.htm

Bonacim, C. A. G., Gaio, L. E., & Ambrozini, M. A. (2009). Alavancagem financeira e tangibilidade dos ativos das empresas brasileiras do agronegócio no período pós-plano real. Custos e @gronegócio, 5(2), p.15-31.

Bosse, D. A., & Phillips, R. A. (2016). Agency Theory and Bounded Self-Interest. Academy of Management Review, 41(2), p. 276-297.

Brito, G. A. S., Corrar, L. J., & Batistella, F. (2007). Fatores determinantes da estrutura de capital das maiores empresas que atuam no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças, 43, p. 9-19.

Brown, S. J., & Warner, J. B. (1985). Using Daily Stock Returns: The case of event studies. Journal of Financial Economics, 14, p. 3-31.

Brunetti, L. (2010). Assimetria de informação no mercado brasileiro de saúde complementar: testando a eficiência dos planos de com seguro. Dissertação (Mestrado em Economia Aplicada) – Universidade de São Paulo, Piracicaba.

Camargos, M.A., & Barbosa, F. V. (2003). Teoria e evidência da eficiência informacional do mercado de capitais brasileiro. Caderno de Pesquisas em Administração, São Paulo, 10(1).

Camargos, M. A., Gomes, G. D., & Barbosa, F.V. (2003). Integração de mercados e arbitragem com títulos transfronteiriços: adrs – american depositary receipts. Caderno de Pesquisas em Administração, São Paulo, 10(2), p. 51-67.

Camargos, M. A., Gomes, G. D., & Barbosa, F. V. (2006). Eficiência informacional do mercado de capitais brasileiro pós-Plano Real: um estudo de eventos dos anúncios de fusões e aquisições. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, 41(1), p. 43-58.

Clarke, J., & Shastri, K. (2000). On information asymmetry metrics.Working Paper.

Coutinho, E. S., Amaral, H. F., & Bertucci, L. A. (2006). O impacto da estrutura de propriedade no valor de mercado de empresas brasileiras. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, 41(2), p. 197-207.

Damodaran, A. (2001). Corporate Finance: theory and practice. 2. ed. New York: John Wiley.

Dantas, R. F., & Desouza, S. A. (2008). Modelo de risco e decisão de crédito baseado em estrutura de capital com informação assimétrica. Pesquisa Operacional, 28(2), p. 263-284.

David, M., Nakamura, W. T., & Bastos, D. D. (2009). Estudo dos modelos trade-off e pecking Order para as variáveis endividamento e payout em empresas brasileiras (2000-2006). Ram – revista de administração mackenzie, 10(6), p. 132-153.

Denardin, A. A. (2007). Assimetria de informação, intermediação financeira e o mecanismo de transmissão da política monetária: evidências teóricas e empíricas para o canal do empréstimo bancário no Brasil (1995-2006). Tese (Doutorado em Economia) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Eisenhardt, K. M. (1989). Agency Theory: an assessment and review. The Academy of Management Review, 14(1), p. 57-74.

Frank, M. Z., & Goyal, V. K. (2007). Trade-off and Pecking Order Theories of Debt. Journal of Financial Economics, 85.

Garcia, F. G. (1997). Verificação da existência de assimetria de informação no processo de emissão de ações no mercado brasileiro. EAESP/FGV/NPP Núcleo de Pesquisas e Publicações, relatório de pesquisa, 28.

Girão, L. F. A. P., Martins, O. S., & Paulo, E. (2013). Avaliação de empresas e probabilidade de negociação com informação privilegiada no mercado brasileiro de capitais. Revista de Administração da USP (RAUSP), 49(3), p. 462-475.

Gomes, G. L. (1999). Determinantes da estrutura de capitais das empresas brasileiras com ações negociadas em bolsas de valores. Dissertação (Mestrado em Administração), COPPEAD, UFRJ.

Iquiapaza, R. A., Amaral, H. F., Lage, P. P. C., & Bertucci, L. A. (2009). Informação dos Insiders e seu Efeito sobre os Preços em duas Formas de Emissão de Ações na Bovespa. Revista Contabilidade Vista & Revista, 20(2), p. 15-37.

Jensen, M. C., & Meckling, W. H. (1976). Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, 3(4), p. 305-360.

Jorge, S., & Armada, M. J. R. (2001). Factores Determinantes do Endividamento: uma Análise em Painel. RAC, 5(2), p. 09-31.

Lanzana, A. P. (2004). Relação entre disclosure e governança corporativa das empresas brasileiras. Dissertação (Mestrado em Administração) – Faculdade de Economia e Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Lima, E. C. P. (1997). Privatização e desempenho econômico: teoria e evidência empírica (Texto para discussão, n. 532). Brasília, DF: IPEA. Recuperado em 03 de fevereiro de 2015 de http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/2390

Marcon, R. (2002). O custo de capital próprio das empresas brasileiras – O Caso dos American Depositary Receipts (ADRs). Tese. (Doutorado em Engenharia de Produção) Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina: Florianópolis.

Martins, O. S., & Paulo, E. (2014). Assimetria de Informação na Negociação de Ações, Características Econômico-Financeiras e Governança Corporativa no Mercado Acionário Brasileiro. Revista Contabilidade & Finanças, 25(64), p. 33-45.

Medeiros, N. C. D. (2013). Estrutura de capital e assimetria de Informação: um estudo em empresas brasileiras de capital aberto dos setores têxtil e de energia elétrica. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal de Lavras.

Medeiros, O. R., & Daher, C. (2008). Testando Teorias Alternativas sobre a Estrutura de Capital nas Empresas Brasileiras. RAC, 12(1), p. 177-199.

Modigliani, F., & Miller, M. (1958). The cost of capital, corporate finance, and the theory of investment. American Economic Review, 48, p. 261-297.

Modigliani, F., & Miller, M. (1963). Corporate income taxes and cost of capital: a correction. American Economic Review, 53(3), p. 433-443.

Moreiras, L. M. F. (2010). Os efeitos da governança corporativa sobre a informação assimétrica. 152f. Tese (Doutorado e Administração). Fundação Getúlio Vargas, São Paulo.

Murcia, F. D., Souza, F. C., Dill, R. P., & Junior, N. C. A. C. (2011). Impacto do nível de disclosure corporativo na volatilidade das ações de companhias abertas no Brasil. Revista de Economia e Administração, 10(2), p. 196-218.

Myers, S. (1984). The capital structure puzzle.The Journal of Finance, 39(3), p. 575-592.

Myers, S. C. (2001). Capital structure.The Journal of Economic Perspectives, 15(2), p. 81-102.

Myers, S. C., & Majluf, N. S. (1984). Corporate financing and investment decisions when firms have information that investors do not have. Journal of Financial Economics, 13(2), p. 197-221.

Nicholson, W., & Snyder, C. (2008). Microeconomic theory: basic principles and extensions. 10 th. Ed. Thomson Higher Education, Natorp Boulevard Mason, USA.

Pires, C.O., & Macagnan, C. (2013). Governança corporativa e assimetria de Informação: uma revisão desta relação. Revista Brasileira de Administração Científica, 4(4), p. 80-94.

Procianoy, J., & Verdi, R. (2009). Adesão aos Novos Mercados da BOVESPA: Novo Mercado, Nível 1 e Nível 2 –Determinantes e Consequências. Revista Brasileira de Finanças, 7(1), p. 107-136.

Ripamonti, A., & Kayo, E. K. (2016). Corporate Governance And Capital Structure In Brazil: Stock, Bonds And Substitution. Revista de Administração Mackenzie (Online), 17, p. 85-109.

Sakamoto, F. A. (2011). A diferença de preços entre adrs e ações de empresas Brasileiras como oportunidade de arbitragem. Finanças Aplicadas, 1, p. 1-14.

Salehi, M.; Rostami,V.; & Hesari, H. (2014). The Role of Information Asymmetry in Financing Methods. Managing Global Transitions, 12(1), p. 43–54.

Silva, L. S. A., & Quelhas, O. L. (2006). Sustentabilidade Empresarial e o Impacto no Custo de Capital Próprio das Empresas de Capital Aberto. Gestão & Produção, 13(3), p. 385-395.

Silveira, A. D. M., Perobelli, F. F. C., & Barros, L. A. B. C. (2008). Governança Corporativa e os Determinantes da Estrutura de Capital: Evidências Empíricas no Brasil. RAC, 12(3), p. 763-788.

Williamson, O, E. (1992). Markets, hierarchies, and the modern corporation. Journal of Economic Behavior and Organization, 17(3), p. 335-352.