Lobbying na Regulação Contábil: Um Estudo Bibliométrico nos Principais Periódicos Internacionais no Período de 2002 a 20151 Outros Idiomas

ID:
48622
Resumo:
Objetivo: Diante da influência existente no processo de elaboração, edição e emissão de normas contábeis, o principal objetivo desse estudo foi analisar o nível de consonância entre as pesquisas científicas sobre a atividade de lobbying na regulação contábil, presente nos principais periódicos internacionais, no período de 2002 a 2015. Fundamento: - Pesquisadores como Leuz & Wysocki (2008); Bushman & Landsman (2010); Kothari, Ramanna, & Skinner (2010) e Carmo (2014) certificam que pesquisas sobre os fatores que influenciam a regulação contábil nos mercados globais e pesquisas sobre as forças políticas que afetam o processo regulatório são escassas e pouco exploradas. Diante disso, torna-se fundamental analisar os estudos que abordaram sobre o tema, a partir de indicadores de desempenho bibliométricos, úteis para a avaliação das pesquisas acadêmicas. Assim sendo, este estudo possui duas vertentes: bibliométricadescritiva e epistemológica-descritiva. Método: - A pesquisa foi realizada com base no método Systematic Search Flow, com a busca dos estudos científicos nos principais periódicos internacionais, publicados nas plataformas Scopus, Web of Science, Scielo e ProQuest, utilizando as palavras chaves “Lobby”, “Lobbying” e “Accounting”, no período de 2002 a 2015 e com os idiomas em inglês e português. Em seguida, houve uma estratificação, excluindo os artigos duplicados das plataformas e os que não se referiam a lobby/lobbying no âmbito da regulação contábil, obtendo-se uma amostra com 43 artigos. Resultados: - Os principais resultados identificados estão segregados em duas categorias. A primeira trata de uma análise geral com as seguintes conclusões: O maior número de publicações foi realizado em 2015; o Reino Unido é o país com a maior quantidade de publicação sobre o tema; O autor Georgiou G. publicou a maior quantidade de artigos; e, “Accounting, Auditing and Accountability Journal” foi o periódico mais publicado. A segunda categoria dos resultados trata da análise textual, concluindo que “Lobbying” é a palavra-chave mais utilizada; a metodologia predominante foi a análise de cartas comentários; o estudo de Sutton (1984) destacou-se por ter sido o mais referenciado; e o principal resultado dentre os estudos expõe que as grandes empresas tendem a liderar o lobbying sobre a regulação contábil, visando influenciar o normatizador com o propósito de obter uma norma que atenda aos seus interesses. Contribuições: - Os pesquisadores podem utilizar esta pesquisa como uma fonte confiável do estado da arte sobre a participação e influência na regulação contábil, no período de 2002 a 2015, extraídas dos principais periódicos internacionais. Além disso, o estudo também dispõe de contribuições para os normatizadores, de forma que possam identificar os principais métodos de lobbying utilizados pelas partes interessadas no processo normativo contábil.
Citação ABNT:
AZEVEDO, E. P. R. S.; LIMA, A. C. S.; TAVARES, M. F. N.; RODRIGUES, R. N. Lobbying na Regulação Contábil: Um Estudo Bibliométrico nos Principais Periódicos Internacionais no Período de 2002 a 20151 . Revista Evidenciação Contábil & Finanças, v. 6, n. 1, p. 62-82, 2018.
Citação APA:
Azevedo, E. P. R. S., Lima, A. C. S., Tavares, M. F. N., & Rodrigues, R. N. (2018). Lobbying na Regulação Contábil: Um Estudo Bibliométrico nos Principais Periódicos Internacionais no Período de 2002 a 20151 . Revista Evidenciação Contábil & Finanças, 6(1), 62-82.
DOI:
10.18405/recfin20180104
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/48622/lobbying-na-regulacao-contabil--um-estudo-bibliometrico-nos-principais-periodicos-internacionais-no-periodo-de-2002-a-20151-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
PERÍCIA Silva, D. M. da, Tavares, M. F. N., Anjos, L. C. M. dos, Lopes, C. C. V. de M., & Silva, W. B. da. (2015, July). Lobby Brasileiro: Análise do Perfil das Empresas que enviaram Comment Letters ao IASB. XII Congresso USP Iniciação Científica Em Contabilidade. São Paulo.

Baldwin, R., Cave, M., & Lodge, M. (2012). Understanding Regulation. 2ª ed. New York: Oxford University Press.

Becker, G. S. (1983). A theory of competition among pressure grupos for political influence. The Quarterly Journal of Economics. Vol 98, No. 3, p. 371–400.

Bushman, R., & Landsman, W. R. (2010). The pros and cons of regulating corporate reporting: A critical review of the arguments. Accounting and Business Research. Vol. 40, No. 3, pp. 259–273. https://doi.org/10.1080/00014788.2010.9663400

Cardoso, R. L., Pereira, C. A., & Guerrero, R. (2004). A produção acadêmica em custos no âmbito do EnANPAD: uma análise de 1998 a 2003. In: Encontro Anual da EnANPAD. Curitiba: EnANPAD.

Cardoso, R. L., Saravia, E., Tenório, F. G., & Silva, M. A. (2009). Regulação da contabilidade: teorias e análise da convergência dos padrões contábeis brasileiros aos IFRS. Revista de Administração Pública. Vol. 43, No. 4, p. 773–799. https://doi.org/10.1590/S0034-76122009000400003

Carmo, C. H. S. (2014). Lobbying na regulação contábil internacional: uma análise do processo de elaboração da norma sobre reconhecimento de receitas. Universidade de São Paulo. Universidade de São Paulo, São Paulo. https://doi.org/10.11606/T.12.2014.tde-14072014-185506

Carmo, C. H. S. Do, Ribeiro, A. M., Carvalho, L. N. G. De, & Sasso, R. D. C. (2012). Regulação Contábil Internacional, Interesse Público Ou Grupos De Interesse? Um Teste Empírico. XXXVI Encontro da Anpad, p. 1–16.

Carmo, C. H. S., Ribeiro, A. M., & Carvalho, L. N. G. (2016). Lobbying na Regulação Contábil: Desenvolvimentos Teóricos e Pesquisas Empíricas. Revista Universo Contábil. Vol. 12, No. 2, pp. 59–79. https://doi.org/10.4270/ruc.2016214

Durocher, S., Fortin, A., & Côté, L. (2007). Users’ participation in the accounting standard-setting process: A theory-building study. Accounting, Organizations and Society. Vol. 32(1–2), p. 29-59. https://doi.org/10.1016/j.aos.2006.03.004

Emerald Publishing. (2017). Accounting, Auditing & Accountability Journal. Aims and Scope. Recuperado em 23 de agosto de 2017, de http://emeraldgrouppublishing.com/products/journals/journals.htm?id=aaaj

Farhat, S. (2007). Lobby, o que é, como se faz: ética e transparência na representação junto a governos. São Paulo: Aberje Editorial/Peirópolis.

Ferenhof, H. A., & Fernandes, R. F. (2016). Passo-a-passo para construção da Revisão Sistemática e Bibliometria Utilizando a ferramenta Endnote. https://doi.org/10.13140/RG.2.1.3296.2960

Fiani, R. (1998). Teoria da Regulação Econômica: Estado Atual e Perspectivas Futuras. Rio de Janeiro:

Georgiou, G. (2004). Corporate Lobbying on Accounting Standards: Methods, Timing and Perceived Effectiveness. Abacus. Vol. 40, Issues 2, p. 219–237. https://doi.org/10.1111/j.14676281.2004.00152.x

Godfrey, J., Hodgson, A., Holmes, S., & Tarca, A (2006). Accounting theory. 6ª ed. New York: John Wiley & Sons, Inc. Hansen, T. B. (2011).

Hülle, J., Kaspar, R., & Möller, K. (2011). Multiple Criteria Decision-Making in Management Accounting and Control-State of the Art and Research Perspectives Based on a Bibliometric Study. Journal of Multi-Criteria Decision Analysis. Vol. 18, Issues 5-6, p. 253-265. https://doi.org/10.1002/mcda

IE/UFRJ, 30 p. Flower, J. (2002). Global Financial Reporting. New York: Palgrave.

Ikuno, L. M., & Niyama, J. K. (2015). Uma Análise Epistemológica das Pesquisas em Contabilidade Internacional: Um Estudo Em Periódicos Internacionais De Língua Inglesa. Revista Ambiente Contábil. Vol. 7, n. 1, p. 109–131.

Jensen, M. C., & Meckling, W. H. (1976). Theory of the firm: Managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics. Volume 3, Issue 4, p. 305-360. https://doi.org/10.1016/0304-405X(76)90026-X

Kothari, S. P., Ramanna, K., & Skinner, D. J. (2010). Implications for GAAP from an analysis of positive research in accounting. Journal of Accounting and Economics. Vol. 50, Issues (2–3), pp. 246-286. https://doi.org/10.1016/j.jacceco.2010.09.003

KPMG. (2016). IFRS 15 Receitas. Recuperado em 23 de agosto de 2016, de https://assets.kpmg.com/content/dam/kpmg/br/pdf/2016/10/br-ifrs-em-destaque-03-16.pdf

Leite Filho, G. A. (2008). Padrões de produtividade de autores em periódicos e congressos na área de contabilidade no Brasil: um estudo bibliométrico. Revista de Administração Contemporânea. Vol. 12, No. 2, p. 533–554. https://doi.org/10.1590/S1415-65552008000200011

Leuz, C., & Wysocki, P. (2008). Economic consequences of financial reporting and disclosure regulation: A review and suggestions for future research. The CPA Journal. Vol. 79, No. 10. https://doi.org/10.2139/ssrn.1105398

Lindahl, F. W. (1987). Accounting standards and Olson’s theory of collective action. Journal of Accounting and Public Policy. Vol. 6, Issue 1, p. 59–72. https://doi.org/10.1016/02784254(87)90005-6

Lobbying of the IASB: An Empirical Investigation. Journal of International Accounting Research. Vol. 10, No. 2, p. 57–75. https://doi.org/10.2308/jiar-10078

Lodi, J. B. (1986). Lobby, os grupos de pressão. (Biblioteca Pioneira, 1ª ed. São Paulo: Biblioteca Pioneira.

Meyer, J. W., & Rowan, B. (1977). Institutionalized Organizations: Formal Structure as Myth and Ceremony. American Journal of Sociology. Vol. 83, No. 2, p. 340-363.

Morais dos Santos, O., & dos Santos, A. (2014). Lobbying na Regulação Contábil: Evidências do Setor Petrolífero. Revista Contabilidade & Finanças. Vol. 25, No. 65, p. 124–144. https://doi.org/10.1590/S1519-70772014000200004

Nascimento, A. R. do, Santos, A. dos, Salotti, B. M., & Murcia, F. D.-R. (2009). Disclosure social e ambiental: Análise das pesquisas científicas veiculadas em periódicos de língua inglesa. Contabilidade Vista & Revista. Vol. 20, No. 1, p. 15–40. Retrieved from http://web.face.ufmg.br/face/revista/index.php/contabilidadevistaerevista/article/view/572

Olson, M. (1965). The Logic of Collective Action: Public Goods and the Theory of Groups. (H. E. Studies, Ed.), Public goods and the theory of groups (Volume CXX). Londres: Harvard University Press. https://doi.org/10.1007/978-3-319-20451-2_32

Ordelheide, D. (2004). The Politics of Accounting: A Framework. In The Economics and Politics of Accounting: International Perspectives on Trends, Policy, and Practice (p. 269–284). Oxford: Oxford University. https://doi.org/10.1093/0199260621.003.0011

Peltzman, S. (1976). Toward a More General Theory of Regulation. The Journal of Law and Economics. Vol. 19, No. 2, p. 211–240. https://doi.org/10.1086/466865

Pigou, A. C. (1932). The Economics of Welfare. 4ª ed. Londin: Macmillan. https://doi.org/10.1093/library/s5-XVII.3.238

Posner, R. A. (1974). Theories of Economic Regulation. The Bell Journal of Economics and Management Science. Vol. 5, No. 2, 335–358. https://doi.org/10.2307/3003113

Prather-Kinsey, J. J., & Rueschhoff, N. G. (2004). An Analysis of International Accounting Research in U.S.and Non-U.S.-Based Academic Accounting Journals. Journal of International Accounting Research. Vol. 3, No. 1, p. 63–81. https://doi.org/10.2308/jiar.2004.3.1.63

PWC PriceWarterhouseCoopers. (2017). IFRS Tempo de Mudança: O que os Comitês de Auditoria precisam saber sobre as mudanças contábeis decorrentes da adoção do IFRS. Recuperado em 23 de agosto de 2017, de https://www.pwc.com.br/pt/estudos/servicos/auditoria/2017/F221_Tempos_de_mudanca_17. pdf

Riahu-Belkaoui, A. (2004). Accounting Theory (Fifth Edit). Chicago: Thomson Learning.

Roza, M. C. da, Machado, D. G., & Quintana, A. C. (2011). Análise bibliométrica da produção científica sobre contabilidade pública no encontro de administração pública e governança e na revista de administração pública, no período 2004-2009. Contexto. Vol 11, No. 20, p. 59–72.

Schaltegger, S., Gibassier, D., & Zvezdov, D. (2013). Is environmental management accounting a discipline? A bibliometric literature review. Meditari Accountancy Research. Vol. 21, No. 1, pp. 4–31. https://doi.org/10.1108/MEDAR-12-2012-0039

Schmitz, T., Dos Santos, V., Dallabona, L. F., Truppel, E. K., & Truppel, L. (2013). Perícia Contábil: Análise Bibliométrica e Sociométrica em Periódicos e Congressos Nacionais no Período de 2007 a 2011. Revista Catarinense Da Ciência Contábil. Vol. 12, No. 37, p. 64–79. https://doi.org/http://dx.doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v12n37p64-79

Splitter, K. (2012, July). Genealogia Dos Trabalhos Bibliométricos Em Contabilidade. 12o Congresso

Stigler, G. J. (1971). The Theory of Economic Regulation. The Bell Journal of Economic and Management Science. Vol. 2, No. 1, p. 3–21. https://doi.org/10.2307/3003160

Sutton, T. G. (1984). Lobbying of Accounting Standards-Setting Bodies in the U.K. and the U.S.A.: A Downsian Analysis. Accounting, Organizations and Society. Vol. 9, No. 1, p. 81–95.

Tavares, M. F. N. (2016, April). Fatores Determinantes do Sucesso de Lobbying na Norma de Receitas: análise das etapas mais prováveis de influência sobre os Boards. Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Retrieved from: http://repositorio.unb.br/handle/10482/21298

Tavares, M. F. N., Marques dos Anjos, L. C., & Paulo, E. (2014). Contribuições enviadas ao IASB/FASB referentes à Revisão do Draft de Reconhecimento de Receitas. Contextus Revista Contemporânea de Economia E Gestão. Vol. 12, No. 3, p. 35–63.

Uysal, Ö. Ö. (2010). Business ethics research with an accounting focus: A bibliometric analysis from 1988 to 2007. Journal of Business Ethics. Vol. 93, No. 1, p. 137–160. https://doi.org/10.1007/s10551009-0187-9

Watts, R. L., & Zimmerman, J. L. (1978). Towards a Positive Theory f the Determination of Accounting Standards. The Accouting Review. Vol. 53, No. 1, p. 112–134.

Watts, R. L., & Zimmerman, J. L. (1986). Positive Accountig Theory. 1a ed. Prentice Hall.

Zeff, S. A. (2002). “Political” Lobbying on Proposed Standards: A Challenge to the IASB. Accounting Horizons. Vol. 16, No. 1, p. 43–54. https://doi.org/10.2308/acch.2002.16.1.43

Zerk, J. A. (2006). Multinationals and Corporate Social Responsibility. New York: Cambridge University Press.