Abordagens Teóricas de Tecnologia Social no Brasil Outros Idiomas

ID:
48636
Resumo:
Cada vez mais as Tecnologias Sociais (TS) têm sido consideradas estratégicas para o desenvolvimento social no Brasil. Diante do esforço que tem sido feito atualmente na busca por um marco conceitual e analítico das TS, esse trabalho buscou mapear as concepções teóricas hoje existentes no contexto brasileiro. Para isso, foi utilizado a bibliometria como procedimento metodológico em três diferentes fases de análise. Na primeira análise foi possível concluir que existem duas visões sobre TS atualmente. As duas outras análises corroboraram as conclusões da primeira e mostrou que muito do que é discutido atualmente relaciona-se a uma ou outra visão. A primeira visão trata das TS como práticas que proporcionam transformações sociais em uma comunidade a partir da ação da própria comunidade, já a segunda trata as TS como artefatos geradores de mudanças sociais. Essas duas visões permearam as conceituações existentes nos trabalhos analisados, sendo que uma TS pode ser compreendida como TS quando gera transformações sociais condizentes com as aspirações da própria comunidade beneficiada.
Citação ABNT:
DUQUE, T. O.; VALADÃO, J. A. D. Abordagens Teóricas de Tecnologia Social no Brasil . Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v. 11, n. 5, p. 1-19, 2017.
Citação APA:
Duque, T. O., & Valadão, J. A. D. (2017). Abordagens Teóricas de Tecnologia Social no Brasil . Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 11(5), 1-19.
DOI:
http://dx.doi.org/10.12712/rpca.v11i5.962
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/48636/abordagens-teoricas-de-tecnologia-social-no-brasil-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABRANTES, P. As transições entre ciclos de ensino: entre problema social e objecto sociológico. Interações, n. 1, p. 25-53, 2005.

AKUBUE, A. Appropriate technology for socioeconomic development in third world countries. Ejournals, winter-spring, 2000. Disponível em: Acesso em: 22 jul. 2011

ALBUQUERQUE, Lynaldo Cavalcanti de. Tecnologias Sociais ou Tecnologias Apropriadas?O Resgate de um Termo. In: OTTERLOO, Aldalice. [et al.] orgs. Tecnologias Sociais: caminhos para a sustentabilidade. Brasília: RTS, 2009. p. 14-23.

ALVES, N.; CANÁRIO, R. Escola e exclusão social: das promessas às incertezas. Análise Social, v. 38, p. 981-1010, 2004.

ANDRADE, J. A.; VALADÃO, J. A. D. Análise da instrumentação da ação pública a partir da teoria do ator-rede: tecnologia social e a educação no campo em Rondônia. Revista de Administração Pública, v. 51, n. 3, 2017.

ARAÚJO, C. A. Bibliometria: evolução história e questões atuais. Em Questão, v. 12, n. 1, p. 11-32, 2006.

AYRES, J. R. C. M. Cuidado e reconstrução das práticas de saúde. Interface, v. 8, n. 14, p. 73-92, 2004.

BAVA, S. C. Tecnologia social e desenvolvimento local: tecnologia social: uma estratégia para o desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundação Banco do Brasil, 2004. p. 103-116.

BIGNETTI, L. P. As inovações sociais: uma incursão por ideias, tendências e focos de pesquisa. Ciências Sociais Unisinos, v. 47, n. 1, p. 3-14, 2011.

BURGESS, J.; GREEN, J. YouTube e a revolução digital. São Paulo: Aleph, 2009.

CANÇADO, A. C.; TENÓRIO, F. G.; PEREIRA, J. R. Gestão social: reflexões teóricas e conceituais. Cadernos EBAPE.BR, v. 9, n. 3, p. 681-703, 2011.

CAPRA, Fritjof. Ponto de Mutação. São Paulo: Cultrix, 2006.

CHRISPINO, A.; SANTOS, T. C. Política de ensino para a prevenção da violência: técnicas de ensino que podem contribuir para a diminuição da violência escolar. Ensaio, v. 19, n. 70, 2011. Disponível em: . Acesso em: 1 maio 2011.

COSTA, A. B. Tecnologia social e políticas públicas. Brasília: Fundação Banco do Brasil, 2013.

DAGNINO, R. A tecnologia social e seus desafios: tecnologia social: uma estratégia para o desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundação Banco do Brasil, 2004. p. 187-210.

DAGNINO, R.; BRANDAO, F. C.; NOVAES, H. T. Sobre o marco analítico-conceitual da tecnologia social: tecnologia social: uma estratégia para o desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundação Banco do Brasil, 2004. p. 15-64.

DAGNINO, R. et al. Tecnologia social: ferramenta para construir outra sociedade. Campinas: Unicamp, 2009.

DAGNINO, R. O envolvimento da FBB com políticas públicas em tecnologia social: mais um momento de viragem. In: COSTA, A. B. Tecnologia social e políticas públicas. São Paulo: Fundação Banco do Brasil. 2013. p. 247-274.

DIAS, R. D. B. O que é a política científica e tecnológica. Sociologias, v. 13, n. 28, p. 316-344, 2012.

FONSECA, R.; SERAFIM, M. A Tecnologia Social e seus arranjos institucionais. In: DAGNINO, Renato. (Org.). Tecnologia Social: Ferramenta para construir outra sociedade. SP: IG/UNICAMP, 2009. p. 139-153.

FREITAS, Cesar C. G.; SEGATTO, Andrea. P. Ciência, tecnologia e sociedade pelo olhar da tecnologia social: um estudo a partir da teoria crítica da tecnologia. Cadernos Ebape., v. 12, n. 2, p. 302320, 2014.

GARCIA, R. M. Tecnologia Apropriada: amiga ou inimiga oculta? Revista de Administração de Empresas, v. 27, n. 3, p. 26-38, 1987.

GARCIA, S. G. A tecnologia social como alternativa para a reorientação da economia. Estudos Avançados, v. 28, n. 82, p. 251-275, 2014.

GUIMARÃES, F. J.; FERREIRA FILHA, M. O. Repercussões da terapia comunitária no cotidiano de seus participantes. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 8, n. 3, p. 404-414, 2006.

GUIMARÃES, Y. A. F.; GIORDAN, M. Instrumento para construção e validação de sequências didáticas em um curso a distância de formação continuada de professores. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 8., 2011, Campinas. Trabalhos Apresentados... Campinas: Unicamp, 2011.

GUPTA, A. K. et al. Mobilizing grassroots technological innovations and traditional knowledge, values and institutions: articulating social and ethical capital. Futures, n. 35, p. 975-987, 2003.

HALL, J.; MATOS, S.V.; MARTIN, M. J. C. Innovation pathways at the Base of the Pyramid: Establishing technological legitimacy through social attributes. Technovation, v. 34, p. 284-294, 2014.

HENDERSON, C. R. The scope of social technology. American Journal of Sociology, Chicago, v. 6, n. 4, p. 465-486, jan.1901.

KERSTENETZKY, C. L. Políticas sociais: focalização ou universalização. Revista de Economia Política, v. 26, n. 4, p. 104, 2006.

LASSANCE, J. R. A. E.; PEDREIRA, J. S. Tecnologias sociais e políticas públicas: tecnologia social: uma estratégia para o desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundação Banco do Brasil. 2004. p. 65-82.

LATOUR, B. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: UNESP, 2000.

LIANZA, S.; ADDOR, F. Tecnologia e desenvolvimento social e solidário. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2005.

LINSINGEN, I von. Perspectiva educacional CTS: aspectos de um campo em consolidação na América Latina. Ciência & Ensino, Campinas, v. 1, p. 1-16, 2007.

LOPES, R. E. et al. Oficinas de atividades com jovens da escola pública: tecnologias sociais entre educação e terapia ocupacional. Interface Comunicação, Saúde, Educação, v. 15, n. 36, p. 277-288, 2011.

LORENZETTI, J. et al. Tecnologia, inovação tecnológica e saúde: uma reflexão necessária. Texto and Contexto Enfermagem, v. 21, n. 2, p. 432, 2012.

LUZ, M. T. Especificidade da contribuição dos saberes e práticas das ciências sociais e humanas para a saúde. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 20, n. 1, p. 22-31, 2011.

MACLEAN, M.; HARVEY, C.; GORDON, J. Social innovation, social entrepreneurship and the practice of contemporary entrepreneurial philanthropy. International Small Business Journal, v. 31, n. 7, pp. 747-763. 2013.

MARTINS, L.; OSBERG, S. Social entrepreneurship: the case for definition. Stanford Social Innovation Review, n. Spring, p. 29-39, 2007.

OLIVEIRA, E. M. Empreendedorismo social no Brasil: atual configuração, perspectivas e desafios – notas introdutórias. Revista FAE, v. 7, n. 2, p. 9-18, 2004.

PAULA, J de. RTS – Novos desafios. In: OTTERLOO, Aldalice. [et al.] orgs. Tecnologias Sociais: caminhos para a sustentabilidade. Brasília: RTS. 2009. p. 130-137.

PERES JÚNIOR, M. R.; PEREIRA, J. R. Abordagens teóricas da gestão social: uma análise de citações exploratória. Cadernos EBAPE.BR, v. 12, n. 2, p. 221-236, 2014.

PEYLOUBET, P. et al. Desarrollo local a partir del uso de tecnología social: un enfoque alternativo. Cuardeno Urbano Espacio, Cultura, Sociedad. v. 9, n. 9, p. 170-191, 2010.

PLASTINO, C. A. O primado da afetividade: a crítica freudiana ao paradigma moderno. Rio de Janeiro: Relume-Dumará. 2001.

PRAHALAD, C. K. A riqueza na base da pirâmide: como erradicar a pobreza com o lucro. Porto Alegre: Bookman, 2005.

PRAHALAD, C. K.; HART, S. L. The Fortune at the Bottom of the Pyramid. Strategy Business, v. 26, n. 1, pp. 54-67. 2002.

RAMOS, A. G. A nova ciência das organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1989.

RODRIGUES, I.; BARBIERI, J. C. A emergência da tecnologia social: revisitando o movimento da tecnologia apropriada como estratégia de desenvolvimento sustentável. Revista de Administração Pública, v. 42, n. 6, p. 1069-1094, 2008.

ROSE, N. Psicologia como uma ciência social. Psicologia & Sociedade, v. 20, n. 2, p. 155-164, 2008.

RYBCZYNSKI, W. Paper heroes: a review of appropriate technology. Nueva York: Anchor Press/Doubleday. 1980.

SANTOS, B de S. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez. 2000.

SCHUMACHER, E. F. O negócio é ser pequeno: um estudo de economia que leva em conta as pessoas. Rio de janeiro: Zahar, 1977.

SILVA, E. O Desenvolvimento de Tecnologias Sociais nas Universidades Públicas Estaduais do Paraná. 2012. Tese (Doutorado em Administração). Universidade Federal do Paraná.

SINGER, P. Economia solidária. Estudos avançados, v. 22, n. 62, p. 289-314, 2008.

SMALL, A. W. Seminar notes: the methodology of the social problem. American Journal of Sociology, v. 4, n. 1, p. 113-454, 1898.

THOMAS, H. De las tecnologias apropriadas a las tecnologias sociales: conceptos/estratégias/diseños/acciones. Ponencia presentada al IV Seminario Ibero-Americano de Ciência Y Tecnologia do Centro Experimental de la Vivência da Economia. Córdoba: Argentina. Septiembre de 2009.

VALADÃO, J. A. D.; ANDRADE, J. A.; CORDEIRO NETO, J. R. Abordagens sociotécnicas e os estudos em tecnologia social. Pretexto, v. 15, n. 1, p. 44-61, 2014.

VALADÃO, J. A. D. Seguindo associações sociotécnicas sob a luz da teoria do ator-rede: uma tradução da pedagogia da alternância para rotinas e tecnologias sociais. 2014. 294 f. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2014.

VALADÃO, J. A. D.; SILVA, S. S. S. Justaposições da estratégia como prática e processo de estratégia: antes da visão pós-processual da estratégia. Revista de Administração Mackenzie, v. 13, n. 2, p. 171-195, 2012.

VILLAS-BÔAS, J. Manual tecnológico: mel de abelhas sem ferrão. Brasília: ISPN. 2012.