Interrupção Voluntária da Carreira em Prol da Maternidade Outros Idiomas

ID:
48642
Resumo:
Ao mesmo tempo em que as mulheres passaram a ter mais abertura no mercado de trabalho, muitas também se depararam com dificuldades diversas para se manterem nele depois de assumirem o papel de mães. Neste contexto, definiu-se como objetivo de pesquisa analisar a motivação das mulheres que decidiram abdicar da carreira para se dedicarem integralmente à maternidade, assim como a percepção delas a respeito da experiência que vivenciaram a partir dessa decisão e suas perspectivas futuras. Realizou-se uma pesquisa exploratória de cunho qualitativo. A coleta de dados efetuou-se por meio de entrevistas em profundidade com 14 mães que abdicaram da carreira. Os dados foram analisados por meio da análise de conteúdo. Os resultados evidenciaram que as políticas empresariais e governamentais que são voltadas para as profissionais que possuem filhos ainda são insuficientes para lhes garantirem condições adequadas para permanecerem no mercado sem terem que escolher entre a carreira e a maternidade.
Citação ABNT:
CERIBELI, H. B.; SILVA, E. R. Interrupção Voluntária da Carreira em Prol da Maternidade . Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v. 11, n. 5, p. 116-139, 2017.
Citação APA:
Ceribeli, H. B., & Silva, E. R. (2017). Interrupção Voluntária da Carreira em Prol da Maternidade . Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 11(5), 116-139.
DOI:
http://dx.doi.org/10.12712/rpca.v11i5.1056
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/48642/interrupcao-voluntaria-da-carreira-em-prol-da-maternidade-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AMARAL, G. A. Os desafios da inserção da mulher no mercado de trabalho. Itinerarius Reflectionis, v. 8, n. 2, p. 1-20, 2013.

ARUN, S. V.; ARUN, T. G.; BOROOAH, V. K. The effect of career breaks on the working lives of women. Feminist Economics, v. 10, n. 1, p. 65-84, 2004.

BÄCHMANN, A.-C.; GATERMANN, D. The duration of family-related employment interruptions: the role of occupational characteristics. Journal for Labour Market Research, v. 50, n. 1, p. 143-160, 2017.

BARBOSA, P. Z.; COUTINHO, M. L. R. Maternidade: novas possibilidades, antigas visões. Psicologia Clínica, v. 19, n. 1, p. 163-185, 2007.

BAYLÃO, A. L. S.; SCHETTINO, E. M. O. A inserção da mulher no mercado de trabalho brasileiro. In: XI Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia. 2014, Londrina. Anais do XI SEGeT, 2014.

BELTRAME, G. R.; DONELLI, T. M. S. Maternidade e carreira: desafios frente à conciliação de papéis. Aletheia, n. 38-39, p. 206-217, 2012.

BONI, V.; QUARESMA, S. J. Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em ciências sociais. Em Tese, v. 2, n. 1, p. 68-80, 2005.

BRUSCHINI, C.; PUPPIN, A. B. Trabalho de mulheres executivas no Brasil no final do século XX. Caderno de Pesquisa, v. 34, n. 121, p. 105-138, 2004.

CAPPELLE, M. C. A.; MELO, M. C. O. L.; SOUZA, N. L. Mulheres, trabalho e Administração. Revista Interdisciplinar de Gestão Social, v. 2, n. 2, p. 161-191, 2013.

CARMO, H.; FERREIRA, M. Metodologia da investigação: guia para autoaprendizagem. 2. ed. Lisboa: Universidade Aberta, 2008.

CARVALHO NETO, A. M.; TANURE, B.; ANDRADE, J. Executivas: Carreira, Maternidade, Amores e Preconceitos. RAE - Eletrônica, v. 9, n. 1, p.1-23, 2010.

CASSIANI, S. H. B.; CALIRI, M. H. L.; PELA, N. T. R. A teoria fundada nos dados como abordagem da pesquisa interpretativa. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 4, n. 3, p. 75-88, 1996.

CASTRO, I. Mamãe vai trabalhar e volta já. São Paulo: Original, 2006.

CEBRIÁN, I.; MORENO, G. The effects of gender differences in career interruptions on the gender wage gap in Spain. Feminist Economics, v. 21, n. 4, p. 1-27, 2015.

CERIBELI, H. B.; FERREIRA, F. J. R. Análisis de la relación entre flexibilidad del trabajo, compromiso organizacional y intención de permanecer en la organización. Revista de Globalización, Competitividad y Gobernabilidad de Georgetown, v. 10, n. 3, p. 37-56, 2016.

EDWARDS, M. The role of husbands’ supportive communication practices in the lives of employed mothers. Marriage & Family Review, v. 40, n. 4, p. 23-46, 2006.

EVERTSSON, M.; GRUNOW, D.; AISENBREY, S. Work interruptions and young women’s career prospects in Germany, Sweden and the US. Work, Employment and Society, v. 30, n. 2, p. 291-308, 2016.

FONSECA JUNIOR.; WILSON, C. Análise de conteúdo. In: DUARTE, J.; BARROS, A. (Orgs.). Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. São Paulo: Atlas, 2005.

GOULART JÚNIOR, E.; FEIJÓ, M. R.; CUNHA, E. V.; CORRÊA, B. J.; GOUVEIA, P. A. E. S. Exigências familiares e do trabalho: um equilíbrio necessário para a saúde de trabalhadores e organizações. Pensando Famílias, v. 17, n. 1, p. 110-122, 2013.

IBGE. Estatística de gênero: uma análise dos resultados do censo demográfico 2010. Estudos e Pesquisas. Informação Demográfica e Socioeconômica número 33. Rio de Janeiro, 2014.

IBGE. Principais destaques da evolução do mercado de trabalho nas regiões metropolitanas abrangidas pela pesquisa: Retrospectiva da Pesquisa Mensal de Emprego - PME 2003-2016.

JUNG, A. K.; HEPPNER, M. J. Work of full-time mothers: putting voice to the relational theory of working. Career Development Quarterly, v. 63, n. 3, p. 253-267, 2015.

LEONE, E. T.; BALTAR, P. A mulher na recuperação recente do mercado de trabalho brasileiro. Revista Brasileira de Estudos da População, v. 25, n. 2, p. 233-249, 2008.

LIMA, M. G. R. Um estudo sobre o adiamento da maternidade em mulheres contemporâneas. 2012. 202 f. Tese (Doutorado em Psicologia Clínica) - Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

LOVEJOY, M.; STONE, P. Opting back in: the influence of time at home on professional women’s career redirection after opting out. Gender, Work and Organization, v. 19, n. 6, p. 631-653, 2012.

MAGALHÃES, B.; SILVA, G. A mulher no trabalho, na família e na universidade. Revista Eletrônica Arma da Crítica, v. 2, n. 2, p. 177-193. 2010.

McINTOSH, B.; McQUAID, R.; MUNRO, A.; DABIR-ALAI, P. Motherhood and its impact on career progression. Gender in Management, v. 27, n. 5, p. 342-360, 2012.

MONTEIRO, R. C. Pesquisa qualitativa como opção metodológica. Pro-Posições, v. 2, n. 2, p. 27-35, 2016.

OLIVEIRA, S. C.; FARIA,E. R.; SARRIERA, J. C.; PICCININI, C. A.; TRENTINI, C. M. Maternidade e trabalho: uma revisão da literatura. Interamerican Journal of Psychology, v. 45, n. 2, p. 271-280, 2011.

PACELLI, L.; PASQUA, S.; VILLOSIO, C. Labor market penalties for mothers in Italy. Journal of Labor Research, v. 34, n. 4, p. 408-432, 2013.

PATIAS, N. D.; BUAES, C. S. “Tem que ser uma escolha da mulher” representações de maternidade em mulheres não-mães por opção. Psicologia & Sociedade, v. 24, n. 2, p. 300-306, 2012.

QUIVY, R.; CAMPENHOUDT, L. V. Manual de investigação em Ciências Sociais. Lisboa: Gradiva, 1998.

RAPOPORT, A.; PICCININI, C. A . Uma escolha do cuidado alternativo para o bebê e criança pequena. Estudos de Psicologia, v. 9, n. 3, p. 497-503, 2004.

RAUPP, F. M.; BEUREN, I. M. Metodologia da pesquisa aplicável às Ciências Sociais.Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. São Paulo: Atlas. 2003.

RIBEIRO, W. V.; COSTA, R. R.; SILVA, C. M. M.; LOPES, V. M. Oocyte reception: patients’ profile in a waiting list of the program of Hospital Regional da Asa Sul, Brasília, Distrito Federal. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, v. 29, n. 9, p. 459-464, 2007.

RØNSEN, M.; KITTERØD, R. H. Genderequalizing family policies and mothers’ entry into paid work: recent evidence from Norway. Feminist Economics, v. 21, n. 1, p. 59-89, 2015.

SIMOES, F. I. W.; HASHIMOTO, F. Mulher, mercado de trabalho e as configurações do século XX. Revista Vozes dos Vales, v. 1, n. 2, p. 1-25, 2012.

SINA, A. Mulher e trabalho: o desafio de conciliar diferentes papéis na sociedade. São Paulo: Saraiva, 2005.

TANURE, B.; CARVALHO NETO, A.; ANDRADE, J. O. A super executiva às voltas com carreira, relógio biológico, maternidade, amores e preconceitos. In: XXX Encontro Nacional de Programa de Pós-Graduação em Administração, Salvador, 2006. Anais XXX EnANPAD, 2006.

THEUNISSEN, G.; VERBRUGGEN, M.; FORRIER, A.; SELS, L. Career sidestep, wage setback?The impact of different types of employment interruptions on wages. Gender, Work and Organization, v. 18, n. 1, p. 110-131, 2011.

TOMAZ, R. Feminismo, maternidade e mídia: relações historicamente estreitas em revisão. Galáxia, n. 29, p. 155-166, 2015.

VIEIRA, A.; AMARAL, G. A. A arte de ser Beija-flor na tripla jornada de trabalho da mulher. Saúde e Sociedade, v. 22, n. 2, p. 403-414, 2013.