O Potencial de Geração de Receita Ambiental Aliada à Redução de Impacto em Empresas de Pequeno Porte: Estudo de Caso de uma Mercearia Outros Idiomas

ID:
48651
Periódico:
Resumo:
Considerando que todas organizações são fundamentais para a redução dos impactos ambientais e combate às mudanças climáticas, o presente trabalho apresenta um diagnóstico preliminar sobre as emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e gestão dos resíduos sólidos (RS) sob a ótica da contabilidade ambiental em uma empresa de pequeno porte (EPP) em 2015. A contabilidade permite disponibilizar informações que possibilitam maior eficiência na gestão da interação com o meio ambiente e novas oportunidades de posicionamento do negócio. A pesquisa exploratória e descritiva, utilizou análise bibliográfica e visitas ao estabelecimento. Os resultados mostram que foram emitidas 32,46 tCO2-e. com receita ambiental estimada de R$3.387,00. A empresa já desenvolve práticas sustentáveis, reciclando e evitando o lançamento de 110,37 tCO2-e, contudo, não realiza a gestão ambiental. Destaca-se que diagnósticos parciais e metodologias simplificadas podem permitir que EPPs também contribuam para uma melhor performance ambiental, econômica e social, visando o desenvolvimento sustentável nacional.
Citação ABNT:
SILVA, R. B.; HOLLNAGEL, H. O Potencial de Geração de Receita Ambiental Aliada à Redução de Impacto em Empresas de Pequeno Porte: Estudo de Caso de uma Mercearia . Revista Pretexto, v. 18, n. 3, p. 92-108, 2017.
Citação APA:
Silva, R. B., & Hollnagel, H. (2017). O Potencial de Geração de Receita Ambiental Aliada à Redução de Impacto em Empresas de Pequeno Porte: Estudo de Caso de uma Mercearia . Revista Pretexto, 18(3), 92-108.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21714/pretexto.v18i3.4845
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/48651/o-potencial-de-geracao-de-receita-ambiental-aliada-a-reducao-de-impacto-em-empresas-de-pequeno-porte--estudo-de-caso-de-uma-mercearia-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALMEIDA, J. R.; MALHEIROS, T. M.; SILVA, D. M. & BASTOS, A. C. S. Política e Planejamento Ambiental. Rio de Janeiro: Thex. 2004.

BANCO MUNDIAL. Relatório sobre o Desenvolvimento Mundial 2010: Desenvolvimento e Mudança climática. São Paulo, SP: Editora da Unesp. 2010. Recuperado em 3 abril, 2016, de http://siteresources.worldbank.org/INTWDR2010/Resources/5287678-1226014527953/WDR10_AdOverview_BP_Web. pdf

BARCELLOS, C. & HACON, S.S. Um grau e meio. E daí? Cadernos de Saúde Pública, v. 32, n. 3, e00212315. Epub March 22, 2016. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102311X2016000300301

BRAGA JUNIOR, S. S. Gestão Ambiental no varejo: um estudo das práticas de logística reversa em supermercados de médio porte. Dissertação de Mestrado. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto. 2007. http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/96/96132/tde-28042008-084648/pt-br.php

BRASIL. Decreto nº 54.991, de 2 de abril de 2014. Aprova as alterações e consolida o Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos do Município de São Paulo (2014/2033). http://www3.prefeitura.sp.gov.br/cadlem/secretarias/negocios_juridicos/cadlem/integra.asp?alt=03042014D%20549910000%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20&secr=&depto=&descr_tipo=DECRETO

BRASIL, G. H.; SOUZA JR, P. A. S. & CARVALHO Jr, J.A. Inventários corporativos de gases de efeito estufa: métodos e usos. Revista Eletrônica Sistemas & Gestão, v. 3, n. 1, p. 15-26, janeiro a abril. 2008. Recuperado em 3 setembro, 2016, de http://www.uff.br/sg/index.php/sg/article/download/SGV3N1A2/48

BRASIL. Lei 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2 ago. 2010. www.planalto.gov. br/ccivil_03/_ato2007-2010/.../lei/l12305.htm.

BRASIL. Lei nº 12.187, de 29 de dezembro de 2009. Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima - PNMC e dá outras providências. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato20072010/2009/lei/l12187.htm

COMPANHIA MELHORAMENTOS DA CAPITAL [COMCAP]. Caracterização Física dos Resíduos Sólidos Urbanos de Florianópolis: Relatório Final. Orofino, Flávia Vieira Guimarães [coord.]. Florianópolis: COMCAP. 2002. Recuperado em 2 setembro, 2016, de http://www.pmf.sc.gov. br/arquivos/arquivos/pdf/04_12_2009_16.43.20.3c8dbbc3ec4faf520fb12678faea9be3.pdf

DEMAJOROVIC, J.; CAIRES, E. F.; GONÇALVES, L.N. S.; SILVA, M. J. C. Integrando empresas e cooperativas de catadores em fluxos reversos de resíduos sólidos pós-consumo: o caso Vira-Lata. Cad. EBAPE.BR, Edição Especial, Rio de Janeiro. v. 12, artigo 7, p. 513-532, Ago. 2014.

DEPARTMENT OF THE ENVIRONMENT AND ENERGY [DOE]. National Greenhouse Accounts (NGA) Factors, published by the Department of Climate Change and Energy Efficiency, Commonwealth of Australia, Canberra, July 2014, pp. 1-74. https://www.environment.gov.au/system/files/resources/3ef30d52d447-4911-b85c-1ad53e55dc39/files/national-greenhouse-accounts-factors-august-2015.pdf

DINIZ, M. B.; DINIZ, M. J. T.; RIVAS, A. A. F. Economia Brasileira: Transição para uma Economia Verde? Ensaios FEE, v. 36, n. 4, p. 945-978, mar. 2016. http://revistas.fee.tche.br/index.php/ensaios/article/view/3059

FERNANDES, L. J. M. & FREITAS, L. S. Análise do processo produtivo de uma panificadora na cidade de Campina Grande/PB utilizando a ferramenta de P+L. Anais... X Encontro da Sociedade Brasileira de Economia Ecológica. Vitória - ES. 2013. http://www.ecoeco.org.br/conteudo/publicacoes/encontros/x_en/GT8-2030-1442-20130501233303.pdf

FERREIRA, A. C. S. Contabilidade ambiental: uma informação para o desenvolvimento sustentável. São Paulo: Atlas. 2009.

FERREIRA, J. S.; ROVER, S.; FERREIRA, D. D. M.; BORBA, J. A. Informações Financeiras Ambientais: Diferença entre o Nível de Disclosure entre Empresas Brasileiras. REPeC, v. 10, n. 1, p 5-24, 2016. www.repec.org.br

FRANK, B. Avaliação de desempenho ambiental ampliado: uma comparação setorial entre empresas do Brasil e da Alemanha. Blumenau: Edifurb. 2006.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6ª ed. São Paulo: Atlas. 1999.

GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR [GEM]. Empreendedorismo no Brasil 2015. http://www.bibliotecas.sebrae.com.br/chronus/ARQUIVOS_CHRONUS/bds/bds.nsf/c6de907fe0574c8ccb36328e24b2412e/$File/5904.pdf

GOLDEMBERG, J. Mudanças climáticas e desenvolvimento. Estudos Avançados, v. 14, n. 9, p. 77-83. 2000. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142000000200008.

GOUVEIA, N. (2012). Resíduos sólidos urbanos: impactos socioambientais e perspectiva de manejo sustentável com inclusão social. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 6, p. 1503-1510, 2012. June. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232012000600014&lng=en&nrm=iso

GREENHOUSE GAS PROTOCOL [GHG]. Contabilização, Quantificação e Publicação de Inventários Corporativos de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Especificações do Programa Brasileiro GHG Protocol. 2ª ed. São Paulo: FGV & World Resources Institute. 2013. http://www.ghgprotocolbrasil.com.br/especificacoes-do-programa-brasileiro-ghg-protocol?locale=pt-br

HENZ, G. P. & REIFSCHNEIDER, F. J. B. Modernização das embalagens da mandioquinha-salsa e sua comercialização no atacado paulista. Horticultura Brasileira, v. 22, n. 4, p. 815-820. 2004. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-05362004000400032.

LEANDRO, L. A.; GOMES, C. M.; CASTRO, K. N. V.; CASTRO, E. M. N. V. O Futuro Da Gestão Socioambiental: Uma Análise Crítica Sobre A Crise Ambiental Brasileira. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - GeAS, v. 4, n. 2, p. 144-162, 2015.

LOPES, J. M. Relevância do fluxo de caixa como ferramenta de planejamento financeiro de microempresas - um estudo de caso. Monografia do Bacharelado em Ciências Contábeis, Universidade Federal de Santa Catarina. 2004.

MACÊDO, K. B. & OLIVEIRA, A. A gestão ambiental nas organizações como nova variável estratégica. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, v. 5, n. 1, p. 129-158. 2005. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-66572005000100006&lng=pt&tlng=pt.

MACHADO, A. G. C. & DE OLIVEIRA, R. L. Gestão ambiental corporativa: Pressões em prol da gestão ambiental empresarial. In: Albuquerque, José de Lima. (Org). Gestão Ambiental e Responsabilidade Social: Conceitos, Ferramentas e Aplicações. São Paulo: Atlas, p. 96-99. 2009.

MILARÉ, É. Direito do Ambiente: A gestão ambiental em foco. Doutrina. Jurisprudência. Glossário. 6 ed. São Paulo: RT. 2009.

MOREIRA, H. M. & GIOMETTI, A. B. R. Protocolo de Quioto e as possibilidades de inserção do Brasil no Mecanismo de Desenvolvimento Limpo por meio de projetos em energia limpa. Contexto Internacional, v. 30, n. 1, p. 9-47. 2008. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-85292008000100001.

NATIONAL GREENHOUSE AND ENERGY [NGER]. National Greenhouse and Energy Reporting (Measurement) Determination 2008. https://www.legislation.gov.au/Details/F2013C00661

PAGANELA, C. S.; RAMOS, A. M. T.; PACHECO, M. T. M.; MOTTA, M. E. V.; CAMARGO, M. E. Reciclagem: Atividade Lucrativa e Responsabilidade Ambiental. In: IX Congresso Virtual Brasileiro - Administração, 2012. Anais...; [s.l.]: Convibra, 2012. (2012). http://www.convibra.com.br/upload/paper/2012/28/2012_28_5175.pdf

PINHEIRO, M. Gestão e desempenho das empresas de pequeno porte. Tese de Doutorado. Faculdade de Contabilidade, Economia, Administração e Atuária. São Paulo: FEA-Universidade de São Paulo. 1996.

RIBEIRO, L. C. S.; FREITAS, L. F. S.; CARVALHO, J. T. A.; OLIVEIRA FILHO, J. D. Aspectos econômicos e ambientais da reciclagem: um estudo exploratório nas cooperativas de catadores de material reciclável do Estado do Rio de Janeiro. Nova Economia, v. 24, n. 1, p. 191-214. 2014. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-63512014000100191

RIBEIRO, M. S. Contabilidade ambiental. São Paulo: Saraiva. 2006.

ROGERS, D. S. & TIBBEN-LEMBKE, R. S. Going Backwards: Reverse Logistics Practice. University of Nevada, Reno: Center for Logistics Management. pp. 283. 1998. http://www.abrelpe.org.br/imagens_intranet/files/logistica_reversa.pdf.

ROVER, S. Disclosure ambiental de empresas potencialmente poluidoras: características da informação ambiental e explicações para a divulgação voluntária no Brasil. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina. 2009.

SANTOS, A. O.; SILVA, F. B.; SOUZA, S.; SOUSA, M. F. R. (2001). Contabilidade ambiental: um estudo sobre sua aplicabilidade em empresas Brasileiras. Revista Contabilidade & Finanças, v. 12, n. 27, p. 89-99, 2001. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-70772001000300007

SÃO PAULO (Estado). Lei nº 13.798 de 09 de novembro de 2009. Institui a Política Estadual de Mudanças Climáticas - PEMC. Diário Oficial do Estado de São Paulo. http://www.ambiente.sp.gov.br/wpcontent/uploads/2013/01/lei_13798_portugues.pdf

SÃO PAULO (Município). Lei nº 14.933, de 5 junho de 2009. Institui a Política de Mudança do Clima no Município de São Paulo. Diário Oficial do Município de São Paulo, Poder Executivo, São Paulo, 06 jun. 2009. http://www3.prefeitura.sp.gov.br/cadlem/secretarias/negocios_juridicos/cadlem/integra.asp?alt=06062009L%20149330000%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20&secr=28&depto=0&descr_tipo=LEI.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS [Sebrae]. Participação das Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira. 2014. http://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/Estudos%20e%20Pesquisas/Participacao%20das%20micro%20e% 20pequenas%20empresas.pdf.

SILVA, D. S. et al. Manual de procedimentos contábeis para micro e pequenas empresas. Pedro Coelho Neto [coord] 5ª ed. Brasília: CFC / SEBRAE. 2002. http://portalcfc.org.br/wordpress/wpcontent/uploads/2013/01/ManuMicro.pdf.

SILVA, J. J. L. A gestão ambiental e a sustentabilidade no setor de energia eólica no Ceará. Monografia do Bacharelado em Administração, Faculdade Cearense. 2013. http://www.faculdadescearenses.edu.br/biblioteca/TCC/ADM/A%20GESTAO%20AMBIENTAL%20E%20A%20SUSTENTABILIDADE%20NO%20SETOR%20DE%20ENERGIA.pdf.

SILVA, S. P.; BARBOSA, J. S.; EDVALDO, P.; WAGNER, R. R. S. Implementação de um Sistema de Gestão Ambiental no Japi Supermercado. Trabalho de Gestão Ambiental. Faculdade Pitágoras, Campus Jundiaí, SP. 2013. https://www.passeidireto.com/arquivo/2460866/sistema-de-gestao-ambiental-para-umsupermercado

SOUZA, A. A. A.; PACHECO, L. M.; CALDANA, A. C. F.; LIBONI, L. B. Ações de Redução de Impacto Ambiental das Empresas que Compõem o Índice de Sustentabilidade da BM&FBOVESPA. Revista Alcance, n. 22, p. 151. 2015. http://siaiap32.univali.br/seer/index.php/ra/article/view/6514.

SOUZA, M. C. A. F. Pequenas e médias empresas na reestruturação industrial. Brasília: Editora SEBRAE. 1995.

STEPHANOU, J. J. Gestão de Resíduos Sólidos: um modelo integrado que gera benefícios econômicos, sociais e ambientais. Trabalho de Conclusão de Curso de Especialização da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2009. http://hdl.handle.net/10183/26749

WORLD BUSINESS COUNCIL FOR SUSTAINABLE DEVELOPMENT E WORLD RESOURCES INSTITUTE [WRI]. Greenhouse Gas Protocol - Corporate Module, Revised Edition. 2004. http://www.ghgprotocol.org/standards/corporate-standard.

YAMAMOTO, M. M. Como entender melhor as demonstrações financeiras. Revista ABAMEC - Mercado de Capitais, v. VII, n. 69, 1997.