Características da Estrutura Organizacional dos Clubes de Futebol Brasileiros: O que Dizem os Estatutos? Outros Idiomas

ID:
48697
Resumo:
Este estudo objetiva identificar as características da estrutura organizacional dos clubes profissionais de futebol no Brasil. A análise de conteúdo nos estatutos sociais de 17 clubes da “Série A” do Campeonato Brasileiro de 2016 identificou os órgãos e as funções atribuídas a cada um nos estatutos. Os órgãos presentes em todos os clubes são Assembleia Geral, Conselho Fiscal e Conselho Deliberativo. O desenho dos estatutos leva à interpretação de que o Conselho Deliberativo, pelas suas atribuições, tem influência sobre os demais órgãos, apesar de a Assembleia Geral ser mencionada como ‘soberana’. Os estatutos são omissos a respeito da responsabilidade financeira que prejudique o patrimônio, e também, sobre a definição da remuneração da Diretoria. Os estatutos, também, são omissos quanto ao estabelecimento da responsabilidade financeira, seja presente ou futura. Como implicações, as omissões ou lacunas estatutárias potencializam conflitos e podem afetar a interação de gestores, dirigentes e torcedores, prejudicando a gestão e a governança dos clubes brasileiros.
Citação ABNT:
OLIVEIRA, M. C.; BORBA, J. A.; FERREIRA, D. D. M.; LUNKES, R. J. Características da Estrutura Organizacional dos Clubes de Futebol Brasileiros: O que Dizem os Estatutos?. Revista de Contabilidade e Organizações, v. 11, n. 31, p. 49-57, 2017.
Citação APA:
Oliveira, M. C., Borba, J. A., Ferreira, D. D. M., & Lunkes, R. J. (2017). Características da Estrutura Organizacional dos Clubes de Futebol Brasileiros: O que Dizem os Estatutos?. Revista de Contabilidade e Organizações, 11(31), 49-57.
DOI:
http://dx.doi.org/10.11606/rco.v11i31.134462
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/48697/caracteristicas-da-estrutura-organizacional-dos-clubes-de-futebol-brasileiros--o-que-dizem-os-estatutos-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Bács, É. B. M. (2014). Challenges to Professional Football Companies and their Answers with Particular Regard to Organisational Changes. Danube: Law and Economics Review, 5(2), 105-125.

Caravetta, E. S. P. (2006). Modernização da gestão no futebol brasileiro: perspectivas para a qualificação do rendimento competitivo. 1. ed. Porto Alegre: Editora Age.

Costa, C. E. S. & Silva, R. C. (2006). Empresarização e controle organizacional: um estudo nos clubes de futebol de Santa Catarina. Cadernos EBAPE.BR, 4(4), 1-16.

Fatta, G. L.; Barros, G. V.; Pedroso, C. A. M. Q.; Barros, M. A.; Silva, T. C. A.; Santos, A. A. R. (2016). Gestão e estrutura organizacional no futebol: uma revisão sistemática. Revista Intercontinental de Gestão Desportiva – RIGD, 6(2), 234-243.

Gurianova, E.; Mechtcheriakova, S. (2015). Design of Organizational Structures of Management According to Strategy of Development of the Enterprises. Procedia Economics and Finance, 24, 395-401.

Leoncini, M. P.; Silva, M. (2005). Entendendo o futebol como um negócio: um estudo exploratório. Gestão & Produção, 12(1), 11-23.

Mattar, M. F. (2014). Na trave: o que falta para o futebol brasileiro ter uma gestão profissional. (1. ed.) Rio de Janeiro: Elsevier.

Nagovitsin, A. (1983). The Management Structure of a Production Association. Problems in Economics, 26(1), 57-73.

Relvas, H.; Littlewood, M.; Nesti, M.; Gilbourne, D. (2010). Organizational structures and working practices in elite European Professional Football Clubs: Understanding the relationship between youth and professional domains. European Sport Management Quarterly, 10(2), 165-187.

Rodrigues, M. S.; Silva, R. C. (2009) A estrutura empresarial nos clubes de futebol. Organizações & Sociedade, 16(48), 17-37.