Fatores Determinantes para Utilização do Hedge em Companhias Abertas Listadas na BM&FBovespa Outros Idiomas

ID:
48704
Resumo:
O objetivo do estudo foi identificar fatores determinantes para a utilização do hedge em companhias abertas listadas nos níveis diferenciados de governança corporativa da BM&FBovespa. Realizou-se pesquisa descritiva, conduzida por meio de análise documental e abordagem quantitativa, com emprego de regressão logística. A amostra foi composta por 151 companhias, com dados referentes ao ano de 2011. Os resultados demonstram que o hedge de fluxo de caixa foi o tipo mais utilizado e que, de modo geral, 57% das empresas possuíam algum tipo de hedge no período. Dentre os fatores apontados na literatura como influenciadores para a utilização do hedge, somente cinco se confirmaram nas empresas pesquisadas. Concluiu-se, a partir disso, que empresas maiores, importadoras e/ou exportadoras, auditadas por companhia de auditoria big four e com ADRs, fazem uso do hedge de modo mais recorrente, estando mais protegidas quanto aos riscos cambiais e de fluxo de caixa em relação às demais companhias.
Citação ABNT:
MOURA, G. D.; DAGOSTINI, L.; THEIS, M. B.; KLANN, R. C. Fatores Determinantes para Utilização do Hedge em Companhias Abertas Listadas na BM&FBovespa. Contabilidade Vista & Revista, v. 28, n. 2, p. 101-120, 2017.
Citação APA:
Moura, G. D., Dagostini, L., Theis, M. B., & Klann, R. C. (2017). Fatores Determinantes para Utilização do Hedge em Companhias Abertas Listadas na BM&FBovespa. Contabilidade Vista & Revista, 28(2), 101-120.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/48704/fatores-determinantes-para-utilizacao-do-hedge-em-companhias-abertas-listadas-na-bm-fbovespa/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ARAUJO, C. G.; IKUNO, L. M.; PAULO, E.; SALES, I. C. H. Hedge accounting: análise da extensão de sua utilização nas empresas brasileiras que compõem o IBRX-100. 11º Congresso USP de Controladoria e Contabilidade. Anais... São Paulo/SP 28 e 29 julho de 2011.

ASSAF NETO, A. Mercado Financeiro. 10.ed. São Paulo: Atlas, 2011.

BESSADA, O., BARBEDO, C. e ARAÚJO, G. Mercado de derivativos no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 2007.

BRASIL, Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). Pronunciamento Técnico CPC 14 Instrumentos Financeiros: Reconhecimento, Mensuração e Evidenciação, 2008. Disponível em: www.cpc.org.br. Acesso em: 20. Abr. 2012.

CARVALHO, N. M. Evidenciação de derivativos. Caderno de Estudos, São Paulo, FIPECAFI, n.º 20, jan./ abr. de 1999.

CASTELLANO, M. Gestão de riscos por meio de derivativos. São Paulo: Atlas, 2009

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS CVM. Instrução CVM n o 235, de 23 de março de 1995. Dispõe sobre a divulgação, em nota explicativa, do valor de mercado dos instrumentos financeiros, reconhecidos ou não nas demonstrações financeiras das companhias abertas e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 20. Abr. 2012.

________, Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). Pronunciamento Técnico CPC 38 – Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração, 2009. Disponível em: www.cpc.org.br. Acesso em: 20. Abr. 2012.

________, Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). Pronunciamento Técnico CPC 39 – Instrumentos Financeiros: Apresentação, 2009. Disponível em: www.cpc.org.br. Acesso em: 20. Abr. 2012.

________, Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). Pronunciamento Técnico CPC 40 – Evidenciação, 2009. Disponível em: www.cpc.org.br. Acesso em: 12. fev. 2012.

COUTINHO, J. R. R. O uso de derivativos de câmbio e o custo de capital: evidências das empresas brasileiras. Dissertação (Mestrado em Economia Empresarial) Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, 2010.

DIAS FILHO, J. M.; CORRAR, L. J. Regressão Logística. In: CORRAR, Luiz J.; PAULO, Edilson; DIAS

HAGELIN, N.; PRAMBORG, B. Hedging foreign exchange exposure: risk reduction form transaction and translation hedging. Journal of International Financial Management and Accounting, v. 15, n. 1, p. 1-20, 2004.

HAIR JÚNIOR., J. F.; ANDERSON, R. E.; TATHAM, R. T.; BLACK, W. C. Análise Multivariada de Dados. 8 ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

HOJI, M. Administração financeira na prática. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

IASB, INTERNATIONAL ACCOUNTING STANDARDS BOARD. IAS 39 Financial Instruments: Recognition and Measurement. Disponível em: http://www.iasb.org. Acesso em: 10. fev. 2012.

IATRIDIS, G. Hedging and earnings management in the light of IFRS implementation: Evidence from the UK stock market. The British Accounting Review, v. 44, p. 21–35, 2012.

IUDÍCIBUS, S.; MARTINS, E.; GELBCKE, E. R., SANTOS, A. Manual de contabilidade societária. São Paulo: Altas, 2010.

JOSEPH, N. Foreign exchange rate risk, financial reporting and hedging policies. In S. Dahiya (Ed.), The current state of business disciplines. Spellbound Publications, v. 3, p.1039-1060, 2000.

KHIM, E. M.; LIANG, D. L. K. The use of derivative financial instruments in company financial risk management: The Singapore Experience. Singapore Management Review, v. 19, n. 2, p. 1744, 1997.

KIM, Y. S.; MATHUR, I.; NAM, J. Is Operational Hedging a Substitute for or a Complement to Financial Hedging? Journal of Corporate Finance, v. 12, n. 4, p. 834-853, 2006.

LEL, U. Currency Hedging and Corporate Governance: A Cross-Country Analysis, Board of Governors of the Federal Reserve System International Finance Discussion Paper 585, 2006.

LI, Y.; MCCONOMY, B. An empirical examination of factors affecting the timing of environmental accounting standard adoption and the impact on corporate valuation. Journal of Accounting, Auditing and Finance, v. 14, p. 279–313, 1999.

LUZ, Rodrigo Marciano. Gestão de risco e hedge accounting em empresas exportadoras de capital aberto. 128 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) – Programa de PósGraduação em Ciências Contábeis da Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, 2010.

MACHADO, G. C. Hedge cambial aumenta o valor de mercado das firmas? Evidências do caso brasileiro. Dissertação (Mestrado em Finanças e Economia Empresarial) Escola de PósGraduação em Economia da Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 2007.

MAYO, H. B. Investments: an introduction. 8. ed. New Jersey: Thomson, 2006.

MOURAD, N.A., PARASKEVOPOULOS. Normas internacionais de contabilidade para instrumentos financeiros IAS 32, IAS 39 e IFRS 7. São Paulo: Atlas, 2010.

PINCUS, M.; RAJGOPAL, S. The interaction of accounting policy choice and hedging: evidence from oil and gas firms. Accounting Review, n. 77, p. 127-160, 2003.

PRAMBORG, B. Derivatives hedging, geographical diversification, and firm market value. Journal of Multinational Financial Management, v. 14, p. 117–133, 2004.

RAMLALL, I.; Determinants of Hedging: An Empirical Investigation for Mauritius. Journal of Financial Risk Management, v. 6, n. 3-4, p. 99-120, 2009.

SAITO, R.; SCHIOZER, R. F. Uso de derivativos em empresas não financeiras listadas em bolsa no Brasil. Revista de Administração da USP., v. 42, n. 1, p. 97-107, 2007.

SERAFINI, D. G. O uso de derivativos da taxa de câmbio e o valor de mercado das empresas: um estudo sobre o pass-through no mercado de ações brasileiro. Dissertação (Mestrado em Finanças e Economia Empresarial) Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, 2009.

SERAFINI, D. G. O uso de derivativos da taxa de câmbio e o valor de mercado das empresas: um estudo sobre o pass-through no mercado de ações brasileiro. Dissertação (Mestrado em Finanças e Economia Empresarial) – Escola de Economia de São Paulo, São Paulo, 2009.

SERAFINI, D. G.; SHENG, H. H. O Uso de Derivativos da Taxa de Câmbio e o Valor de Mercado das Empresas Brasileiras Listadas na Bovespa. Revista de Administração Contemporânea, v. 15, n. 2, p. 283-303, 2011.

SFAS, STATEMENT OF FINANCIAL ACCOUNTING STANDARDS. SFAS 133: Accounting for derivative instruments and hedging activies. Disponível em: http://www.fasb.org. Acesso em: 10. fev. 2012.

SILVA, A. J. Identificação dos aspectos relevantes na evidenciação dos instrumentos financeiros das empresas classificadas nos níveis diferenciados de governança corporativa da Bovespa. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis da Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, 2008.

SILVA NETO, Lauro de Andrade. Derivativos: definições, emprego e risco. São Paulo: Atlas, 1998.

STREET, D.; GRAY, S. Factors influencing the extent of corporate compliance with International Accounting Standards: summary of a research monograph. Journal of International Accounting, Auditing and Taxation, v. 11, n. 1, p. 51–76, 2002.

TOLEDO FILHO, J. R.; CARDOSO, A. F.; SANTOS, C. C. Custo e benefícios dos derivativos agropecuários: utilização de butterfly de put no incremento do resultado em contratos de café. Custos e @gronegócio on line, v. 5, n. 3, p. 36-54, 2009.

TOLEDO FILHO, J. R. Mercado de capitais brasileiro – uma introdução. São Paulo: Thomson Learning, 2006.