Endomarketing, Liderança e Comunicação: Reflexos na Organização Outros Idiomas

ID:
48724
Resumo:
O artigo descreve sobre a importância do endomarketing na liderança de uma organização, foca o desenvolvimento profissional em relação à liderança com uma boa comunicação, sendo importante enxergar que o crescimento da organização envolve a liderança dos gestores em refletir um endomarketing assertivo para gestar todos os colaboradores nos desafios e metas a serem atingidas, o trabalho, leva à transformação de ideias trazendo soluções inovadoras, portanto o objetivo primordial é classificar o trabalho dos líderes com as estratégias de atrair resultados positivo com uma boa comunicação de endomarketing diante da empresa Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC SP), por meio da aplicação de questionário, como resultado constatou-se que, entre os trinta e um líderes pesquisados, têm a base da do endomarketing focado, o resultado indica compatibilidade com a empresa que tem sua atenção voltada para a pessoa, que para a organização são entendidos como colaboradores.
Citação ABNT:
REIS, T. A.; BRUGNEROTTO, T. D. R.; SEVILHA, I. C.; CREMONEZI, G. O. G.; OSWALDO, Y. C. Endomarketing, Liderança e Comunicação: Reflexos na Organização . Revista Brasileira de Marketing, v. 17, n. 1, p. 128-138, 2018.
Citação APA:
Reis, T. A., Brugnerotto, T. D. R., Sevilha, I. C., Cremonezi, G. O. G., & Oswaldo, Y. C. (2018). Endomarketing, Liderança e Comunicação: Reflexos na Organização . Revista Brasileira de Marketing, 17(1), 128-138.
DOI:
10.5585/remark.v17i1.3773
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/48724/endomarketing--lideranca-e-comunicacao--reflexos-na-organizacao-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Andrade, J. (2010). A Pragmatismo da Era Globalizada: O Difícil Equilibrio da Formação Para a Vida e a Formação Para o Trabalho. B.Téc.Senac: a R.Educ.Prof, 36(2), 79-87.

Andrade, M. M. (2003). Introdução à Metodologia de Trabalho Científico. (6 ed.). São Paulo: São Paulo.

Araujo, R. N.; Neto, M. T.; Ferreira, C. A. (2016). Estilos de Liderança e o desempenho dos liderados. XL ENANPAD, p. 2.

Arruda, L.; Quelhas, O. L. (2011). Desenvolvimento de Pessoas Para a Sustentabilidade: Uma Análise Comparativa das Ações Promovidas Por Empresas Brasileiras. B.Téc.Senac: a R.Educ. Prof, 37(2), 27-38.

Bennis, W. (1996). A Formação do Líder. São Paulo: Atlas.

Cardoso, P. A.; Amorin, M. C. (2010). Liderança e Âncoras de Carreira: Uma Experiência de Indentificação dos Perfis dos Líderes . Revista Pensan. Real., 25(XIII), 61-77.

Chalant, J. F. (1995). Quais carreiras e para qual sociedade? Revista de Administração de Empresas, 35(6), 67-95.

Chiavenato, I. (2003). Gerenciando Pessoas: como tranformar gerentes em gestores de pessoas. (4 ed.). São Paulo: São Paulo.

Corral, T.; Link, W. (2012). A Liderança é Global: crocriando um mundo mais humano e sustentável. (1 ed.). São Paulo: Senac.

Dutra, J. S. (1996). Administração de Carreiras - uma proposta para repensar a gestão de carreiras. São Paulo: Atlas.

Foroni, P. G.; Bianchi, E. M.; Quishida, A. (2015). Reflexões sobre o papel da liderança na gestão estratégica de pessoas. XXXIX ENANPAD 2015.

Freitas, M. E. (2007). Cultura Organizacional: Evolução e Crítica. São Paulo: Thomson Learning.

Furini, F. I. (1994). Liderança com Sucesso. São Paulo: Ibrasa.

Goldenbeg, M. (2009). A Arte de Pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em ciências sociais. Rio de Janeiro: Record.

Khouey, K. (2009). Liderança: é uma questão de atitude. São Paulo: Senac São Paulo.

Marconi, M. d.; Lakatos, E. M. (2010). Fundamentos de Metodologia Científica. (7 ed.). São Paulo: Atlas.

Martins, H. T. (2001). Gestão de Carreiras na era do Conhecimento: abordagem conceitual & resultado de pesquisa. Rio de Janeiro: Qualitymak.

Oswaldo, Y. (2015). Planejamento Estratégico e Autogestão de Carreira: contextos, desafios e desenvolvimento - atenção plena no sucesso. (3 ed.). São Paulo: Life.

Reddin, W. J. (1989). Eficácia Gerencial: tradução de Francisco Pisa. (1 ed.). São Paulo: Atlas.

Schein, E. H. (1996). Identidade Profissional: como ajustar suas inclinações a opções de trabalho. São Paulo: Nobel.

SENAC. (2005). Proposta Pedagógica. SENAC São Paulo, São Paulo.

Senac. (2016). Nd. Acesso em 25 de 06 de 2016, disponível em Senac: http://www.sp.senac.br/jsp/default.jsp?newsID= a724.htm&testeira=457

Vasconcelos, K. C.; Daniele Quintanilha Merhi; Vânia Maria Goulart.; Alfredo Rodrigues Leite da Silva. (2010). A Geração Y e Suas Âncoras de Carreira. Gestão.Org, 8, 226-244.

Abrahim, G. S. (2008). A Influência dos Valores Humanos na Determinação das Âncoras de Carreiras. 2008. 104p. Dissertação (Mestrado em Administração). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP, São Paulo.

Boas, O. T.; Davel, E. (2015). Liderança: Provocações conceituais, teóricas e epistemológicas. XXXIX ENANPAD 2015, p. 7.

Gonçalves, M. H.; Abaurre, N. W. (2007). Ética e trabalho. (2 ed.). Rio de Janeiro: Senac Nacional.